de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 28 Fevereiro , 2009, 12:08

Tito Estanqueiro na primeira pessoa


Tito numa sessão de trabalho

O brasileiro é alegre e muito dado a festas

Quando cheguei ao Brasil, em 1981, tinha apenas 15 anos. Vivia o fervor da adolescência e a vontade de trilhar um caminho diferente, pois sentia que em Portugal as possibilidades não seriam muito grandes. Recebeu-me meu saudoso pai, Manuel Teixeira Estanqueiro, mais conhecido por Manuel Rito, com todo o carinho de quem muito queria a minha presença por perto.

Manaus foi a cidade que me acolheu nos primeiros tempos. Era uma cidade de ruas largas, praças grandes, mas pouco cuidadas, e o Teatro Amazonas, fruto do período áureo do ciclo da borracha, sobressaía pela sua imponência. Tudo muito diferente da região de Aveiro.

Tito com esposa e filho

Verifiquei de imediato que o brasileiro é alegre, muito dado a festas para comemorar tudo, com o churrasquinho no final do expediente ou a propósito de um simples jogo particular da selecção brasileira, que faz parar o país. Imaginem como é quando se trata de competição oficial para a Copa do Mundo.
As saudades não faltaram e subsistem, mas a forma como o brasileiro tudo faz para que qualquer um, que aqui chega, se sinta em casa, foi e é a tónica dominante que me fez ficar por cá até hoje.


Dirigentes da instituição em que trabalha

Senti saudades da minha mãe e irmã, tal como de outros familiares e amigos. As telecomunicações não eram tão desenvolvidas como hoje. Lembro-me de ter ligado para saber o resultado final de um jogo do nosso Sporting, com que dificuldades! Tudo isto me alimentava o sonho de um dia regressar a Portugal, para estar mais perto da família e para desfrutar das coisas boas em que o nosso país é pródigo.
Naquela altura, as saudades de Portugal eram de certa maneira “combatidas” com a Emissora Nacional, mesmo que as ondas curtas não permitissem escutar, com precisão, as informações e a música portuguesa.


Tito numa homenagem que lhe foi prestada

Falando do “Funchal”, recordo que o meu pai, piloto aviador comercial, não deixava de fazer um voo rasante sobre o paquete, quando ele navegava entre Santarém e Manaus, caso passasse próximo. Desde que cheguei, convivi com jovens da minha idade, embora houvesse uma enorme diferença no relacionamento. O jovem brasileiro era mais ousado... e as meninas muito atrevidas. Entrei na escola técnica para frequentar o segundo grau (que dá acesso ao ensino superior), que não completei. Aí vi que não havia respeito para com os professores, como era habitual em Portugal. Mas nas áreas do conhecimento, não havia grandes diferenças. Com o falecimento do meu pai, num acidente de aviação, em Junho de 1982, só mais tarde, como autodidacta, me preparei e fiz os exames do segundo grau.

Perder o pai é sempre um trauma, mas a vida ensinou-me que temos de estar preparados para tudo. Talvez isso explique uma das grandes verdades que o brasileiro diz: “para que você ouse o máximo no seu dia-a-dia, viva hoje como se fosse o seu último dia, pois um dia você acerta.”
Depois, em 1984, tirei o brevet de piloto comercial e comecei a voar para os locais mais distantes da Amazónia, onde o acesso só era possível por navegação fluvial ou aérea. Mesmo aí, o brasileiro acolhia os forasteiros, oferecendo-lhes o que de melhor havia na cidade.
O povo impressionou-me pela sua forma de encarar a vida, de viver o Carnaval, de opinar sobre tudo o que no dia-a-dia o afecta. Posso dizer que, pese embora as dificuldades, que são enormes, pelas disparidades regionais, é um povo muito empreendedor.
Após a incursão pela aviação, mudei-me para Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, Estado que tem a maior parte do bioma Pantanal. Ingressei na Universidade Pública e completei a licenciatura de Ciências Económicas, com a qual voltei ao mercado de trabalho. Mais tarde, surgiu a possibilidade de tirar o mestrado em Ciências Económicas e lá consegui essa meta com algum brilhantismo. Foram tempos divididos entre Campo Grande e São Paulo. Esta última cidade é, sem dúvida, única; não falta nada, tem tudo o que se pode imaginar. Se visitar não deixe de conhecer o Mercado Municipal e o Museu da Língua Portuguesa. Vale a pena.
Permitam-me que evoque um grande amigo, já falecido, António M. Cravo Cascais, com quem privei imensos momentos e de quem lembro a sua inegável dedicação e preocupação, após o falecimento do meu pai. Estou-lhe muito grato.

Depois de uma tentativa falhada de regressar de vez à Gafanha da Nazaré, com a Débora, pensei que talvez tenha errado em ter emigrado, mas, como diz a Ti Vitória, minha avó, agora “não adianta chorar pelo leite derramado”.
A minha vida, presentemente, está assente no Brasil. Em 2006, fruto das amizades realizadas e da competência que me é reconhecida, passei a desempenhar funções de director técnico da SEBRAE/MS, no Mato Grosso do Sul, uma instituição que apoia as micro e pequenas empresa. Assim, passei a ter a nossa Gafanha da Nazaré apenas como local das minhas férias, até porque empreendi novos desafios que vieram com a chegada do João Vítor, primeiro filho, e das novas responsabilidades assumidas.


Oásis de progresso

Quando havia a oportunidade, lá dava eu um pulo a Portugal para rever família e amigos. O período mais difícil foi entre 1982 a 1985, quando passei quase mil dias longe do que eu mais considero. Esse interregno ensinou-me que o dinheiro vale para ser usado em vida. De nada adiantaria eu fazer o habitual que os portugueses fazem: montar uma padaria, passar 20 anos sem ir a Portugal e depois regressar com alguma pompa. Quantas histórias parecidas escutei!
Desde 1985, quase todos os anos visito os parentes e amigos, como diria o meu bisavô, Ti Sarabando. Já são mais de 25 viagens que muito contribuíram para estar na nossa Gafanha.
As visitas são corridas, falta tempo para estar com todos, para partilhar horas de convívio, mas não deixo de ouvir quem me conta como tem evoluído a nossa terra. Sou um defensor do desenvolvimento económico, mas digo que faltou, durante imenso tempo, visão a alguns líderes políticos para reclamarem a expansão do Porto de Aveiro. Perdemos a chance de ter um desenvolvimento sustentável para as nossas gentes, implementando uma marina e a respectiva envolvente, que geraria mais emprego e poderia permitir uma outra dinâmica, colocando esse ponto ocidental da costa atlântica como oásis do progresso. Mas os novos Portos de Aveiro aí estão a preparar-se, certamente, para assumir um grande futuro, embora por vezes algumas obras portuárias descaracterizem o bucolismo da sempre acolhedora terra dos nossos pais e avós.

Texto elaborado a partir de uma entrevista, via e-mail, com o Tito Estanqueiro, economista, emigrante no Brasil, mas com as marcas das saudades da nossa terra e das nossas gentes bem presentes.
Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Sábado, 28 Fevereiro , 2009, 09:11

O slogan "Deus provavelmente não existe. Deixe, pois, de se preocupar e goze a vida", que tinha começado por percorrer Londres, chegou à Espanha, nomeadamente a Barcelona e a Madrid, devendo alcançar outras cidades espanholas.
Como já aqui escrevi, trata-se, antes de mais, de um acto de liberdade de expressão. No quadro do respeito pela lei, todos têm direito a manifestar as suas opiniões e crenças. Este direito é, evidentemente, extensivo aos ateus.
Depois, é interessante que no "cartaz" se leia: "provavelmente". Não se diz que não há Deus, diz--se que "provavelmente" não há. Isto significa que os autores dos cartazes perceberam que não podem demonstrar a não existência de Deus. A afirmação da existência de Deus ou da sua não existência não é objecto de ciência, pois não pode haver verificação empírica. O ateu não pode dizer que "sabe" que não há Deus; ele apenas pode dizer que "crê" que não há Deus. Como o crente também não "sabe" que Deus existe; ele "crê" que Deus existe.
E entende-se todo este movimento ateu, que deve obrigar os crentes a pensar. Não foram frequentemente os crentes que deram uma imagem de Deus que obrigava ao ateísmo? Não se deve ser ateu face a um Deus mesquinho e ridículo - pense-se, por exemplo, no criacionismo americano, segundo o qual os primeiros capítulos do Génesis devem ser tomados à letra -, invejoso da alegria dos humanos e impedindo a sua realização e felicidade?
É precisamente o que se dá a entender na segunda parte do slogan: "Deixe de se preocupar e goze a vida." Deus aparece como impedindo a alegria de viver, de tal modo que a probabilidade da sua não existência seria o pressuposto para finalmente se viver de modo expansivamente humano.
Isso deve levar os crentes a reflectir, pois, embora seja fonte de vida, de salvação e realização plena da existência, de facto, muitas vezes foi pregado um Deus que amesquinha a vida, um Deus incompatível com a ciência, um Deus vingativo - ele até apanharia os ateus no inferno... -, um Deus desgraçadamente invocado para legitimar o que é contra Deus: a violência, o terrorismo, a guerra.
Mas também é preciso perguntar aos autores dos cartazes: que entendem por "deixe de preocupar-se e goze a vida"? Seja como for, crentes e não crentes têm de viver com responsabilidade e empenhar-se na luta por uma vida boa e justa para todos.
O lema do cartaz programado para a Itália pela União de Ateus e Agnósticos Racionalistas seria: "A má notícia é que Deus não existe. A boa é que não é preciso."Parece que foi impedido pelas autoridades. Lamentavelmente, pois esta publicidade dos autocarros ateus obriga toda a gente a pensar e é bom e urgente pensar no mais importante. O pior é não pensar, não se interrogar. A pergunta por Deus, seja para afirmá-lo seja para negá-lo, é a pergunta maior e é mesmo o fundamento da dignidade humana. O ser humano é digno, porque pode perguntar pelo Infinito.
Mas, afinal, Deus não é preciso? Também o crente reconhece que Deus não pode ser um tapa-buracos, a compensação para a nossa ignorância e impotência, a legitimação ideológica da ordem social e política ou a chave de abóbada de um sistema.
De qualquer modo, Deus tem a ver com o sentido último e a salvação. Foi talvez neste quadro que Nietzsche, sete anos antes de enlouquecer, escreveu a Ida, mulher do amigo F. Overbeck, pedindo-lhe que não abandonasse a ideia de Deus: "Eu abandonei-a, não posso nem quero voltar atrás, desmorono-me continuamente, mas isso não me importa." Como escreveu Wittgenstein, "crer num Deus quer dizer compreender a questão do sentido da vida, ver que os factos do mundo não são, portanto, tudo. Crer em Deus quer dizer que a vida tem um sentido".
Nas ruas de Madrid, compareceram também autocarros cristãos: "Deus existe. Desfruta a vida em Cristo." Claro que há esse direito. Mas seria lamentável uma "guerra" de cartazes. Os crentes devem sobretudo testemunhar Deus pela vida, pela combate a favor da justiça, pelo amor. E é também fundamental uma pastoral da inteligência, no diálogo entre a fé e a razão.
Anselmo Borges
In DN
tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 27 Fevereiro , 2009, 22:42

"TRABALHOS ESCOLARES"


Promovido pela Câmara Municipal de Aveiro e pela ADERAV (Associação para o Estudo e Defesa do Património Natural e Cultural da Região de Aveiro), está a decorrer o concurso "Trabalhos Escolares", com o objectivo de fomentar a envolvência das crianças e dos jovens nas questões da valorização do património e da história da região, através da participação em trabalhos escolares que reforcem a ligação à matriz identitária aveirense, valorizando em especial o património histórico, artístico e cultural do concelho. O concurso é dirigido aos alunos do 1.º, 2.º e 3.º ciclos do ensino básico, que frequentem estabelecimentos escolares no concelho de Aveiro. O regulamento e ficha de inscrição estão disponíveis na página da autarquia na Internet. O concurso está aberto a dois géneros de trabalhos: ensaio e artes plásticas.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 27 Fevereiro , 2009, 12:55
Jovens felizes (foto do meu arquivo)


Segundo uma sondagem publicada na revista Visão, 73,5% dos portugueses consideram-se felizes. Afinal, com tantas crises por tantos apregoadas, os nossos compatriotas ainda conseguem sorrir e ser felizes no dia-a-dia. Assim é que é! Vale a pena acreditar que, apesar-de tudo, não nos faltam razões para estarmos de bem com a vida. Claro que há sempre, como sempre houve, os Velhos do Restelo, que só se sentem bem a pregar desgraças e a descrever dramas, que os há, sem dúvida. Mas o que há de bom não supera os maus agoiros? Digam lá se é assim ou não!

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 27 Fevereiro , 2009, 11:07

É o cão mais bonito desta Aldeia Global e... Arredores! Poderá parecer hiperbólica esta afirmação, mas corresponde ao sentimento que a sua dona, extremosa e cheia de orgulho, nutre por esta criatura.
De pêlo tigrado e ostentando um aspecto feroz, numa “cara” de poucos amigos, cumpre na íntegra os deveres de que está acometido: anfitrião e segurança da “mansão” vitoriana, na apreciação ternurenta dum amigo da casa. Aquela casa tem mística! - reafirma o mesmo, incluindo o protagonista da história que vai ser narrada.
Com efeito, recebe um tratamento principesco, numa família de acolhimento que o considera parte integrante da mesma. Em afecto, em partilha criativa, em amizade, quase devoção pelos donos, em nada se distingue dos seus pares humanos.
Em educação, faz inveja a muitos progenitores que têm alguma dificuldade em inculcar regras e valores à sua prole. Vive num espaço amplo, um jardim, sem limites, nem prisões, nem interdições de espécie nenhuma. Come em prato próprio, bebe de uma larga taça, que apenas não evoluiu como as de champanhe, para flute! Precisa de ampla superfície para que a língua lhe possa fazer os movimentos necessários ao sorver da água.
Para comer... já sabe! Sentadinho, pois é assim que fazem os meninos! E... esperteza, inteligência sem par! Percebe a ordem para sentar-se, em qualquer uma das línguas que a dona fala; em todas, o significante contém um som sibilante, o que contribui para uma rápida e pronta interiorização do significado. É um cão poliglota, como já o apodou a amiga da dona, também ela falante de “n” línguas!
Um cão exemplar! Um cão que obedece, sem contestação às ordens da dona, tanto no que se refere à postura à mesa, como, quando se insinua com o seu “casaco de pele”, através do vidro fosco, da porta da cozinha. Enquanto era bebé, antes de ter interiorizado as normas de conduta e etiqueta(!?), raspava na porta, como qualquer cão rafeiro... antes de sofrer a metamorfose da Educação Cívica!
E... em termos de dedicação... ah... é exclusivo da dona! Se alguém partilha com ela esse dom generoso da afectividade do canino, isso não lhe retira o direito de exclusividade!
Tem esta qualidade suprema, apanágio de... só alguns humanos! Nunca trocou a dona, por algum petisco que lhe tenham oferecido, na rua, em qualquer passeio, contrariando o velho aforismo, ”Fraco é o cão a quem se dá o osso e o rejeita!”
E faz inveja a quantos o olham com desdém e o amofinam: - Vida de cão!
Quantos dariam por ter só uma diminuta fracção dos mimos e afagos que a dona lhe dispensa! Até o estragas com mimos! -Chega a ouvir das pessoas amigas que se espantam com o nível de aquisições comportamentais adquiridas, numa ainda jovem e buliçosa vida!
Mas o que mais espanta a quantos o conhecem e às visitas da casa é o conhecimento perfeito e o autodomínio demonstrado, perante a demonstração de liberdade e autonomia, concedidas pelos donos, bem conceptualizadas, num cerebrozinho de canino sobredotado!!!
Vivendo em plena liberdade, como referido atrás, enfrenta a cancela totalmente franqueada, sem se evadir para o exterior, como uma prova bem clara da sua confiança e maturidade(!?) É um adulto, consciente dos seus deveres de guardião e membro da família, demonstrando um apurado grau de responsabilidade! Nem as cadelinhas insinuantes, que passam em matilhas, na rua adjacente, o conseguem demover dos seus votos de fidelidade!?
Não fosse a excepção confirmar a regra, levaria a dona a afirmar com propriedade: - Quanto mais conheço os homens, mais gosto do Boris!!
Mª Donzília Almeida

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 27 Fevereiro , 2009, 11:01

Há anos, o Festival da Canção-Mensagem, uma iniciativa da Juventude Masculina de Schoenstatt, fez furor na Gafanha da Nazaré e arredores. Movimentava muita juventude, de todas as idades, e o salão da nossa igreja matriz estava sempre replecto de claques que aplaudiam as suas canções favoritas. Fiz parte do júri, em algumas edições, e lembro bem os aplausos e os protestos que se seguiam ao festival. Bons tempos... Leia mais aqui.
tags:

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 26 Fevereiro , 2009, 22:41
“Aveiro – 2009 – Recordando Efemérides”

Depois de amanhã, sábado, pelas 17.30 horas, no Museu da Cidade, será feito o lan-çamento do mais recente livro de Mons. João Gaspar, da Academia Portuguesa de História e com inúmeros trabalhos publicados.
O livro que agora foi dado à estampa, intitulado “Aveiro – 2009 – Recordando Efemérides”, é mais uma obra que nos convida a revisitar a história de terras e gentes aveirenses, pelo que vai ter, forçosamente, largo sucesso.
Como novidade, faz recuar a data de baptismo de Aveiro para 922, destronando assim o ano 959, até agora considerada a data da primeira referência à cidade dos canais, da responsabilidade de Mumadona Dias, que por aqui possuía marinhas de sal.
Na próxima semana, voltarei ao assunto, com mais pormenores, obviamente.
tags:

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 26 Fevereiro , 2009, 21:40

Oficialmente ainda estamos longe da Primavera. Só lá para 21 de Março é que ela nos vai brindar com a sua alegria. Mas não há dúvida de que a Primavera quer mesmo chegar. Porque deve estar a sentir quão desejosos estamos de a usufruir. Olhando para as árvores e arbustos, as cores primaveris aí estão, cheias de pujança.

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 26 Fevereiro , 2009, 21:37


Esta semana um empresário de Braga foi condenado por corrupção activa. Trata-se da conclusão de um julgamento na primeira instância, logo a sentença ainda poderá ser alterada em tribunais superiores. Curiosa foi a pena aplicada ao crime: 5 mil euros de multa. Ou seja, uma ninharia para um negócio de milhões.
A explicação jurídica para esta desproporção está em não ter sido provado que a tentativa de corrupção se destinava a que o alvo dela (o vereador da Câmara de Lisboa Sá Fernandes) praticasse um acto ilícito, mas apenas que exercesse a sua influência no sentido de uma decisão camarária lícita. Parece que até há uma década um acto deste tipo nem sequer seria criminalizado.
Sejam quais forem as justificações legais para esta surpreendente decisão judicial, a verdade é que estamos perante um absurdo. Ou, se quisermos, um incentivo à corrupção. É que, com estas leis, a corrupção compensa quando estão envolvidos negócios de muito dinheiro. A dramática crise da justiça portuguesa também decorre de leis insensatas e mal feitas.

Francisco Sarsfield Cabral

In RR

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 26 Fevereiro , 2009, 21:25


DEBATER NÃO É O MESMO QUE DIALOGAR


Debater não é o mesmo que dialogar. Quem debate quer vencer o outro. Quem dialoga quer enriquecer-se com a partilha e o contributo do outro. O debate tem claque a bater palmas. O diálogo não a tem, nem a quer. O debate dá-se bem com o barulho. O diálogo quer silêncio para pensar e interiorizar. Debate-se na praça pública, dialoga-se no deserto fecundo e fértil. No debate, opõem-se ideias e convicções. No diálogo, somam-se parcelas de verdade, para uma verdade maior e comum. No debate, extremam-se campos e sobem-se muros. No diálogo, abrem-se frechas por onde passe a luz e se possam dar as mãos, até se chegar, de vez, ao derrube de fronteiras.
A vida de todos os dias mostra que é mais fácil debater do que dialogar, porque no debate se procuram louros e adeptos, ao passo que no diálogo se procura a união, para se usufruir um património que a todos pertence, mas que ninguém o tem por completo, nem o tem para si próprio.
A sociedade caminha mais com o diálogo. Divide-se mais com o debate. O diálogo exige humildade e respeito por quem é diferente, condição indispensável numa sociedade plural. O debate tem raízes de suficiência e o outro é sempre um adversário a vencer ou a abater. Quando em gente diferente se contrapõe a vontade de dialogar com a vontade de vencer, o caminho comum torna-se impossível. Então, a vontade parece não ser mais de se ir em conjunto para onde todos se sintam bem, mas ir para um destino, onde alguns não têm lugar ou são rejeitados na coabitação com os diferentes.
De vez enquanto, e segundo os temas, ouço o ”Prós e Contras”, àquela hora horrível que leva a pensar que se trata de um programa à segunda-feira para quem não trabalha na terça. É um programa com algum sentido para se poder apreciar a realidade da nossa sociedade, mas que não leva, normalmente, a outras conclusões. Cada um está na sua e procura impor a sua. Se aparece algum interveniente que julga que vai para dialogar, onde se respeite e seja respeitado, depressa se desilude e torna-se um rotulado, a quem se despreza ou se aplaude. Observar, até onde possa chegar o nosso olhar, as partes em debate ou que assistem ao mesmo, não difere da observação de um jogo de futebol com equipas em luta e claques de apoio a gritar a toda a hora, sem que o árbitro as possa calar. Mas futebol já temos que chegue.
Nunca, e menos ainda em democracia, se podem canonizar opiniões, apreciar o valor das mesmas pela imposição do maior número ou pela frequência e tempo dos aplausos. A história desmonta serenamente os absolutismos pessoais e de grupos, as vitórias fictícias, o poder esmagador dos poderosos que acabam débeis, porque o tempo os foi fragilizando inexoravelmente. Por isso, ela é mestra de vida para os que lhe estão atentos e dela não recordam apenas datas, anedotas, páginas do seu agrado.
O valor de um povo reside no respeito que cada um tem pelos outros, pelos valores culturais comuns, pelo que história de todos foi e vai ensinando.
Donos absolutos, só à custa de um povo esmagado ou amordaçado. Seja nos debates televisivos, seja nos debates parlamentares, seja nas leis feitas de costas para o bem comum, seja na persistência em impor valores e substituir ou contrapor culturas, sem ver o que têm de válido para integrar ou de espúrio para pôr de lado. Se nem este juízo for claro, o caminho para discernir, com um contributo alargado e objectivo, será o do diálogo, não o do debate das ideias fixas e das razões que não aceitam outras.
Não será já tempo de “Prós e Contras”, mesmo com o favor das audiências, se avaliar sobre se o seu contributo social é positivo ou negativo? Sobre se educa um povo, ou se vai cavando fossos em vez de lançar pontes? Sobre se o debate ali feito fomenta ou não a aprendizagem do diálogo, necessário ao país para poder ir mais além?

António Marcelino
tags:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 25 Fevereiro , 2009, 22:49

Corar de vergonha


Para os católicos de todo o mundo, começa hoje a Quaresma. Um tempo especial de preparação para a Páscoa. A grande festa do Cristianismo.
Para estes mais de mil e cem milhões, esta Quarta-feira ficará marcada pela prática do jejum. Mas, se para a maior parte dos cerca de 280 milhões que habita na Europa, um dia de privação voluntária de alimentos será, sobretudo, razão para dar graças pela sua abundância, nos restantes dias do ano, para a quase totalidade dos 150 milhões que habita em África, o mais provável é que este seja apenas um dia com a mesma fome de outro qualquer…
Apesar de trinta anos de progressos - segundo o Banco Mundial - há ainda hoje mais de mil e 400 milhões de pobres que vivem com pouco mais de um dólar por dia.
Um estudo da ONU revelou-nos, esta semana, um dado ainda mais chocante: metade da comida que actualmente se produz no mundo é desperdiçada.
Não fosse assim e não só chegaria para alimentar a totalidade da população mundial como aquela que se prevê venha a existir em 2050. Para isso, bastava que se aumentasse a eficiência na cadeia alimentar e se combatesse o desperdício.
Um terço do leite produzido nunca é bebido. Um quarto da produção americana de frutos e vegetais apodrece na distribuição. Metade do lixo dos aterros australianos é constituída por restos alimentares.
Um terço dos alimentos comprados na Grã-Bretanha nunca é ingerido.
Em tempos de crise, um mundo assim devia fazer-nos corar de vergonha. Basta querer para mudar.

Graça Franco

In RR
tags:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 25 Fevereiro , 2009, 21:14
Tuna Feminina da AA da Universidade de Aveiro


Festival de Tunas de Ílhavo

As Tunas Universitárias vão voltar ao Município de Ílhavo para integrar a 11.ª edição do Festilha - Festival de Tunas de Ílhavo, que decorrerá no próximos dia 28 de Fevereiro pelas 21.30 horas.
A iniciativa, da responsabilidade da Câmara Municipal de Ílhavo, em colaboração com a Tuna Universitária de Aveiro, realiza-se este ano no Centro Cultural de Ílhavo.
O habitual Concurso de Tunas conta com a participação da TEUP - Tuna de Engenharia da Universidade do Porto, Copituna d'Oppidana - Tuna Académica da Guarda, TUNADÃO 1998 - Tuna do Instituto Superior Politécnico de Viseu e da Tuna Bruna - Tuna Académica da Universidade Internacional da Figueira da Foz.
Regista-se ainda a presença da Tuna Feminina da Associação Académica da Universidade de Aveiro e da TUA - Tuna Universitária de Aveiro, sendo que estas não se apresentam a concurso.
tags:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 25 Fevereiro , 2009, 20:57

Tive um amigo que todos os dias, por norma, ia até à Barra. Dizia-me com ar muito sério que não passava sem lá ir. Se um dia falhasse, por razões imponderáveis, garantia-me que tinha o dia estragado. Eu não sou tanto assim, mas quando posso lá vou. É que há cenas, como esta, tão simples, que nos transmitem uma serenidade inexplicável. Adivinhem como o navio desliza pelas águas mansas do nosso mar.



Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 25 Fevereiro , 2009, 13:02

UMA QUARESMA DIFERENTE

Apesar das crises, que muitos de nós sentimos no dia-a-dia, não faltou quem tenha vivido o Carnaval, com alegria e até euforia. Tem sido sempre assim, desde que registei esta festa popular como obrigatória, sobretudo para quem tem espírito para tal. Depois aprendi que o Carnaval mais não é do que uma válvula de escape para a seguir entrarmos na Quaresma, período mais dado à meditação, à oração e à partilha do que pudermos com os que mais precisam. Isto em espírito cristão, mas com abertura a todos os homens e mulheres de boa vontade.
Penso que não faltarão, nesta quadra, ricos que possam receber e pobres que possam dar. É tudo uma questão de boa vontade.
Hoje sugiro que vejam, aqui, a mensagem quaresmal do Bispo do Porto, D. Manuel Clemente. Pode ser um bom ponto de partida para vivermos este ano uma Quaresma diferente

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 24 Fevereiro , 2009, 22:16

Este é uma iniciativa destinada a abrir um canal de televisão online formado por alunos da universidade de Aveiro. Chama-se Seca2.tv (www.seca2.tv) e procura estudantes com vontade de participar no projecto. Se tem vontade de experimentar ser produtor/realizador, operador de câmara, jornalista, pivot, editor de vídeo ou designer, ou tem apenas curiosidade pelo projecto, apareça Segunda-feira, dia 2 de Março, às 17h00, no Bar do Estudante. Basta inscrever-se em www.seca2.tv
Leia mais aqui

mais sobre mim
Fevereiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9

16



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds