de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Janeiro , 2009, 11:30
Navio-museu Santo André

1. A minha recente visita a uma escola, relatada no meu blogue, por razões sentimentais, levou-me a refletir sobre a contribuição de cada um de nós para valorizar o muito que já se faz com os alunos. Sempre aprendi que a comunidade educativa é constituída por todos os que, direta ou indiretamente, estão ligados à escola, razão por que é obrigação de todos colaborar, quando necessário, na medida das suas possibilidades.
Eu sei que não é fácil deixar o nosso comodismo e vencer os nossos receios, quando somos solicitados a dar o nosso contributo. Mas também sei que colaborar não é somente contar histórias ou substituir os professores durante alguns minutos, para se falar de experiências que transcendem as vivências dos docentes. Há imenso a dar à escola e aos alunos, esperando-se, apenas, que se programem os apoios de pais, amigos e instituições diversas, da freguesia ou de fora.

2. Diariamente sou informado, por variadíssimas fontes, de ações de âmbito cultura relevantes na região. Exposições, museus, teatro, concertos, cinema, música, conferências, livros, CDs, DVDs, artes e artesanato, entre muitas outras. Em todas as informações vem o apelo à participação das pessoas, pois que gente culta é sempre, à partida, gente mais livre. É certo que há eventos que apenas se ficam pelas grandes cidades, mas também é verdade que nos concelhos mais recônditos já há, por norma, equipamentos culturais em número mais do que suficiente para as mais variadas iniciativas culturais. Penso, no entanto, que faltam campanhas de sensibilização, capazes de motivar as pessoas. Assunto a ponderar pelos promotores desses eventos.
Fernando Martins

NOTA: Texto em harmonia com o Acordo Ortográfico
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Janeiro , 2009, 11:14

Encerra-se hoje a Semana de Oração pela Unidade dos Cristão. A ideia de procurar a unidade entre todos os que aceitam Jesus Cristo como Salvador torna-se cada vez mais urgente. Não que isso signifique à partida a integração plena na Igreja Católica, mas que leve todos os cristãos a assumirem a defesa, de mãos dadas, de tudo o que consideram essencial na Mensagem de Cristo, para a instauração do Reino de Deus no mundo.
Mas porque é muito difícil, porque tem sido complicado pôr de lado questões que até geraram guerras há séculos (e ainda hoje), temos de esperar que o Espírito Santo nos ilumine a todos nos caminhos da aproximação mútua, na base do amor fraterno, vivido no dia-a-dia.
Santo Agostinho deixou-nos um lema lapidar que urge pôr em prático, se é que queremos dar passos significativos na procura da unidade de todos os cristãos: “Unidade no certo, liberdade no duvidoso e caridade em tudo.”
Seria interessante que começássemos a pensar nisto. E então, para que o Espírito Santo sinta o nosso interesse e as nossas convicções, não podemos dedicar à questão da unidade apenas uma semana de oração, mas o ano todo e todos os anos que forem precisos.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Janeiro , 2009, 10:42

BACALHAU EM DATAS - 5

Lugre Santa Joana


A PESCA NA TERRA NOVA DOS BACALHAUS

Caríssimo/a:

Curiosidade para saber como se processava a pesca do bacalhau nesses recuados séculos?
É natural; leia-se então o que nos diz um dos nossos entendidos e experimentados:

«Vejamos agora como se processava a pesca na Terra Nova nos seus primórdios.
A primeira modalidade de pesca praticada na Terra Nova foi chamada "pesca na costa", por ser aí e não no alto mar que ela era praticada.
À medida que os navios iam chegando, aproximavam-se o mais possível de terra, e os respectivos capitães escolhiam de entre as baías livres, aquela que lhes proporcionasse um fundeadouro abrigado e uma boa extensão de praia. O navio fundeava normalmente com dois ferros, o mais próximo possível da margem. Só então eram arriadas para a água as duas chalupas que transportavam para terra todo o pessoal encarregado de proceder à montagem das instalações destinadas ao processamento e armazenamento do pescado.
Estas instalações consistiam num trapiche rudimentar, feito de estacaria, onde o peixe seria descarregado da chalupa e imediatamente processado, isto é, trotado, eviscerado, aberto e lavado, e depois de escorrido, salgado em pilhas dentro de um barracão igualmente muito rudimentar, feito também de estacas de madeira, coberto com um toldo ou ramaria de pinheiros a fazer de telhado, para o abrigar das intempéries.
A pesca era feita com redes de cerco, do tipo ainda hoje usado na pesca da sardinha, onde o bacalhau, uma vez enxugado na enorme bolsa fechada por baixo, era transferido por meio de capinetes para uma das duas chalupas de manobra que o ia descarregar ao trapiche de processamento. Após algumas semanas de salga, durante a qual o sal retirava do peixe a sua água de constituição, substituída por uma solução salina ao nível celular, com o peixe já parcialmente desidratado, passava-se à última operação, a secagem.
Esta operação extremamente importante, não se fazia de forma contínua, mas sim por etapas, com vários dias de exposição ao sol em cima dos seixos da praia, ou, na falta destes, em cima de um estendal feito com ramagens de árvores ou arbustos, seguidos de alguns dias de repouso. Esta alternância no tratamento do pescado repetia-se várias vezes, até que o peixe atingisse o grau de cura desejado. Era pois uma operação morosa, pelo que só uma parte do peixe capturado era trazido completamente seco, pronto para a exportação.
Grande parte, ou seja, todo aquele que era capturado e tratado a partir de determinada fase da viagem, vinha na condição de bacalhau frescal, a ser seco depois em terra.
No início toda a gente vinha dormir a bordo, como medida de precaução contra qualquer ataque dos indígenas que habitavam a ilha. Mas com o passar do tempo, depois de verificada a índole pacífica dos habitantes que cada vez mais se foram refugiando no interior, o navio passou a ser desarmado e todos os materiais transferidos para terra.
Agora que toda a gente dormia no próprio local de trabalho, numa grande cabana comunal onde cada um dispunha do seu catre individual feito a seu gosto e à sua medida, evitava-se o constante vaivém terra-navio-terra com uma considerável economia de tempo. O navio, ancorado perto da margem, permaneceu sempre como a principal base de apoio de todas as operações.
Era assim que as coisas se processavam no início da pesca naquelas paragens, em que havia lugar para toda a gente, pois eram muitas as baías e enseadas onde cada um assentava o seu arraial. Basta lembrar que a Ilha da Terra Nova, com os seus 110.000 km quadrados de superfície, tem um perímetro de costa da ordem dos 9000 km. Este número impressionante deve-se ao facto da costa ser profusamente recortada, sobretudo na parte leste da ilha, por efeito de uma terrível erosão glaciar no passado longínquo.»
[HDGTM, 29]

Manuel

mais sobre mim
Janeiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

16




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds