de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 15 Fevereiro , 2009, 20:21

Incentivo para se fazer mais e melhor

Bênção do Complexo Desportivo

As obras de ampliação e remodelação do Complexo do Grupo Desportivo da Gafanha (GDG) foram inauguradas hoje, 15 de Fevereiro, em cerimónia presidida pelo autarca ilhavense, Ribau Esteves, na presença dos dirigentes do clube, prior da freguesia e demais autoridades.
Como seria de esperar, largas dezenas de atletas do GDG, com os seus seccionistas e treinadores, desfilaram, por classes, emprestando um colorido muito expressivo à festa.
O presidente da Câmara de Ílhavo frisou que este empreendimento importou em 700 mil euros, não tendo havido qualquer comparticipação estatal. Disse que se trata de um conjunto de infra-estruturas digno de uma terra que “continua a crescer cada dia que passa”, inserindo-se num projecto mais vasto, que é o Centro de Estágio, vocacionado para receber “equipas de várias modalidades, de âmbito nacional”.
Com esta ampliação, o Complexo Desportivo passa a contar com mais dois campos de futebol de onze (um de relva sintética e outro pelado), bem como de espaços de apoio e de acesso.


Descerramento da placa alusiva à inauguração

Ribau Esteves lembrou que o GDG tem agora de rentabilizar estes equipamentos, tanto na formação de cidadãos como de atletas, que sejam “símbolo da Gafanha da Nazaré e do Município de Ílhavo”. Importa, salientou, que “os jovens cresçam de forma saudável”, desenvolvendo “os dons que Deus lhes deu”.
Garantiu que o clube tem dirigentes “trabalhadores e honestos”, mas não deixou de avisar que a Câmara continua a exigir “retorno”. Nessa linha, adiantou que “temos de ser bons na vida; não podemos ficar na mediania”. Assim, pediu ao GDG que aposte na formação humana e desportiva, mas também que aponte os seus objectivos para atingir as divisões nacionais.
Presidentes da CMI e do GDG

Manuel Serra, presidente da Junta, homenageou todos os que ao longo dos últimos 51 anos contribuíram para que o clube chegasse ao que é hoje. Depois de recordar, a traços largos, os melhoramentos introduzidos no complexo desportivo ao longo do tempo, manifestou o desejo de que esta inauguração “seja o motor e o arranque definitivo para o Centro de Estágio do Parque Municipal de Lazer, assente na Colónia Agrícola”. Acrescentou que este projecto, quando concluído, há-de tornar esta zona “ainda mais apetecível”, para a prática desportiva na nossa região.
Por sua vez, António Pinho, presidente do GDG, começou por homenagear com um minuto de silêncio o sócio número um, capitão Guerra, que foi neste dia a enterrar.
Assumiu que os momentos altos, e até os menos bons, que enriqueceram a história do clube, já com mais de 50 anos de vida, “fazem parte da nossa memória”, levando-nos “a acreditar no futuro”.

Desfile de atletas


Com mais de 600 atletas, nas modalidades de futebol, futsal, basquetebol e atletismo, para as mais diversas faixas etárias, António Pinho garantiu que estas obras “são um incentivo para se fazer mais e melhor”, na área do desporto. Mas não ignorou que tudo isto só foi possível, graças à boa relação institucional com a Câmara Municipal de Ílhavo e com a Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré.
Da cerimónia, constou a justa homenagem ao dirigente Ernesto Mónica, que tem servido o clube, há mais de 30 anos, mas que promete continuar, porque gosta muito de futebol, disse.
Três atletas do clube, das camadas infantis e juvenis, receberam o Prémio da Correcção Desportiva.
No final, o prior da freguesia, padre Francisco Melo, procedeu à bênção do Complexo Desportivo e de todos os que o utilizarem.
Muitas centenas de pessoas assistiram depois a jogos para as mais variadas idades, nos campos acabados de inaugurar.
A festa foi valorizada pela participação da Filarmónica Gafanhense, que apresentou alguns números do seu vasto reportório.

Fernando Martins
tags: ,

Editado por Fernando Martins | Domingo, 15 Fevereiro , 2009, 11:51
O PÚBLICO oline revela que a pesca é o vício de um milhão de portugueses. Diz que "Um em cada dez portugueses tem o vício da pesca. São um milhão os que, todos os anos, compram a respectiva licença para, no mar ou em água doce, faça sol ou caia chuva, darem satisfação a uma actividade que movimenta milhões de euros. O negócio, apesar da crise, floresce, ao ponto de existirem mais de 300 estabelecimentos especializados na venda de material. Há imprensa especializada e até se viaja para outros continentes na esperança de sentir a cana vergar com o peso recorde de um peixe". É obra.


Há tempos, passeando descontraidamente pelo paredão, na Praia da Barra, numa tarde calmosa, olhei para um pescador que ali estava, descontraído, de cana na mão, à espera que o peixe picasse. Parei. O pescador, talvez desejoso de meter conversa, vira-se para mim e pergunta:
- Ó amigo, sabe quem é o padroeiro dos pescadores?
Assim apanhado de surpresa, atirei:
- Se calhar é o S. Pedro. Porquê? - indaguei.
- É que eu vim do Porto de madrugada e ainda não pesquei nada. Ajude-me aí a rezar-lhe para eu chegar a casa com uns peixitos...
Ri-me com vontade e lá o aconselhei a passar pelo supermercado, onde normalmente há peixe fresco.
Afinal, o vício da pesca, que deve ser bom, tem destas coisas: pachorra que baste para estar de cana na mão, horas a fio, quantas vezes sem ver a cor do peixe.

FM

tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 15 Fevereiro , 2009, 10:33
Há obras prometidas...



UM POUCO DE HISTÓRIA

Sobre o Forte da Barra, escrevi uma curtas notas no meu blogue Galafanha, onde vou guardando algo que diz respeito às Gafanhas. Nesse meu espaço, há lugar para textos e achegas dos meus amigos, desde que fundamentados. Assim eles venham.

FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 15 Fevereiro , 2009, 09:46

O amor ao próximo e à vida está enraizado
no íntimo de cada ser humano


A generosidade marcou presença ontem na igreja matriz da Gafanha da Nazaré. 690 pessoas, um pouco de todo o lado, deram sangue, com vista a descobrir-se um dador compatível de medula óssea, para uma menina que sobre de leucemia. Outras não puderam satisfazer o seu desejo por falta de meios necessários à recolha. Ficou a boa intenção e a certeza de que o amor ao próximo e à vida está bem enraizado no íntimo de cada ser humano.
Parabéns para todos…
Leiam mais aqui
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 15 Fevereiro , 2009, 09:23



BACALHAU EM DATAS - 8

Padre Rezende

AFINAL A MONOGRAFIA DA GAFANHA TAMBÉM...

Caríssimo/a:

Temos navegado por águas de profundos saberes. Hoje resolvi fazer uma abordagem mais terra-a-terra, aquilo a que podemos chamar as nossas águas, já que há muitos, muitos anos na Monografia da Gafanha, do senhor Padre João Vieira Rezende, na sua 2.ª edição, correcta e aumentada, de 1944, li algo a que, na altura, confesso, não dei muita importância. Será que neste novo contexto me dirá coisas novas? Vejamos:
«Segundo o P.e Carvalho da Costa, são antigas as construções navais em Aveiro.
Regressemos ao século XVI. Os navios de Aveiro faziam naquele século comércio com a Inglaterra, Irlanda, Flandres e Ilhas, mas uma grande parte deles armava-se para a pesca de bacalhau à Terra Nova, iniciada cerca de 1500. Por volta de 1700, , o P. Carvalho da Costa dizia na sua Corografia Portuguesa: “Por esta comodidade se fabricavão outro tempo em Aveyro tantas embarcaçoens, que sahião (como diremos) sessenta naos para a pescaria da Terra nova; & mais de cem carregadas de sal para diversas partes. Depois ficando a barra com pouco fundo se foy diminuindo a navegação, & commercio: com que atégora se fabricávão aqui poucos navios; & entravam só alguns Portuguezes, Inglezes, & Galegos; mas como Aveyro está já porto seguro, se espera que brevemente torne a ser porto rico”

Desta passagem concluíu-se, erradamente, que o pôrto de Aveiro tinha no século XVI, 160 navios. O sr. Dr. Francisco Neves prova que o êrro era possível. Devemos ter como mais seguro e elucidativo o que em 1648 se escreveu, referente àquele século, na Memória dos capítulos que Sebastião Soares da Fonseca ha-de propor a Sua Magestade que Deus Guarde. Lia-se nesse escrito, que existiu na Câmara de Aveiro: "Que nesta vila , quando antigamente tinha 46 ou 50 navios que iam á pescaria do bacalhau…” Êste documento é mais concludente àcêrca do número de navios de Aveiro e indica-nos o que seria o movimento marítimo do seu pôrto.» [MG 183/4]

Lá mais para diante, na página 341, acrescenta:

«Quando em 1504 alguns navegantes da Bretanha e da Normandia aportaram à Terra Nova, já lá encontraram colónias de pescadores de Aveiro e de Viana.
Em 14 de Outubro de 1506, um alvará de D. Manuel ordenava que se pagasse a dízima da pesca da Terra Nova. Este imposto chegou a render em Aveiro 4.000$900 réis.
Um documento existente no Arquivo Municipal de Aveiro, diz que em 1572 se secou e beneficiou bacalhau entrado na barra desta vila.»
[MG, 341]

Afinal a Monografia da Gafanha também se debruçou sobre a pesca do bacalhau ao longo dos tempos e fê-lo com tal rigor que muitos estudiosos se servem das suas fontes e águas cristalinas para as suas navegações.
Assim sendo, curvo-me, mais uma vez, mui respeitosamente, perante esta fígura que deixou marcos perenes a balizar as nossas memórias. Saibamos nós ser dignos seguidores do seu espírito de busca e de pesquisa e consigamos exprimir-nos com a sua humilde exactidão.

Manuel

mais sobre mim
Fevereiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9

16



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds