de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 07 Dezembro , 2008, 21:09

“O escritor e jornalista António Alçada Baptista morreu hoje aos 81 anos.
António Alçada Baptista nasceu em 1927 na Covilhã. Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa, Alçada Baptista tem uma vasta obra literária publicada. Esteve também ligado ao jornalismo e à edição. Foi ainda cronista.
Identificado por muitos como “o escritor dos afectos” e um defensor da liberdade Alçada Baptista foi um dos fundadores da revista “O tempo e o Modo”, que marcou gerações. Era ainda editor da Moraes Editora.
Alçada Baptista foi condecorado com a Ordem de Santiago, com a Grã Cruz da Ordem Militar de Cristo pelo Presidente Ramalho Eanes e com a Grã Cruz da Ordem do Infante pelo Presidente Mário Soares.
Inês Pedrosa, directora da Casa Fernando Pessoa, lembrou, em declarações à TSF, o “homem de causas”: “Foi um homem de causas, dos direitos do homem e da democracia. Mas temo que seja esquecido enquanto escritor para ser lembrado enquanto pessoa”.
O corpo vai ser velado na Igreja das Mercês, em Lisboa, sendo amanhã levado para o Cemitério dos Prazeres.”


Esta foi a notícia que hoje à noite me surpreendeu no PÚBLICO online. Inesperada, como todas as mortes o são, por mais evidentes que elas se tornem, atingiu-me profundamente, como se fosse a morte de um amigo próximo.
Há anos que me habituei a ler Alçada Baptista, à medida que os seus livros foram aparecendo no mercado. Havia no que escrevia um não sei quê que mexia comigo. A serenidade que deixava transparecer no que dizia e escrevia? A familiaridade que me tornava próximo do que contava? Os afectos que se reflectiam no meu espírito? A naturalidade que dele emanava? As causas em que me envolvia? A simplicidade com que escrevia e falava? As reflexões que me suscitou? As estórias que contava como poucos? A sua vastísima cultura? A naturalidade com que aceitava os outros, independentemente das suas opções? Talvez um pouco de tudo isto.
Podia não concordar com tudo o que defendia, podia discordar das suas posições, mas gostava de ler este escritor memorialista que me envolvia na sociedade que ele próprio vivenciou e que o definiu como homem bom, de afectos, de amores, de paixões, de entusiasmos, de projectos, de consensos, de diálogos.
Paz à sua alma.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Domingo, 07 Dezembro , 2008, 12:33

O Ti António da Bicha


Magro, escanzelado, vestia uns trapos que, mesmo como trapos, já haviam conhecido melhores dias. Com o seu chapéu roto, mais parecia um espantalho das searas, do que um ser humano que Deus ao mundo tenha posto.
Era assim o Ti António da Bicha, um pobre pedinte que, quando eu era ainda moço, dos meus sete, oito anos, aparecia na nossa casa, a pedir esmola. Batia ao portão, abria a aldraba – naquele tempo não era necessário fechar as portas à chave – e pedia uma esmolinha por amor de Deus, para matar a fome, com a cara triste de pedinte, como era conveniente!
Nós, os filhos da casa, tínhamos, por este homem, não sei se respeito, se medo.
- Vai ao portão ver quem é, diz a minha mãe!
Fui.
- Mãe, é o Ti António da Bicha a pedir esmola!
- Ele que espere um pouco e tu vem cá.
Cheguei à casa do forno onde minha mãe já tinha posto sobre a mesa um naco de boroa e duas batatas. Esperei. A minha mãe veio do lado da salgadeira trazendo um pedaço de toucinho salgado.
- Leva isto ao pobre. Estamos em vésperas de Natal e ele tem de ter com que matar a fome!
Fui.
Ao entregar a esmola, notei que deu uma dentada na boroa, guardando o resto num dos lados do saco. As batatas guardou-as noutro.
Ao receber o toucinho, olhou-o, como que duvidando da dádiva que estava a receber. Guardou-o com cuidado, olhou-me e sorriu. Foi a única vez que vi aquele rosto sorrir.
- Deus vos dê saúde e sorte para o poderem ganhar, foi o agradecimento que lhe ouvi, ao mesmo tempo que murmurava uma Ave-maria, que acabaria logo que eu deixasse de o ouvir!
E seguiu a sua viagem para o portão próximo, o do vizinho Sarabando.

Ângelo Ribau

Editado por Fernando Martins | Domingo, 07 Dezembro , 2008, 12:17
Sagres


Conhecido vulgar e erradamente por Museu da Marinha, importa conhecer um pouco da sua história a fim de aquilatar e compreender o seu verdadeiro nome.
Em 1863, o Rei D. Luís decretou a constituição duma colecção de documentos históricos que reflectisse o passado glorioso das viagens marítimas dos Portugueses. Isto fruto do seu amor às artes e à sua ligação ao mar, por ter sido comandante de navios.
Para o museu foram então canalizadas obras de colecções reunidas em séculos anteriores como a colecção de modelos de navios oferecida pela rainha D.ª Maria II à Real Academia dos Guardas-Marinhas, antecessora da Escola Naval. Esta escola funcionava junto ao Arsenal de Marinha e foi o primeiro local de depósito de tudo considerado com valor museológico.
Seguiram-se várias tentativas de instalação do museu, com nomes diferentes e sucessivamente goradas. Em 1916, um incêndio destruiu grande parte do espólio.
Em 1934, é feita nova tentativa de instalação do museu, desta vez com o nome de Museu Naval Português, juntando obras a partir do século XVIII, sedeado ainda na Escola Naval. É ainda neste ano que se iniciam as diligências no sentido da formalização do projecto da sua instalação junto ao Mosteiro dos Jerónimos, num anexo onde hoje se encontra.
O grande salto de valorização do Museu deu-se pela acção de beneméritos como Henrique Maufroy de Seixas que lhe deixou em testamento a sua colecção denominada Museu Naval. Impunha contudo uma condição: um local digno para o seu depósito. Assim a colecção ficou exposta no Palácio das Laranjeiras entre 1949 e 1962.
Em 1959, nova reformulação do museu aponta o Mosteiro dos Jerónimos, com toda a sua carga simbólica, como local digno para receber a colecção. Trabalhando nesse sentido abre as suas portas ao público em 15 de Agosto de 1962, com novos regulamentos e a designação de Museu de Marinha.
A razão de ser do actual nome vem da finalidade e do âmbito alargado dos seus propósitos: não se resume apenas a questões da Marinha de Guerra que o dirige e onde está inserido, abarcando antes todas as vertentes relacionadas com o mar e outras marinhas.

João Marçal

Editado por Fernando Martins | Domingo, 07 Dezembro , 2008, 11:57

7 de Dezembro

Como manda a tradição, haurida na infância, hoje foi dia de montar o presépio na sala onde mais paramos e convivemos. Ao lado, ao jeito de Árvore de Natal, há uma planta, cujos ramos vão servir de abrigo ao Menino Deus. Com os enfeites nos seus lugares, fomos buscar o Menino que ficou, em repouso, durante o ano, na minha tebaida, num velho móvel de família, bem à vista de todos. O nosso Menino Jesus está vestido a rigor, com roupa feita há tempos propositadamente para Ele. E agora, ao ocupar o seu lugar no presépio, com Nossa Senhora e São José olhando-O embevecidos, o Menino vai estar atento a quem chega e a quem lhe dirige um sorriso, durante este Advento, na mira de receber d’Ele um ou outro recado de ocasião. Neste dia de montar o presépio, cultiva-se o gosto de beijar o Deus Menino.
– Mais logo, quando estiverem todos! – diz quem orienta os trabalhos.
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 07 Dezembro , 2008, 11:18

Alice Vieira evocou no Jornal de Notícias um escritor brasileiro que muito a marcou. Diz assim: "Erico Veríssimo foi um dos homens da minha vida. Não houve escritor nenhum que me tivesse influenciado tanto. Acho mesmo que a vontade de escrever, a descoberta da maravilha que era usar as palavras para contar uma história - e, mais do que isso, para transmitir uma emoção - foi com ele que aprendi."
Esta evocação também me trouxe à memória uma entrevista que este escritor, autor de "Olhai os Lírios do Campo", concedeu a Igrejas Caeiro, numa rádio que não posso precisar. À pergunta do entrevistador, sobre qual era o seu livro de mesa-de-cabeceira, Erico Veríssimo respondeu que era a Bíblia.
- É crente? - questionou Igrejas Caeiro.
- Não.
- Como assim?
- É que ainda não encontrei nenhum código de vida superior à Bíblia! - respondeu o escritor.
FM

Editado por Fernando Martins | Domingo, 07 Dezembro , 2008, 10:59
7 de Dezembro
No dia 7 de Dezembro de 1921 foi criada, por decreto governamental, a "Junta Autónoma da Ria e Barra de Aveiro", organismo de administração portuária, que viria a instalar-se em 11 de Fevereiro de 1923. Em 18 de Fevereiro de 1950, passou a denominar-se "Junta Autónoma do Porto de Aveiro". Estes organismos foram os antecessores da APA - Administração do Porto de Aveiro.
Fonte: Calendário Histórico de Aveiro

Editado por Fernando Martins | Domingo, 07 Dezembro , 2008, 10:38

O EXAME DA 4.ª CLASSE


Caríssima/o:

Isto agora é outra conversa; logo para começar, vamos até Ílhavo, a sede do concelho... e cada um que se arranjasse para lá chegar, pois não havia camionetas nem outro qualquer tipo de transporte público que desse acesso à sede do concelho. Só me lembro que foi preciosa a colaboração do Hortênsio que levava o irmão no porta-bagagem e a mim no quadro da sua bicicleta! No primeiro dia, o da prova escrita, não sei como foi; apenas recordo que almocei no recreio pão de trigo com marmelada. [Claro que tudo isto se passou nos século e milénio passados, mas no ano de 1951! As voltas que o mundo andou para a frente! Todos esperamos que agora não volte para trás.]
A prova escrita foi normalíssima, facílima (tínhamos feito tantas de preparação na Escola da Ti Zefa, juntamente com os alunos do Professor Ribau que aquilo foi canja); depois vinham as orais, repartidas por vários dias, de manhã e de tarde e era preciso ir assistir algumas vezes para ver como os examinadores perguntavam... Aqui entrava de serviço a bicicleta do Hortênsio...

Mas afinal como era a prova escrita?
Capa impressa, onde identificávamos a Escola, o Professor proponente e escrevíamos o nosso nome e a data; espaço reservado para o júri assinar e pôr o resultado.
Numa primeira folha, fazíamos o ditado (... aqui muito cuidadinho que o número de erros em excesso eliminava... era a doer!) e a prova de caligrafia; no verso, espaço para uma redacção...
Outra folha onde resolvíamos uma operação com a respectiva prova real pela operação inversa e, por trás, o tal problema.
Por fim, prova de medição e pesagem e o desenho, numa terceira folha mas lisa.

Realizada a prova, era corrigida de imediato e ainda antes do almoço eram afixados os editais com os resultados e a indicação dos dias da prova oral. De vez em quando reprovava um ou outro aluno, quase sempre por causa do número de erros; e isso era um caso muito sério para o professor proponente...

Bem, chegado o dia da prova oral, feita a chamada (esqueci-me de dizer que a chamada para cada uma das provas era feita à entrada da sala, onde era proclamado em voz alta o nosso nome e apresentávamos a cédula ou o bilhete de identidade!), entrávamos e olhávamos de través para a carteira isolada, em frente da secretária, onde nos iríamos sentar para o interrogatório pelos três elementos que constituíam o júri e que incluía todas as matérias estudadas ao longo do ano: leitura e gramática, pelo livro utilizado na escola, aritmética e geometria, no quadro preto, e história, geografia e ciências naturais junto dos mapas que estavam dependurados.
Para não alongar muito, apenas direi que o Professor que me interrogou sobre geografia, para variar, apontou-me para uns mapas que julgávamos decorativos, no primeiro andar da parede, muito lá em cima, quase sem tinta e 'que está ali representado?', a pensar que me atrapalhava: via-se logo que era a Guiné, muito desbotada, quase apagada...

O edital falava como arauto de rei: todos aprovados e alguns com distinção! Professores inchados, a dar os parabéns aos felizardos (só falo em felizardos que o nosso grupo era de escola masculina!...), mais um pão com marmelada e pirolito... e toca a andar que se faz tarde!

Manuel

mais sobre mim
Dezembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9


25
26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds