de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 24 Abril , 2009, 23:56

Na madrugada de 25 de Abril de 1974, a liberdade acordou ao som de Vila Morena.


Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 24 Abril , 2009, 19:54

EMRC é a favor da pessoa humana
:
Os alunos de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC) da diocese de Aveiro elaboraram um livro sobre S. Paulo. Cada escola apresentou uma página sobre o Apóstolo. Com mais de quarenta escolas presentes no Inter-Escolas realizou-se hoje (dia 24 de Abril) esta iniciativa que congregou mais de três mil alunos.
“O livro não é editável” porque “cada página tem mais de metro e meio de comprimento” – referiu Fernando Baptista.

Depois da representação do «Hino da Caridade» pela Escola Secundária de Albergaria e da intervenção de D. António Francisco, bispo de Aveiro, os alunos de EMRC percorreram as ruas da cidade. “Foi de cortar o trânsito e de não deixar ninguém indiferente” – disse à Agência ECCLESIA Fernando Baptista, um dos coordenadores do Inter-Escolas daquela diocese. Depois de várias interrogações, as pessoas “aperceberam-se que na diocese de Aveiro somos muitos”

Depois do almoço, as escolas montaram stands onde mostravam e vendiam objectos. “Os fundos angariados servem para financiar algumas actividades da disciplina de EMRC” – sublinhou Fernando Baptista. Algumas escolas da diocese realizam iniciativas de solidariedade. E exemplifica: “ajudam famílias carenciadas”.

Na diocese de Aveiro – segundo este responsável – a taxa de inscrição na disciplina de EMRC situa-se acima dos 50%. Com a realização destes encontros, Fernando Baptista salienta é “uma forma de dar visibilidade e promover a disciplina”. Os frutos aparecem depois porque “é uma disciplina que trabalha os valores”. No entanto - lamenta o responsável -, quem “está de fora não vê a curto prazo os frutos”.

Com este tipo de manifestações, as pessoas apercebem-se que se faz “algo contra-corrente”. EMRC é contra-corrente, mas “a favor da pessoa humana”.
In Ecclesia

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 24 Abril , 2009, 18:23

Guilherme d'Oliveira Martins diz que é «tempo de olhar a figura, em si, para além de equívocos e de aproveitamentos» em volta da canonização

À primeira vista há quem manifeste perplexidade. Porquê falar de Nuno Álvares Pereira em pleno século XXI, e ainda por cima como referência religiosa? Porquê homenageá-lo como referência cristã?

A dúvida tem, no entanto, muito menos a ver com a personagem histórica e com o seu significado, do que com a sua escolha em diversos momentos (cuja recordação está viva) em nome de uma relação equívoca entre o Estado e a Igreja ou de uma relação na qual havia quem desejasse que as fronteiras não fossem nítidas – como em tempos da pré-história da liberdade religiosa, distantes de uma laicidade serena e criadora.

É, pois, tempo de olhar a figura, em si, para além de equívocos e de aproveitamentos. Não há, assim, razão para associá-la a um nacionalismo desajustado dos sinais dos tempos de hoje, nem para a ligar a um patriotismo fechado e retrógrado, que Nuno Álvares Pereira nunca assumiu. É que aquilo que muitas vezes vem à memória não é a memória autêntica do herói e do santo, mas são as referências mais recentes de um tempo em que o Condestável foi usado como bandeira de causas de isolamento e de auto-comprazimento nacional…

Leia mais aqui

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 24 Abril , 2009, 14:39

Hoje ouvi um desabafo de pessoa amiga sobre os noticiários das nossas TVs. Diz que as más notícias já cansam.
Eu sei que o nosso mundo está cheio de coisas más, com guerras, desastres, assaltos, mortes. Também há, é certo, notícias e reportagens agradáveis: gente solidária, artistas que transmitem alegria, projectos inovadores, vitórias em vários domínios, imagens belíssimas, sons que tranquilizam, culturas que nos enriquecem… Mas, realmente, o que nos fere é o negativo, o triste.
Como inverter este estado de coisas na nossa comunicação social? Será difícil, até porque é preciso educar para novas mentalidades. O negativo terá o seu lugar, mas urge mostrar também, com destaque, o positivo.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 24 Abril , 2009, 10:32

Rua João XXIII



O bom Papa João provocou a maior revolução eclesial do século XX
A Rua João XXIII é uma rua típica, com a marca dos traçados rectilíneos do antigo presidente da Junta de Freguesia, Manuel da Rocha Fernandes, a que me referi no mês de Março. Podemos entrar nela a partir da Rua São Francisco Xavier e continuar em linha recta quase até à Mata Nacional, na Rua Luís de Camões. Quando alguém pergunta onde fica, logo os mais conhecedores das muitas ruas da Gafanha da Nazaré adiantam que é a “rua do padre”, numa clara alusão à primeira residência paroquial construída de raiz pelo Prior Bastos, que fica nessa rua.
Penso que esta foi, ou pode ter sido, uma homenagem a um Papa que marcou a vida da Igreja Católica. De facto, embora alguns pensassem que João XXIII, pela sua idade, não seria mais do que um Papa de transição, a verdade é que foi ele que lançou a maior revolução eclesial do século XX, com a convocação do Concílio Vaticano II.
Com João XXIII, nasceu uma grande abertura da Igreja ao mundo, tendo como alicerces fundamentais o diálogo ecuménico e inter-religioso e a aceitação das múltiplas diferenças que enformam as sociedades.
Com as suas encíclicas, nomeadamente, a Pacem in Terris, onde propõe a paz mundial, e a Mater et Magistra, na qual reafirma o papel primordial da família e do ser humano, apresentou aos homens de boa vontade uma nova forma de viver em Igreja, colocando-a no meio do mundo.
Ainda promoveu a leitura dos sinais dos tempos e pregou mais justiça social, sendo ele próprio um símbolo do diálogo fraterno e da bondade.
Angelo Giuseppe Roncalli nasceu em Sotto il Monte, Itália, em 25 de Novembro de 1881. Ordenado presbítero em 1904 e bispo em 1925, foi nomeado cardeal e patriarca de Veneza, em 1953. Após o falecimento de Pio XII, foi eleito Papa, em 28 de Outubro de 1958, assumindo o título de João XXIII.
Faleceu com aura de santidade em 3 de Junho de 1963. João Paulo II beatificou-o em 3 de Setembro de 2000. E nessa cerimónia sublinhou: “Do Papa João permanece na memória de todos a imagem de um rosto sorridente e de dois braços abertos num abraço ao mundo inteiro. Quantas pessoas foram conquistadas pela simplicidade do seu ânimo, conjugada com uma ampla experiência de homens e de coisas! A rajada de novidade dada por ele não se referia decerto à doutrina, mas ao modo de a expor; era novo o estilo de falar e de agir, era nova a carga de simpatia com que se dirigia às pessoas comuns e aos poderosos da terra.”

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 24 Abril , 2009, 10:27

O Governo anunciou que vai alargar a escolaridade obrigatória ao Ensino Secundário (12.º ano), o que significa a entrada de mais 30 mil alunos nas nossas escolas. Ao mesmo tempo, garantiu que as instalações e os professores existentes são suficientes para este acréscimo de alunos.
Tenho alguma dificuldade em entender esta conclusão. Das duas, uma: ou o Governo não sabe fazer contas ou temos pelo País escolas a mais e professores que, nos estabelecimentos de ensino, não trabalham. Expliquem-me por favor como é que 30 mil alunos não exigem mais professores e mais salas? Vejam bem: não são mais três mil alunos!

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 24 Abril , 2009, 10:10

Segundo notícias de hoje, os pensionistas com rendimentos inferiores ao salárío mínimo nacional vão ter acesso aos medicamentos genéricos, sem qualquer custo. A medida foi ontem aprovada em Conselho de Ministros, entrando em vigor em breve. Medida para aplaudir, obviamente. Não é verdade que muitos pensionistas não conseguem aviar medicamentos prescritos pelos seus médicos? Mais de um milhão de pensionistas beneficiarão com esta medida.


Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 24 Abril , 2009, 10:05


1360: Nuno Álvares Pereira nasce em Castelo do Bonjardim, Santarém, filho do prior da Ordem dos Hospitalários.
1361: É legitimado por D. Pedro I
1373: Entra na Corte de D. Fernando e torna-se escudeiro da rainha D. Leonor Teles. Em breve é armado cavaleiro.
1376: A 15 de agosto casa com d. Leonor de Alvim, de quem vem a ter uma filha, D. Beatriz.
1383: Morre D. Fernando. D. Leonor Teles manda proclamar a filha e o genro, D. João de Castela, sucessores do trono de Portugal. Nuno Álvares Pereira distingue-se no paartido patriótico que incita D. João, Mestre de Avis, a chefiar a revolta contra os castelhanos. É nomeado fronteiro entre Tejo e Guadiana.
1384: Vence os castelhanos na Batalha dos Atoleiros.
1385: D. João UI de Portugal, entretanto aclamado rei, nomeia-o Condestável do reino. A 14 de agosto vence na Batalha de Aljubarrota. Recebe numerosos títulos e domínios, entre os quais o Condado de Ourém e o Condado de Arraiolos.
1388: Começa a construção da capela de S. Jorge, em Aljubarrota.
1389: Começa a construção do Convento do Carmo, em Lisboa.
1393: Partilha com os companheiros de armas muitas das suas terras.
1397: Primeiros carmelitas vêm viver para o Convento do Carmo.
1401: Fim das hostilidades com Castela.
1414: Morre a filha, D. Beatriz. Projeta tornar-se carmelita.
1415: Participa na conquista de Ceuta.
1422: Reparte pelos netos os seus títulos e domínios.
1423: Professa no Convento do Carmo a 15 de agosto. Toma o nome de Fr. Nuno de Santa Maria. Dedica-se a atos de piedade e de benemerência. Ainda em vida é chamado Santo Condestável pelo povo.
1431: Morre no Dia de Todos os Santos.
1641: As cortes pedem ao Papa Urbano VIII a sua beatificação. o pedido é renovado várias vezes ao longo dos anos.
1918: O Papa Bento XV confirma o culto do Santo Condestável; a sua Festa celebra-se no dia 6 de novembro.
tags:

mais sobre mim
Abril 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds