de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 19 Agosto , 2009, 19:58
Marginal panorâmica
Bacalhau é rei

Ribau Esteves ladeado por João Manuel da Madalena, da Confraria G. do Bacalhau,
à sua direita, e Pedro Machado, da nossa Região do Turismo, à sua esquerda


Capital Portuguesa do Bacalhau


“O sucesso do ano passado motivou-nos para fazer mais e melhor”, garantiu o presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, Ribau Esteves, na abertura oficial do Festival do Bacalhau 2009, integrado no programa das festas do Município Mar Agosto.
O autarca ilhavense agradeceu a todos os que souberam viver as energias positivas, para se pôr de pé este festival, “que começou aqui”, no Jardim Oudinot, no ano passado, quando ele tinha “pouco tempo de vida”.
Sublinhou que o Concelho de Ílhavo é a “Capital Portuguesa do Bacalhau”, graças à acção das empresas que ainda o pescam e comercializam, referindo a importância de valorizarmos os factores de “atractividade” do Município e região.
Ribau Esteves salientou a aposta feita na área concelhia em “crescer com gente nova”, contribuindo para a valorização da nossa região turística.
Depois de enaltecer a acção do professor João Reigota, grão-mestre honorário da Confraria Gastronómica do Bacalhau, que foi “alma mater deste festival", o presidente da Câmara Municipal de Ílhavo agradeceu a todos os que contribuíram para a organização deste evento, que fica à espera de 150 mil visitantes, número alcançado no ano transacto. Haverá animação musical, exposições, artesanato, cinema ao ar livre e muita festa, até ao próximo domingo.
Parte do resultado líquido do Festival do Bacalhau será canalizada para o novo quartel dos Bombeiros Voluntários de Ílhavo.
FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 19 Agosto , 2009, 13:27

PRIMEIRA OU TERCEIRA IDADE?

O dia amanhecera cinzento. Uma sarria daquelas que as más-línguas apelidam de chuva molha-tolos, foi a companhia dos veraneantes que escolheram para as suas férias, aquela Ria a gosto.
Deambulava pela marginal duma Nova Costa do Prado, com um visual diferente, remoçado, atractivo e desafiador de uns largos passeios na calçada. Mais apeteceria dizer do calçadão, pois se calhar, não fica atrás dessas longas avenidas que atraem os turistas ao Rio de Janeiro. Sim, é de facto uma delícia passear-se, no amplo espaço agora criado, na marginal desta zona balnear de casas às risquinhas e tradições seculares.
Abrindo aqui um parêntesis, é de louvar o esforço de descentralização do poder que emergiu após a revolução de Abril e que não se pauta só pelo negativo. Há que ter uma visão crítica das coisas, mas reconhecer e dar o devido valor a quem o tem. Aqui, neste particular, estão as autarquias em destaque, já que, numa dinâmica de regionalização bem patente, têm dado cartas, no que concerne ao desenvolvimento local, quer no interior, outrora relegado para segundo ou terceiríssimo plano, quer mesmo no litoral. Aqui é notório o avanço que foi dado às infra-estruturas locais, para melhor e mais efectivamente servirem as populações residentes.
Foi, como referido atrás, numa dessas marginais que acompanha a ria no seu curso, que encontrou aquele trio de sexagenárias. O alarido era tanto, no veículo que conduziam, de quatro rodas, que chamava a atenção dos transeuntes. Como chamar-lhe? Bicicleta? Não. Pois não tem apenas duas rodas. Triciclo, também não. Quadriciclo? Não existe ainda em linguagem corrente, mas será, a curto prazo, incorporado, para designar uma nova realidade linguística e um novo meio de transporte! Sem gastar qualquer combustível poluente para a atmosfera, que agradece; apenas movido pelo esforço físico de pedalar. E que bem o faziam a Nor, a Lia e a Dá! Detentoras duma já madura idade, faziam coro na gargalhada fácil e estridente e desafiavam os casais jovens que passeavam com os seus rebentos. Cruzou-se com elas, numa pequena paragem do seu circuito turístico e aí, se formou, rapidamente, um quarteto para a galhofa! Não dizem que rir é a melhor terapia? E... que melhor época do que as férias, para fazer do riso umas termas recuperadoras de energias? Sem dúvida que ali, naquele passeio pela marginal, capitalizaram uma grande reserva de saúde para aplicação futura. E... honra seja feita aos fautores daquele calçadão, que retempera as forças depauperadas, nas liças da vida hodierna. Parabéns à autarquia local, pelo prazer que proporcionou a este quarteto de gente madura, que sintetizou a boa disposição ali auferida, da seguinte forma:



Primeira ou terceira idade?
Que importa, se há juventude?
Não tenham de nós, piedade!
Na meia, está a virtude!




Mª Donzília Almeida
17.08.09
tags:

mais sobre mim
Agosto 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds