de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 07 Setembro , 2009, 23:31

Ruy de Carvalho


Ama o teu próximo com a ti mesmo

Em entrevista ao Expresso («Actual»), Ruy de Carvalho evoca os ensinamentos de Cristo, fala da sua relação com a Igreja Católica e lembra o lugar onde se sentiu "mais pequenino". Excerto:
Esta entrevista começou por causa das frases que não se esquecem. Mas ainda não disse se há alguma que diga muito sobre a sua vida?
Uma frase que tenha a ver com o contacto com os meus semelhantes?
Sim.
Ama o teu próximo como a ti mesmo.
Isso é cristão.
Eu sou muito cristão.
Mas não é católico praticante.
Não sou. Talvez tenha sido. A minha mulher [Ruth de Carvalho] era. Mas também era filósofa e estudava a história das religiões. Era formada em História e Filosofia. Tenho muita fé, mas não sei se é na Igreja Católica ou se é noutra igreja qualquer. Acredito que há um ser superior, que toma conta de nós.
Ler mais aqui


Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 07 Setembro , 2009, 16:52
Quatro momentos da peregrinação



Peregrinções do Stella Maris
vão continuar até 2012

Esta foi a segunda peregrinação de bicicleta a Fátima, com organização do Stella Maris, da Obra do Apostolado do Mar. Participaram 14 ciclistas e duas acompanhantes, para o apoio sempre indispensável, que estes peregrinos não são profissionais dos pedais, com o intuito de criar unidade entre amigos daquele clube, vocacionado para a ajuda espiritual, religiosa e social aos homens do mar e da ria, bem como às suas famílias.
Segundo o diácono Joaquim Simões, director do Stella Maris, esta iniciativa pretende também dar a conhecer a importância do Apostolado do Mar, na Diocese de Aveiro, com diversos arciprestados ligados ao sector lagunar e marítimo, de forma directa ou indirecta. Considera este dirigente que o clube só poderá ser mais útil se for mais conhecido e mais compreendido.
Conforme nos testemunhou, a viagem decorreu muito bem, mas fez questão de sublinhar que uma peregrinação de bicicleta ao santuário de Fátima “não é pêra doce”. De qualquer forma, importa salientar que o espírito de sacrifício foi assumido com grande ânimo, patente durante todo o trajecto. É objectivo da direcção desta instituição da Igreja Católica continuar com as peregrinações, pelo menos até 2012.
FM

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 07 Setembro , 2009, 16:19



Era uma alegria o início do ano lectivo
.
Era o título de um texto do compêndio de Francês, do ensino liceal, em meados do século passado. Na altura em que se aprendia a valer e se ensinava por gosto, era uma alegria o início do ano lectivo.
Os alunos que prosseguiam estudos, iam rever os seus colegas de anos anteriores, saborear momentos de agradável convívio, camaradagem, sem os meios sofisticados e apelativos de que a Escola de hoje dispõe. A escola era o local das aprendizagens para a vida, a todos os níveis, não tinha a dimensão de recreio alargado que hoje lhe querem atribuir! Bons velhos tempos, que nada dizem a estas gerações do fast food, para quem o papel higiénico brota da parede e os frangos de aviário saltam directamente do supermercado para o prato, sem sequer terem passado, por um campo, onde pudessem esgaravatar! Este termo é desconhecido da maior parte dos nossos jovens, que noutros tempos até o usavam numa pluralidade de sentidos! Nas Gafanhas de antanho, significava lutar pela vida, procurar o sustento, tal como a galinha faz no chão.
Mas deixemo-nos de saudosismos estéreis e passemos à ordem do dia – La Rentrée, pelo menos para a classe docente que hoje se apresentou nas escolas, retomando o serviço. Hoje em dia, este termo aplica-se a uma série sectores de actividade, demarcando bem o período de interrupção, para alguns, denominado de férias. A palavra soou a música enquanto durou e cada um utilizou esse tempo, da forma que mais lhe aprouve!
Agora, o tempo é de retorno ao trabalho e isso está bem patente por toda a parte: nos hipermercados que têm agora o seu S. Miguel na venda de material escolar. Nas famílias com descendentes em idade escolar, fazem-se contas à vida, revêem-se orçamentos, para que nada falte aos alunos.
Os políticos, regressados de férias redobram esforços, no sentido de angariar simpatizantes e votantes nas eleições que se avizinham. Até o governo, numa tentativa de conquistar as boas graças dos docentes, vem acenando com a promessa generosa de colocar um batalhão de professores que se angustiam com um futuro negro ou o espectro do desemprego. Nunca houve tão grande número de colocações de professores, como promete o ministério, este ano, a um escasso tempo das eleições. Será? Ficam aqui as palavras de Tomé: ver para crer!

Mª Donzília Almeida
01.09.09
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 07 Setembro , 2009, 14:01
No Rossio, 19 de Setembro,
festa para toda a gente

Rossio
.
Estamos a cerca de duas semanas da realização da Festa dos Amigos e Vizinhos - 250 anos de Estórias na Ria - 19 Setembro,  no Rossio. Trata-se de um evento promovido pelos Amigos d’ Avenida e por um conjunto de cidadãos de Aveiro, inserido nas comemorações dos 250 anos da cidade.
Esta festa é o culminar de seis meses de actividades deste movimento, tendo como um dos objectivos a promoção da reflexão sobre as transformações da cidade, em particular do seu espaço público, e o desenvolvimento de actividade experimentais de animação do espaço.
Todos os aveirenses, e não só, estão, por isso, convidados.
Ver Programa aqui

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 07 Setembro , 2009, 13:49
1788 - 7 de Setembro

Joana Rosa de Jesus, mais conhecida por Joana Maluca, nasceu nesta data. Faleceu em 1878, com 90 anos de idade.
Leia mais aqui

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 07 Setembro , 2009, 12:43
A propósito de Uma Ideia para Portugal, em que apresentei a proposta de Patrícia Reis, lembrei-me desta sua frase. Aqui fica ela.
“Acredito que há sinais da Graça de Deus todos os dias. Deus está nisso tudo. Não é aquele Senhor de barbas brancas sentado lá em cima a olhar para mim à espera que eu faça asneiras. Somos demasiado pequenos para que Ele olhe para cada um individualmente, por isso vivemos nesse silêncio de Deus que é um silêncio aparente. Ele vai-se manifestando. Basta ter atenção.”


Patrícia Reis, autora do livro Silêncio de Deus
Citada no livro Janela do (in)finito, de Anselmo Borges,
por Guilherme d’ Oliveira Martins
tags:

mais sobre mim
Setembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds