de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 29 Agosto , 2009, 21:54


O múnus de servir o Povo de Deus que me foi confiado e de anunciar a Boa Nova do Reino no coração do mundo do nosso tempo e o imperativo de prepararmos desde já o novo Ano Pastoral no quadro do nosso Plano Diocesano de Pastoral tornam necessário e urgente prover as Estruturas diocesanas, os Serviços pastorais e as Paróquias da Diocese de pastores generosos e de servidores dedicados.

A ordenação de um novo presbítero, o primeiro desde que fui chamado a servir a Igreja Diocesana de Aveiro, e a ordenação de seis diáconos permanentes mobilizaram e encheram de alegria toda a Diocese e constituem para cada um de nós um sinal de confiança no futuro e uma bênção de Deus que devemos agradecer e merecer.

Este sinal de esperança não nos faz esquecer a escassez de Clero nem nos dispensa de recorrer à cooperação de Igrejas irmãs e de Congregações religiosas mas ajuda-nos a olhar o horizonte da missão com espírito fortalecido e generoso, anima-nos a investir com confiança e com determinação no Seminário e na Pastoral Vocacional e incentiva-nos a trabalhar em toda a Diocese com renovado entusiasmo e com fundada alegria, certos de que Deus não faltará à sua Igreja com os trabalhadores necessários.

Ver todo o documento aqui

Editado por Fernando Martins | Sábado, 29 Agosto , 2009, 15:46

A idade é culpada de muita coisa, boa e menos boa. Se olhar bem, penso que o bom sobreleva o menos bom. Ainda bem.
Este mês de Agosto, dos muitos que já vivi, este terá sido o pior. Raros foram os dias em que me senti com calor ou com temperaturas amenas. De manhã, quase sempre registei um ventinho agreste e céu com nuvens mal-encaradas, que me obrigavam a procurar um sol directo que me levasse a dispensar os agasalhos próprios do Inverno. Só em casa me via garantidamente confortável. Daí o facto de me refugiar na leitura e na escrita, com fugazes passeatas para me deleitar com o agradável encontro com o mundo em férias ou sem férias.
Tomei nota da falta de muita gente, talvez pressionada pela crise que os órgãos de comunicação social nos traziam à memória a todo o momento, na impossibilidade, certamente, de outros temas ou de imaginação para os descobrir. De modo que tive pena de viver um Agosto tão chocho, pese embora o constante prazer que vivi com familiares e amigos, que tiveram a paciência de me acompanhar.
E quando desabafava, recordando férias de antanho, com a família toda à minha volta, que o frio, o vento e o desconforto que o triste tempo me dava, alguém comentou, assertivamente: Isso é por causa da idade. Se calhar até é.

Fernando Martins
tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 29 Agosto , 2009, 15:03
Palheiro de José Estêvão


"Eça de Queirós descreveu a Costa Nova, em 1883, como "um dos mais deliciosos pontos do globo". Nas férias costumava frequentar um "excelente chalé", a casa que ainda hoje existe e é conhecida como o palheiro de José Estêvão. Eça elogiava "a brisa, a vaga, a duna, o infinito e a sardinha" da Costa Nova, mas faltava- -lhe uma condição suprema para a ins- piração: "um quarto isolado com uma mesa de pinho", como referiu numa carta ao seu amigo Oliveira Martins."

Leia mais no i de hoje

Editado por Fernando Martins | Sábado, 29 Agosto , 2009, 13:03
Claudete com seu marido, Gaspar Albino, numa entrevista para a tv

Chegou-me hoje a informação do falecimento de Claudete Albino, esposa do meu bom amigo Gaspar Albino. A morte nunca é esperada e longe estava eu de receber esta triste notícia. A dor, seja para quem for, não pode ser ignorada, sobretudo pelos amigos. O seu funeral será na próxima segunda-feira, pelas 11 horas, na capela funerária da Misericórdia de Aveiro.
Muitos gafanhões devem recordar a professora Claudete que leccionou, no início da sua vida profissional, na Escola da Cambeia. Depois, mais tarde, licenciou-se em Direito. Porém, a sua grande paixão, tanto quanto fui percebendo, foi a cultura artística. Pintava com grande sensibilidade, mas também fotografava com arte.
Recordo que a artista Claudete organizou, com o marido, também artista multifacetado, a primeira exposição de artes plásticas, promovida pela Comissão Diocesana da Cultura, tendo notado, nessa altura, a sua capacidade de diálogo e a sua visão para levar por diante um trabalho com muita qualidade.
Acompanho na dor os seus familiares, em especial o meu amigo Gaspar Albino, na certeza de que ele sabe que voltará a estar com a sua Claudete, um dia, no seio da paz de Deus.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Sábado, 29 Agosto , 2009, 12:45



Na França, talvez o país europeu mais laico, não há receio de debater, ao mais alto nível e publicamente, com a participação de alguns dos filósofos hoje mais influentes, a questão da religião e, concretamente, do cristianismo. Assim, realizou-se na Sorbonne, em 2008, um debate sobre o tema em epígrafe, de que resultou um livro, acabado de editar, com o mesmo título: La tentation du christianisme.

É que - lê-se na introdução - não se pode esquecer que "a religião foi durante muito tempo a nossa cultura e continua a sê-lo, mesmo sem darmos por isso. Sem uma reapropriação lúcida e esclarecida dessa herança, é grande o risco de ver ressurgir os demónios do passado": os fundamentalismos e "um materialismo hiperbólico".

A filosofia leva consigo três perguntas fundamentais, como disse Kant: Que posso saber?, que devo fazer?, que me é permitido esperar? No fundo, o que as atravessa é a questão do Homem e do sentido da existência. Há uma teoria, que responde à pergunta pela realidade global enquanto lugar onde se joga a existência humana. Há uma ética, que pergunta pelas regras do jogo. A terceira pergunta tem a ver com a finalidade do jogo e a salvação: o quê ou quem nos salva da finitude e do temor da morte?

Segundo Luc Ferry, antigo ministro da Educação da França, para perceber como é que o cristianismo se tornou chave da cultura ocidental, não há como compará-lo com a filosofia grega e, nomeadamente, o estoicismo, no quadro das três interrogações apontadas. De facto, o cristianismo operou uma revolução nos três aspectos: teórico, ético e soteriológico.

Em primeiro lugar, uma revolução no plano da teoria. Na perspectiva grega, o cosmos é theion, isto é, divino, e também Lógos, "lógico", racional, derivando daí a ética: o bem, para os estóicos, era a justeza, isto é, estar ajustado à ordem do cosmos.

Na perspectiva cristã, o Lógos divino encarna numa figura humana, Jesus, como diz o Evangelho segundo São João: "No princípio era o Lógos, o Lógos era Deus e o Lógos fez-se carne (Homem)". Deparamo-nos então com uma dupla revolução, ontológica e epistemológica: "O ser supremo, o divino, deixa de ser uma estrutura anónima e cega para tornar-se uma pessoa; o modo de apreensão ou de conhecimento do divino já não é essencialmente a razão, mas a fé." É fundamentalmente com a fé-confiança que se vai ao encontro das pessoas.

Daqui, deriva uma revolução ética. A cosmologia grega implicava um mundo hierarquizado e aristocrático, confundindo-se a dignidade moral com os talentos naturais. O cristianismo apresenta o escândalo de um Deus encarnado numa figura humana frágil e, agora, o valor moral já não provém dos dons naturais, mas da liberdade: pense-se na famosa parábola dos talentos - afinal, o decisivo não são os talentos recebidos, mas o que deles se faz. Assim, a infinita dignidade da pessoa humana e a igualdade radical de todos vieram ao mundo pelo cristianismo e "todas as morais democráticas, sem excepção, são directamente suas herdeiras".

Finalmente, uma revolução soteriológica. Se o divino já se não confunde com a estrutura cega e anónima do mundo, mas encarnou, identificando-se com uma pessoa concreta, a salvação muda de sentido, tornando-se uma promessa e um compromisso de Cristo, de uma pessoa com outras pessoas, portanto, "um assunto de intersubjectividade, não de mundanidade". Deus em Cristo "ocupa-se de cada um em pessoa e pessoalmente" e dá-lhe a vida eterna, na ressurreição: "Poder reviver e reencontrar depois da morte os que amamos - vamos reencontrar a pessoa amada com o rosto do amor. A promessa é, evidentemente, grandiosa. É aqui que se encontra o coração do coração da tentação cristã, da sedução que o cristianismo exercerá sobre os homens."

Luc Ferrry não crê, porque "é demasiado belo para ser verdade". Outros, porém, acreditaram e acreditam, precisamente porque o cristianismo mostra a sua verdade na sua correspondência com o dinamismo mais fundo do ser humano. Cabe a cada um decidir.

Anselmo Borges
tags:

mais sobre mim
Agosto 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds