de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 05 Dezembro , 2008, 23:09

“A presidente do PSD, Manuela Ferreira Leite, decidiu hoje chamar o líder da bancada parlamentar, Paulo Rangel, para explicar na sede social-democrata quem foram os 30 deputados do seu partido que faltaram hoje às votações na Assembleia da República. Um projecto do CDS-PP que defendia a suspensão do processo de avaliação dos professores poderia ter sido aprovado, não fossem as ausências de 35 deputados da oposição.” Esta a notícia do PÚBLICO e de outros órgãos de comunicação social.
Mais uma vez, dezenas dos nossos deputados, eleitos pelo povo para o representarem no Parlamento, símbolo maior da nossa democracia, dão-se ao luxo de faltar. Admitindo que alguns terão justificado as faltas, não há dúvida de que há deputados que não têm a noção das responsabilidades e do significado pleno da eleição para tarefa tão digna.
Já se sabia, há muito, que alguns não passam de uns verbos de encher, ao ocuparem lugares para nada fazerem de útil. Uns dormitam ou lêem jornais nas bancadas. Outros por ali andam como seres amorfos. Mas todos ganham salários e subsídios muitíssimo acima da média. Ganham para nada fazerem. Em contrapartida, há os cumpridores, os que assumem, com dignidade, as suas funções parlamentares.
Agora, Manuela Ferreira Leite quer saber como é. Quer explicações. Mas duvido que alguns venham a ser penalizados, neste país de brandos costumes.
Diz a líder social-democrata: “Há deputados que estão fora, há deputados a quem foi concedida dispensa por parte do presidente do grupo parlamentar, há deputados que faltaram por quaisquer outras razões e há deputados que se calhar foram lá, assinaram e se foram embora. Isto não é admissível em circunstância nenhuma na função de deputado.”
Pois é. Manuela Ferreira leite sabe disso tudo. Outros líderes sabem o mesmo. Mas ninguém faz nada. Resta-me dizer que tenho pena disto tudo. E aqui fica o meu veemente protesto.

FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 05 Dezembro , 2008, 14:58

O programa de animação de Natal organizado pela Câmara Municipal de Aveiro, que irá decorrer até ao dia 6 de Janeiro de 2009, inclui eventos diversos, com especial enfoque na área musical e do espectáculo.
No dia 11 de Dezembro, pelas 11 horas, o Grupo de Teatro Filandorra – Teatro do Nordeste, apresentará a peça infantil “A menina do mar”, no Auditório do Centro Cultural e de Congressos de Aveiro.
A Sé de Aveiro acolherá, no dia 18 de Dezembro, pelas 21h30, o Concerto Coral de Natal, em que actuarão o Coral Polifónico de Aveiro, o Coral Vera-Cruz, o Coral de S. Pedro de Aradas e o Coro Santa Joana.
A Orquestra Filarmonia das Beiras fará o Concerto de Ano Novo, que decorrerá no Teatro Aveirense, no dia 1 de Janeiro de 2009, pelas 18 horas.
No dia 6 de Janeiro, Dia de Reis, na escadaria e pátio traseiro da Casa Municipal da Cultura terá lugar o “Cantar das Janeiras”.
Fonte: Correio do Vouga
tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 05 Dezembro , 2008, 14:14

5 de Dezembro

Acordei com uma certa sensação de frio. Não que a temperatura fosse muito baixa, mas pelas notícias que a rádio me trouxe, atravessando as mantas fofas e acariciadoras. Centenas de trabalhadores perderam o emprego de um dia para o outro. A fábrica, onde muitos trabalhavam há bastantes anos, tinha sido deslocalizada para um país asiático. Aí tudo se produz a custos mais reduzidos. Os lucros dos empresários podem crescer desmesuradamente, explorando mão-de-obra barata, própria de escravos dos tempos modernos. E uma trabalhadora, com voz angustiada, clamava bem alto: “A desgraça bateu-nos à porta; este ano não há Natal para nós.”

Fernando Martins
tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 05 Dezembro , 2008, 14:03
Eugénio da Fonseca, presidente da Comisssão Instaladora da Confederação Portguesa do Voluntariado, afirmou que "cerca de um milhão e meio de portugueses dedica parte do seu tempo na prática do voluntariado". E à ECCLESIA adiantou que este número não o surpreende, acrescentando que ainda há o voluntariado de proximidade “que não é possível quantificar visto que está no anonimato”.
Eugénio da Fonseca, que sabe como poucos, nesta área, o que diz, revela deste modo uma faceta muito importante da maneira de ser e de estar dos portugueses, desde sempre dados ao bem-fazer.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 05 Dezembro , 2008, 13:51
Todos sabemos que não é fácil viver na mudança com alegria, liberdade interior e com critérios que denunciem sabedoria. Os mais velhos carregam hábitos e preconceitos, uma carga difícil de alijar para ver o que traz de novidade a mudança. Os mais novos, porque as experiências de vida ainda não têm para eles grande expressão, mais correm atrás das emoções que das razões. Os do meio, gente mais ou menos sabida, mas não tanto como julga, vivem, por vezes, para si próprios comportamentos de uma adolescência retardada que as mudanças favorecem, mas enchem-se de autoridade e dureza para com os filhos e os de fora, em relação a exigências correntes. Muita gente acaba por ver, depois das dificuldades surgidas, que afinal andava na corda bamba ou instalada à margem da vida real, sem se aperceber das mudanças e seus desafios.
Aprender a viver na mudança é uma das exigências fundamentais da educação e do crescimento. Quer queiramos ou não, quer gostemos ou critiquemos, a verdade é que as mudanças culturais, rápidas mas com anzóis que prendem, não param mais, nem se compadecem com a nostalgia de quem espera que o tempo volte para trás.
Viver na mudança com decisão e serenidade, aprender a ficar de pé nos solavancos da vida, não enjoar no quebrar dos vagalhões que balanceiam o barco, sentir-se acompanhado por quem enfrenta os mesmos desafios sem desanimar, não perder o sentido do que se pretende e quer, assumir a responsabilidade das decisões nos momentos menos claros, perceber o que se está passando e quem o comanda, é muito importante para cada pessoa viva e que assim quer continuar. Indispensável para conviver na família, no trabalho, na politica, na Igreja, nos divertimentos, em tudo.
Muita gente já vai compreendendo que assim é, e tenta preparar-se, sem se retirar da vida, enfrentando os desafios da mesma. Outros permanecem casmurros, contrariam as mudanças evidentes com juízos redutores, à espera que todos lhe dêem razão, nem se apercebendo que cada dia têm menos gente que os ouça ou lhes peça conselho. Também não falta quem expenda opiniões que agradam e dê conselhos superficiais, sem pensar se fortalecem as raízes do pensar e do agir, ou se apenas se fazem cócegas aos ouvidos.
Preparar para a mudança, um problema grave que atinge também a Igreja, pede no caso uma atenção cuidada para reforçar e motivar a fé dos crentes e das comunidades, de modo a enfrentarem os desafios novos, com discernimento e coragem.
Há dias chamou-me a atenção o artigo de uma revista de fim-de-semana que dava pelo título: “Educação: ajude os seus filhos a compreender as mudanças”. A desilusão veio logo, porque eram duas páginas, com aparato e fotografia, apenas para explicar aos meninos e meninas a sua fisiologia. No fundo, o isco é sempre o mesmo. Tratava-se da publicidade de mais um livro, vindo da Califórnia…Na véspera caíram-me os olhos no ecran do televisor, onde uma psicóloga e uma mestra de horóscopos, falavam com gente nova, mais sabida do que se julgava, e a que não faltava a sondagem de rua para ouvir pais e avós opinarem sobre a altura de filhas e netas quebrarem a virgindade…
Neste procurar perceber as mudanças para responder a novos desafios, não se podem esperar ajudas para voos mais altos, de gente de asas cortadas ou que não sabe voar
Preparar para a mudança é matéria educativa em muitos quadrantes da vida, que não só a sexualidade, por importante que esta seja. Nem esta será bem entendida e vivida, sem se perceberem e assumirem as suas razões mais profundas, que vão muito para além do simples cuidado para evitar consequências indesejáveis e de saber os limites do prazer.
Um exemplo actual. Sondagens fiáveis e recentes concluíam que uma percentagem altíssima de pré adolescentes diz que já não pode passar sem o telemóvel? Certamente que são os pais que lhos carregam. Aprender a responder aos desafios das mudanças é aprender a ser livre, a ser pessoa em sociedade, a não ser escravo de nada, nem ninguém.
António Marcelino
tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 05 Dezembro , 2008, 11:55

Integrado no programa das comemorações dos 110 anos da Restauração do Município, a Câmara Municipal realiza hoje um Encontro das Associações do Município de Ílhavo assinalando o “Dia Internacional do Voluntariado” que neste dia se comemora.
Com esta iniciativa pretende-se materializar um gesto de reconhecimento e agradecimento de todo o trabalho realizado pelos Voluntários que trabalham nas Associações, prestando um serviço de relevante interesse público e comunitário. O Encontro realiza-se no Centro Cultural de Ílhavo, hoje, pelas 18 horas. Do programa destacamos a intervenção do presidente da Câmara, Ribau Esteves, e uma palestra do professor Fernando Maria, provedor da Santa Casa da Misericórdia de Ílhavo, subordinada ao tema "Voluntariado e Associativismo Hoje".

mais sobre mim
Dezembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9


25
26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds