de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 18 Janeiro , 2009, 16:48
Ribau Esteves, António Neves e Neves Vieira

A chuva ajudou a ver o farol com iluminação

Monumento com marcas da nossa história e cultura


As comemorações dos 110 anos da restauração do Município de Ílhavo encerraram hoje, domingo, pelas 15.30 horas, com a inauguração de um conjunto escultórico, na Rotunda Sul do Nó 3 da A25, junto à Friopesca, da autoria do artista ilhavense António Neves. Chuva miudinha, irritante, incomodou a cerimónia, mas nem assim deixaram de aparecer ílhavos e gafanhões nesta hora com algum simbolismo.
Farol com iluminação e lâmpada rotativa, à semelhança do que acontece com o Farol da Barra de Aveiro, capitão, pescador no dóri, bacalhau e velas, estas em representação da força da natureza, que é o vento, são os elementos concebidos pelo autor. Trata-se de um monumento com traços figurativos, estilizados, que assinala a entrada na área portuária, para quem vem da cidade-sede do concelho, como sublinhou o presidente da autarquia, Ribau Esteves.
A escolha desta rotunda, para implantação do monumento dos 110 anos da restauração do município, tem a ver com o ponto estratégico que une "as três cidades com as quais mais nos identificamos, Aveiro, Ílhavo e Gafanha da Nazaré", no dizer do presidente Ribau Esteves. E os motivos aproveitados pelo artista António Neves, mais conhecido como aguarelista, espelham bem "as marcas da nossa história e cultura, em que sobressaem o Farol, o bacalhau e o mar", referiu o autarca.
Ribau Esteves frisou que a Câmara de Ílhavo tem apostado em deixar a nossa arte, “com simbolismo, no domínio público”. Daí a escolha do artista ilhavense, António Neves, que representa, de alguma forma, “um dos melhores que o município tem”, neste momento.
O monumento importou em 75 mil euros, para além das obras circundantes, da responsabilidade da câmara.

FM

Editado por Fernando Martins | Domingo, 18 Janeiro , 2009, 13:55
Do blogue dos Amigos da Avenida, de Aveiro, recebi o comunicado-convite que aqui publico, por conside-rar muito pertinente o desafio que é lançado à comunidade aveirense. Desejo, obviamente, os maiores êxitos, para este grupo de cidadãos da nossa capital do Distrito.

FM


Desafio à comunidade aveirense


As comemorações dos 250 anos podem ser uma excelente oportunidade para Aveiro celebrar o seu passado e a sua identidade, projectar-se no contexto regional e nacional e afirmar a cultura e criatividade como factores de desenvolvimento e de competitividade urbana.
Para isso é fundamental mobilizar a comunidade aveirense e os agentes culturais, sociais e económicos da cidade para que participem de uma forma mais activa nas comemorações.
Nesse sentido, um conjunto de cidadãos aveirenses, organizados à volta do blogue dos Amigos da Avenida (http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/), entendeu lançar um desafio à comunidade e procurar promover um conjunto de iniciativas a desenvolver no âmbito das presentes comemorações.
Pretende-se com esta iniciativa promover os jovens artistas e criativos de Aveiro (do sector da cultura, arte, design, tecnologias,...), dinamizar formas de expressão que privilegiem a animação dos espaços públicos da cidade e estimular a participação dos cidadãos em intervenções criativas nas suas unidades de vizinhaça (ruas, bairros,...).
Para dinamizar este programa "250 anos de Aveiro, uma ideia para o futuro", os promotores do blogue Amigos da Avenida vêm por este meio convidar todos os interessados a participarem numa reunião pública a realizar no próximo dia 22 Janeiro (quinta-feira) pelas 21h no Salão Nobre da Associação Comercial de Aveiro.
Solicitamos a confirmação da vossa presença para o email:
amigosdavenida@gmail.com.

Compareçam, vamos celebrar Aveiro!


José Carlos Mota

tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 18 Janeiro , 2009, 12:41
Lugre Rainha Santa Isabel


BACALHAU EM DATAS - 4


A TERRA NOVA DOS BACALHAUS


Caríssimo/a:

Século XVI (início) - «A presença de pescadores portugueses na Terra Nova remonta certamente a uma época muito remota; foram, no entanto, as viagens dos irmãos Corte Real, no início do século XVI que marcaram o reconhecimento efectivo da que viria a ser baptizada de "Terra Nova dos Bacalhaus". A partir desta época, uma frota de navios portugueses passou a efectuar campanhas de pesca anuais, largando dos portos do Minho, Douro, Mondego e da Barra de Aveiro, com destino aos férteis pesqueiros da Terra Nova. Segundo alguns autores, a frota quinhentista portuguesa chegou a contar cento e cinquenta navios, quase todos de Aveiro e Viana do Castelo. A partir do último quartel do séc. XVI, Portugal começou a experimentar, naquelas paragens [Terra Nova], uma situação desfavorável relativamente a outras potências.» [Creoula, 09 (Creoula – Notas e Fotos de Embarque no Navio de Treino de Mar, por António Santos Carvalho e Ana Lúcia Esteves, Ideias e Rumos, 2005)]

«Viagens de Gaspar Corte Real, ao estreito de Davis, ao qual numerosos autores atribuem a descoberta da Terra Nova.» [HPB, 19]

«Baseando-se em autores e informações tardias várias, Marques Gomes afirmava, em 1923, que os aveirenses teriam estado entre os primeiros a pescar o “fiel amigo”, na Terra Nova, conjuntamente com pescadores de Viana do Castelo e da Ilha Terceira, aí por volta de 1500 ou 1501.» [Oc45, 77]

«Gaspar Corte Real, considerado o descobridor oficial da Terra Nova, em 1501, ali aportou e tomou posse da terra em nome do seu rei. João Álvares Fagundes e João Fernandes Labrador também não desistiam das buscas da passagem para o outro mar naquela parte do continente americano, cuja obstinação havia de custar a vida a muitos deles. Das várias expedições levadas a cabo ao longo de toda a costa do continente norte-americano, muitas das quais terminaram em tragédia, uma realidade ressalta e se impõe, tal a ênfase com que era relatada por todos os marinheiros que nelas haviam tomado parte: a indescritível abundância de bacalhau naquelas águas. Ora foram essas informações, essas notícias entusiasticamente comentadas e espalhadas pelos pescadores da Europa Ocidental que deram origem à grande corrida para os pesqueiros recém-descobertos. E dito isto, não restam quaisquer dúvidas de que a pesca do bacalhau nos bancos da Terra Nova foi a primeira e grande consequência directa da Grande Epopeia dos Descobrimentos naquela parte do mundo.» [HDGTM, 25/26]
«Há a certeza de que em 1504 já pescadores portugueses iam à Terra Nova.» [FM, 7 (Faina Maior – A Pesca do Bacalhau nos Mares da Terra Nova, por Francisco Marques e Ana Maria Lopes, Quetzal Editores, Lisboa, 1996, p. 7)]

Manuel

mais sobre mim
Janeiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

16




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds