de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 07 Setembro , 2008, 19:30

Palácio Sotto Maior recebe património da Presidência da República
Um familiar meu, que sabe quanto aprecio arte, foi ontem visitar a exposição patente no palácio Sotto Maior, na Figueira da Foz, com peças, as mais variadas, oferecidas aos nossos Presidentes da República. Não me trouxe fotos, mas sublinhou que vale a pena passar por lá, apesar de se tratar de uma mostra pequena. Vi, entretanto, o Rotativas, da jornalista Maria João Carvalho, que faz uma referência à mesma exposição, que pode ser vista até 5 de Outubro.
O Museu saiu à rua. A exposição “Sentidos de Estado” no palácio Sotto Maior, na Figueira da Foz, mostra o valioso património histórico e cultural associado à Presidência da República e à residência oficial do Presidente.
São cerca de 200 peças em oiro, prata e materiais semipreciosos, porcelanas, pinturas e esculturas.
In Rotativas
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 07 Setembro , 2008, 17:35
Ontem tive uma surpresa agradável. Um amigo, que não vejo há muitos anos, contactou-me pelo telemóvel. Uma meia hora depois, porque era preciso conversar mais, o contacto continuou através do telefone fixo. Para podermos falar com calma e com tempo. E no fim, ficou combinado um encontro para retomarmos o desfiar de recordações, olhos nos olhos. Porque continuamos sem nos ver.
A vida, com o corre-corre alucinante de todos os dias, tem destas coisas. As amizades, partilhadas em projectos e ideais comuns, podem ficar na arca do esquecimento. Incompreensivelmente.
Os anos passam e as boas recordações, as tais que têm a amizade como ponto de referência, começam a diluir-se e a acomodar-se nas sombras da memória. Até quase ficarem petrificadas.
É certo que, com frequência, espreitam à janela do consciente muitos desses amigos, com gestos e atitudes, sorrisos e gargalhadas, que constituíram o substrato de cumplicidades que nos marcaram para a vida. Mas nem assim, porque alguns comodismos típicos da idade nos limitam a coragem, conseguimos dar o salto para os encontros sonhados.
Ontem, o Horácio foi o corajoso. Um abraço…
Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Domingo, 07 Setembro , 2008, 12:52

2 – Capela de Nossa Senhora dos Navegantes

A capelinha de Nossa Senhora dos Navegantes é, sem dúvida, o mais antigo templo católico das paróquias da península da Gafanha. Sobre ela, diz o Padre João Vieira Rezende, na sua “Monografia da Gafanha”:
“No Forte, freguesia da Gafanha da Nazaré, começou a ser construída em 3 de Dezembro de 1863 a capela de Nossa Senhora dos Navegantes, sob a direcção do exímio engenheiro Silvério Pereira da Silva, a expensas dos Pilotos da Barra, sendo então piloto-mor um tal senhor Sousa. Custou 400$000 réis. Na parede está fixada uma lápide que diz: «Património do Estado». Há de interessante e invulgar nesta capela as suas paredes ameadas e a ombreira da porta principal, de pedra de Ançã, lavrada em espiral com arco em ogiva. Celebra-se a sua festa na última segunda-feira de Setembro com enorme concorrência de forasteiros das Gafanhas, de Ílhavo, Aveiro e Bairrada. Nesse dia Aveiro é um deserto por se terem deslocado para ali muitos dos seus habitantes. A procissão ao sair do templo segue por sobre o molhe da Barra e regressa pela estrada sul que vem do farol. A festa é promovida pela Junta Autónoma da Barra.”
Tanto quanto se sabe, o templo mantém com rigor a traça original, apesar das obras de restauro e conservação por que tem passado. Pequenina, a capela ali está inserida, e bem, no complexo portuário que entretanto foi nascendo e se desenvolveu, dando, presentemente, sinais de que vai crescer ainda mais.
A Senhora dos Navegantes, que os nossos pescadores e mareantes tanto veneraram nos tempos dos nossos avós, não deixará, contudo, com a sua ternura de Mãe, de velar por quantos sulcam as águas do mar, não já na Faina Maior, que o bacalhau que comemos já é mais importado do que pescado pelos portugueses, mas sobretudo nos transportes marítimos e na pesca costeira.
Do texto do Padre Rezende, registamos, como ponto de partida para uma análise mais profunda, o pormenor, significativo, da construção da capela ter sido iniciativa dos Pilotos da Barra e a expensas suas, não se sabendo se houve, ou não, qualquer pedido ou sugestão das populações, entidades eclesiásticas, políticas ou autárquicas. Seria curioso saber se o piloto-mor, o tal senhor Sousa, era pessoa da nossa região e ligada à Igreja.
Por outro lado, seria bom descobrir-se como apareceu aqui a devoção a Nossa Senhora dos Navegantes, como se escolheu a imagem e quem deu a ideia para a expressão do rosto. Teria sido tudo trabalho do piloto-mor?
O facto de as paredes do templo serem ameadas prende-se, compreensivelmente, à existência do Forte Novo ou Castelo da Gafanha, numa certa homenagem à defesa da zona das investidas por via marítima dos inimigos da Pátria.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Domingo, 07 Setembro , 2008, 10:11


Às vezes, dá-me para isto: Mostrar que pela nossa terra passaram grandes vultos, que deixaram marcas disso mesmo. Nem sempre, porém, tenho a disponibilidade para procurar esses registos. Mas os meus amigos podem dar uma ajuda... Fico à espera de textos e fotos.
FM
Mais Eça na Costa Nova. Leia aqui

Editado por Fernando Martins | Domingo, 07 Setembro , 2008, 09:54

REGISTOS DE MÁRIO SILVA
Na Galeria OP ART, mais voltada para a arte contemporânea, está patente ao público uma exposição de pintura do artista Mário Silva. São XLVI Registos Pictóricos que podem ser apreciados até 30 de Setembro, de segunda a sábado, das 9.30 horas às 12.30 e das 15 às 19 horas. Porque nem sempre temos exposições de nível entre nós, esta é uma excelente mostra para quem gosta de arte de pintores dos nossos dias.
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 07 Setembro , 2008, 09:48


A MATEMÁTICA

Caríssima/o:

Hoje abre-se diante de nós um grande mundo: o da polémica!
Contudo não vou por aí; com a minha modesta máquina pretendo mostrar-vos algumas imagens da nossa aprendizagem da matemática. Se desfocadas, peço desculpa.
Ora, nesses tempos havia a aritmética e a geometria. Ninguém fala desta última pelo que deve estar de boa saúde, a desgraçadinha! Mas era nesta área que estudávamos o ponto, a linha, a recta, a curva, a linha poligonal, a mista, as paralelas, as concorrentes: perpendiculares e oblíquas, os ângulos, os polígonos, a circunferência e o círculo, o plano e o espaço, os sólidos, sem esquecer as respectivas áreas e volumes. Começava-se na terceira e completava-se na quarta classe. Tudo isto era exemplificado e trabalhado no quadro preto utilizando a régua, o esquadro, o compasso e o transferidor, bem como os sólidos geométricos da caixa métrica.
A aritmética ia do ensino dos números até aos problemas das torneiras: tabuadas, contas, reduções, complexos, fracções e problemas. Havia três momentos: apresentação e compreensão, aplicação, memorização ou mecanização. E ia-se subindo como se de uma escada se tratasse. Víamos companheiros aflitos com muita dificuldade e apreciávamos os esforços que o professor desenvolvia para que atingissem o mínimo que lhes permitisse irem a exame e não fazerem vergonhas!
Cedo eram introduzidas as contas (operações), logo na primeira; de tal forma que havia um adágio que se repetia nesta fase: “Na segunda, leitura e contas; leitura e contas!...” Assim, para além de uns problemas simples de uma operação, o grande trabalho nas duas primeiras classes consistia na automatização das operações já que todas elas tinham sido introduzidas na primeira, depois da memorização das tabuadas, para que, quando aparecessem os problemas a sério, os alunos estivessem preparados para pensarem no seu raciocínio sem se preocuparem com a realização das operações já mecanizadas... Alguns ainda se lembrarão “dos comboios” com que enchíamos as lousas! Era cada uma!
Na terceira era introduzido o sistema métrico que depois originava as reduções; é sempre bom recordar as unidades que estavam “na razão de um para dez... de um para cem... de um para mil...”
E depois as unidades de tempo e os graus que implicavam as operações com complexos... Muitas vezes, tínhamos de virar a lousa para terminar os cálculos, como quando nos perguntavam quantos segundos havia num ano! Ora um ano tem 12 meses e um mês, trinta dias...
As fracções entravam logo na primeira classe. Tudo muito básico mas que nos levava a ficar com a noção de metade, da terça parte, ... de um nono... Depois na quarta não havia segredos para a adição e subtracção de fracções (mesmo com denominadores diferentes...) nem tão pouco a multiplicação ou divisão...
Os problemas que tinham entrado já na primeira eram o prato forte da quarta, onde chegavam a ter seis e até mais operações. Para atingir este aprumo havia um longo caminho a percorrer desde a arrumação do quadro dividido em três zonas: à esquerda, os dados; em cima, as indicações e, por baixo, as operações. Escritos os dados, o aluno devia ser capaz de repetir o enunciado para, logo de seguida, indicar o raciocínio e tentar, se fosse caso disso, atingir a solução com o cálculo mental.
Só a título de exemplo deixo aqui um dos célebres problemas que nos apareciam nos cadernos de problemas:
“Um tanque tinha duas torneiras: uma enchia-o em 3 horas e outra levava 6 horas a esvaziar o mesmo tanque. Se abrirmos as duas torneiras ao mesmo tempo, ao fim de quantas horas fica o tanque cheio?”
Claro, não é preciso dizer que não havia máquinas de calcular... O barulho era feito pelos ponteiros a bater nas lousas... ou seriam os neurónios a ranger?!

Manuel

mais sobre mim
Setembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10

20




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds