de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 18 Outubro , 2008, 23:21
Teresa Machado
Os campeões vivem sempre

Resolvi escrever umas linhas a lembrar a Teresa, mulher forte por fora, mas muito grande por dentro.
Recuo 25 anos e vejo-a treinar num terreno quase defronte à sua casa, sob a ordens do Professor Júlio Cirino. Ele anda com um trabalhão em mãos, a recolher memórias, para que não se apaguem. Precisamos muito delas. Estas linhas são por isso.

Tudo o que é terreno termina, porque assim houvera de ser. Os campeões, esses raros aceitantes de desafios, não desaparecem de todo. Podem mudar o seu futuro, mas nada lhes apaga o passado, com muitos sacrifícios, à chuva, ao frio, ao sol abrasador, e «em tantos climas experimentados», ficam para sempre. O desporto, mesmo o de alta competição, dá sempre grandes virtudes a quem dele faz vida. E não conheço nenhum atleta que deixe de partilhar a sua experiência, quando dele se abeiram todos os que os respeitam, porque dedicados à mesma causa que é o desporto.
A Teresa Machado é uma pessoa ideal para lançar desafios de partilha das suas experiências adquiridas por esse mundo fora. Os jovens da Gafanha da Nazaré precisam de olhar para os bons exemplos. Ela merece, sem engano algum, uma pista de atletismo melhor que aquela em que ficou a do Complexo Desportivo. A placa com seu nome não é suficiente para a lembrar nas pistas, em qualidades de atleta humilde e sensata que sempre foi. E será, porque o futuro, com maior ou menor peso, lançado desde muito cedo, deve ser devidamente reconhecido nos seus méritos.
Os campeões vivem sempre.

Ainda lhe envio um poema, inspirado nos livros e na leitura - esse fermento que transforma gente em sabedoria.


Quando leres

Prefere as folhas em branco
Prontas a preencher de azul
As quimeras lindas nos céus
Redondos que olham para ti
Em figuradas perfeições que
As páginas aconselham livres

Traça as linhas da tua vontade
Que emerge da pura realidade
E avalia o sangue a apossar-se
Dos trechos do fim da história
Que namora em casta placidez
A razão que preenche a nudez
Das folhas que foram brancas

Hélder Ramos
NOTA: O Hélder Ramos é professor de Língua Portuguesa na Escola Secundária c/ 3º ciclo de Júlio Dinis e autor do livro de poesia «Ao Pé das Palavras». Um abraço para o Hélder, que não vejo há muito. Mas também aqui ficam os meus agradecimentos pela suas oportunas considerações sobre a Teresa Machado. A Gafanha da Nazaré deve-lhe, sem dúvida, uma digna homenagem.
FM

Editado por Fernando Martins | Sábado, 18 Outubro , 2008, 13:07

Antigamente, os cricos eram do povo. Os cricos eram (e são) os berbigões. O povo, com toda a naturalidade, ia apanhá-los à ria. A ria, noutros tempos, era também do povo.
O povo pegava num cesto ou num balde, arregaçava as calças ou as saias, e num instante arranjava que comer. Os cricos comiam-se crus, abertos numa chapa aquecida ao lume, cozidos ou com cebolada. Lembro-me como se fosse hoje.
Os tempos passaram e a ria começou a ser alugada para nela “semearem” cricos e amêijoas. Que eu saiba, ainda não a venderam a ninguém. E o povo começou a ficar limitado na apanha desse conduto. Mas o povo era sábio. Os cricos não se podiam comer em meses sem “r”. Os que arriscavam podiam ter que andar com as calças na mão. Que eu saiba não morreu ninguém.
Depois foram fechando a ria ao povo da Gafanha da Nazaré. Cais, portos, fábricas e estradas reduziram o acesso a quem gostava de apanhar cricos, amêijoas, mexilhão, navalhas. E de pescar uns peixitos. Inventaram as licenças para quase tudo. E o povo ficou, em parte, sem liberdade para usufruir em pleno da sua laguna.
Havia, como hoje, quem vivesse da apanha de bivalves. Mas leis são leis e as análises de vez em quando acusam a presença de toxinas. Vai daí, proíbe-se a apanha porque é perigoso. Em toda a ria. Como se toda ela estivesse contaminada. E como se não houvesse processo de matar as ditas toxinas. Claro que há o defeso, que todos aceitam, para regular o crescimento dos bivalves.
Os mariscadores, como são conhecidos, protestam com frequência. Se calhar têm razão. Talvez não tenham sido suficientemente esclarecidos. Talvez fosse bom criar um equipamento para matar as toxinas, garantindo a qualidade alimentar dos bivalves. Talvez… Talvez…
Desculpem este desabafo. É que hoje senti saudades da liberdade com que entrávamos na ria. Para molhar os pés, para nadar, para pescar, para apanhar cricos.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Sábado, 18 Outubro , 2008, 12:27



A palavra Bíblia vem do grego e significa livros, no plural. Em latim e, por derivação, em português, transformou-se num singular feminino: a Bíblia como "O Livro". Quem não estiver atento pensará que se trata de um livro como os outros. Na realidade, é, segundo o cânone católico, o conjunto de 73 livros - uma pequena biblioteca -, e a sua redacção e formação prolongaram-se por mais de mil anos.
Assim, como reconhece o Sínodo dos Bispos, reunido em Roma até 26 deste mês, para tratar precisamente da Bíblia, o magno problema bíblico é o da interpretação. De tal modo foi possível, com base na Bíblia, fazer leituras díspares que o filósofo Hegel tem o dito famoso de que ela é como um nariz de cera, expressão que já vem de Alain de Lille, no fim do século XII.
Dou exemplos, um pouco ao acaso, apenas para mostrar, perante o emaranhado de textos, a urgência da tarefa gigantesca da exegese e da hermenêutica.
No primeiro livro - o Génesis -, há duas narrativas da criação, que não são coincidentes. Logo por aí se vê que não podem ser tomadas à letra.
Sobre o amor, encontra-se na Bíblia um dos livros mais eróticos da história da literatura: o Cântico dos Cânticos é um poema que canta o amor de um homem e de uma mulher, com a sua expressão sexual, e não são casados. Mas, no Levítico, lê-se: "O homem e a mulher adúlteros serão punidos com a morte"; "Se um homem coabitar sexualmente com um varão serão os dois punidos com a morte". Na Bíblia, ao lado de uma ética sexual do amor, da justiça e da bondade, encontramos éticas da pureza e da propriedade.
No salmo 137, está: "Cidade da Babilónia, feliz de quem agarrar nas tuas crianças e as esmagar contra as rochas!" Mas Jesus mandou amar os inimigos e, do alto da cruz, rezou: "Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem".
Jesus disse que Deus e a Mamona (a riqueza divinizada) são incompatíveis, mas também se lê no Evangelho o que ficou conhecido como "o efeito de Mateus": "Ao que tem será dado e terá em abundância; mas, ao que não tem, até o que tem lhe será tirado.
Sobre as mulheres, diz São Paulo que "já não há homem nem mulher, pois todos são um em Cristo". Mas, no Eclesiástico, lê-se: "Pela mulher começou o pecado e por sua culpa todos morremos."
Os livros dos Profetas constituem uma revolução na história da consciência religiosa da Humanidade, pois, contra a corrente sacerdotal, reivindicam a moralização da religião, cujo núcleo está na justiça e não nos sacrifícios, dos quais Deus diz que "fedem".
Job, esmagado pela dor na sua inocência, ousa convocar Deus para um tribunal independente.
Frente à morte, diz-se que o Homem morre como o gado. Mas São Paulo escreve que a fé cristã tem o seu fundamento na ressurreição dos mortos: "Sem ressurreição, é vã a nossa fé."
Com a Bíblia, justificou-se a teocracia e também a laicidade, matou-se, cometeram-se crueldades sem fim, fizeram-se as cruzadas, mas também se ergueu, como nunca tinha acontecido, a dignidade divina da pessoa humana.
Deus é o Deus dos exércitos e da vingança, mas também é o Libertador, e a única tentativa de definição diz: "Deus é amor."
Afinal, a Bíblia escreve sobre a história dos homens, no seu melhor e no seu pior, na busca do absoluto. É preciso entender que ela é um livro religioso e não científico e só no seu todo é que se reclama da verdade. Ora, se toda a religião tem como ponto de partida e de "definição" a pergunta essencial: o quê ou quem traz libertação, salvação, sentido final?, então, quando se pergunta pelo fio hermenêutico essencial e decisivo para a interpretação correcta dos livros sagrados, ele só pode ser o do sentido último, da libertação-salvação total. Só a esta luz é que são verdadeiros. Em tudo o que neles se encontra de menos humano ou até de desumano, revela-se o que Deus não é e o que o Homem não deve ser.
Lídia Jorge disse de modo iluminante: "A Bíblia é o poema colectivo mais longo criado até agora pela Humanidade. Nele se espelham as várias batalhas que os homens engendram na sua demanda pelo amor absoluto."

Anselmo Borges
tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 18 Outubro , 2008, 12:14
Teresa Machado, a multicampeã
que quer esquecer o atletismo



Teresa Machado, atleta portuguesa com mais títulos nacionais, recordista de Portugal dos lançamentos do peso e disco, e finalista olímpica, terminou esta temporada, aos 39 anos e com as cores do FC Porto, a sua longa carreira competitiva de 24 anos.
Presente em quatro Jogos Olímpicos (Barcelona, Atlanta, Sidney e Atenas), foi finalista do lançamento do disco nos Mundiais de Atenas 97, com um sexto lugar. Com um recorde de 32 medalhas de ouro em campeonatos de Portugal de ar livre e 19 em pista coberta, é a mais internacional das atletas portuguesas, com 46 presenças em competições de pista.
O adeus às competições aconteceu esta temporada, depois de algumas ameaças anteriores não consumadas. "Competi esta época pelo FC Porto e dei uma ajuda nos campeonatos nacionais de clubes", recorda a lançadora natural da Gafanha da Nazaré, que um dia foi descoberta pelo seu treinador de sempre, tinha então apenas 14 anos.
Leia todo o texto no DN
tags:

mais sobre mim
Outubro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds