de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 16 Setembro , 2009, 20:16

Todos os projectos de comunicação são úteis. Basta que ofereçam contributos à construção dessa característica fundamental da pessoa humana: a relação.
Por esta perspectiva passa o trabalho de muitos projectos mediáticos. Também os que dependem, pessoal ou institucionalmente, da Igreja Católica em Portugal.
As recentes Jornadas Nacionais das Comunicações Sociais constituíram prova disso: pela presença de mulheres e homens apostados em propor a toda a sociedade o Evangelho pelos meios de comunicação, pela partilha de diferentes metodologias para comunicar, pelo desejo de ver novos e diferentes projectos audiovisuais a concretizarem-se entre nós, pela busca do trabalho profissional e sobretudo pela constatação do que já se oferece à história da comunicação por imperativos missionários. Aí se incluem projectos pessoais, disseminados pelas redes, ou posturas institucionais, representativas de um todo, que podem chegar aos receptores em qualquer soundbyte mediático.
Esta prioridade oferecida à comunicação acontece em diferentes funções: naquelas que têm por objectivo a comunicação institucional, nas que cumprem um desejo de comunicação em proximidade, nas que geram grupos virtuais e nas que se jogam no palco mediático generalista. E em todas segundo critérios de profissionalismo próprios, tão distantes quanto as ferramentas e metodologias comunicativas: dependem da natureza e dos objectivos da instituição que se quer em comunicação, estão em sintonia com a identidade histórica exigida pelos leitores dos meios regionais e locais, obedecem às gramáticas da comunicação em rede e ombreiam com as demais empresas ou agentes da comunicação quando as mensagens se lançam nos areópagos audiovisuais.
Diferentes funções e ferramentas da comunicação, mas todas necessárias. Palpites sobre o que depende de outros também são precisos. Mais ainda contributos efectivos, concretizados na multiplicidade de presenças mediáticas, pessoais ou institucionais.
.
Paulo Rocha


Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 16 Setembro , 2009, 14:09

O Sangue de Mártires
Fecunda a Seara
.

O Padre Miguel Lencastre, que ontem também celebrou os 50 anos do anúncio de que seria presbítero, não podia deixar de estar presente na abertura do Jubileu dos 50 anos da entrada de Schoenstatt em Portugal. E fê-lo após o regresso de Friburgo, na Suíça, onde aconteceu essa decisão. Ali se havia deslocado para celebrar com colegas data tão marcante para a sua vida.
Ontem, na eucaristia presidida por D. António Francisco, apresentou o testemunho da caminhada de fé, com destaque para a recordação, ao jeito intimista, da descoberta da sua vocação, há meio século. No final, ouvi-o, ainda, para o levar até aos seus amigos, schoenstattianos e não só.
.
- Que espera deste Jubileu?
- Um jubileu é sempre um ano de graças; não é só um ano festivo, mas vai ser um ano muito abençoado.
 - Como assim?
- Sabemos isso através da Bíblia, em que houve jubileus muito abençoados. É o que nós esperamos para este ano.
- Será um ponto de partida?
- Vai ser um ponto de partida para uma fase de grandes esperanças. E o Ano Sacerdotal, curiosamente, coincidente com os 100 anos do nosso Pai Fundador, será, para o nosso Movimento, uma nova primavera.
- O Movimento passou por períodos difíceis…
- Claro. O nosso Movimento tem sido muito provado, um pouco por todo o lado, ao longo dos tempos, mas eu tenho a certeza de que, com este impulso do Ano Jubilar, tudo vai melhorar.
- Os cristão também foram e são perseguidos…
- O sangue dos mártires fecunda a seara.
.
FM

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 16 Setembro , 2009, 13:56
Padre Miguel e D. António Francisco
.
Saibamos ser exemplo
do espírito que daqui irradia



“Na expressão da gratidão da diocese, quero deixar a alegria de hoje iniciarmos as celebrações jubilares e vivermos este ano com particular entusiasmo, tornando mais divulgada a mensagem que daqui recebem, cada vez mais centralizada na peregrinação daqueles que procuram a serenidade, a paz e o silêncio na oração, no encontro, no acompanhamento espiritual, nesta presença do louvor perene a Jesus Cristo, solenemente exposto em adoração”, afirmou ontem, 15 de Setembro, na homilia celebrada no santuário diocesano, em ambiente de festa, D. António Francisco dos Santos, Bispo de Aveiro.
Concelebraram padres do Arciprestado de Ílhavo e outros, directa ou indirectamente ligados ao Movimento Apostólico de Schoenstatt, sendo de assinalar a significativa participação do Padre Miguel Lencastre, “uma das referências maiores da presença de Schoenstatt na nossa diocese ”, como sublinhou D. António.
Referindo que uma das expressões maiores do carisma de Schoenstatt é a valorização da causa da família, D. António Francisco lembrou que, “se em algum momento foi importante este serviço, se foi oportuno este zelo e esta dedicação, são, certamente nestas circunstâncias e no nosso tempo, mais preciosos e apreciados estes valores”.
Dirigindo-se às famílias, o Bispo de Aveiro pediu-lhes que saibam ser exemplo do “espírito que daqui irradia”, testemunhando com coerência “o amor abençoado no mundo e sinal transformador da sociedade do nosso tempo”. A Igreja aveirense "confia-vos essa missão e agradece-vos este testemunho”, referiu D. António.
Com o salão cheio de membros e amigos do Movimento de Schoenstatt, de Aveiro e de outras zonas ligadas a este santuário da nossa diocese, onde se venera Nossa Senhora – Mãe e Rainha Três Vezes Admirável de Schoenstatt –, a eucaristia, presidida por D. António Francisco, foi marco importante da abertura do Jubileu dos 50 anos da entrada daquele Movimento Apostólico na nossa diocese e em Portugal. Mas o prelado aveirense lembrou, com oportunidade, que todos ali estávamos, ainda e fundamentalmente, “pelo anúncio do Evangelho e pela causa do Evangelho, abençoados por Maria”, para agradecer ao Senhor e a todos quantos, ao longo destes 50 anos, deram vida a este santuário e a este centro, “com a sua generosidade, com a sua dedicação e com o seu testemunho”.
Louvou os que souberam fazer convergir para aqui “os seus pés de peregrino”, irradiando a devoção a Nossa Senhora, sendo “presença abençoada de Deus, neste doce encanto de Maria Mãe Admirável”. E acrescentou: “Sejamos dignos de todos quantos, ao longo do tempo, aqui afirmaram o testemunho da sua fé, da sua dedicação e da sua consagração.”
.
Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 16 Setembro , 2009, 09:53
:
A Campanha Desceu das Televisões às Ruas
.


1. A campanha eleitoral desceu das televisões às ruas. A maratona este ano tem direito a prolongamento, depois das legislativas seguem-se as eleições autárquicas. Em tão longas jornadas, terão de existir razões de sobra para debates sérios pois esclarecedores das visões de sociedade e dos programas correspondentes. Não se podem perder (mais) oportunidades, pois sempre que iniciam as campanhas (e este ano até iniciam com a vida escolar!) sublinham-se os apelos à ética do debate, à re-ligação da sociedade às visões políticas, ao procurar vencer as indiferenças e as descredibilizações que com o passar dos tempos as linhas políticas vão arrastando… Talvez este pedido seja optimista demais em relação a uma certa realidade viciada em que se tornou o debate público de ideias... Estará, ainda, para chegar o líder que prefira a consistência à intriga?!
2. Não se poderá ter a tentação de fazer juízos prévios nem precipitados, mas a primeira parte da campanha (a pré-campanha), que este ano teve debates (só) entre as lideranças parlamentares, dois a dois, primou pela procura do empate. Por um lado um empatar analisado quase ao jeito de quem procura os pequenos deslizes para vencer mais o outro que as ideias que ele representa, por outro uma acérrima procura em descortinar e acentuar o «descubra as diferenças». Claro que, mesmo na mais cintilante isenção, nunca se conseguirá (nem tal interessará) um unanimismo que paralisa. Todos pensarem sobre tudo da mesma maneira seria reflexo de asfixia intelectual que não interessa. Mas, primar por um certo radicalismo de dar o passo em frente na procura de mostrar as diferenças, sejam elas quais forem…, também é sinal menor.
3. Se nas campanhas de rua andam muitas artilharias e grandes investimentos, facto que já se tornou tradição, então que a sua aplicação possa ser sinal de procura de mais e melhor. A contraposição irritada como primeira bandeira diz o quanto continuamos longe da expectativa de uma cidadania política arejada.
.
Alexandre Cruz
tags:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 16 Setembro , 2009, 09:40
_
Sempre há cada cábula!...
.
É FRANCÊS E NÃO PERCEBO NADA
.
- Não, não entendo nada do que ele diz! É Francês e não percebo nada.
Foi esta a frase proferida por aquela mocinha de carinha laroca e uma auto-estima bem posicionada.
Encontrava-se a ajudar o pai, na banca de venda, no mercado municipal, ali na cidade ao lado.
Tendo assistido a esta tirada da miúda e calculando que na sua tenra idade ainda a estaria a frequentar escola, inquiri:
- Então a menina não anda na escola, ainda?
Claro que sim, mas não sei nada de Francês. Nem desta língua nem de nada!
Dizia isto com ar displicente e a convicção de quem já sabe desfrutar da vida e aprendeu a lei do desenrascanço.
Enquanto se descartava da responsabilidade de ter de atender o cliente do pai, em Francês, ia atirando a título de desculpa, que apesar de tanta ignorância tinha passado todos os anos.
Com quinze anos, duma vida iniciada no sistema de ensino que mais se assemelha ao nacionalporreirismo, que tudo facilita e tudo consente. Ia subindo na escala hierárquica da formação académica portuguesa, revelando uma iliteracia confrangedora. Completara o 9.º ano e iria ingressar no 10.º, já neste mês de Setembro deste ano lectivo.
Perante esta tirada de “sabedoria”, interroguei-a:
- És tu que não sabes... porque não estudas nada, ou são os teus professores que nada te ensinam?
Era uma aluna cábula, que anda na escola só para passar o tempo e lá vai deitando mão dos estratagemas que vão surgindo: as cábulas.....
Com aspecto de quem promete vir a ser um bom vivant, a criaturinha de ar determinado num palminho de cara, ia construindo o futuro, trôpega, sem consistência na sua formação académica e humana, mas lá ia coxeando, tal qual um ancião que já gastou as suas energias na longa caminhada da vida.
Eu que ia ouvindo e reflectindo, pensava com os meus botões: aqui está a caricatura do que é o sistema de ensino em Portugal. Não se estuda nada, não se faz nada... mas no fim, há o prémio para quem pelo menos sabe desenrascar-se. Esses que têm essa propensão e a vão treinando na escola, certamente vão ser pessoas bem sucedidas no futuro! Se os ensinamentos vêm de cima, temos na cena política os melhores exemplares. E...não subiram tanto na vida, que chegaram ao topo da carreira, sem sequer terem concorrido a titulares?
.
M.ª Donzília Almeida
07.09.09

mais sobre mim
Setembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds