de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 10 Outubro , 2009, 23:32
BACALHAU EM DATAS - 42

[Error: Irreparable invalid markup ('<img [...] $r>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<div class="separator" style="clear: both; text-align: left;"><span style="color: #990000;"><em><strong>BACALHAU EM DATAS - 42</strong></em></span><br /></div><div style="border-bottom: medium none; border-left: medium none; border-right: medium none; border-top: medium none;"><br /></div><div class="separator" style="clear: both; text-align: center;"><a href="https://1.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/StEKy93gPbI/AAAAAAAAMu4/rQp_FvTFmWY/s1600-h/MARIA__FREDERICO__RD_.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;"><img $r="true" border="0" src="https://1.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/StEKy93gPbI/AAAAAAAAMu4/rQp_FvTFmWY/s400/MARIA__FREDERICO__RD_.jpg" /></a><br /></div><div style="border-bottom: medium none; border-left: medium none; border-right: medium none; border-top: medium none; text-align: center;"><span style="font-size: x-small;">Maria Frederico<br /></span><br /></div><div style="text-align: center;"><br /></div><div style="text-align: center;"><br /></div><div style="text-align: center;"><span style="color: red; font-size: large;"><strong>A FROTA DO ESTADO NOVO</strong></span><br /></div><br /><div style="text-align: justify;">Caríssimo/a:<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><span style="color: red;"><strong>1943</strong></span> - <em>«De acordo com o discurso oficial, nasceria a “Frota do Estado Novo”, de barcos fabricados de madeira nos estaleiros nacionais e por operários portugueses, do “tipo CRCB” um modelo caracterizadamente português. Caracterizavam-se as novas unidades da seguinte forma: comprimento total aproximado dos 54 m, deslocação de 1500 t, motor principal de 500 a 650 CV e motores auxiliares de 20 CV movidos a óleos pesados. Capacidade de carga de 720 a 780 t de bacalhau e uma tripulação de 60 pescadores e marinheiros. [...] Dos mais de 15.000 pinheiros calculados para o efeito em Abril de 1943 já tinham sido abatidos 7.000 árvores nos pinhais de Leiria. Apenas os motores viriam a ser adquiridos no estrangeiro, o que , em plena Guerra Mundial, foi visto à luz do discurso oficial como um triunfo dos negociadores portugueses.»</em> [Oc45, 112]<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><em>«Em 1943 seriam lançados à água outros navios de referência desse tipo: o BISSAYA BARRETO e o COMANDANTE TENREIRO, ambos de madeira e ambos armados pela Lusitânia, da Figueira da Foz.[3.º momento ainda da renovação da frota bacalhoeira nacional]</em>» [Oc45, 100] (Vd. 1939 e 1941) <br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">É fundada a Sociedade Gafanhense de Pesca, com dois barcos de pesca à linha e um arrastão, empregando à volta de 240 homens.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><span style="color: red;"><strong>1944</strong></span> - «<em>Servindo-se dos seus estaleiros privativos, localizados na Gafanha da Nazaré, a Empresa de Pesca de Portugal, L.da, lançou à água, em 1944, um lugre-motor em madeira, delineado para a pesca do bacalhau, o MARIA FREDERICO. Era um lugre de três mastros, com “linhas airosas”, dois castelos e proa americana, possuidor de 48 m de comprimento, 800 t de deslocação e capacidade para carregar perto de 1000 t de bacalhau. Este navio traçado pelo engenheiro construtor naval Valente de Almeida, ocupou na sua construção 100 operários, orientados por António Pereira da Silva, sócio da empresa armadora.»</em> [Oc45, 114/115]<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Neste ano de 1944, 11 dos 41 barcos da frota bacalhoeira eram provenientes da Figueira da Foz.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Entre 1939 e 1944 dos 1639766 quintais de bacalhau, 222806 foram pescados pela frota figueirense.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Manuel<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div>

Editado por Fernando Martins | Sábado, 10 Outubro , 2009, 23:07
[Error: Irreparable invalid markup ('<img [...] $r>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<div class="separator" style="clear: both; text-align: center;"><a href="https://1.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/StEFYwpeJ6I/AAAAAAAAMuw/PFc2viTQFBg/s1600-h/madreTeresa.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;"><img $r="true" border="0" src="https://1.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/StEFYwpeJ6I/AAAAAAAAMuw/PFc2viTQFBg/s320/madreTeresa.jpg" /></a><br /></div><div class="separator" style="clear: both; text-align: center;">Madre Teresa <br /></div><br /><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: center;"><span style="color: red; font-size: large;"><strong>O tesouro mais valioso é a pessoa humana</strong></span><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">A maior aspiração da pessoa humana é alcançar o tesouro mais valioso da sua vida. Como o jovem rico de que fala o Evangelho. Faz tudo o que está ao seu alcance. Comporta-se segundo as regras do tempo: no campo social, económico, familiar e religioso. É íntegro e honesto em tudo e para com todos. Mas algo lhe falta. <br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Corajoso, vence as resistências interiores e parte à procura. Confiante, corre para o caminho por onde Jesus passava. Ousado, aproxima-se e reconhece a excelência de quem lhe pode valer. Humilde, abre o coração, expondo a sua preocupação inquietante: Que hei-de fazer para alcançar a vida eterna?<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Este jovem “habita” em nós e manifesta-se de vez em quando. A sensação de que algo importante nos falta: a cura de certas feridas psicológicas e espirituais, a realização de sonhos apaixonantes, a capacidade de “segurar” o eterno da vida que vai escapando e nos convida a alargar os horizontes de Infinito. <br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">A corrida do jovem é também nossa. Há urgência de obter resposta, de encontrar o que se pretende, de saborear o que tanto se deseja. De contrário, a insatisfação abre as “fendas” do mal-estar, da ansiedade e frustração.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">“Um coisa te falta” – adianta Jesus na sua proverbial sabedoria. <br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Falta-lhe rever a sua relação com os bens a fim de ser livre. Falta-lhe abrir-se aos pobres e ser compassivo e solidário. Falta-lhe aceitar que por esta relação passa a sua realização pessoal definitiva. “Vai vender o que tens, dá o dinheiro aos pobres” e terás o tesouro definitivo da tua vida.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Ser livre é saber gerir os bens e não se deixar possuir por eles. É saber ser seu dono e não se sujeitar à sua tirania. É saber trabalhar com honradez e viver com sobriedade, abrir-se aos outros em sintonia afectiva, fazer suas as necessidades alheias e ajudar a minorá-las, sempre que possível.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Ser livre é cortar as “amarras” com que os bens prendem os seus possuidores e progressivamente os desumanizam. Ser livre é disponibilizar-se para servir em qualquer circunstância, amar os feridos e amargados, e progredir com eles nos caminhos de libertação.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">O tesouro maior da humanidade e da Igreja é o coração liberto, a inteligência desinibida e peregrina da verdade, a vontade firme e persistente na prática do bem. O tesouro mais valioso é a pessoa humana, chamada à plenitude do seu ser e conviver, que encontra em Jesus Cristo o modelo da sua auto-realização.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Georgino Rocha<br /></div>

Editado por Fernando Martins | Sábado, 10 Outubro , 2009, 12:25
Mais um Dia Mundial para nos fazer pensar na pertinência do tema "cuidados paliativos". A (quase) certeza do sofrimento, físico ou outro, nosso ou de quem nos rodeia, deve levar-nos a estar atentos para a informação necessária. Laurinda Alves, voluntária em Cuidados Paliativos, escreve sobre a sua experiência. Veja aqui.



Editado por Fernando Martins | Sábado, 10 Outubro , 2009, 10:24
[Error: Irreparable invalid markup ('<img [...] $r>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<div class="separator" style="clear: both; text-align: center;"><a href="https://1.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/StBSemtKsbI/AAAAAAAAMuo/M1eegIC566A/s1600-h/biotecnologia.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;"><img $r="true" border="0" src="https://1.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/StBSemtKsbI/AAAAAAAAMuo/M1eegIC566A/s320/biotecnologia.jpg" /></a><br /></div><div class="separator" style="clear: both; text-align: center;"><br /></div><div class="separator" style="clear: both; text-align: center;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Com a biotecnolgia o novo continente científico é o cérebro, e a pergunta é se, com os avanços neste domínio, o enigma do homem será finalmente superado ou se, pelo contrário, ele permanecerá. Grandes debates se travam entre as neurociências e a filosofia, precisamente por causa de temas candentes e incendiários, como a subjectividade, a autodeterminação, a vontade livre. <br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Sobre estas questões, o conhecido filósofo e professor da Universidade de Tubinga Manfred Frank acaba de dar uma longa entrevista ao alemão DIE ZEIT. O que aí fica reflecte esse debate.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">A questão da subjectividade pertence ao núcleo da reflexão humana. Embora algumas correntes filosóficas falem da sua dissolução, penso que o sujeito é ineliminável. Argumento, mostrando que a condição de possibilidade de objectivar - no caso do homem, de objectivar-se - é o sujeito, de tal modo que, por mais que objective de si mesmo, o homem nunca se objectivará completamente, já que continuará a ser o sujeito que (se) objectiva.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">M. Frank também afirma que nunca será possível reduzir a consciência e o espírito a processos neuronais, e isso "por razões de princípio". Há uma questão de princípio: como explicam as neurociências a passagem de processos físicos inconscientes a processos mentais conscientes? "Não é possível substituir o saber sobre nós mesmos por um saber objectivo sobre o mundo." A subjectividade cai fora do mundo, não pertence ao mundo dos objectos. <br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">O "eu" do autoconhecimento não é redutível àquilo a que nos referimos com nomes ou caracterizações. "A autoconsciência é um conhecimento único, reflexivo, no qual uma pessoa se refere conscientemente a si mesma, mas a si mesma em posição objectiva. Como poderia ela, porém, captar este eu-objecto como ela mesma enquanto sujeito, se, antes desta apresentação objectiva, não tivesse tido uma consciência inobjectiva de si?" Esta consciência inobjectiva quer dizer vivida, pré-reflexiva.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Permanece uma questão: "Quando identifico espírito com matéria, não identifico matéria com matéria." Trata-se como que dos dois lados de uma moeda, mas as condições de verdade do neuronal não se identificam com as do espírito: as primeiras encontram-se num tratado de fisiologia enquanto as dos estados mentais são verificadas introspectivamente, como viu Descartes. Isso é experienciado também ao nível do vocabulário, que é diferente para descrever o psíquico e o estado físico correspondente: não teria sentido exprimir a inclinação amorosa por alguém, descrevendo os processos electromagnéticos no cérebro. <br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">A tese de neurocientistas que afirmam não haver, por detrás do alegado livre arbítrio, senão processos neuronais, que determinam a vontade, contradiz não só a compreensão jurídica de responsabilidade mas também a nossa própria autocompreensão: queremos ser autores racionais de mudanças no mundo - tentamos "tomar decisões racionais".<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Para lá dos sistemas jurídico-penais, que pressupõem a liberdade, um exemplo. Suponhamos que alguém tropeça, sem querer, e, ao cair sobre outra pessoa, esta é apanhada por um carro e morre. Distinguimos muito bem esta situação daquela em que alguém empurra intencionalmente outra pessoa. E há esta virtude admirável: resistir moralmente à maioria. Os opositores ao Terceiro Reich "merecem o nosso sumo respeito", precisamente porque foram poucos e capazes de enfrentar a morte. Aí, "os neurocientistas têm muito para justificar no sentido de dar conta do correcto normativamente dessas decisões a partir de processos neuronais".<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Tudo o que é essencial, quando pensamos na humanidade, "vinculamo-lo ao pensamento da subjectividade e não à nossa representação do cérebro. São sempre pessoas, sujeitos, que consideramos como criadores de literatura, cultura ou religião". Afinal, "temos cérebros e somos eus". Daí poder formular-se o imperativo categórico de Kant nestes termos: "Nunca trates os seres humanos como coisas, mas sempre como sujeitos e pessoas." Se o mundo consistisse só em objectos, não haveria ninguém a quem dirigir o preceito: "Porta-te decentemente com os outros sujeitos."<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><a href="http://dn.sapo.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=1386425&amp;seccao=Anselmo Borges&amp;tag=Opini%E3o - Em Foco">Anselmo Borges</a><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div>
tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 10 Outubro , 2009, 10:15

tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 10 Outubro , 2009, 00:05
[Error: Irreparable invalid markup ('<img [...] $r>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<div class="separator" style="border-bottom: medium none; border-left: medium none; border-right: medium none; border-top: medium none; clear: both; text-align: center;"><a href="https://1.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/Ss_CNc1LFUI/AAAAAAAAMug/wIWK8TJ0qMs/s1600-h/VeleiroCanadiano.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;"><img $r="true" border="0" src="https://1.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/Ss_CNc1LFUI/AAAAAAAAMug/wIWK8TJ0qMs/s320/VeleiroCanadiano.jpg" /></a><br /></div><div style="border-bottom: medium none; border-left: medium none; border-right: medium none; border-top: medium none; text-align: justify;"><br />No seguimento da Regata dos Grandes Veleiros, realizada em 2008, com reconhecido sucesso que instituiu o Município de Ílhavo e o seu Porto de Aveiro com “friendly port”, vai estar entre nós mais um grande veleiro, o Concordia, pertencente a uma universidade privada do Canadá, a “West Island College International”.<br /></div><div style="border-bottom: medium none; border-left: medium none; border-right: medium none; border-top: medium none; text-align: justify;"><br /></div><div style="border-bottom: medium none; border-left: medium none; border-right: medium none; border-top: medium none; text-align: justify;">O “tall ship class A” - SV Concordia - chega ao Porto de Aveiro no próximo dia 14 de Outubro, quarta-feira, aqui permenecendo durante cinco dias (largada a 18 de Outubro), com visitas em horário a definir proximamente.<br /></div><div style="border-bottom: medium none; border-left: medium none; border-right: medium none; border-top: medium none; text-align: justify;"><br /></div><div style="border-bottom: medium none; border-left: medium none; border-right: medium none; border-top: medium none; text-align: justify;">A sua tripulação de 57 pessoas (dos quais 48 Alunos) terá um programa cultural e turístico durante o tempo da estadia, com centralidade no Município de Ílhavo.<br /></div><div style="border-bottom: medium none; border-left: medium none; border-right: medium none; border-top: medium none; text-align: justify;"><br /></div>

mais sobre mim
Outubro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9


19



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds