de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 11 Setembro , 2008, 17:44

Os pobres “não são a primeira prioridade dos planos pastorais da Igreja em Portugal” – disse à Agência ECCLESIA D. Januário Torgal Ferreira, vogal da Comissão Episcopal da Pastoral Social.



Confesso que não sei se D. Januário tem ou não razão quando faz uma afirmação como esta. Sei, contudo, que ao longo da história, desde a mais antiga até à mais recente, vi a Igreja preocupada com a questão da pobreza, mormente quando criou (e continua a criar) instituições para a minimizar e para minimizar o sofrimento.
Olho para trás, e não posso deixar de apreciar as Misericórdias, Hospitais, Lares, Irmandades e as mais variadas instituições e estruturas que apoiaram e ainda apoiam os que mais precisam. Hoje como ontem, os pobres, pelo que sei, sempre estiveram nas preocupações da Igreja Católica, envolvendo imensa gente, mobilizando capacidades sem conta.
Por exemplo, dos Planos Pastorais da Diocese de Aveiro tens constado, preto no brando, a opção preferencial pelos pobres. E não é verdade que em muitas paróquias há, da responsabilidade ou iniciativa dos católicos, muitas IPSS e Misericórdias, vocacionadas para ajudar quem precisa? E não tem a Igreja, por muitas formas, institucionais ou particulares, clamado por mais justiça social?
Tenho, por isso, dificuldades em aceitar a afirmação de D. Januário Torgal Ferreira, um bispo que muito estimo.

FM

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 11 Setembro , 2008, 16:26






(Clicar nas fotos para ampliar)

O DOURO FICA SEMPRE NA ALMA DE QUEM O VISITA

“Nenhum outro caudal nosso corre em leito mais duro, encontra obstáculos mais encarniçados, peleja mais arduamente em todo o caminho…

Beleza não falta em qualquer tempo, porque onde haja uma vela de barco e uma escadaria de Olimpo ela existe.”

Miguel Torga, in “Portugal”


Ontem subi o Douro com olhos bem abertos à contemplação das belezas de que tanto tenho ouvido falar. E lido, em autores que cantam o rio que cortou cerce o seu leito, deixando marcas de feridas que os séculos fizeram secar. As chagas sararam, mas as crostas ressequidas lá estão, oferecendo a quem as aprecia a dureza da corrida desenfreada das águas soltas e apressadas com vontade de descansarem no oceano.
E se a beleza da paisagem é indiscutível, ao modo de nos obrigar a voltar, a paisagem bonita das velas dos barcos, de que fala Miguel Torga, já se foi com a voracidade do progresso. Os rabelos há muito que perderam o privilégio de temperar e refinar o Vinho Fino nas bolandas da descida da Régua até Gaia. Aqui recebeu o baptismo de Vinho do Porto, numa clara manobra de marketing, bem engendrada há séculos, que tais técnicas não são exclusivas dos nossos tempos.
O dia nasceu enevoado, com humidade cortante, junto à foz do Douro, assim chamado pela cor amarelada das lamas barrentas que as fortes correntes arrastavam dos montes e montanhas que guardam o rio e o tingiam. Mas nem por isso proibia os olhares dos que gostam da novidade.
Mais tarde, o sol furou as nuvens que nos vieram saudar. E então, o deslumbramento caiu sobre o “Infanta”, um barco que oferecia tranquilidade a quem viajava, pela serenidade com que enfrentava as águas doces que buscavam o casamento, apressado, com as águas salgadas do mar.
O verde da paisagem entrava-nos na alma, vindo de todos os cantos. Do arvoredo que não acusava falta de rega e do rio que o reflectia, como sinfonia de acordes que nos emoldurava o espírito em dia de mais nada que fazer.
Aqui e ali, casas semeadas pela encosta, ruas serpenteantes que as uniam, solares com capelinhas que abençoavam as vinhas, fonte que ainda não secou, dando "petróleo" tinto e branco àquele povo. Mais pontes que ligavam gentes e terras do alto e do baixo Douro, pás de moinhos de vento, não para a farinha, mas tão-só para as novas energias arrancadas do cimo das montanhas que o deus Éolo, com a sua brutalidade, de quando em vez nos oferece.
O que mais encanta o viajante, contudo, como marca indelével, são as escadarias de pomares e vinhas, quais altares ao deus-natureza, fonte de subsistência de povos que teimosamente procuraram adaptar-se a circunstâncias adversas. Hoje, talvez poucos tivessem a coragem de ficar agarrados à terra-mãe, com tal tenacidade e paixão, a não ser que encontrassem pelo caminho outra Antónia Ferreira, a Ferreirinha, com artes de convencimento e de estímulo.
O Douro, rio e região, fica sempre na alma de quem o visita e o observa de perto, admirando a obra de Deus e de homens e mulheres determinados, que nos deixaram como herança a ter em conta a força e a importância do trabalho.

Fernando Martins

Nota: Esta viagem foi organizada pela Câmara Municipal de Ílhavo e integrou-se na Semana da Maioridade. Ela serviu, também, para reencontrar e conviver com gente que não via há muito tempo.

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 11 Setembro , 2008, 16:18
Creoula


A importância da Regata dos Grandes Veleiros está bem patente nos barcos que nela participam, alguns deles, ou todos, carregados de história, mas ainda no facto de fazer parte das comemorações dos 500 anos da cidade do Funchal. A Câmara de Ílhavo, com sentido de oportunidade, associou-se ao Funchal, porque a celebração dos 200 anos da abertura da Barra bem o justificava. Ler mais em Marintimidades.

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 11 Setembro , 2008, 12:19

MAIS-VALIAS A CAMINHO

Para além do que está à vista no renovado Jardim Oudinot, todos esperamos que a dinâmica prossiga, para bem das populações da região, e não só. O maior parque de lazer da Ria de Aveiro, como me sublinhou o presidente da Câmara, Ribau Esteves, precisa de cimentar a sua importância, oferecendo condições que o imponham junto do povo que gosta de usufruir dos ares da laguna.
Nessa linha, o autarca garante que junto à praia, antigamente chamada dos tesos, vai nascer um bar, cujo concessionário assegurará a vigilância daquele espaço. A Guarita, que é uma réplica da original que o Porto Comercial absorveu e que estava em ruínas, de forma irrecuperável, será centro de restauração, criando-se, em anexo, as condições indispensáveis. A zona das merendas ficará ao cuidado da empresa do mesmo restaurante. O hotel será instalado na área, ampla, que se apresenta disponível.
Entretanto, Ribau Esteves afirma que o problema do acesso pedonal ao Jardim Oudinot, sobretudo de quem segue da Gafanha da Nazaré, vai ser resolvido com passadeiras e bandas sonoras, que limitem a velocidade das viaturas. Reconheceu que houve falha neste acesso, mas que a questão vai ser ultrapassada em breve.
O presidente da Câmara promete que em Outubro haverá novidades sobre todos estes desafios, garantindo que o Jardim continuará a merecer o carinho das populações e dos responsáveis das autarquias e da APA.

FM

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 11 Setembro , 2008, 10:47

Peregrinação a Fátima de Bicicleta

Onze ciclistas, sem pretensões a corredores de bicicleta, mas com coragem para pedalarem como os profissionais, foram em peregrinação a Fátima, numa iniciativa da direcção do Stella Maris, que vai comemorar, no próximo dia 20, um quarto de século da bênção e lançamento da primeira pedra do actual edifício-sede daquela instituição da Obra do Apostolado do Mar.
Os ciclistas foram acompanhados por duas senhoras, esposas de dois deles, para eventuais apoios. Seria lógico pensar em avarias, dos corpos ou das máquinas, porque, afinal, a prova era grande. No fundo, apenas quatro furos, um pedal partido, correntes que descarrilaram e mudanças que desafinaram, decerto por tantas vezes terem sido mexidas pelos ciclistas, na procura de ajuda para as pernas já cansadas.
A partida foi no dia 6 deste mês, pelas 6.15 horas, depois de um encontro com Nossa Senhora, para que lhes enriquecesse o ânimo. Mas também para Lhe agradecer todo o apoio, contínuo, que tem dado ao Stella Maris e aos homens do mar e suas famílias, durante, pelo menos, estes 25 anos agora celebrados.
A peregrinação atingiu o seu ponto alto com a chegada, às 17.45 horas, ao Santuário de Fátima. Descanso merecido, encontro com Nossa Senhora de Fátima a quem dirigiram as suas preces e agradecimentos, alguns recados d’Ela recebidos, participação na eucaristia na Igreja da Santíssima Trindade no dia seguinte e regresso, pelos mesmos meios. Ida e volta 282 quilómetros.
Quando eu julgava que haviam terminado a peregrinação sem vontade de a repetir, o chefe do grupo, diácono Joaquim Simões, respondeu-me de pronto: “Qual cansaço; já pensei noutra muito maior; mas ainda é segredo!”

FM

mais sobre mim
Setembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10

20




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds