de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 23 Setembro , 2009, 22:25







Aspectos da festa
.
Mais de cem embarcações
participaram na procissão pela ria


Mais de cem embarcações participaram na procissão de N.ª Sr.ª dos Navegantes, no domingo passado, entre o Clube Stella Maris e o Forte da Barra, na Gafanha da Nazaré. O evento de fé, tradição e cultura foi organizado pelo Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré, e contou com a colaboração de entidades como o Stella Maris, a paróquia e a Administração do Porto de Aveiro.
Os três andores seguiram em três barcos diferentes. O barco de pesca “Jesus nas Oliveiras” carregou a imagem principal, a de N.ª Sr.ª dos Navegantes, que ao largo de S. Jacinto foi saudada por muitos populares, acompanhados de uma imagem com a mesma invocação e pela Banda local.
No Forte da Barra uns bons milhares de pessoas aguardaram a chegada do cortejo marítimo. Seguiu-se a Eucaristia, presidida pelo P.e Francisco Melo e um festival de folclore. Na celebração, perante autoridades e povo, comentando as leituras, o pároco da Gafanha da Nazaré realçou que a sabedoria de Deus não é antagónica em relação ao ser humano e notou que quem tende a absolutizar as suas concepções e formas de agir, cortando o diálogo, “está condenado ao fracasso”. Dirigindo-se à Sr.ª dos Navegantes, confiou-lhe “os que arrancam do mar o pão de cada dia”, as pessoas da Gafanha da Nazaré, pobres, doentes, crianças, idosos e as famílias, “sobretudo as mais desestruturadas”.
.
NOTA: Acompanhei, desde sempre, nesta segunda fase da sua existência, a festa em honra da Senhora dos Navegantes. E nunca perdi a oportunidade de presenciar a procissão pela ria, pelo colorido e alegria que ela proporciona. Este ano, porém, por razões especiais e inadiáveis, não tive esse prazer.
Desde domingo que tenho pensado na festa e no povo que a vive com entusiasmo. Por isso, não resisti a dar nota desta falta, que me levou a solicitar fotos para publicar no meu blogue. Aqui ficam elas, graças à colaboração gentil do meu amigo Jorge Pires Ferreira, director-adjunto do Correio do Vouga. Também fica o texto publicado naquele semanário diocesano.

tags:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 23 Setembro , 2009, 14:25


Aveiro acolhe
gente de várias paragens

1. Talvez haja que não ter medo da expressão valores de unidade. Esta, não existindo por si, reveste um conjunto de pressupostos princípios humanos fundamentais à prossecução dos objectivos mais nobres de toda a pessoa, instituição, comunidade. Se os tempos sociopolíticos são de valorização e assumpção sublinhada das diferenças, então por isto mesmo sejam destacadas as visões que, integrando as muitas diversidades, procuram lê-las ao serviço da unidade saudável. O ano escolar vai no seu início e a campanha das legislativas na sua fase derradeira. Antes e depois de todas as metas volantes estará a meta final da inclusão das pessoas concretas no seu tempo e espaço a que são chamadas a viver.

2. Aveiro acolhe gente de muitas paragens. Vindos de muito longe ou de mais perto, a afirmação desta terra como “lugar” cosmopolita obriga continuamente à capacidade de acolher e reunificar, no sentido da gestação de oportunidades para nos conhecermos e reconhecermos na diversidade de cada um. Recordamos o hábito sempre novo de há alguns anos no Natal se encontrarem à mesma mesa gentes da academia aveirense de mais de 30 países, da Ásia às Américas, da Europa à África lusófona e outra(s). A linguagem própria desses momentos revela o essencial da condição humana como desígnio de unidade do género humano, sejam quais forem as latitudes de proveniência.

3. Valerá a pena sublinhar que não é no nada nem no vazio que o “encontro” é possível. Este é revestido e comportado por um conjunto de valores estimulantes que representam e expressam o SER HUMANO no que há de mais belo e no que não passa. O nada e o vazio impedem a grandeza do apreciar o mais importante: as culturas como reflexo da viva poética existencial, a esperança humana universal como o sentir do sonho que comanda todas as vidas na procura do melhor de todos e cada um. Em início de ano escolar, valerá a pena reflectir-se e pensar-se sobre as condições e os valores para serem possíveis as unidades.

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 23 Setembro , 2009, 14:00

1944 – 23 de Setembro


Neste dia, do ano de 1944, realizou-se uma manifestação pública, com uma memorável sessão no Teatro Aveirense, em que se evidenciou o regozijo das populações pela decisão do Governo em dotar a Junta Autónoma da Ria e Barra de Aveiro com um substancial subsídio para a construção da segunda fase das obras do seu porto.

Fonte: Calendário Histórico de Aveiro

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 23 Setembro , 2009, 13:42
Ora aqui está um belíssimo programa de governo


Ora aqui está um belíssimo programa de Governo. E andam os partidos políticos a encher folhas e mais folhas de papel com as suas propostas, repletas de banalidades, no sentido de melhorar a vida das pessoas. Em meia dúzia de linhas, este advogado fiscalista apresenta o essencial…

FM

“Para melhorar Portugal era essencial existir mais formação cívica e moral das pessoas, um maior respeito pelo trabalho e esforço individual, uma luta séria contra a corrupção e a extorsão, uma desburocratização estrutural, a redução geral de impostos para premiar pessoas e empresas que criam riqueza e um maior pragmatismo nas decisões políticas e económicas do país.”

Tiago Caiado Guerreiro

In jornal i de 22-09-09
tags:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 23 Setembro , 2009, 12:20


Boa reflexão de D. António Marcelino,
importante, penso eu,
para lhe associarmos o dia lindo
que temos hoje

Leia tudo aqui, no espaço de Opinião

"Cada pessoa tem a sua história. Mas a sua vida está traduzida em expressões, atitudes, modos de ser e agir, que, sendo diferentes, denunciam, normalmente, uma continuidade com semelhanças e sem roturas de maior. Nesta roda da vida em que todos circulamos, ninguém é igual a ninguém, ninguém esgota a escala da perfeição possível, ninguém substitui ninguém, ninguém está a mais. Porém, todos somos, por virtudes e defeitos, da família de todos, ao contrário de indiferentes ou desconhecidos."

António Marcelino

mais sobre mim
Setembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds