de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 30 Dezembro , 2008, 12:58

"O Presidente da República reafirmou ontem os princípios fundamentais que o levaram a vetar politicamente o Estatuto dos Açores, princípios de fidelidade à Constituição que o levaram ontem a aceitar o novo voto do Parlamento e a mandar promulgar um diploma de que discorda profundamente.
Já aqui escrevemos e repetimos: o Estatuto dos Açores possui normas absurdas, que violam o equilíbrio de poderes, e só foram aprovadas por puro oportunismo político de todos os partidos. Todos, repito. As razões do Presidente são claras e só num país analfabeto politicamente se compreende que se tenha perdido mais tempo nas últimas semanas a discutir o método que escolheu do que a substância do que estava em causa. Triunfou a politiquice, perdeu-se mais uma oportunidade de explicar aos portugueses a importância de cumprir as regras no jogo democrático.
E como se tudo isso já não fosse suficientemente mau, viu-se o primeiro-ministro a procurar explorar politicamente um conflito que ele contribuiu para criar, se é que não foi mesmo o principal responsável ao determinar que o PS não alteraria uma vírgula na norma em causa do Estatuto dos Açores.
No fundo ficou provado que em Portugal são raros os que se mantêm fiéis aos seus princípios e numerosos os que preferem adaptar-se aos tempos que correm, gracejando ou desculpando-se, conforme for mais conveniente. Vivemos os anos que vivemos num regime autoritário, e vivemos esses anos todos com uma oposição bem mais anémica do que seria natural, porque já éramos assim. E porque muitos acham que ter princípios é ser dogmático e sectário, quando é exactamente o contrário: quem tem princípios sabe guiar-se em terrenos pantanosos sem sacrificar o essencial, quem não os tem apenas sabe ser autoritário ou servil em função das conveniências do momento."
José Manuel Fernandes, no Editorial do PÚBLICO

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 30 Dezembro , 2008, 10:26
Manuel Serra: Centenário da freguesia deve ser celebrado com dignidade

Centenário da freguesia da Gafanha da Nazaré
quer oferecer alguns melhoramentos à população


A celebração do centenário da criação da freguesia da Gafanha da Nazaré, em 2010, quer oferecer alguns melhoramentos à população. Assim nos garantiu Manuel Serra, Presidente da Junta de Freguesia, em conversa sobre a efeméride, que vai ser comemorada durante todo o ano de 2010. A Junta está atenta a essa realidade e “tudo fará para que datas importantes e simbólicas sejam dignamente recordadas”, disse.
A criação da freguesia, em 31 de Agosto de 1910, mas também a elevação a vila, em 1969, e o salto para cidade, em 2001, vão ser, sem dúvida, “datas que possam proporcionar boas reflexões sobre a terra que fomos, somos e queremos ser”, na perspectiva do autarca da Gafanha da Nazaré.
Nessa altura, quem circular habitualmente pela Avenida José Estêvão vai experimentar uma alteração significativa, na zona da igreja matriz. Aí, passa a haver um só sentido para o trânsito automóvel, “entre o cruzamento das Caçoilas e o acesso que conduz ao Centro Cultural, com passeios mais largos e arranjos modernos, sem estacionamentos”, referiu Manuel Serra.
Ao lado, na área correspondente ao antigo mercado, vai nascer “um amplo e funcional edifício”, para sede da Junta de Freguesia e Correios, de forma “a responder às exigências actuais”, garante o autarca. Este novo largo, com estacionamento subterrâneo, “vai tornar-se num novo centro cívico da cidade”, com ornamentação condigna e zona lúdica “próprias da celebração do centenário da freguesia”, acrescentou.
Apesar de estes projectos resultarem de um concurso de ideias, o presidente da Junta fez questão de sublinhar que “as alterações aplicadas resultaram de sugestões dos moradores”, durante o período de discussão pública.
Entretanto, o Centro Cultural da Gafanha da Nazaré também vai passar por obras de melhoramentos e remodelação, resultantes de “carências sentidas ao longo dos 14 anos da sua existência”, como nos confirmou o presidente da Junta.
Manuel Serra adiantou que o palco foi dado “como desadequado”, e que “as comodidades dos espectadores, em festas e outros eventos, amplamente justificam o que vai ser feito”. O novo palco avança para o anfiteatro exterior, melhorando-se o interior, que ficará maior e “mais digno, com galerias para artistas e outras pessoas do espectáculo”.
O autarca da Gafanha da Nazaré lembrou que o Centro Cultural já foi contemplado com diversas obras laterais, “criando-se novas funcionalidades”, sendo certo que os trabalhos agora programados vão ser “mais significativos”. Oferecem-se, deste modo, novos espaços para o desenvolvimento de actividades culturais e sociais, num esforço de responder, objectivamente, “às necessidades das populações”, frisou.
Em jeito de conclusão, Manuel Serra garantiu-nos que estes melhoramentos foram agendados, de certa forma, tendo em conta as celebrações do centenário da criação da freguesia. Nessa linha, admite que tudo vai ser feito pela Câmara Municipal de Ílhavo, com o apoio da Junta, para que 2010 possa oferecer aquelas prendas ao povo da Gafanha da Nazaré.

Fernando Martins

NOTA: Texto publicado no "Timoneiro" de Janeiro
tags:

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 30 Dezembro , 2008, 10:08
Personalidades de diversas áreas analisam o ano
que termina e falam em fim de ciclo


Uma crise histórica que mudou a forma como vemos o mundo. É assim que várias personalidades auscultadas pela ECCLESIA avaliam os acontecimentos de 2008, lembrando ainda factos e personalidades que ficam para a história.

mais sobre mim
Dezembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9


25
26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds