de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 22 Agosto , 2008, 19:10

Reabilitação do Forte da Barra no bom caminho?

Na sequência de algumas denúncias sobre o mau estado de conservação do Forte da Barra, a que neste meu espaço dei a devida cobertura, por considerar um crime de lesa-património a situação em que se encontrava o Castelo da Gafanha, como também é conhecido aquele imóvel de interesse público, acabo de receber o ofício que foi enviado ao nosso concidadão António Angeja, em resposta a diligências suas, no sentido de se resolver o assunto.
O ofício, assinado pela Eng.ª Lúcia Pessoa, Directora de Bens Culturais, reza assim:

“Sobre este assunto acusamos a recepção da comunicação, via e-mail de 7 do corrente mês.
Assim, informa-se V. Exa que no passado mês de Maio foi efectuada deslocação ao imóvel e verificada a necessidade duma intervenção de conservação e reabilitação do mesmo, tendo-se comunicado a situação à Administração do Porto de Aveiro, entidade a quem se encontra afecto o Forte da Barra.
Nessa sequência a APA informou que encetará a curto prazo os procedimentos para a requalificação do núcleo de construções na área do Forte da Barra, através de projecto, que por se tratar de área abrangida por servidão administrativa no âmbito do Património Cultural Classificado, será obrigatoriamente objecto de parecer vinculativo do Ministério da Cultura, nos termos da Lei n.º 107/01, de 8 de Setembro.”

Resta-nos esperar, agora, que ao velho Forte da Barra seja dada a atenção e a dignidade que ele merece.
Com esta resposta, a diligências de António Angeja, fica provado que mais vale agir, batendo às portas certas, do que insistir em protestos, batendo a portas erradas. Congratulo-me, pois, com o trabalho deste nosso conterrâneo, felicitando-o por isso. Também hoje, em conversa com o presidente da Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré, Manuel Serra, ele me garantiu que tudo estava encaminhado para que o problema do Forte da Barra fosse resolvido. Ainda bem.

FM

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 22 Agosto , 2008, 19:00


A Associação Naval de Lisboa com apoio do Clube Naval da Horta, Angra Iate Clube e Clube Naval de Ponta Delgada asseguraram a organização do I Triângulo Atlântico, o qual integra duas regatas: Atlantis Cup-Regata da Autonomia.

Com partida de Lisboa e passagem em Ponta Delgada, Angra do Heroísmo e Horta, navegou uma frota de veleiros que passou por condições atmosféricas adversas. A embarcação aveirense MIKE DAVIS/PORTO DE AVEIRO foi a que melhor se adaptou às condições climatéricas adversas, vencendo com largas horas de vantagem para os seus adversários. Segundo Delmar Conde, líder da equipa, o sucesso foi conseguido devido a uma opção estratégica acertada: "tomámos uma opção táctica arriscada relativamente à restante frota, à saída da Horta, onde tinhamos que decidir o rumo a tomar para Lisboa", revela. E ainda acrescenta: "numa regata oceânica desta dimensão é fundamental acertar com as opções tomadas a bordo de acordo com as previsões meteorológicas." E diz mais: "O desempenho de toda a tripulação, o espírito a bordo, a camaradagem e a concentração, durante uma viagem de 6 dias, foram muito importantes para o sucesso." A comunidade Portuária de Aveiro felicita toda a tripulação constituída por Delmar Conde, Renato Conde, Daniel Vasconcelos, Pedro Paião e José Amaral.
Fonte: Texto e foto do Porto de Aveiro

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 22 Agosto , 2008, 11:09

Lua Dourada

As mãos de fogo na cintura
A respiração sem tréguas
contra o choque da água
As pedras nos pés indecisos
e o medo em fuga
nas marés proibidas

A lua nos olhos cadentes
desmaiou na boca do mar
entre dedos ardentes


Turíbia
tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 22 Agosto , 2008, 10:36

Bombeiros, carteiros e professores
ocupam as posições cimeiras

Um estudo sobre a confiança atribuída a 20 profissões, realizado este ano em 22 países, revela que 90% dos portugueses confiam nos bombeiros, carteiros e professores da escola primária e secundária. Desenvolvido pela GfK, em parceria com o Wall Street Journal, a análise mostra que políticos e publicitários são os "menos confiáveis", com pouco mais cerca de 14% de respostas abonatórias. Nas funções mais desacreditadas surgem, ainda, os grandes empresários, segundo 59% dos portugueses, e os jornalistas, com 49%.
Leia mais em DN

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 22 Agosto , 2008, 10:27
Qualquer estudo que se faça sobre a nossa terra, leva, inevitavelmente, os seus autores a debruçarem-se sobre as origens do vocábulo Gafanha, sem que até hoje alguém tenha chegado a qualquer verdade absoluta.
A palavra Gafanha não escapa à dificuldade natural e ainda hoje não é possível saber-se concretamente qual a sua origem. Sobre ela, falei várias vezes com o tio João, o primeiro gafanhão que me falou da “Monografia da Gafanha”, escrita pelo Padre João Vieira Rezende, antigo pároco da Gafanha da Encarnação e bem conhecido do meu amigo.
Não conhecia a obra do Padre Rezende, mas não descansei enquanto não a li. Ainda hoje, agora com edição da Câmara Municipal de Ílhavo, se mantém como ponto de partida ou de referência para diversos estudos sobre esta região.

Clique aqui para ler mais
tags:

mais sobre mim
Agosto 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds