de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 08 Junho , 2009, 19:58
:
:
Exclusão e pobreza têm impedido
crescimento global dos cidadãos


Olhando para o Portugal contemporâneo, o professor universitário [Marcelo Rebelo de Sousa] considera que há diversos obstáculos ao exercício da liberdade. Desde logo porque muitas pessoas vivem em condições de exclusão, pobreza, dependência, ignorância e ausência de um percurso educativo adequado. Para esta parte da população, a liberdade garantida pela Constituição não pode ser aplicada.
Ser livre é, para D. Manuel Clemente, muito mais do que agir sem prejudicar ninguém; é sobretudo uma capacidade de acolher e estar disponível. Não estamos sós no mundo, pelo que esta pedagogia da exigência, que deve começar com as crianças, é essencial para conjugar a liberdade individual com a das pessoas que vivem em sociedade.
Pensa-se por vezes que a liberdade justifica todos os comportamentos; segundo Marcelo Rebelo de Sousa, este ponto de vista reflecte-se na disseminação da violência familiar e laboral, na dificuldade em viver no espaço público e na intolerância face às opiniões discordantes.
No que diz respeito à manifestação pública da opção crente, o comentador defende que se está a assistir ao "ressurgir de posições iluministas, não apenas anti-clericais", que revelam dificuldades em entender o que é a liberdade religiosa.
Ler mais aqui
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 08 Junho , 2009, 16:50
Macau

1. Neste 10 de Junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades, será apresentado o resultado da eleição das Sete Maravilhas de Origem Portuguesa no Mundo http://www.7maravilhas.sapo.pt/ De 27 monumentos que retratam percursos da nossa história universalista, o convite à eleição de sete ergue-se como uma oportunidade privilegiada de melhor conhecermos aquilo que foram os passos absolutamente inovadores de nossos antepassados dos séculos XV-XVI. Fortalezas, mosteiros, igrejas e tantos outros monumentos reflexo de sociedades daquela época ficaram como registo de presença cuja nossa memória deverá preservar. Não, todavia, num olhar saudosista que paralisa os desafios do presente, mas sim numa visão atenta que saiba capitalizar a matriz globalista e intercultural dos portugueses.

2. Na medida em que entramos no conhecimento destes monumentos e da sua história ficamos maravilhados com tantas edificações surpreendentes. Tantas vezes o que parecia impossível foi realizado e edificado, mesmo em tempos recorde e na defesa de gentes e patrimónios. É um valor inestimável estar pelo mundo semeada uma presença dos portugueses que, para além de grandes monumentos, contém o património linguístico e mesmo uma interculturalidade sanguínea. Facto histórico indesmentível: outros povos descobridores ou conquistadores fechavam-se em seus castelos e fortificações; os portugueses, na generalidade, procuraram o contacto, geraram prole, assumiram a miscigenação como modo de presença pessoal.

3. Se o tempo ajuda a purificar as memórias dos abusos tidos na história, todavia, o tempo não deve fazer perder e esquecer o melhor dos passos andados. Sem mitologias nostálgicas de que somos um povo predestinado, mas sem o pessimismo arrastador que nos impede de avançar e arriscar, valerá a pena acompanhar este concurso das sete maravilhas como uma aula de história rica de memória e, também, de projecto.
.
Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 08 Junho , 2009, 12:53
Os vencedores

A abstenção é fruto da falta de cultura política

Ontem, na hora de votar, cruzei-me com uma pessoa amiga, com curso superior. Mostrando uma ignorância política absoluta, questionou-me assim: Afinal que eleições são estas? Serão assim tão importantes? Que ganhamos nós com isso?
Com os resultados conhecidos, dei razão àquilo que já sabia. Somos bons políticos para dizer mal de tudo, para criticar opções governamentais, para contestar as posições dos partidos políticos, para lutar encarniçadamente contra reformas, para contestar quem quer acabar com privilégios, mas, no fundo, há uma grande ignorância a muitos níveis e um grande egoísmo na cabeça de gente que podia olhar o mundo com espírito solidário.
A abstenção, vivida muito entre nós, é fruto dessa falta de cultura política e dum desinteresse geral pelo que à sociedade, no seu todo, diz respeito. O bem comum, que deve sobrepor-se aos interesses individuais e de classe instalados, tem que ser ensinado e treinado desde tenra idade. Doutra forma, corremos o risco de alimentarmos gente abúlica, sem opiniões criativas, sem gosto pela inovação, sem sentido estético, sem capacidade solidária e sem gosto pela política.
Sobre os resultados eleitorais, está tudo dito. Ganhou o PSD e perdeu o PS. Mais concretamente: Ganhou Manuela Ferreira Leite e perdeu José Sócrates. Enquanto o PS desceu, todos os partidos da oposição subiram.
O PS insiste na ideia de que estas eleições eram para o Parlamento Europeu e que nada tinham a ver com a governação. Penso que está enganado, pese embora a má escolha de Vital Moreira feita por Sócrates. O povo que foi votar é o que nunca falta. Sabe bem o que quer. O povo que vota tem sempre razão. O que falta não tem razão nenhuma. Nem tem o direito de criticar seja o que for, embora tenha a liberdade de viver indiferente à causa pública.
Nessa altura, quando pega no boletim do voto, sente-se com o poder que a democracia lhe dá. E também sabe que, protestando, e muitas vezes o faz, raramente é ouvido. Mas na hora das eleições ele sabe que, com o seu poder, pode reorientar a história.
Será que Sócrates aprendeu a lição? Não sei. O tempo o dirá. Porém, os portugueses sabem bem o que querem, sobretudo o povo que sofre no dia-a-dia, o que não tem privilégios, nem regalias, nem ordenados dignos, nem trabalho garantido, nem pensões de reforma milionárias, nem carros de luxo, nem férias de sonho, nem pão para matar a fome a filhos…
O povo que vota sabe muito. E quando quer, pode mudar tudo ou não.

Fernando Martins
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 08 Junho , 2009, 12:14

“Acima de tudo, temos, definitivamente, de acreditar mais em nós próprios. Portugal e os portugueses, ao contrário do que muitas vezes pensamos, são respeitados e apreciados no estrangeiro. Há inúmeras provas disso ao longo do tempo. É preciso acabarmos de vez com o choradinho dos coitadinhos e termos confiança em nós.”

Fernando Santos, treinador de futebol

mais sobre mim
Junho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9


22



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds