de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 25 Setembro , 2008, 21:08


O presidente da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais rejeitou hoje, em Fátima, a possibilidade de a Igreja poder ministrar sacramentos on-line, informou o SOL.

Questionado sobre a hipótese dos sacerdotes poderem confessar pessoas on-line, uma das sugestões deixadas no decurso das Jornadas Nacionais das Comunicações Sociais, D. Manuel Clemente citou a experiência pessoal para negar tal hipótese. «Eu, quando me confesso, quero diálogo face a face. Não quero apenas ter a minha ideia de interlocutor», afirmou, declinando, ainda, a eventualidade de transmissão de casamentos ou funerais na Internet. No caso dos outros sacramentos, lembrou que «se trata de uma comunidade que celebra e para uma comunidade são precisos pelo menos dois», adiantou aquele semanário.
tags:

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 25 Setembro , 2008, 20:38

Um vídeo gentilmente enviado pelo Nelson Calção, com a amizade de sempre. A música é, indubitalmente, um bom motivo de encontro e de partilha. Um abraço, com votos de bom regresso, quando for hora disso.

tags:

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 25 Setembro , 2008, 18:53
A reinvenção da Economia

1. Os dias são de continuada turbulência. A economia virtual (do vender o que não se tem com segurança) tem os dias contados. Os anseios repetidos pelos especialistas são o milagre da regulação. As reflexões globais em realização, que também recuam décadas e vão mesmo aos anos 30, falam-nos de um safanão que tem raízes bem mais profundas que a agitação diária das bolsas de valores. Todavia, a resposta a este cenário terá se ser nova porque o momento é mesmo inédito. Dizem os estudiosos que também os cataclismos económicos são sinais de mudanças de época.
2. Em causa acabará por estar a realidade de uma economia virtual de modelo publicitário que cresceu desmedidamente, mas que não consegue nem pode libertar-se de todo o potencial, hoje insubstituível, das novas formas de comunicação. O reajustamento ao novo império asiático a par da mágica especulação dos mercados imobiliários e bolsistas a que se juntam as energias (petróleo e outras que virão…) como elemento central da vida das sociedades, tudo conjugado avoluma o risco e a incerteza, palavras-chave dos períodos de recessão. Mas os tempos actuais são ainda mais gritantes, pois a escalada da urgência humanitária a par da asfixia das classes médias está a conviver com a meia dúzia de ricos superpoderosos.
3. Onde iremos parar? Em Maio passado um conjunto de ex-governantes, entre os quais Jacques Delors, escreveu ao Presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso. A exigência era a legítima aspiração humanista em que «Os mercados financeiros não podem governar-nos». Esta urgente concepção de vida digna para além da economia, todavia, não se obtém de forma simplista. É preciso rever tudo, logo a partir dos fins últimos dos bens materiais “ao serviço”. Ser feliz não pode continuar a ser ter muito dinheiro. É possível mudar a mentalidade?

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 25 Setembro , 2008, 14:10

Os moradores da Aldeia da Luz, segundo vi e ouvi na televisão, não estarão felizes. Foi uma aldeia construída, de raiz, para substituir a que foi ocupada pela barragem do Alqueva. Aparentemente, tem todas as condições para se viver bem, com traçados rectilíneos e casas novas, decerto de acordo com as actuais exigências para as pessoas se sentirem comodamente instaladas. Igreja moderna, chaminés vistosas, ruas sem buracos… Mas nem assim os moradores se vêem compensados. Porquê?
Simplesmente porque é uma aldeia sem memória, sem história, sem alma. As pessoas não podem conviver nos antigos recantos que as acolhiam com intimidade, com carinho. Nem podem sentar-se nos velhos bancos cheios de segredos. Deram-lhes tudo, mas esse tudo, sem alma, não é vida. E por isso, de quando em vez, os habitantes da nova povoação lá vão espreitar à velha aldeia, na ânsia de captarem as forças telúricas que tanta falta lhes fazem.

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 25 Setembro , 2008, 12:46
Para Marieke, minha leitora assídua, galega de raízes e de coração



Vuelve, España

Espãna, España corazón violeta,
me has faltado del pecho, tú me faltas
no como falta el sol en la cintura
sino como la sal en la garganta,
como el pan en los dientes, como el odio
en la colmena negra, como el día
sobre los sobresaltos de la aurora,
pero no es eso aún, como el tejido
del elemento visceral, profundo
párpado que no mira y que no cede,
terreno mineral, rosa de hueso
abierta en mi razón como un castillo.

Pablo Neruda

Excerto do poema Vuelve, España, in Antologia, da Relógio D´Água
tags:

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 25 Setembro , 2008, 12:19

"Existe uma tendência muito visível para a eliminação da economia de subsistência; até se considera que tal eliminação é um imperativo do desenvolvimento económico e da dignificação do trabalho. Tudo isto é verdade, em parte, mas também é verdade que a economia mais regular não resolve inúmeros problemas de emprego e de rendimentos. Portanto, há que optar: ou pela eliminação da economia de subsistência ou pela sua integração gradual na economia mais regular: a primeira hipótese é a que vem predominando; a segunda parece claramente a mais defensável, até porque os «empresários» e os outros trabalhadores honestos da economia de subsistência lutam por trabalho e rendimentos dignificantes."
Acácio Catarino, em artigo publicado no Correio do Vouga, aborda, de forma muito simples, mas objectiva, uma questão pertinente, ligada a mais de dois milhões de trabalhadores que no nosso país lutam diariamente pela subsistência. Leia aqui para reflectir.

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 25 Setembro , 2008, 12:12

"Aqui há anos, quem optava pela união de facto, à margem das leis do Estado, ridicularizava o casamento porque “não são os papéis que dão a felicidade” e reagia, negativamente, sempre que se falava de qualquer forma legal para a situação. Mas verificou-se que podia haver benefícios fiscais e os papéis deixaram de repugnar…
O INE diz que os divórcios crescem em flecha. Gente da ribalta e com influência nas leis vai coleccionando casamentos e divórcios.
Que benefícios para a família, filhos e casal? E para a sociedade? Casar, descasar, voltar a casar e a divorciar-se pode ser um ideal de família a sério e de sociedade equilibrada?
Será que a família, célula vital, por excelência, da nossa sociedade, ainda interessa aos legisladores? Será que a Constituição, em relação a outras formas, goza do respeito devido? Será legítimo, ao legislar sobre minorias, que se proponham às famílias formas que as destroem e aos seus valores, empurrando-as para facilidades que não querem?"

António Marcelino
Clique aqui para ler todo o artigo
tags:

mais sobre mim
Setembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10

20




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds