de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 06 Abril , 2009, 17:05

O Argus entrou na Barra de Aveiro. Mesmo longe, não fico indiferente à notícia do "regresso" do velho bacalhoeiro ao nosso País, onde, penso, foi feliz. Mas para conhecer a sua história, clique aqui. Outro futuro, espero que risonho, lhe auguro.

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 06 Abril , 2009, 16:51
PELA POSITIVA
Congratulo-me com a "campanha pela positiva" encetada pela Rádio Renascença. Há anos que ando nela, no meu blogue, e não só, mas é óbvio que não chego tão longe e tão alto. Quem nos dera que outros alinhassem. O mundo seria bem diferente.

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 06 Abril , 2009, 16:47
O SEU PRIMEIRO CONTO ENTRA NO PLANO NACIONAL DE LEITURA

João Alberto Roque, 47 anos, professor de Biologia e Geologia na Escola Secundária da Gafanha da Nazaré, contista, inscreveu dois primeiros prémios no seu currículo literário. O primeiro alcançado no concurso Matilde Rosa Araújo, patrocinado pela Câmara Municipal da Trofa, em 2006, com o conto “Pirilampo e os deveres da escola”, e o segundo no concurso António Feliciano Rodrigues (Castilho), organizado pela Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Funchal, em 2008, com “O primeiro passo na Lua”.
O “Pirilampo e os deveres da Escola” foi editado com ilustrações de Helena Zália e entrou já no Plano Nacional de Leitura (PNL). “O primeiro passo na Lua”, para além da edição por conta da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, tem já agendada publicação na Editora Nova Vega, esperando o autor que o seu conto veja a luz do dia a 20 de Julho de 2009, quando perfaz 40 anos sobre a chegada do homem ao satélite da Terra.
João Roque sempre gostou de escrever, mas foi no Timoneiro, há anos, que descobriu a sua veia ficcional, quando alimentava, mensalmente, a rubrica “À volta de um provérbio”. Os anos foram passando, até que alguém colocou na escola onde lecciona um cartaz anunciando um concurso literário da Câmara da Trofa. “Aquilo desafiou-me; eu era capaz de escrever e de concorrer; em dois ou três dias tinha o conto escrito e quando o acabei gostei muito do que tinha escrito; pedi à colega Cláudia Ribau que o ilustrasse e enviei o trabalho; surpreendentemente, acabei por ganhar.”

Para o nosso entrevistado, os concursos têm de interessante a certeza de que o que escrevemos “vai ser lido por alguém; alguém que, em princípio, tem capacidade crítica; no concurso da Trofa, por exemplo, o júri era constituído por gente de pergaminhos: António Torrado, Viale Moutinho, Armandina Maia, António Pontes (vereador da autarquia) e, sobretudo, Matilde Rosa Araújo, que representou, para mim, uma satisfação muito grande”.
Questionado sobre as fontes de inspiração, João Roque garantiu-nos que o seu filho David e uma gatinha abandonada no quintal da família foram os inspiradores do “Pirilampo e os deveres da escola”. E porque “a minha filha mais pequena, a Cecília, também merecia uma história, outra nasceu, e depois mais outra e outras...”
Sobre o sentido pedagógico que ressalta nos seus contos, o professor Roque lembra que os seus textos reflectem, naturalmente, os temas das disciplinas que lecciona. “Há sempre algo de autobiográfico”, acrescenta.
Quando escreve para crianças e adolescentes, tem normalmente uma preocupação educativa, embora alguns autores defendam que o principal é divertir. No entanto, frisa que, “se o escritor conseguir as duas coisas, ser educativo e divertido, então é oiro sobre azul”.
Diz que a escrita brota nele “por intuição”, mas admite que “pode escolher palavras mais simples, para que o texto seja mais fácil de entender por quem o vai ler”.
Considera que o filho David, de 12 nos, é o seu principal leitor, de quem recebe as primeiras impressões, mas não deixa de referir que também gosta de ler os seus contos à filha Cecília.
Não tendo sido um pai habituado a inventar histórias para adormecer os filhos, João Roque insiste na ideia de que prefere escrevê-las. Contudo, esclarece que nos seus escritos “haverá um bocadinho desses pais que gostam de as contar”. E a propósito do que escreve para a Cecília, salienta que se baseia “em pequenas coisas do dia-a-dia, com carácter pedagógico”.
Quando a faceta de contista se manifestou com os prémios conseguidos, e com a natural divulgação que os mesmos justificaram, este professor da Secundária da Gafanha da Nazaré começou a ser solicitado por diversas escolas, em especial para responder às muitas questões postas por alunos que já leram o “Pirilampo e os deveres da escola”, graças à entrada do livro no PNL.
Considera, por isso, que este facto é uma indiscutível mais-valia, “em termos de o conto poder ser lido por mais crianças”. Mas isso também lhe traz a obrigação “de manter o nível”, disse.

Fernando Martins


OS CONTOS PREMIADOS




No conto “Pirilampo e os deveres da escola”, David era capaz de ficar esquecido a brincar com qualquer coisa insignificante, ou a olhar para uma mosca ou ficar à janela a ver as plantas crescer no jardim... até os seus dedos podiam ser tanta coisa diferente que não precisava de mais nada para se entreter durante largos minutos. Ele sabia que tinha de fazer os trabalhos que a professora mandava mas... distraía-se com tanta facilidade!
Na escola, a professora pediu aos meninos que fizessem uma redacção. Sobre que havia de ser a do David? Sobre a sua gatinha, claro! Fez a redacção tão depressa que a professora ficou espantada. Estava bem feita e até tinha o desenho da gata e o pormenor da sua cauda com a ponta branca.
“O primeiro passo na Lua” leva João Alberto Roque a apoiar-se em marcas da história, para assinalar a chegada do primeiro homem ao solo lunar. Neil Armstrong, o astronauta dos EUA, pronunciou então uma frase que ficou célebre: “Este é um pequeno passo para o homem; um gigantesco salto para a humanidade.”
No conto, o autor consegue envolver um rato na expedição. Antecipando-se ao astronauta americano, o rato, com o seu fato espacial, dá o primeiro passo na Lua. De facto, “Este é um pequeno passo para o homem, mas um salto gigantesco para um rato.”

FM

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 06 Abril , 2009, 16:40

1. Se a complexidade apresenta-se como um eixo de interpretação de todo quanto se move, então o “simplificar” com eficácia para actuar em conformidade será o lema a seguir. Não custa a compreender que sistemas como o de justiça, num mundo global que pula e a avança a toda a pressa, são facilmente surpreendidos e fintados com todas as mil-e-uma tecnologias que hoje têm poderes de comunicação e agilidade muito acima das instituições dos estados. A desarticulação actual entre as justiças nacionais e as sociedades efectivamente (nos valores e nos defeitos) transnacionais, apesar de instâncias que vão procurando responder aos novos desafios, essa desarticulação será hoje uma das grandes batalhas sociais a vencer.

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 06 Abril , 2009, 10:20


Favor

Olhando-me ao espelho, devagar,
Vejo as marcas que o tempo foi deixando
Nas rugas que me cercam o olhar brando
Lavado por um pranto por chorar.

Vejo-me de alma aberta, par em par,
E ressaltam desse ar tão venerando,
Alegrias compradas, contrabando,
Quem, por feliz, se quer fazer passar.

Vida, que és repetido recomeço,
Concede-me um favor que não mereço,
E eu te entrego o meu ser hipotecado.

Tomando a esperança por esteio,
Neste mudar de vida o mais que anseio
É viver sem os erros do passado.

Domingos Cardoso

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 06 Abril , 2009, 08:53

Ontem atravessei o Alentejo, região do nosso País tão expressiva. Dele se fala tanto com histórias que nos transportam a fantasias que não cansam. No horizonte, uma viagem até ao Reino dos Algarves, onde se acomoda mais o sol com uma temperatura amena.
O Alentejo que ontem vi, por onde passei, deu-me a sensação de estar mais verde. Planície a perder de vista, como sempre, aqui e ali os meus olhos fixaram-se em oliveiras plantadas com planos previamente traçados, A simetria indiciava cuidados especiais. Grandes extensões de terra agricultada. Pastos verdejantes, com sistemas de rega operacionais. Gado que tosa a erva macia entre arvoredo ou no descampado. Montes abandonados também havia, mas a ideia com que fiquei garante-me que o Alentejo pode recuperar a vitalidade que já teve. Faço votos para que isso seja possível.

FM

mais sobre mim
Abril 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds