de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 01 Março , 2009, 22:18
A Igreja Católica não precisa de lições de solidariedade social
Centro de Dia (foto do meu arquivo)

AS CONFISSÕES RELIGIOSAS TÊM O DIREITO
DE DEFENDER OS SEUS PRINCÍPIOS


A propósito das declarações recentes da hierarquia da Igreja Católica sobre o casamento de mulheres cristãs com muçulmanos e sobre o casamento de pessoas do mesmo sexo, ouvi acusações sem nexo. Que a Igreja não tinha nada que se meter nestes assuntos e que devia, isso sim, preocupar-se com a pobreza, com as injustiças sociais, com os marginalizados. Enfim, a Igreja devia fechar-se nos templos, ficar por lá a rezar, preocupando-se com o espiritual e deixar o resto para os políticos.
Claro que esta posição de algumas cabecinhas pensadoras reflectem bem o seu gosto preferencial pelas sociedades de pensamento único, esquecendo-se que, numa democracia, todos, mas mesmo todos, têm o direito e a obrigação de expor e defender as suas opiniões e as suas convicções.
Sem querer avançar com temas polémicos, que existem em todas as sociedades livres, permitam-me que lembre apenas que a Igreja Católica, como outras Igrejas cristãs e não cristãs, não precisa que lhe recordem as suas obrigações sociais, traduzidas, no nosso país e pelo mundo, através das mais diversificados respostas, muito concretas, em favor de quem sofre e de quem precisa. Basta olhar para o lado, com olhos de ver.

FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 01 Março , 2009, 12:59


Aveiro2009 – Recordando Efemérides




“Quando penso na história milenar de Aveiro e da sua região, logo assoma em mim a rara sensação de uma estranha e única composição de terra, de água, de sol, de ar e de luz, que, no rodar da existência, é difícil encontrar em qualquer outra parte. As vagas do Atlântico, as ondinas da ria, as velas dos barcos, as proas dos moliceiros, o remanso do Vouga, a beleza dos horizontes, a pujança dos campos, o verde das florestas, o contorno das serranias, a diversidade das povoações, o primor dos edifícios, o sinuoso das ruas, a singularidade dos costumes, a característica do folclore, a animação das festas, a galhardia dos cortejos, o sentimento das devoções, a originalidade das maneiras, a esperança das famílias, a traquinice das crianças, o entusiasmo dos jovens, a faina dos marnotos, a labuta dos agricultores, a canseira dos trabalhadores, a preocupação dos empresários, o talento dos letrados, a formosura das mulheres, o altruísmo dos voluntários, a coragem dos mártires, a vida das terras, a graça das gentes…”

In NA MEMÓRIA, do livro de Mons. João Gonçalves Gaspar

Mons. João conversa com o vereador das CMA Capão Filipe

Ontem tive o privilégio de assistir ao lançamento do mais recente livro de Mons. João Gonçalves Gaspar – Aveiro2009 – Recordando Efemérides –, no Museu da Cidade. Apresentou a obra Delfim Bismark Ferreira. Teceu naturais e justos elogios ao autor, que já publicou mais de 30 títulos, a maioria dos quais à volta de Aveiro e sua região, mas também sobre vultos da história local.
Mons. João Gaspar pensou este trabalho há uns três meses. Pegando na ideia, buscou na história e na memória o que de relevante aconteceu em cada mês, de muitos anos “redondos”. Começou, obviamente, pela data mais antiga – 12 de Junho de 922 – que se refere provavelmente a Aveiro. Diz assim: “D. Ordonho II, rei da Galiza e de Leão, assinou uma importante doação em favor do Mosteiro de Crestuma, onde se menciona o PORTU DE ALIOVIRIO; se este topónimo corresponder a uma anotação alterada de ‘Alavário’, temos aqui a primeira referência histórica a Aveiro.”
Fiquemos então com esta data que assinala o primeiro “baptismo” de Aveiro. Mas o livro tem muitas outras curiosidades que nos levam a visitas bem guiadas, através dos séculos e até quase aos nossos dias, pela vida da terra aveirense e das suas gentes.
Esta obra, com edição de excelente papel e profusamente ilustrada, insere-se perfeitamente nas celebrações dos 250 anos da elevação de Aveiro a cidade. Com capa de Hugo Rios, a partir de desenho de Sara Bandarra, e composição de José Luís Santos, este livro é um regalo para os olhos e para o espírito de quem sente o património histórico como parte integrante do seu próprio ser.
Mons. João Gaspar, provavelmente o mais prolífero historiador aveirense, não se poupa e esforços para nos ofertar, com alguma frequência, lampejos da sua sensibilidade e do seu labor, carregados de aveirismo, onde o eixense, que ele é também, mergulhou há muito, com assinalada paixão.
Deste trabalho haverei de falar e de escrever algumas vezes, ao sabor das efemérides que o autor tão bem soube registar em letra de forma, com belas e oportunas fotografias.

Fernando Martins


Editado por Fernando Martins | Domingo, 01 Março , 2009, 08:32
BACALHAU EM DATAS – 10



ERA PRÓSPERA A PESCA NO REINADO DE D. SEBASTIÃO


Caríssimo/a:


1570 - «Por razões que se relacionam mais com o estado da barra,”não foi longa esta afluência de navios estrangeiros ao porto de Aveiro. [...] O entupimento da barra – afirma Marques Gomes – que começou em 1570, paralisou quase por completo o comércio marítimo.» [Oc45, 78]
1571 -Nov 03 - «Também era próspera a pesca do bacalhau naquele reinado [D. Sebastião], determinando-se em 3 de Novembro de 1571 que a flotilha de Aveiro seguisse com a de Viana para os Bancos.» [MG, 170]
«A lei de 3 de Novembro de 1571, § 23, faz referência à necessidade de os barcos se armarem e pelejarem, juntos, contra inimigos. “As naus que forem da Vila de Aveiro e Viana e de qualquer outra parte dos meus Reinos e Senhorios à pescaria do bacalhau, irão armadas e elegerão, entre si ao tempo em que partirem Capitão-mor, tudo conforme este regulamento [...]”.» [Oc45, 78]
«No reinado de D. Sebastião, esta actividade continuava a desenvolver-se. Foi então publicado o “Regimento para as frotas da pesca do bacalhau”, pelo qual estas eram reorganizadas sob um mesmo comando». [HPB, 22]
«Dos portos do Minho, Douro e da barra de Aveiro, saíam regularmente frotas que tiveram dos reis D. João III e D. Sebastião regimentos para seu governo.» [ in Dicionário de História de Portugal, dirigido por Joel Serrão, Iniciativas Editoriais, 1979, Volume I, pág. 268]
1572 - «Secou-se e beneficiou-se bacalhau entrado na barra da vila de Aveiro, cf. Documento existente no Arquivo Municipal de Aveiro.» [MG,341]
«Quanto à seca de bacalhau, Mosés Amzalak cita um documento existente no Arquivo Municipal de Aveiro, onde se refere à existência desta actividade no porto de Aveiro em 1572. Ainda sobre este período do século XVI, escreve Francisco Salles Lencastre que o produto da pescaria do bacalhau opulentou várias terras de Portugal, principalmente Viana na Foz do Lima e Aveiro.» [HPB, 21]
1576 - «Havia na Terra Nova pescando bacalhau, 50 navios portugueses, 30 ingleses e 100 espanhóis.» [HPB, 22]
1578 - «Segundo um mercador de Bristol, Anthony Parkhurst, “havia na Terra Nova mais de 100 velas espanholas pescando bacalhau, 50 velas portuguesas e 150 francesas e bretãs e 50 inglesas”.» [HPB, 21]
A História reserva-nos muitas surpresas, habituados como estamos a sombras, sonhos, ... fantasmas, leituras rápidas, pouca reflexão/investigação...
D. Sebastião [1554-1578, em 1568 assume o trono aos 14 anos], Alcácer Quibir, Sebastianismo...
Quem de nós, ao falar no rei D. Sebastião, pensaria em ... pesca de bacalhau!?...

Ainda mais: estando nós no início da Quaresma, imaginaremos a importância e influência da religião sobre a pesca do bacalhau?
Pois vejamos:
«Cedo o bacalhau salgado e seco se torna um alimento importante em Portugal. Dos portos do Norte do País e de Lisboa saem expedições anuais que trazem o peixe, cujo consumo se populariza. A obrigatoriedade religiosa de abstinência de carne nos dias magros decretados pela Igreja forçava a explorar aqueles recursos imensos.» [Oc45, 5]
«A necessidade era imperiosa, já que a pesca era o alimento básico dos europeus dos séculos XV e XVI, para além do preceito religioso que impedia os cristãos de ingerir carne durante mais de metade dos dias do ano.» [Oc45, 24]

Manuel

Editado por Fernando Martins | Domingo, 01 Março , 2009, 08:30

“Deixa-te tentar” pelo desafio do caminho a percorrer, se queres chegar à meta; pela luta a travar, se pretendes alcançar vitória; pela fidelidade diária, se desejas saborear a felicidade; pelo esforço constante, se sonhas ter o êxito ansiado. Deixa-te tentar, sente o estímulo que te desperta energias e avança sem cedências nem mistificações.

Deixa-te tentar pelo apelo da consciência, se aprecias a paz interior e valoras a rectidão do proceder; pelos segredos do coração, se cultivas o encanto da surpresa e estás aberto à novidade que humaniza; pela força da emotividade racional, se desejas avivar o humano que há em ti e viver em harmonia e liberdade. Deixa-te tentar, aprecia a verdade que liberta e o caminho que conduz à vida. Sem vacilações, animado pela esperança, valorizando sempre os passos dados.

Deixa-te tentar pela presença amiga dos outros, se acreditas na força da solidariedade e na mais valia da reciprocidade; pela cooperação sustentável e pelas exigências da subsidiariedade, se queres “fazer um mergulho” em profundidade e desvelar o que existe de melhor na tua interioridade; pelo bem comum de todos, vencendo egoísmos talvez justificáveis, se aspiras a ter um coração à medida do universo e a ser amigo do mundo que Deus cuida com amor de serviço. Deixa-te tentar, dá espaço a um novo olhar, lança lufadas de ar fresco na monotonia bafienta das rotinas e abre horizontes à estreiteza do êxito fácil e imediato. Define-te pela afirmação, pelo sim generoso, pela entrega solícita, pelo serviço voluntário e solidário.

Deixa-te tentar pela probabilidade consistente, para não dizer pela certeza absoluta, de que Deus cuida de nós com amor p/materno e está pronto a colaborar connosco para que se vençam todas as crises que desumanizam as pessoas e vitimam inocentes de todas as categorias, destroem espécies únicas da fauna e da flora indispensáveis ao equilíbrio do cosmos, poluem o planeta terra arruinando o jardim-casa de cada ser humano e de toda a humanidade. Deixa-te tentar, se pretendes sinceramente que o teu “eu” aflore com autenticidade e o teu agir seja coerente e sincero. Ceder a tão entusiasmante e oportuna tentação é atitude positiva, sinal de clarividência constante, caminho viável e seguro de realização, penhor antecipado de bênção feliz. Facilita o auto-conhecimento, fideliza a autenticidade, reforça a relação solidária e alicerça no presente as pontes do futuro.

Georgino Rocha
tags:

mais sobre mim
Março 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds