de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 14 Março , 2009, 23:32
Diácono Joaquim Simões


A ORAÇÃO NÃO TEM FRONTEIRAS

Há vivências que não posso calar. Nem sempre as publico neste meu espaço aberto ao mundo, mas delas falo aos mais próximos. Um dia destes ouvi um amigo, diácono Joaquim Simões, contar a sua experiência de uma visita recente, acompanhando alunos da escola onde é professor de Educação Moral e Religiosa Católica, a Taizé, comunidade ecuménica de espiritualidade e de procura do encontro com Deus. Também para que cada visitante se encontre consigo próprio, com os outros e com a natureza.
Depois de me descrever, com riqueza de pormenores, a sobriedade do templo, com um Crucifixo e Nossa Senhora de Taizé a sobressaírem na decoração simples, de cores quentes e aconchegantes, que reflectem a humildade que ali se recria, Joaquim Simões não deixou de referir que tudo convida à meditação propiciadora da busca do transcendente.
Sublinhou a simplicidade que envolve quantos ali chegam, os sorrisos de acolhimento partilhados, as refeições frugais tomadas com uma simples colher, sem garfo nem faca, a ausência de bebidas alcoólicas, dando lugar a água e chá, e o espírito de contemplação que tudo domina.
“Às 8.15, 12.20 e 20.30 horas, quando o carrilhão avisa que são chegados os tempos de oração, toda a aldeia se associa ao silêncio; jovens e menos jovens aderem ao convite e o mundo fica à espera”, garantiu-me o meu amigo. Naquele espaço não há lugar para futilidades, para comodismos, para barulhos, disse.
À entrada do templo, 90 por cento dos peregrinos “descalçam-se em sinal de humildade e de desprendimento; como não há bancos, sentam-se no chão; e é curioso verificar que os jovens - segundo me confirmou – até vão mais cedo para meditar, respeitando um silêncio absoluto e penetrante; alguns escrevem, decerto, sobre impressões marcantes desta experiência”, salientou.
Nos três períodos de oração (cerca de cinco horas por dia), alguns alunos, que dificilmente se mantêm calados nas aulas, conseguem uma “serenidade impressionante, que cativa, que interpela”, bem ajudados pelos “belíssimos cânticos”, onde os refrãos simples e cadenciados convidam à reflexão, semeando emoções e abrindo o espírito dos peregrinos a novos horizontes de fraternidade e de paz. Vi tudo isso na expressão do rosto e das palavras do meu amigo, um dia destes, de sol brilhante, com o nosso mar por cenário.
Taizé é uma pequena aldeia da Borgonha, em França. Apenas cinco famílias ali vivem e na comunidade ecuménica, fundada pelo Irmão Roger, assassinado em 16 de Agosto de 2005, enquanto rezava, por uma senhora mentalmente desequilibrada, oram e laboram Irmãos de várias confissões religiosas cristãs e de diversas nacionalidades. Levam à prática um ecumenismo exemplar, mostrando que a oração não tem fronteiras nem barreiras que impeçam a comunhão possível e necessária com todas as religiões que o cristianismo gerou, e não só.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Sábado, 14 Março , 2009, 10:57
D. Hélder Câmara

Se fosse vivo, D. Hélder Câmara, um dos profetas maiores do século XX, teria feito 100 anos no passado dia 7 de Fevereiro. Nasceu em 1909, em Fortaleza. Foi bispo auxiliar do Rio de Janeiro e arcebispo de Recife e Olinda. Morreu no dia 27 de Agosto de 1999.

Conhecido no Brasil e em todo o mundo pela sua militância a favor dos direitos humanos, foi perseguido por causa da denúncia destemida da tortura e da miséria, chegando a ser acusado de comunista. Costumava dizer: "Se dou comida a um pobre, chamam-me santo; mas, se pergunto porque é pobre, chamam-me comunista."

Esteve na base da fundação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e da criação do Conselho Episcopal Latino-Americano (CELAM), bem como da Teologia da Libertação. Percorreu o mundo com conferências que contagiavam multidões.

Queria uma Igreja pobre, ao serviço dos pobres. Ele próprio deu o exemplo: no Recife, viveu 21 anos numa casa pequena e modesta, aberta a todos.

Conheci-o pessoalmente em Roma, em Outubro de 1974, por ocasião do III Sínodo dos Bispos. Foi uma conversa longa, publicada num caderno (esgotado) com o título Evangelho e Libertação Humana, donde retiro algumas declarações.

A Igreja precisa de renovação constante. "Tudo o que for sobrecarga, laço, prisão, criados pelos homens, tudo o que for tabu, tudo isso pode e deve ser raspado, como quem raspa o fundo de um barco. Quando penso na Igreja, eu me lembro da barca, não apenas de Pedro, porque a barca é do Cristo. Precisamos de raspar periodicamente o limo que se vai juntando no fundo do barco e inclusive substituir de vez em quando alguma tábua que apodrece."

Essa renovação embate com enormes dificuldades. "Eu cheguei como arcebispo a Recife, uma cidade do Nordeste brasileiro, uma das áreas subdesenvolvidas do país. Mesmo assim, eu recebi como casa uma casa já velha, mas enorme, com o nome de palácio. E dentro dele havia duas salas de trono: uma, mais solene, para as grandes recepções, e outra para o diário. Para receber todas as pessoas era um trono!... Pois bem! Eu levei seis meses para poder livrar-me da primeira sala e ano e meio para livrar-me da segunda!... Então, que cada um olhe em volta de si e veja como ainda está preso, por exemplo, pela sociedade de consumo. Como nós somos escravos da sociedade de consumo! Como é difícil arrancar-nos das estruturas!"

Para a transformação do mundo, acreditava em minorias conscientes e críticas que, a partir da subversão e conversão interior, lutassem, mediante a não violência activa, por um mundo justo e fraterno. "Estas minorias já existem. Precisamos de unir estas minorias que desejam um mundo mais respirável, mais humano, uni-las dentro de uma mesma cidade, de uma região, de um país, de país a país, porque hoje, sobretudo com as multinacionais, com todo o complexo de poder económico, utilizando técnicas, meios de comunicação social, se infiltrando nos Governos, utilizando não raro militares, diante dessa força imensa, é impossível a um país sozinho construir uma sociedade mais humana."

Estávamos longe da queda do muro de Berlim. Mas, animado pela utopia da libertação, pensava que "um socialismo humano", cujo caminho "estamos tentando descobrir", era a via para a justiça. "Eu sei que há tentativas aqui e acolá, mas ainda se não chegou a um socialismo verdadeiramente humano que, longe de esmagar a pessoa, pelo contrário, de facto nos arranque das estruturas capitalistas, da engrenagem capitalista, mas não para meter-nos em novas engrenagens".

Foi um dos principais animadores do "Pacto das Catacumbas" -- assinado por 40 Padres Conciliares, pouco antes do encerramento do Concílio Vaticano II, nas catacumbas de Roma. Nele, sublinha-se a pobreza evangélica da Igreja, sem títulos honoríficos nem ostentações mundanas. Como Povo de Deus, o seu governo assenta na colegialidade e co-responsabilidade. Insiste-se na abertura ao mundo, na transformação social e no acolhimento fraterno.

De certeza não teria excomungado, como fez há dias um sucessor, os responsáveis por aborto em menina de 9 anos, abusada pelo padrasto.

Anselmo Borges
tags:

mais sobre mim
Março 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds