de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 22 Maio , 2009, 22:08

Quando me sentei aqui e olhei à volta, pensei que estava numa situação paradoxal. Ou seja, vinha falar sobre o Belo, num sítio que nos impõe imediatamente o conceito de Beleza.
Este é um lugar de beleza. Se podemos secundarizar a Sé de Lisboa em relação a outras grandes catedrais românicas anteriores ou da mesma época, se podemos e devemos recordar todas as destruições, modificações, restauros que sofreu durante os tempos, nenhuma dessas contingências ou comparações diminui a beleza deste espaço.
E aqui começa a primeira pergunta ou o primeiro mistério. Porquê e a quê chamamos Belo?
A segunda pergunta que podemos fazer, associada a essa, é porque é que, não só na religião católica mas em praticamente todas as religiões, os templos, os lugares de oração, são – ou foram – privilegiadamente lugares de Beleza? Isto acontece no Oriente, no Ocidente, no Japão, na China, na Grécia, no Egipto, etc. Porquê a imediata associação da Beleza a um lugar onde se vai não para admirar uma coisa bela, mas para rezar, para entrar em diálogo com o transcendente, qualquer que seja o nome ou a forma de que esse transcendente se reveste.
Leia todo o texto aqui

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 22 Maio , 2009, 20:08

A poesia
hoje, amanhã,
em qualquer dia
está aqui, lá
e acolá
Está na Ria!
Nota: Clicar no cartaz para ampliar
tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 22 Maio , 2009, 17:15
A Agência Ecclesia, da Igreja Católica, tem um "site" renovado. Com diversidade de temas, oferece aos interessados em questões religiosas bons motivos para visita diária. Louvo a iniciativa, como não podia deixar de ser.
Tenho acompanhado, desde a primeira hora da sua existência, o esforço de muitos que teimaram em colocar a Igreja Católica na WEB, no sentido de se abrir ao mundo, deixando o espaço limitadíssimo do adro da igreja. A qualidade do que oferece é indesmentível. E a ousadia também, sobretudo quando reflecte temas e divulga notícias que são tabus para muita gente. Por tudo o que têm feito e pelo que prometem, aqui fica o meu aplauso.

FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 22 Maio , 2009, 14:18
Barbosa de Melo e Ribau Esteves, que presidiu à sessão


A Justiça tem de se apoiar nos Direitos Humanos



“Tal como estou a ver, com mudanças para pior, não há Justiça possível no mundo da globalização”, afirmou o Prof. Barbosa de Melo, docente universitário e antigo presidente da Assembleia da República, na terceira sessão das Conferências Primavera 2009, em que abordou o tema “Que Justiça na era da globalização?”
O convidado da paróquia da Gafanha da Nazaré questionou-se sobre como é que, neste mundo globalizado, “onde todos falam e os interesses pessoais se cruzam, se pode fazer justiça, dando a cada um aquilo que é seu?”
Referindo-se à crise que muitos pregam, mas que “ninguém entende, nem economistas nem juristas”, quem é que explica as alterações do preço do petróleo de um dia para o outro? – foi questão que deixou no ar.
Denunciou a “incultura jurídica progressiva” que caracteriza os nossos tempos, “com leis prolixas e supérfluas”, com os juízes a encontrarem “sérias dificuldades” na sua interpretação. E como corolário dessa incultura, “o povo fica sujeito a ser enganado e explorado”. Ainda frisou que os grandes meios de comunicação social destacam jornalistas “não informados” para tratarem temas complexos. “Fico banzado com tanta ignorância jurídica”, disse.
Barbosa de Melo afirmou que a sociedade é responsável pelo caótico sistema da Justiça, garantindo que “todos colaboramos nisto”. No entanto, sublinhou “a independência dos magistrados perante as partes, perante o poder e perante a popularidade; não são corruptos e são livres sob o ponto de vista político-partidário”, adiantou.
Sobre as nossas atitudes perante a situação jurídica no nosso Pais, o antigo presidente da Assembleia da República alertou para a obrigação que temos de criticar o sistema, mas não deixou de afirmar que “criticar não é só dizer mal”.
Lamentou o atraso no julgamento dos casos nos tribunais, salientando que “o que ganha… não ganha nada, porque já perdeu tudo com o tempo que passou”. Não aceitou a teoria da preguiça dos juízes, mas admitiu eventuais “manobras de advogados”.
O conferencista considerou que “a gramática jurídica dos últimos 60 anos” está assente nos Direitos Humanos, adiantando que a liberdade de expressão, como outros direitos, precisa de ser cultivada. Nessa linha, disse que é no concreto que a batalha da Justiça se vai travando, sendo fundamental deixar aos que hão-de vir depois de nós “o gosto pelos Direitos do Homem”.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 22 Maio , 2009, 12:39

Este sorriso de Deus foi-me enviado, gentilmente, pelo meu amigo e leitor frequente do meu blogue João Marçal. Claro que há muitos sorrisos de Deus, que podemos vislumbrar nos caminhos da vida. Quem me oferece mais sorrisos de Deus? Aqui fica o desafio.

mais sobre mim
Maio 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds