de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 12 Dezembro , 2008, 19:28

Uma notícia de hoje, publicada no PÚBLICO, diz que as alterações climáticas na Europa vão obrigar borboletas a migrar para o Norte, por causa do calor. "A maioria das espécies vai ter de alterar radicalmente a sua distribuição. A forma como as borboletas mudam vai indicar a possível resposta de muitos outros insectos, que em conjunto totalizam dois terços de todas as espécies", diz um comunicado, baseado num atlas de Josef Settele, do Centro de Helmholtz para a investigação do Ambiente, na Alemanha. Todos sabemos que este fenómeno não deixará de ter impacto no ecossistema, pelo que se torna necessário pensar em tudo o que possa provocar danos na natureza. Ela não perdoará.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 12 Dezembro , 2008, 19:07
Uma sociedade democrática é, normalmente, enriquecedora. Os cidadãos, directa ou indirectamente, tomam parte nas decisões que lhes dizem respeito. De tempos a tempos escolhem quem possa tomar posições por eles, mas nem sempre estão de acordo. Vêm, então, os protestos, as manifestações, as acusações, enfim, os sinais de desagrado. E surgem, necessariamente, as promessas de que, no futuro, ninguém os engana.
Claro que isto são, por norma, desabafos de ocasião. Na hora de votar, nós, os portugueses, somos reconhecidamente conservadores. Os partidos dos Governos chamam-se PS e PSD. Os outros vivem a sonhar que talvez um dia o povo resolva fazer a experiência, numa atitude drástica, de mudança radical. Tenho dúvidas de que isso alguma vez possa acontecer. Isto porque somos, de facto, conservadores.
Outro sinal de conservadorismo está na manutenção de regalias ou privilégios, que ninguém quer perder. Há professores que talvez não estejam de acordo com as avaliações, porque é melhor atingir o topo da carreira por antiguidade, há militares que lutam pela manutenção de um estatuto especial, há médicos que contestam qualquer alteração ao statu quo, enfim, a comunicação social está cheia de profissionais que clamam, constantemente, a urgência de se fazerem reformas no País, porque precisamos de deixar a cauda da Europa, desde que não se mexa nos seus interesses, por mais inadequados que estejam numa sociedade democrática, que se quer justa e solidária.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 12 Dezembro , 2008, 12:48
Quando certa vez Santo António entrou numa cidade em serviço de pregação, o senhor fidalgo que lhe deu poisada, assinou-lhe aposentos retirados, a fim de não o perturbarem no estudo e oração.
Ora, estava o Santo recolhido e só em seus aposentos, estando o senhor fidalgo, discorrendo pela casa a tratar da sua vida, adregou passar perto, e levado por devota curiosidade espreitou para dentro, a escondidas, por uma fresta que abria mesmo no lugar onde o Santo descansava. E o que haviam de ver seus olhos! Um Menino mui formoso e alegre nos braços de Santo António, e o Santo a contemplar-lhe o rosto, a apertá-lo ao peito e a cobri-lo de beijos.
Ficou maravilhado o fidalgo com a formosura do Menino, e todo se espantava não atinando como explicar donde teria vindo para ali criança tão graciosa e bela.
E o Menino que outro não era senão o Senhor Jesus, revelou a Santo António que seu hospedeiro o estava espreitando.
Pelo que Santo António depois de findar a longa oração, chamando o senhor fidalgo humildemente lhe pediu e instou que, enquanto ele vivo fosse, a ninguém descobrisse a visão que espreitara.
E só depois da morte do Santo, o senhor fidalgo com lágrimas santas contou o milagre que seus olhos indiscretos haviam contemplado.
Em louvor de Cristo. Ámen.

Florilégio Antoniano


Neste Natal

Neste Natal de 2008
gostaria de me colocar
na posição do hospedeiro
a espreitar
o presépio do mundo...
e ver os meus Amigos/as
a brincar com o Menino.

Manuel Olívio

tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 12 Dezembro , 2008, 12:10

Olá Professor
Como o prometido é devido, aqui vai o nosso postal de Natal 2008, do outro lado do rio grande, nas terras do tio Sam, com votos de Festas Felizes e um Ano Novo cheio das maiores venturas, para o meu amigo professor e toda a familia, e também para todos os meus amigos que frequentam este cantinho. Um abraço de fraternidade para todos.
Nelson e Teresa Calção

NOTA: Se há leitores amigos e fiéis, daqueles que nos acompanham momento a momento, o Nelson e a Teresa ocupam um lugar muito especial no meu coração. Pelas gentilezas tantas vezes manifestadas, pela felicidade que irradiam nos contactos pessoais que com eles mantenho, pela alegria contagiante de viver a vida com harmonia e bondade. Deste meu recanto, vai esta nota pessoal, extensiva a todos os seus familiares. E para o Nelson e para a Teresa, vão ainda os meus votos de que venham depressa até cá, porque tenho saudades de os ouvir.
FM

tags:

mais sobre mim
Dezembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9


25
26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds