de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 01 Outubro , 2009, 20:24

Idosos felizes


Há idosos que nos dão lindos exemplos
de participação responsável
em vários sectores da sociedade


Há meses tive o prazer de ouvir duas professoras da Universidade de Aveiro numa abordagem às questões ligadas às pessoas idosas. Foi interessante, porque a ciência já começou, há muito, a debruçar-se sobre o envelhecimento, em resposta ao desafio lançado pelo crescente aumento da esperança de vida. As nossas sociedades têm cada vez mais pessoas de idade avançada, urgindo, por isso, ajudá-las a manterem a dignidade que merecem.

A terceira idade, forma simpática de se referirem às pessoas mais velhas, dá-nos, para já, a convicção de que podemos chegar à quarta idade, experimentando uma vida activa necessária e possível.

Confirmei, então, nessas conferências, que é preciso envelhecer bem, vivendo o presente com projectos de futuro adequados à situação de cada um. E ainda é garantido que temos muitos idosos que nos dão lindos exemplos de participação responsável nos mais diversos sectores das nossas comunidades.

Só mais uma palavra para os mais novos: valorizem os contactos com os mais idosos; eles podem ser uma preciosa ajuda na descoberta de valores que enformam vidas dignas; eles podem ser livros abertos para a construção do futuro; eles podem ser fontes de humanismo e de solidariedade.

FM

NOTA: Um leitor teve a gentileza de me recordar, por e-mail, que hoje também é o Dia Internacional das Pessoas Idosos. Como já tinha escrito sobre os dias da Música e da Água, estranhou que me não tivesse pronunciado sobre os Idosos. Acontece que não foi esquecimento. Tão-só a necessidade de descanso para  um “jovem” como eu me impediu de o fazer. Faço-o agora com todo o gosto.

FM




Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 01 Outubro , 2009, 15:43


A água é um bem precioso


A água é um bem precioso, mas não é inesgotável. Sobretudo a água boa para o consumo. Daí que se torne necessário utilizá-la com parcimónia, evitando a todo o custo poluí-la.

Isto é uma verdade indesmentível, mas nem sempre respeitada. Ainda há quem prejudique toda a humanidade, poluindo as fontes, os rios e os mares, enfim, a natureza que tudo nos dá, pedindo em troca, tão-só, cuidados que deviam ser seguidos por todos.

Contudo, estou convencido de que somente poderemos, verdadeiramente, tratar bem esse bem precioso, se um dia sentíssemos a sua falta. Em África, no Brasil e noutras paragens, onde escasseia a água potável, as populações vivem com o seu fornecimento racionado. Nessas circunstâncias, a abertura de um poço ou a construção de um depósito para guardar água são motivos de festa. Para pensar.

FM


Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 01 Outubro , 2009, 12:43



MÚSICA, a rainha das artes

Hoje, 1 de Outubro, é o Dia Mundial da Música. A rainha das artes, dizem muitos. Concordo. Quem não gosta de ouvir a música própria para cada momento? Música para a alegria, música para horas menos boas, música para cantar vitórias, música para tranquilizar, música para dançar, música para adormecer, música para despertar, música para a euforia, música para a tristeza, música para serenar, música para meditar, etc, etc. Não digo mais nada, porque toda a gente sabe que é assim. Mas sugiro a audição  de Magnificat de Bach.

FM

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 01 Outubro , 2009, 12:17

Platão

República, forma de governo aceitável


1. A história do pensamento e acção humanas regista momentos de avanços e recuos. Sendo as grandes descobertas científicas e técnicas autênticas alavancas em ordem ao futuro quer de cada geração quer do longo prazo humano, todavia, será no plano das ideias sociais que tudo se afirma decisivo. O aprender a viver com a diversidade de opiniões numa visão de conjunto social que respeite todos e cada um, sempre foi e será a meta final de qualquer conceito e proposta comunitária conceptualizada numa visão política. A grandeza da distância crítica em relação ao essencial de cada época dará a capacidade de nunca se absolutizar este ou aquele regime, esta ou aquela visão. Ao traçarmos o fio condutor sobre a história da humanidade, vemos regimes atrás de regimes, e tantas vezes os que vêm libertar posteriormente aprisionam…

2. Quantos males têm provido de absolutizações de realidades históricas, quantas ditaduras começando sempre levemente e mesmo por eleição democrática (Hitler foi eleito pelo seu povo) são reflexo do fechamento empobrecedor e indignificante. Os extremismos vários, os fanatismos políticos ou religiosos, as ideologias totalitárias do século passado já nos ensinaram que o “totalitarismo” como absolutismo histórico é contra-natura em relação ao potencial da beleza da diversidade humana… É sábia aquela frase de Winston Churchill (1874-1965) que diz que «a democracia é a pior forma de governo, excepto todas as outras que têm sido tentadas de tempos em tempos.» Neste pensar está-se sempre a repensar, a aperfeiçoar, a não absolutizar o dado histórico…

3. É em plena (nova) campanha e no meio de águas agitadas que ocorre a celebração do 5 de Outubro (de 1910) que pôs fim a um tempo e fez começar outro. Distância crítica em relação à república é bem vinda no sentido de ela ser a forma de governo aceitável não por si mesma mas se realizar determinadas condições… A ciência dos diálogos da República de Platão (séc. IV a.C.) assentava na ética e justiça. E a nossa?

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 01 Outubro , 2009, 12:07
"O literal é sempre desvalorizado. O que é subentendido e imaginado, mesmo através de um absurdo esforço criativo, ganha vida e relevância. O resultado prático é frágil - a realidade é teimosa, não cede facilmente -, mas o ruído consegue o efeito político pretendido: aumenta a confusão no país e, bem ao estilo recente da Presidência da República, lança mais interrogações e dúvidas assassinas para o ar. Afinal, houve ou não escutas e vigilância desencadeadas pelo partido do governo?"

André Macedo, no i
tags:

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 01 Outubro , 2009, 12:01
"Anda por aí a circular uma petição pela verdade desportiva, mas parece que ainda ninguém reparou que entre os signatários estão muitos dos que têm dado cabo do  futebol em Portugal. Deixem-se de fantochadas."

Alder Dante

In i de 30-09-2009

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 01 Outubro , 2009, 11:56


Na Praia da Barra, mesmo em frente ao Farol e junto à Meia-Laranja, há pedras com vida, batidas constantemente pelas ondas. Com vida, digo eu, porque suportam e alimentam a vida de arbustos, como a foto bem mostra. Passei  e não resisti. Aqui ficam as pedras, em jeito de quem convida a uma visita. Vá lá e olhe o nosso mar. Ontem estava sereno e límpido. Hoje deve estar igual... Não é que o Verão voltou?

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 01 Outubro , 2009, 00:20


“Há uma desmesura
que nos explica
como portugueses”


Clericalismo e Anticlericalismo

"Clericalismo e anticlericalismo são fenómenos coexistentes e próprios de uma sociedade confessional. A cristandade presumia que toda a sociedade era católica. A partir dos séculos XVII e XVIII, começa a dar lugar a esta sociedade, em que cada um foi requisitando para si a capacidade de decidir. O que embatia com a sociedade clericalmente tutelada. Esse anticlericalismo vai paredes-meias com a afirmação da autonomia. Outra vertente faz parte da exigência dos crentes de que aqueles que têm mais responsabilidades na Igreja também procedam de maneira mais conforme com essas responsabilidades. Já no século XVI isto se encontra numa figura tão crente como Gil Vicente, na crítica ao clero, que tem a ver com o contraste entre o que a pessoa se propõe e o que pratica. Há ainda quem tenha uma visão secularista da sociedade, que não quer qualquer espécie de clericalismo."

António Marujo

Leia toda a entrevista aqui

mais sobre mim
Outubro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9


19



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds