de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 26 Agosto , 2008, 21:24

Reparos justos merecem sempre resposta atempada


Sou dos que entendem que as obras públicas devem ser louvadas, quando oportunas e válidas, e criticadas quando acontece o contrário. Ao longo dos anos, sempre defendi a reposição, possível, do Jardim Oudinot. Critiquei alguma inoperância e bati-me por uma reconstrução digna do nosso povo. Com o renovado Jardim Oudinot, não me cansei de aplaudir o trabalho feito.
É óbvio que um projecto desta envergadura e de real interesse público não pode ser considerado obra acabada e perfeita. Como me dizia o meu amigo Gaspar Albino, o Jardim Oudinot tem de continuar a merecer trabalhos de manutenção e de valorização, para que o povo sinta que vale a pena andar por lá. Pessoalmente, estou convencido de que assim vai ser.
Por seu lado, o também meu amigo Armando Cravo, por e.mail enviado ao presidente da Câmara de Ílhavo, Ribau Esteves, apressou-se, e bem, em dar-lhe os parabéns pelo trabalho feito, mas acrescenta, sublinhando um reparo:
“'Esqueceram-se’ das pessoas da Gafanha da Nazaré, que sempre se deslocaram a pé para a ‘Praia dos “ Tesos’ e que agora serão cada vez mais!...
É necessário traçar um pequeno corredor pedonal, a partir da rotunda das portas de água, logo a seguir à barreira de protecção metálica do acesso ao Sto. André, para que as pessoas e velocípedes não pisem a relva como já está a acontecer. Certamente não acredita que as pessoas para não pisar a relva, se sujeitam a fazer um percurso ‘desnecessário’, que rondará os 100 metros.”
A esta observação pertinente, o autarca ilhavense adiantou, depois de agradecer os parabéns pela obra levada a cabo, de parceria com a APA:
“No que respeita ao seu reparo, devo dizer que estamos a fazer a definição (as equipas da CMI e da APA) sobre a solução técnica mais adequada para a travessia (da Via Portuária) de peões e ciclistas entre a Av. José Estêvão e o Jardim Oudinot, procedendo-se à execução da solução escolhida acto imediato a essa definição (o que queremos seja breve), e por essa via melhorar as condições de circulação em segurança nessa zona e dissuadindo o pisar da relva.”
Ora aqui está a prova evidente de que a falar (neste caso a escrever) é que a gente se entende.

FM

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 26 Agosto , 2008, 11:48
Um livro de Mia Couto:

"Venenos de Deus, remédios do Diabo"

Hoje concluí a leitura de um livro de férias. “Venenos de Deus, Remédios do Diabo”, de Mia Couto, ofereceu-me o imaginário deste grande escritor moçambicano, um dos maiores da Língua Portuguesa, que já conheço há muito de outras obras.
Este livro é um romance carregado de poesia, com retratos do seu país, que ele tão bem sublinha. Não sei que mais admirar neste escritor. Se o enredo cheio de mistérios, se a filosofia que sai da boca das personagens, se a descrição das reais ou imaginárias paisagens, se o mistério tecido à volta das estórias com que nos envolve, se a criação ou recriação de palavras e expressões, se, afinal, tudo isto e mais o que nem consigo exprimir. Sei que gosto de Mia Couto, porque me prende aos livros, me obriga, em cada frase, a sonhar com paragens e paisagens onde dificilmente chegarei, a não ser pelos quadros que tão expressivamente ele pintou.
“A idade é uma repentina doença: surge quando menos se espera, uma simples desilusão, um desacato com a esperança. Somos donos do Tempo apenas quando o Tempo se esquece de nós.” Frases como esta fazem-me pensar e até filosofar, comigo próprio e com quem me rodeia, nos calmosos dias deste Verão. Em cada página e mesmo em cada fala das personagens deste livro encontro motivos para sonhar com viagens para além do real.
Ao ler “Venenos de Deus, Remédios do Diabo”, vieram até mim vidas da era colonial, agarradas a um passado de interesses sombrios, algumas marcadas por tradições e saberes ancestrais, que o escritor, biólogo e jornalista muito bem projecta para os dias de hoje. Os mistérios da família dos Sozinhos nesta obra se fixaram, através de uma escrita cuidada e poética, para que o leitor vá procurando e descobrindo, paulatinamente, até à última frase, os segredos que Vila Cacimba esconde há tanto tempo.
12 de Agosto
Fernando Martins

mais sobre mim
Agosto 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds