de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 28 Março , 2009, 23:40



Fábula da águia e da galinha

Era uma vez uma águia e uma galinha. A águia vivia no seu lugar altaneiro, no cimo de uma árvore. A águia possuía asas, logo podia voar! A galinha esgaravatava, no chiqueiro da sua capoeira. Esta começou a observar a águia e a ver como ela atravessava os ares com o seu ar imponente. Às vezes ficava a espreitar através da rede do seu galinheiro, as proezas que a sua prima águia fazia e pensava lá com os seus botões: - Eu também gostava de voar, de ter voos largos, que me permitissem ver o mundo, lá do alto! Por que razão, só a águia há-de ter esse privilégio? E começou a magicar o que poderia fazer para se equiparar à sua congénere.
A sua maior ambição era possuir asas, para assim poder sobrevoar as suas parentes; fazer um voo picado que lhe daria tanto gozo; fazer um voo planado, rasante ao próprio galinheiro. O Criador não a tinha dotado dessa destreza. A galinha teve de se contentar com a sua sorte - pôr ovos e esgaravatar no seu poleiro.
Enquanto isto, a águia indiferente a estas invejas, voava majestosa, não dando importância aos galináceos. Estes começaram a inventar formas de denegrir a reputação da sua rival. Se a águia comia aqui e ali, onde pousava, no campo, sem pedir autorização aos donos, é porque não tinha meios para comprar ração! Logo, a águia era forreta. A galinha apregoou isso aos quatro ventos. A fama da águia já corria mundo, até que decidiu confrontar a sua rival. Convidou-a para um ajuste de contas, no seu habitat, o alto de uma árvore. Alegando que não tinha asas para subir, o mesmo motivo que lhe servira para injuriar a águia, a galinha nunca chegou a comparecer ao encontro. Aí, iriam esclarecer tudo: a águia pedindo justificações, a galinha fugindo com o rabo à seringa. Por mais tentativas que se fizessem, a galinha nunca conseguiu arranjar coragem para enfrentar a sua parente.
Moral da história: há os que vão à luta na maior, outros que nunca conseguem despregar os pés da terra!

Mª Donzília Almeida
01.02.09
tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 28 Março , 2009, 10:53

Vaga a origem, futuro incerto

Ur-Mesopomâmia, talvez a origem...
Talvez a origem dos barcos moliceiros.
Talvez Tartessos dos velhos marinheiros,
Névoas de génese que não me afligem.

Mais me atormenta o porto da viagem,
O passado recente das Gafanhas, Murtosas,
Os painéis e legendas, ingénuos, escabrosas,
Cisnes, pastos bravos, maçaricos, miragens.

O chiste, os pés doridos, a vela, a gaivota,
Moliço, maresia, o lodo e o patacho,
Ancinho na lama mole... Mas eu acho
Que tão vária imagem meus sonhos enxota.

Como a um bando de belos flamingos
Tão leves, esbeltos, talvez comendo crico.
E as viagens-miragens passam e eu fico
A cismar no futuro... desses barcos lindos.

O.L.

Timoneiro, Janeiro de 1989
tags: ,

Editado por Fernando Martins | Sábado, 28 Março , 2009, 10:28

Raramente se terão utilizado tanto como agora termos essencialmente religiosos. Repare-se. O que faz falta? Crédito. O que é preciso estimular? A confiança. Precisamente confiança vem do latim fides, que dá fé, fiar-se de, confiar em. O crente é aquele que tem fé, que confia, que se entrega confiadamente a Deus. E crédito vem de credere, donde procede crer, acreditar e credo. No domínio religioso, crer e acreditar significam entregar-se a Deus com confiança. A pergunta é: e Deus tem crédito, merece o nosso crédito? Uns acham que sim e outros que não. De tal modo que uns acreditam e outro não. Porque é preciso dar razões, justificações para crer. Como os bancos não concedem crédito, quando não há confiança.

Os crentes religiosos são frequentemente acusados de apenas se interessarem pelo Além feliz, abandonando este mundo do aquém ao seu fracasso e sofrimento. Mas isso não é verdade, concretamente quando se fala do cristianismo.

Quem lê os Evangelhos com olhos de ver, constatará que Jesus não começou por pregar esse Além feliz. Anunciou o Reino de Deus, que, traduzido em linguagem compreensível, é, pelo menos, o mínimo humano decente para todos, já aqui e agora. Porque ninguém pode acreditar na realização plena do Reino de Deus, em Deus e com Deus, se não houver sinais dele na existência presente, aqui e agora. Por isso, Jesus começou por interessar-se pelo bem-estar das pessoas, pela comida, pela sua saúde. Segundo o Evangelho de S. Mateus, o Juízo Final tem como critério de julgamento dar de comer e de beber aos que precisam, vestir os nus, tratar dos doentes. Um corpo faminto, sedento e doente, independentemente da religião, sexo, cor ou raça, é o lugar do encontro com o Infinito.

Foi através destes sinais em acção, incluindo o perdão e a fraternidade, que os discípulos fizeram a experiência de que Deus é amor e acreditaram em Jesus e no seu Reino, já iniciado e que esperaram havia de encontrar a sua consumação na plenitude dos tempos. O Além não pode ser mera compensação ideológica para a frustração do presente.

Jesus colocou-se na tradição profética do Deus que não tolera a exploração do pobre. Ai dos "que vendem o justo por dinheiro e o pobre por um par de sandálias!". "Ai de vós os que juntais casas e mais casas e que acrescentais campos e mais campos até que não haja mais terreno e fiqueis os únicos proprietários em todo o país! As vossas múltiplas casas serão arrasadas e os palácios magníficos ficarão desabitados".

No Novo Testamento, na Primeira Carta a Timóteo, lê-se que "a raiz de todos os males é a ganância do dinheiro. Arrastados por ele, muitos se desviaram da fé e se enredaram em muitas aflições". Depois de se meditar nas causas que levaram à presente crise económico-financeira, mais dificilmente se porá em causa esta advertência. Foram de facto a ganância, as fraudes e a irresponsabilidade sobretudo dos mais poderosos que trouxeram a crise, dramática para os pobres, que se vêem roubados da sua dignidade de seres humanos.

Num texto célebre de há quinhentos anos - tradução um pouco livre -, já Martinho Lutero se queixava desta desgraça: "Quando hoje olhamos para o mundo através de todas as camadas sociais, constatamos que não passa de um grande, de um enorme covil cheio de grandes ladrões... Aqui, seria necessário calar quanto aos pequenos ladrões, para atacar os grandes e violentos, que diariamente roubam não uma ou duas cidades, mas a Alemanha inteira... Assim vai o mundo: quem pode roubar pública e notoriamente vai em paz e livre e recebe aplausos. Em contraposição, os pequenos ladrões, se são apanhados, têm de carregar com a culpa, o castigo e a vergonha. Os grandes ladrões públicos, porém, devem saber que perante Deus são isso mesmo: os grandes ladrões."

Depois, nesta situação, se a Justiça não funcionar e for dura para os pequenos e branda ou nula para os grandes, o que pode esperar-se é o aumento crescente da impotência e da frustração, desenhando-se no horizonte focos de revolta de consequências imprevisíveis. Sobretudo se forem explosões irracionais de raiva sem para quê.

Anselmo Borges

In DN

tags:

mais sobre mim
Março 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds