de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 09 Julho , 2009, 16:41
Padre João sempre disponível para ouvir

“Mercearia & Companhia”
para 120 famílias de Aveiro

A rampa de acesso à zona de distribuição do cabaz “Mercearia & Companhia”, destinado a família carenciadas, já está bem composta. São 14.30 horas, de quarta-feira, dia em que as “Florinhas do Vouga” abrem as portas do espaço destinado a esta operação, de resposta concreta à crise económica que se tem agudizado nos últimos tempos, atacando de forma intensa os mais fragilizados da vida. Este corrupio começou em Março e não há sinais de que tenha de acabar em breve
Durante a semana, as técnicas do serviço social da instituição vão analisando os casos e determinam a quantidade e variedade de produtos alimentares a fornecer a cada agregado familiar para um mês. As “Florinhas do Vouga” ajudam deste modo 120 famílias devidamente recenseadas e outras que, na emergência, não podem ficar com fome.
Tudo isto, garante-nos a directora-geral da instituição, Fátima Mendes, graças à generosidade de empresas e particulares da região e, ainda, do Banco Alimentar Contra a Fome. A título de exemplo, uma empresa de congelados, da Gafanha da Nazaré, oferece, semanalmente, refeições pré-confeccionadas, um lavrador da Vagueira, freguesia da Gafanha da Boa Hora, dá legumes e fruta, e particulares entregam outros géneros alimentícios e dinheiro.
Como sublinha o presidente da direcção das “Florinhas do Vouga”, com sede em Aveiro, Padre João Gonçalves, “nós, aqui, somos apenas intermediários, entre as pessoas que dão e as pessoas que precisam”.
Segundo Fátima Mendes, a ideia da “Mercearia & Companhia” surge com a crise económica que se instalou no País. No Bairro de Santiago, a instituição tem ao dispor dos mais pobres uma “Cozinha Social”, com refeições a 1,50 euros para os que podem pagar e gratuitas para os outros, “a maioria”. Serve, em média, por dia, 100 almoços, e ao jantar um pouco menos. Recentemente, por razões que todos adivinham, o número dos que precisam de comer, sem possibilidade de pagar seja o que for, começa a aumentar. Esta situação torna-se incomportável para os serviços da “Cozinha”, sem capacidade para atender tanta gente. A opção passa a seguir por fornecer às famílias os géneros alimentícios, para confeccionarem as refeições em suas próprias casas.



Na hora de receber o cabaz

Caudal de pedidos de ajuda
não tem diminuído


De forma tão simples, como à primeira vista parece, a “Mercearia & Companhia” nasce assim. Até hoje, sem haver indícios de diminuir o caudal de pedidos de ajuda, garante-nos Fátima Mendes.
Fátima, mãe de sete filhos, divorciada há sete anos, tem ainda quatro ao seu cuidado, de 18, 10, 8 e 7 anos, todos a estudar. Trabalha, mas os encargos familiares absorvem-lhe tudo quanto ganha. “E não chega, porque a renda de casa e outras despesas, que não posso evitar, levam quanto ganho”, disse. Não tem ajudas de ninguém e quando precisa recorre às “Florinhas”. “A vida está cada vez mais difícil e se algum de nós adoece, tudo se complica; todos os meses venho aqui para em casa não se passar fome”, referiu. E seguiu para o balcão de atendimento, porque estava na sua vez. Refeições pré-confeccionadas, arroz, massas, couves, açúcar, feijão e outros produtos que lhe encheram o saco que carrega nos braços.
Muito chorosa está Encarnação Oliveira, com o saco ainda vazio. Mas as lágrimas não são pela espera. É que no dia 17 de Junho morreu-lhe o seu “menino, Ricardo Miguel, de 26 anos, deficiente e muito doente”. Tempos antes, a sua história, em que pedia uma cadeira de rodas para o seu filho, noticiada no Jornal de Notícias, chega a Macau, onde um leitor se compromete a pagá-la. Já não foi preciso, com tristeza para toda a gente envolvida no caso. Agora, só gostaria de pagar a campa onde o seu “menino” está sepultado. Diz ela que são uns 1500 euros. E lá foi para o balcão onde são distribuídos os alimentos, por solícitas empregadas que tratam todas as pessoas pelo nome.
Para o director das “Florinhas do Vouga”, esta instituição nasceu há quase 70 anos, para responder aos problemas sentidos pelas pessoas pobres e desde essa altura não mais esqueceu a sua missão prioritária. “Durante muito tempo, pensou-se que a pobreza de há décadas não era como a pobreza de hoje; mas a verdade é que voltamos a encontrar pessoas verdadeiramente com fome, com necessidades; pessoas desempregadas, pessoas com péssimos recursos”. E adianta: “É certo que temos o RSI (Rendimento Social de Inserção), que beneficia muita gente, mas há sempre despesas que ultrapassam esse subsídio; aliás, o problema da fome vive-se cá em Aveiro, muito perto de nós.”


Fátima Mendes, ao centro, atenta ao atendimento



As “Florinhas do Vouga” estão
onde estão os mais pobres


O Padre João, que conhece a região como as suas mãos, não deixa de afirmar que as “Florinhas do Vouga” “estão onde estão os mais pobres; estamos exactamente na ponta da linha, para responder às necessidades primárias, e a alimentação é uma dessas necessidades”.
Lembrando o conhecido ditado de que é melhor dar a cana e ensinar a pescar do que dar o peixe, o director desta IPSS esclarece que está tudo muito certo, mas logo explica que “é preciso que haja peixe e rio para pescar com qualidade”, sendo garantido que “hoje temos tudo muito poluído: não há trabalhos, não há possibilidades de as pessoas singrarem sozinhas; por isso, estas realidades exigem respostas imediatas”.
Facilmente se verifica a proximidade existente entre quem recebe e quem dá. “Quem pede, não são pessoas anónimas, porque todas estão identificadas e têm nome; são pessoas realmente carenciadas”, adiantou o Padre João Gonçalves. E refere: “Claro que isto é uma ajuda; também encaminhamos as pessoas, quando sentimos que é preciso e urgente, para outros serviços e para outro tipo de respostas sociais.”
A directora-geral afirma ao nosso jornal que esta acção mobiliza quatro pessoas, na recolha e distribuição dos cabazes. Depois dos contactos durante a semana com os eventuais fornecedores, às quartas-feiras, de manhã, deslocam-se onde for preciso para levantar as dádivas. À tarde, tudo tem de estar preparado, para receber as famílias com problemas económicos, fundamentalmente marcadas pelo desemprego. “Se lhes fosse dada uma oportunidade de trabalho, não precisariam de nos procurar”, disse.
E sobre o nível social destas pessoas, o Padre João especifica: “São pessoas de nível social médio; pessoas que tinham trabalho e que agora não têm; não são os tradicionais pedintes.”

Fernando Martins
NOTA: Texto publicado no jornal SOLIDARIEDADE

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 09 Julho , 2009, 15:43


1. A cidade Xinjiang, no noroeste da China, tem vivido dias de confrontos mortíferos. O presidente chinês Hu Jintao foi obrigado a cancelar as suas visitas pelo exterior (G8 e a visita oficial a Portugal), regressando à capital chinesa para pôr ordem ao tenso ambiente. Os confrontos são de cariz étnico, entre as etnias han e uigure e têm causado a mortandade, já para números de 165 mortos e mais de 1100 feridos. O contributo legal não é melhor, já que segundo a lei chinesa o crime de homicídio é punível com a pena de morte. Para os confrontos étnicos são apresentadas razões que acabam por não ter razão quando a intolerância deita a perder o sentido básico de humanidade e de respeito.

2. Entretanto, a complexidade do cenário traz para a cena o pensar do líder do partido comunista que afirma: «aqueles que cometeram crimes por meios cruéis vão ser executados», tendo já sido detidas pessoas e estudantes para esse efeito. Os “hans” são a etnia maioritária da China, sendo os “uigures” a minoria de etnia turquemena e de religião muçulmana. Não se sabe ao certo de que etnia terá padecido mais gente, sabe-se da veemência de Pequim na afirmação da vontade de “limpeza” dos responsáveis pelas mortes de Xinjiang. Centenas de forças policiais vêm como socorro para diminuir a crueldade da desumanidade que parece não querer terminar…

3. A meditação sobre as limitações da humanidade eleva-se bem alto nestas circunstâncias. Seria de prever que as potencialidades crescentes de tecnologia e comunicação gerariam maiores capacidades de aceitação inclusiva das diferenças, sejam elas étnicas, políticas, religiosas. Quantas vezes estes sobressaltos de intolerâncias deitam a perder as apostas decisivas nos diálogos que se querem promover. Também teremos de dedicar mais tempo a compreender as “razões”, as etnias, as culturas. O diálogo intercultural e multiétnico pode ser esse antídoto que evite as cegueiras dos banhos de sangue. Esperança!

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 09 Julho , 2009, 15:35

Para todos os que ainda não experimentaram o passeio de moliceiro no Canal Central da Ria de Aveiro e para aqueles que queiram repetir a experiência, o Grupo Poético de Aveiro propõe uma viagem no próximo sábado, dia 11 de Julho, à tarde. O ponto de encontro será às 16h30m, na Livraria Buchholz, Praça Marquês de Pombal, junto ao Tribunal de Aveiro.
Não haverá um tema específico para esse dia. Cada um lerá poemas seus ou dos seus autores preferidos. Também podem muito simplesmente ouvir e desfrutar do ambiente poético. É grátis, mas sujeito a inscrições, que terão de ser feitas antecipadamente, na Livraria Buchholz.

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 09 Julho , 2009, 10:40
Pormenor de pintura de João Carlos Celestino Gomes

Ninguém é tão rico que não possa receber
e tão pobre que não possa dar


A Fundação Prior Sardo, sedeada na Gafanha da Nazaré mas aberta a toda a gente, acaba de criar uma Universidade Sénior. A sua abertura está agendada para o próximo mês de Setembro.
Num mundo em que, felizmente, a esperança de vida continua a aumentar, gerando, muitas vezes, por razões várias, solidão e até uma certa exclusão social, esta iniciativa, como outras semelhantes, tem de ser acarinhada por toda a gente. A sua sobrevivência dependerá da existência de professores e alunos, mas também de quem possa contribuir, por variadíssimas formas, para a sua manutenção, porque, como é natural, haverá, indubitavelmente, despesas a que ninguém pode fugir.
Estou certo de que a Universidade Sénior Fundação Prior Sardo vai ter sucesso. Porque há no concelho muitas pessoas disponíveis, porque o saber não ocupa lugar, porque a vida assenta na busca permanente de conhecimentos, porque não falta quem goste de ensinar e quem precise de saber mais.
Há um velho ditado que diz que ninguém é tão rico que não possa receber e tão pobre que não possa dar. Porque esta asserção também se aplica ao domínio dos conhecimentos, é de crer que nesta Universidade se vai processar uma rica troca de experiências, ora dando ora recebendo, tanto de saberes empiricamente construídos como academicamente recebidos.
Daqui resulta, a meu ver, uma mais-valia para os ílhavos e gafanhões, mas também para todos os que fizeram destas terras as suas próprias terras.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 09 Julho , 2009, 10:02

PARA COMBATER A EXCLUSÃO SOCIAL
E PARA PROPORCIONAR A POSSIBILIDADE
DE APRENDER E ENSINAR


Por iniciativa da Fundação Prior Sardo, o concelho de Ílhavo vai ter a sua Universidade Sénior, aberta a todos os cidadãos com mais de 50 anos de idade. Os professores serão voluntários, assentando essa colaboração no princípio de cidadania. “O programara terá uma abrangência que permita atingir as expectativas do maior número possível de pessoas”, conforme refere um comunicado que me acaba de chegar.
Segundo o mesmo comunicado, “os objectivos passam por proporcionar um espaço cultural, educativo e formativo àqueles que encaram o aprender como uma procura natural de permanente e constante crescimento”.
Pretende-se, como é óbvio, “desenvolver o convívio salutar e útil entre os cidadãos, combater a exclusão social e proporcionar a possibilidade de aprender ou ensinar, promovendo um processo de aprendizagem ao longo da vida”.
A Universidade Sénior Fundação Prior Sardo aposta numa abrangência municipal, sendo certo que as aulas serão ministradas em Ílhavo e nas Gafanhas da Nazaré e Encarnação. O programa será anunciado no website da Fundação Prior Sardo, www.fpriorsardo.org, durante a presente semana. A sua abertura está prevista para Setembro, pelo que as inscrições podem começar a ser feitas.
Para este projecto, a Fundação Prior Sardo estabeleceu parcerias com a Câmara Municipal de Ílhavo, Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré, Junta de Freguesia de São Salvador, Junta de Freguesia da Gafanha da Encarnação, Rádio Terra Nova, Cooperativa Cultural e Recreativa da Gafanha da Nazaré e, ainda, com a Escola Profissional de Aveiro.

mais sobre mim
Julho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds