de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 01 Dezembro , 2008, 20:14
COMO ERAM DIFERENTES OS NOSSOS AVOENGOS!


O Feriado Nacional – 1.º de Dezembro –, que hoje se celebra, já me levou a esclarecer a sua razão de ser a algumas pessoas. Com 368 anos de existência, ainda há compatriotas nossos que ignoram o essencial da nossa História, como Estado e como Nação. Tudo, certamente, por desinteresse das famílias e das escolas, que pouca importância dedicam a estes episódios do nosso passado colectivo. Muito menos agora, em que o caos se instalou no mundo académico, com as famílias assoberbadas com inquietações.
Com 60 anos de ocupação filipina, no dia 1 de Dezembro de 1640, um grupo de portugueses expulsou o rei estrangeiro e os seus sequazes e traidores, alguns dos quais filhos desta Nação que deu novos mundos ao mundo, e proclamou o Duque de Bragança como rei de Portugal, com o nome de D. João IV, mais tarde cognominado de o Restaurador.
Diz a História que, a alguns que indagaram o que estava a acontecer, os conjurados responderam, com determinação, que iam tirar um rei e pôr outro, num já. Com esta facilidade toda. Os portugueses de antanho eram assim. Com um golpe certeiro, tiraram ou rei e proclamavam outro. Uns traidores foram janela fora.
Como eram diferentes os nossos avoengos!

FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 01 Dezembro , 2008, 14:58
Fórum de Aveiro


Segundo notícias que vieram a lume, a Associação Comercial de Aveiro criou uma comissão de comerciantes que aposta no regresso da Avenida Dr. Lourenço Peixinho aos seus tempos áureos.
A tarefa não será fácil, já que cada tempo tem os seus aliciantes. As pessoas, naturalmente, sentem-se atraídas pelo novo e pelo original. Aquela proximidade com o passado, alimentada durante décadas, pode ruir de um dia para o outro, principalmente quando cheira a coisa diferente. E se essa coisa diferente for alimentada por uma publicidade agressiva, condizente com as necessidades do povo, não há dúvida nenhuma de que os gostos põem para trás das costas as amizades e familiaridades antigas.
Sou do tempo em que a Avenida Dr. Lourenço Peixinho era mesmo a sala de visitas de quem chegava a Aveiro. Por ali se andava aos domingos a ver as montras e se prometiam regressos para adquirir, à semana, o que ficava na ideia. Depois da passeata, lanchava-se nos cafés e pastelarias, antes do regresso a casa. Uns iam ao cinema, sobretudo no Inverno. De Verão, comiam-se gelados enquanto se caminhava ou sentados nos bancos da avenida.
Depois veio o OITA, que passou a ser a nova sala de visitas. Aos domingos, e mesmo à semana, estava sempre repleto de pessoas. Era agradável andar por ali.
Com o Fórum, tudo se alterou. A Avenida começou a esmorecer, a decair, e as lojas seguiram-lhe o caminho. Poucas resistiram. E as que teimam, mesmo modernas e de ares chiques, gostariam de ter mais clientes.
Mais tarde, surgiram as grandes superfícies. Novas atracções, novos desafios, novas ofertas, com cinema e tudo. Há festas, promoções, sabores diferentes, muita variedade. E até mesas disponíveis para a cavaqueira, em dias de frio, que o ambiente está aquecido. Face a isto, que fazer à Avenida? Confesso que não sei. Longe de mim a ideia de a cobrir, como enorme superfície reservada a peões. E se fosse? Fico ansiosamente à espera de ideias, porque a Avenida Dr. Lourenço Peixinho precisa delas. Quero aplaudir uma proposta genial, porque a Avenida Dr. Lourenço Peixinho a merece.

Fernando Martins
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 01 Dezembro , 2008, 13:48

João da Esquina

Comparar a Escola Portuguesa actual com a da década de 60 exige um exercício de concentração e de análise profunda.
Baseada na pedagogia do “Magister dixit”, regia-se por uma construção do saber, autocrática, disciplinadora. Do seu estrado, o mestre debitava o saber, em discurso baseado na unilateralidade de ideias. O aluno ouvia e, quer concordasse quer não, tinha que aceitar a palavra do mestre como verdade insofismável.
Quem como a teacher está neste contexto de actividade sabe, sente na pele, no seu quotidiano, que a Escola hodierna está nos antípodas deste conceito de ensinar.
Hoje, o aluno está no centro das atenções, das actuações, das preocupações! E na avaliação? Nessa... ganha-lhe o professor! Pelo menos, assim dizem os nossos governantes, nomeadamente a tutela da educação.
Reportando-se à áurea década de 60, em que estudava ao som da música dos Beatles, em que trauteava e percorria na memória as letras lindíssimas das suas canções, lembra, com saudade, o ambiente de paz, ordem e respeito que se vivia. Que bom era ser professor... nessa época remota!
Hoje, a Escola é geradora de conflitos, houve a massificação, nem sempre a integração da diferença se faz de forma eficaz e temos o caos que se vive e que vai estendendo os seus tentáculos!
Numa dessas aulas conturbadas, em que a disciplina teima em não vingar, a teacher recorda um episódio, que se tornou recorrente na sua prática lectiva.
Quando, no decurso da aula, voam aviõezinhos de papel, bocadinhos de borracha aterram na cabeça ou no livro do aluno que teima em estar atento, quando bolinhas de papel mastigado, lançadas como projécteis pelos canos vazios das esferográficas vão cair na mesa do professor, quando surgem grunhidos oriundos duma selva distante das terras gafanhoas, ou o relinchar perfeito dum puro sangue equino, etc., etc., etc., a teacher desespera! Não entrou ainda na hagiografia portuguesa!
Depois de muitas vezes ter admoestado os alunos para estarem atentos às tarefas da aula e de ter interceptado algum OVNI (!?), interroga, já fora de si:
- Quem foi, desta vez, o autor da “brincadeira”?
Ninguém se acusa, numa cumplicidade fraterna, pouco consistente no mundo mesquinho dos adultos. Depois de várias vezes instados para que se acuse o transgressor, a teacher atira para o ar:
- Não foi ninguém, pois não? Deve ter sido o João da Esquina...
Na intenção de excluir os nomes dos possíveis intervenientes, os Fábios, Sandros, Hugos, Marcos e outros mais, estrangeirados, ocorre-lhe um nome, bem português, disseminado a esmo, nas cédulas de nascimento de há décadas atrás! A figura rubicunda de João da Esquina que emparceira ao lado de João Semana e José das Dornas, assoma à memória, como um nome clássico, bem representativo do homem português... Numa observação perspicaz, pergunta um aluno:
- Quem é esse senhor, setôra? Está sempre a falar nele!
Júlio Dinis, “As Pupilas do Senhor Reitor”... PNL (Plano Nacional de Leitura).
E assim, sem ser detentora da “cátedra” de Língua Portuguesa, a teacher contribui para o fomento da leitura na sala de aula!

Mª Donzília Almeida
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 01 Dezembro , 2008, 13:01

EM TEMPOS DE CRISE HÁ MAIS GENEROSIDADE

O Banco Alimentar Contra a Fome bateu um novo recorde de recolha de alimentos. Os portugueses deram mais de 1900 toneladas de alimentos o que corresponde a mais 19 por cento que em Dezembro do ano passado.
Já diversas vezes constatei que em tempos de crise há mais generosidade. Os sociólogos terão, com certeza, explicação para o facto. Cá para mim, quem sofre e quem experimenta, no dia-a-dia, as dificuldades da vida, compreende, melhor que ninguém, a urgência de olhar para os mais pobres.
Congratulo-me com isso, mas que a generosidade não se fique por aqui, mas que seja, em cada momento, um estímulo para a procura de soluções políticas e sociais para a erradicação da pobreza.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 01 Dezembro , 2008, 12:40
NATAL PARA TODOS
A partir de hoje e até 25 de Dezembro, data em que se celebra o nascimento do nosso Salvador, tenciono publicar, dia após dia, um motivo de Natal. Fotos, poemas, reflexões e contos, meus e dos meus amigos, mas não só. O que importa é assinalar este acontecimento ímpar que foi marco indelével na história do mundo ocidental. E já agora, permitam-me que deseje a todos uma bonita caminhada, rumo ao Natal de Jesus Cristo.
Fernando Martins
tags:

mais sobre mim
Dezembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9


25
26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds