de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 24 Agosto , 2008, 15:18

A festa dos Jogos Olímpicos terminou em Pequim, com um espectáculo memorável. A festa dos Jogos Olím-picos, a maior do universo, com variedade e amplitude, com emoções e entusiasmos, com tristezas e alegrias, com vitórias e derrotas, atraiu milhões de pessoas, mostrou-se a todo o mundo, uniu continentes, aproximou povos de todas as latitudes, espalhou compreensões e mostrou a todos os homens e mulheres dos nossos tempos que a paz é possível, que a harmonia é desejável, que o entendimento entre nações é meta para a qual todos temos a obrigação de correr.
Mais alto, mais longe, mais forte e mais rápido podem ser e são, se todos quisermos, ideais nobres para as presentes e futuras gerações. Se todos quisermos!

Editado por Fernando Martins | Domingo, 24 Agosto , 2008, 10:43


A LÍNGUA PORTUGUESA


Caríssima/o:

O livro da primeira classe estava dividido em duas partes: a primeira, de letra grada, era para aprender a ler; a outra, de letra miudinha, para praticar a leitura.
A fase inicial, depois do aeiou, consistia em “juntar as letras” - um t e um a...ta; e por aí adiante, percorrendo todos os sons; praticando de seguida os ditongos e os casos especiais...
Quando se dava o X e a seguir vinha a letra miudinha, era um alívio e uma satisfação de arromba! Ponhamos a ressalva de que era norma repetir integralmente toda a primeira parte, embora de forma mais rápida, de modo a que, chegando o Carnaval, se estava apto para o tal salto: estar capaz para a tal letra miudinha!
A minha memória, que por vezes me vai atraiçoando, fez-me presente que nesses tempos havia a “primeira dos cartões” - espécie de maldição: criança que encalhasse e não ultrapassasse os malfadados cartões, quase certo, não chegava a fazer exame da 3.ª classe!

A escrita ia acompanhando a leitura, na aprendizagem das letras e depois a copiar as palavras que se aprendiam.

Na 2.ª classe, continuava-se o treino da leitura, agora acompanhada pela cópia e de alguns ditados; iniciava-se a escrita de frases com respostas a perguntas, como iniciação à redacção.

A 3.ª era já uma classe de franca transição: apostava-se na redacção e no ditado, intercalados com a introdução de noções gramaticais.

Atingida a 4.ª classe, o treino era mais intensivo quer na leitura, quer no ditado e o maior cuidado também na gramática (na qual, se a quarta fosse “bem feita” se apreendiam noções que seriam válidas até ao 5.º ano do liceu, o actual nono ano! Só como cheirinho: conjugações pronominais e reflexas, vozes activa, passiva e perifrástica, sem esquecer a divisão de orações aos saltos e o nome predicativo do complemento directo...)

Como se vê era um programa exigente e que dava bem que entender, principalmente no ditado (onde o número de erros era muito limitado...).

[Certo que agora com o novo acordo ortográfico!...]


Manuel

mais sobre mim
Agosto 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds