de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 30 Agosto , 2009, 22:30
Nossa Senhora da Nazaré


Teve lugar hoje, na igreja matriz da Gafanha da Nazaré, a festa em honra da nossa padroeira. Foi uma festa simples, mas bastante significativa, organizada pela Irmandade de Nossa Senhora da Nazaré, que tem por missão promover o culto à Virgem Maria, como lembrou, na missa solenizada das 11.15 horas, o Prior da Freguesia, padre Francisco Melo.
Gostei muito de participar nesta eucaristia, presidida pelo nosso Bispo, D. António Francisco dos Santos. Igreja cheia, coral dirigido por Cristina Ribau e acompanhamento musical da Filarmónica Gafanhense, onde sobressaiu a escolha dos cânticos e a harmonia do conjunto.
D. António elogiou a participação de todos e a urgência de se apostar numa comunidade, com projectos em sintonia com o Plano Diocesano de Pastoral.
O nosso Bispo ainda deu posse ao novo vigário paroquial, padre César Fernandes, que os gafanhões já conhecem e cuja dedicação apreciam.
À tarde realizou-se a procissão, com irmandades, instituições paroquiais, músicas e muito povo, que percorreu o trajecto habitual, passando pelo Cruzeiro.
Não houve festa profana. Sei que o povo gosta de festa, também com conjuntos musicais, comes e bebes, barracas de bolos e de quinquilharias, arraial e foguetes. Não sei se é bom ou menos bom ficar-se simplesmente pela festa religiosa. Em tempo de crise, económica e social, penso que a opção deste ano se justifica perfeitamente. Outros dirão que não. Gostos não se discutem. Mas cá para mim, que já tenho boa idade para pensar com calma, concordo com a festa religiosa apenas. Há bastantes festa musicais e outras que a Câmara de Ílhavo patrocina ou organiza.
Mais um apontamento, sobre a Irmandade de Nossa Senhora da Nazaré. Por sugestão do padre João Ferreira Sardo, a irmandade foi criada em 22 de Agosto de 1902, conforme alvará emanado do Governo Civil. Depois, os Estatutos foram aprovados pelo Bispo-Conde de Coimbra, D. Manuel Correia de Bastos Pina, em 4 de Maio de 1903. Ainda não tinha sido criada a paróquia. Pertencíamos, então, àquela diocese. A Diocese de Aveiro foi restaurada em 11 de Dezembro de 1938.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Domingo, 30 Agosto , 2009, 15:34

Hoje, manhã cedo, na Costa Nova, a sensibilidade do Carlos Duarte captou esta contraluz para seu e nosso deleite. É como um poema que na aurora brota, saltitante, da nossa imaginação para a luz do dia. E a safra dos pescadores, madrugadores, dá-nos, a cada momento, o estímulo de que precisamos para o cântico matinal, impregnado da alegria de viver.

Editado por Fernando Martins | Domingo, 30 Agosto , 2009, 09:52
BACALHAU EM DATAS - 36



MESTRE MÓNICA

Caríssimo/a:

Aproximemo-nos de uma das nossas mais gradas figuras – certamente Mestre Manuel Maria estará entre os “dez mais” da nossa Comunidade.
Sirvamo-nos de duas transcrições da revista «Propaganda Industrial», de 1957.
A primeira pretende ser um retrato tirado na comemoração do “LXX aniversário da fundação dos Estaleiros Mónica”:

«Manuel Maria Bolais Mónica nasceu em Ílhavo em1889, sendo filho do construtor de barcos José Maria Mónica, que durante anos e anos trabalhou afincadamente nos estaleiros de seu pai, em Gafanha, onde, traçando planos de embarcações que, depois de construídas, seguindo sempre a feição tradicionalista, eram lançadas à água. Passava-se isto no tempo em que as fainas se prolongavam pela noite fora e eram iluminadas a archotes de alcatrão.
Em 1910, o Pai Mónica entendeu aproveitar a colaboração dos seus dois filhos, Manuel e António, que deveriam ser os continuadores da sua obra. Foi assim que, apenas com 21 anos de idade, Manuel Maria iniciou a sua carreira de construtor naval em que obteria plena consagração.
Perito na construção em madeira, das suas mãos privilegiadas e competentes, saíram já muitas dezenas de navios de linhas airosas, altos panos e borda firme: traineiras, cargueiros, bacalhoeiros, lugres, rebocadores, lagosteiros, etc..
Construiu o Mestre nos seus estaleiros, até hoje [1957], 85 unidades. Na sua especialidade – construção em madeira – são os Estaleiros Mónica considerados hoje como um dos melhores da Europa, senão o primeiro.
Em 1942, a quando da construção de 6 caça-minas para o Almirantado Britânico (Port PatriK, Port Belo, Port Reath, Port Stanlley, Port Royal e Port Patroch), foram confirmados os seus méritos e a qualidade dos trabalhos ali realizados pelos Engenheiros Dobson, do Almirantado Britânico, e Dicson, dos Loyds de Londres, que, na homenagem prestada ao construtor e seus colaboradores, tiveram palavras de elogio que a modéstia, aqui, não deixa reproduzir.
Mestre Manuel Maria é agraciado pelo Governo da Nação com as insígnias de Mérito Industrial e Cruz de Cristo.
Pretendeu o Mestre iniciar nos seus estaleiros a construção de navios em aço, mas o alvará que lhe foi concedido em 1945 concedia-lhe a respectiva licença, mas a título precário e provisório,sem direito a indemnização. Desgostoso, em 1947, resolveu encerrar o trabalho dos estaleiros, que estiveram paralisados durante cerca de 5 anos, pois só em 1952, a pedido da Parceria Marítima Esperança, reiniciou os seus trabalhos na construção dos navios Ilhavense II e Celeste Maria.
Mestre Mónica para melhor apetrechamento dos seus estaleiros, foi a Inglaterra, onde adquiriu uma doca flutuante de betão armado, para o serviço da frota bacalhoeira do porto de Aveiro, a segunda do País. Esta doca tem o comprimento total de 65,90 m. e a largura máxima de 19,45 m. e permite a docagem da maior parte dos navios entrados neste porto de pesca. [...]
Actualmente tem em construção os seguintes navios: Nau de S. Vicente, para a expansão comercial portuguesa nos estrangeiro; Novos Mares, para a pesca do bacalhau, e Helena Vilarinho, para a pesca de arrasto.
Nos seus estaleiros trabalham presentemente 250 operários especializados, o que nos permite avaliar a grandeza das construções em curso.»

A segunda é um hino:

«Parece-me que respiro melhor, quando vou à Gafanha benzer os barcos de Mestre Mónica. Mas não é só o ar da ria que tem o dom de nos abrir os pulmões. É não sei que fulgor de abundância, de riqueza nacional, de vitorioso progresso que por ali passa e nos bate em cheio no peito. É um milagre de beleza que Mestre Mónica sabe extrair de troncos rudes, de matéria informe. Quando passam os carros a gemer sob o peso morto daqueles pinheiros, quem imagina a elegância e a majestade, a doçura e a força, a maravilha e arte que dali vão sair!
Vai Ilhavense; vai Santa Joana; vai, Santa Mafalda; vai, Avé -Maria, desce imponente a húmida calha, entra nas águas, encanta os mares, recolhe a presa, e depois, ao regresso, entra airosa na barra, ao som da orquestra, ao flutuar das bandeiras, à alegria das multidões!
.
Aveiro, 5 de Abril de 1957
.

+ João Evangelista,
Arcebispo-Bispo de Aveiro
»

Manuel

mais sobre mim
Agosto 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds