de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 05 Março , 2009, 19:56

A arte moderna privilegia a representação do ser humano com figuras fragmentadas e desconexas. Realça o valor do fragmento e mostra o efeito contrastante da desconexão. Deixa intuir a beleza do todo e a harmonia dos conjuntos. Afirma, pela negativa, a necessidade de reconfigurar a pessoa e, nela, com ela e por ela, o mundo e toda a biodiversidade. Atesta na linguagem que lhe é própria a urgência de se criar uma consciência social e política, amiga do ser humano na sua integralidade e favorável ao seu autêntico desenvolvimento.
É publicamente reconhecida esta necessidade e proclamada esta urgência. Vozes sem conta e de todos os quadrantes ideológicos e religiosos se erguem e insistem na importância de tomar a sério a situação à beira do limite. Um outro mundo é possível, mundo em que à pessoa humana veja reconhecido o protagonismo a que tem direito e esta o assume como dever de reciprocidade.
Reconfigurar o ser humano desfigurado por tantos atropelos que geram adormecimento de capacidades e sentimento de impotência e inutilidade constitui, sem dúvida, um desafio colossal que a todos diz respeito, especialmente aos agentes educativos e aos responsáveis culturais, políticos e religiosos.
No processo de humanização, ninguém se pode demitir ou fazer substituir, ninguém deve ocupar o lugar do outro ou impor-se a ele. Cada um é protagonista do seu próprio crescimento que só se faz em relação de reciprocidade com os demais e beneficiando de circunstâncias favoráveis. Cada um afirma-se como porta-voz de todos e do que há de melhor no seu conjunto: o respeito e a estima pela dignidade pessoal; o cuidado recíproco pelos bens que são propriedade gratuita de todos, sobretudo quando os bens são escassos e estão ameaçados; o amor privilegiado aos mais frágeis e indefesos, amor que se faz serviço humanizado, cheio de ternura e solicitude; a esperança consistente, ousada e firme em que um mundo à medida humana é possível.
E sendo possível é imperioso que novos valores orientem consciências, presidam a opções, provoquem decisões, originem políticas, reencaminhem comportamentos e atitudes, façam surgir um estilo de vida solidário, confiante, sóbrio, feliz.
A começar pela família que por natureza constitui o espaço e a escola em que se faz a primeira educação para este tipo de vida. A interagir com outros dinamismos culturais, lúdicos e religiosos. A acolher informação e a dialogar sobre o "mundo" de sentimentos que provoca. A proporcionar a abertura a novas dimensões.
Sempre em nome do ser humano chamado a reconfigurar-se pessoalmente, tendo como referência e modelo Jesus Cristo e os valores que brilham no seu estilo de vida e se vão cultivando, como se de viveiro se tratasse, nas comunidades que lhe são fiéis.

Georgino Rocha

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 05 Março , 2009, 16:45


Li no Correio do Vouga que a Ria de Aveiro vai ter mais um operador turístico. Trata-se da empresa "Douro Acima", que já adquiriu três barcos moliceiros, os quais vão agora ser restaurados e adaptados para o efeito. A empresa, entretanto, assegurou que também vai promover passeios turísticos por terra, devendo utilizar autocarros panorâmicos.

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 05 Março , 2009, 15:28

Instituições Públicas não podem ficar
reféns do poder económico

O Presidente da República nomeou o sociólogo António Barreto para presidir à comissão das comemorações do 10 de Junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. Tratando-se de personalidade competente, aplaudo a escolha.
Em entrevista à Visão, António Barreto manifestou o desejo que as celebrações estimulem a "consciência nacional". E eu acrescento que, se o povo não for motivado, com a colaboração das mais diversas instituições, nomeadamente, escolas, associações, clubes e comunicação social, corremos o risco de mais uma vez assistirmos ao desinteresse dos nossos compatriotas, que ficam, apenas, a viver um dia de folga, que os liberta das tarefas quotidianas.
Nesta entrevista, o conhecido sociólogo referiu, ainda, que "A relação entre o Estado, a Nação e a Europa é um elemento essencial para o nosso futuro próximo e que tem de ser debatido", sem que as instituições públicas fiquem "reféns do poder económico", como "parecem estar", sublinhou.
FM

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 05 Março , 2009, 14:31

"Linguistas e políticos, havendo de ambos nos dois lados da disputa, vão terçando armas por causa do acordo ortográfico. Vasco Graça Moura, liderando os contra, entra pela via da impossibilidade imediata de aplicação, dizendo que é necessário dar formação aos professores, substituir a maioria dos títulos nas bibliotecas escolares e ainda que o Governo assuma que vai pôr em causa a substituição dos manuais não de seis em seis anos como pretende, mas a meio da sua vigência. Em boa verdade, os argumentos a favor do acordo parecem mais consensuais. Ainda ontem, Fernando Cristóvão defendia que o acordo ortográfico valida a lusofonia e que ninguém é proprietário único da língua e esta pertence a todos que a falam. O acordo "é uma base comum de entendimento". Sem querer reduzir a discussão ao folclore dos exemplos, ocorre perguntar porque deixámos de escrever farmácia com ph ou por que razão hão-de os brasileiros continuar a colocar um trema em sequência?"

José Leite Pereira

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 05 Março , 2009, 10:40

No restaurante Salpoente, em Aveiro, a partir de amanhã, 6 de Março, e até 14 de Abril, pode ser apreciada pintura de Lúcia Seabra. A inauguração da mostra será pelas 18 horas, com a presença da artista.
A exposição pode ser visitada de terça a sábado, das 12.30 às 14.30 horas, e das 19.30 às 22.30 horas.
tags: ,

mais sobre mim
Março 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds