de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 06 Julho , 2009, 22:33


O provedor do leitor do PÚBLICO, Joaquim Vieira, assume com coragem o seu papel. No domingo, no seu texto habitual, critica abertamente o jornal que lhe paga, denunciando abertamente, mas com serenidade e oportunidade, critérios editoriais daquele diário. Tudo a propósito da posição do diário que nos habituou à sua posição de jornal de referência. Concretamente, sobre a forma como a redacção tratou os três manifestos divulgados por outros tantos grupos de economistas e outras personalidades do nosso panorama político-social. O PÚBLICO, directa ou indirectamente, não tratou da mesma forma os que defendem os grandes investimentos em que o Governo aposta e os que os desaconselham.
Apesar das explicações que o director do jornal lhe forneceu, a verdade é que o PÚBLICO errou escandalosamente nesta questão. E isso é mau para a credibilidade de um jornal de referência, com obrigações de ser honesto no tratamento jornalístico dos mais variados temas.
É certo e sabido que os jornais não podem cair na tentação de tomar partido na política. Se quiserem seguir essa orientação, então que o façam, mas não tentem esconder essa opção. E assumam as consequências.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 06 Julho , 2009, 21:41

Recebi um dia destes um convite interessante: um amigo de longa data sugeriu-me que o visitasse em sua casa. Para ver os seus livros. Quando nos encontramos, falamos sempre de qualquer coisa. Os livros vêm à baila, mas nunca passamos disso. De conversa ao sabor da maré.
Os convites que recebemos – falo por mim – têm, normalmente, outro sentido, outras motivações.
Lá me dirigi, conforme havia prometido, para apreciar a sua colecção. Obviamente, agradou-me imenso o que vi: um gosto, mesmo paixão, pelos livros. Alguém que, sem exteriorizar vaidade, vai coleccionando primeiras edições, pondo em destaque, nas prateleiras das suas estantes, livros relacionados com os Descobrimentos Portugueses, porque tem plena noção de que esse período foi o mais global e representativo da nossa história.
As encadernações são cuidadas, sabendo o meu amigo qual o lugar certo de cada obra. Essa paixão conduziu-o à procura de informação ajustada a cada tema, ao mesmo tempo que presta atenção a quanto se publica, para eventuais aquisições.
Manuseei livros, de várias épocas, de diversos autores, saboreei um ou outro excerto de alguns dos nossos clássicos, senti a riqueza de cada obra e edição, apreciei o que é gostar de livros.
Manifestei a minha vontade de o entrevistar, mas ele, delicadamente, adiou esse meu desejo de divulgar o seu gosto pelo coleccionismo de primeiras edições e de obras relacionadas com a época áurea da nossa história. Porém, não resisti à ideia de sublinhar, hoje e aqui, a satisfação que senti, quando vi o amor do meu amigo pelos livros. Por respeito ao seu pedido omito o seu nome. Mas um dia terá de ser conhecido.

Fernando Martins
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 06 Julho , 2009, 21:13

Ao longo do dia de Sábado, num seminário organizado pela CNJP, figuras como Laborinho Lúcio, Guilherme de Oliveira Martins, Ulisses Garrido ou Adriano Moreira reflectiram sobre a "Crise ética na economia e na política".
Tendo como ressalva a recusa de "euforias" ou "cruzadas" éticas (nas palavras de D. Carlos Azevedo ou de José Manuel Pureza) e sublinhando, portanto, a necessidade de actuar responsavelmente em vez de ideologicamente, ficou porém claro que já não há como defender a neutralidade axiológica do sistema económico vigente.
É imperativo denunciar a imoralidade de um modelo económico que tem vindo a aumentar as desigualdades, a causar profundas fracturas sociais e a pôr em risco até a sobrevivência humana no planeta.

Ler mais aqui

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 06 Julho , 2009, 21:06

1. A força do mundo das comunicações põe e dispõe. O seu impacto eleva determinadas pessoas a patamares quase acima do humano. É um facto evidente que aqueles que pela sua habilidade em determinada actividade se destacam são tornados paradigmas a seguir, modelos que a publicidade aprecia pela sua capacidade de influenciar… Quem dera que ao crescimento das famas sempre cresça a capacidade e a responsabilidade de a transportar. Tarefa nada fácil, pois que, como qualquer instituição ou qualquer pessoa, a fase da subida é sempre aliciante pela novidade que comporta, pelos estímulos que atrai, pela permeabilidade e flexibilidade da aceitação que faz parte de um caminho novo, aberto. Como em tudo, após a novidade, a arte e o engenho estará em manter os patamares de qualidade a que se chegou. É assim mesmo!

2. Ainda o luto pelo ídolo Michael Jackson (1958-2009) não está minimamente feito, nem reflectida a ressaca dos impactos da fama e da falta do herói, e estão as atenções famosas voltadas para Madrid. A histórica apresentação do futebolista Cristiano Ronaldo no clube madrileno, (com objectividade) pelo escândalo dos valores económicos que comporta e pelo espectáculo mundial que o assunto se tornou, continuam a falar-nos daquela fama acima da racionalidade humana. É assim, não há explicação, talvez seja mesmo a melhor “explicação”. Já muita tinta fez correr o relembrar das grandes verdades que estão em jogo e da jogada milionária do Real Madrid para quem agora importa capitalizar o máximo multiplicando o fenómeno. Com Jackson também a fase da subida foi imensa e maravilhosa.

3. Há dias Cristiano foi perseguido por um fotógrafo jovem. O artista jovem de 24 anos de idade, embora já habituado, mas a precisar de algum silêncio de privacidade, irritou-se para com o paparazzi. Qualquer palavra ou gesto que fique gravada ou fotografado são o emblema com que o futebolista, artista ou político terá de lidar… O ídolo não pode dormir, é a sua era!

Alexandre Cruz

mais sobre mim
Julho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds