de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 18 Agosto , 2008, 21:59

"Num tempo de crescente globalização, importa acreditar que os jovens migrantes cristãos querem e devem ser protagonistas da esperança vivida e proclamada nos caminhos difíceis da solidariedade, da justiça e da paz!
Os conflitos de fronteiras entre os povos, as vicissitudes de autonomias inconsolidadas, as dificuldades sentidas no respeito pela diferença, o desinteresse manifestado face ao sofrimento alheio, a insensibilidade diante da pobreza, da dor e da exclusão são desafios incessantes a um urgente protagonismo da esperança e a um tempo de profecia evangélica."


Da homilia do Bispo de Aveiro na eucaristia da ordenação do presbítero Johony Freire Loureiro, na Sé de Aveiro, no passado domingo.
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 18 Agosto , 2008, 21:41

O Navio-Museu Santo André vai ser palco, no dia 22 de Agosto, pelas 18.30 horas, de mais uma merecida homenagem ao Capitão Francisco Marques, com a projecção do filme “A Faina Maior do Capitão Francisco Marques”.

Leia mais em Ponto de Encontro
Nota: Foto de Ponto de Encontro

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 18 Agosto , 2008, 18:46


PALMAS PARA A HOMILIA


A missa dominical foi na igreja de Nossa Senhora da Conceição, de portal gótico. Por dentro, nada de anormal. Templo sóbrio, de três corpos. Com bancos quase para toda a gente que vive a missa dominical, esteja onde estiver. De férias, era o caso. Nas paredes laterais, diversas ventoinhas ajudavam a tornar o ar respirável. Percebia-se que havia muitos turistas. Alguns ingleses e de outras nacionalidades, estes em menor número. Coral constituído por gente local e tudo bem ordenado. O celebrante era uma padre já idoso, brasileiro.
De inédito, coisa nunca presenciada por mim, ao longo de toda a minha vida de católico, os aplausos para a homilia. Por ser erudita? Com preocupações de altas teologias? Destinada a gente culturalmente elevada, sob o ponto de vista académico? Por ser doutrinalmente consistente? Por ser feita a partir de frases bem concebidas? Nada disso. Apenas porque foi muito simples, de forma a que todos entendessem a mensagem.
O celebrante foi sobretudo um homem simples. E disse: a eucaristia tem de continuar na vida; o milagre da multiplicação dos peixes e do pão tem de ser feito, hoje, por cada um de nós, respondendo aos que passam fome ao nosso lado; temos de partilhar, em espírito de caridade e de justiça social, com os que mais precisam.
Depois lembrou que a Igreja é a Casa do Pai, que a todos tem de acolher e com todos tem de repartir e ajudar a repartir… E mais… num estilo próximo, como quem conversa com os amigos. No fim, o Povo de Deus aplaudiu, para meu espanto, porque nunca tinha assistido a tal coisa.
Já que falei das homilias, ocorre-me dizer que, por vezes, fico cansado quando ouço certos padres. Eu sei que as homilias não são fáceis de fazer. Exigem preparação, muita preparação, e alguns dons. Um padre, que foi catedrático na Universidade de Aveiro, disse-me, um dia, que levava uma boa hora a preparar uma aula e duas a preparar a homilia. Pensei que fosse o contrário, mas foi assim que ele me disse. De modo que, quando ouço algumas, sinto logo que não foram preparadas. Dá a impressão que alguns celebrantes se convencem de que, quando abrem a boca, para transmitir a mensagem evangélica, adaptada aos nossos dias, é o Espírito Santo quem fala através deles. Puro engano. O Espírito Santo não pode ajudar quem não assume a obrigação de preparar a prédica da eucaristia. Muito menos substituir celebrantes. Penso eu!

3 de Agosto
FM

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 18 Agosto , 2008, 17:05


(Clicar nas fotos para ampliar)


PARABÉNS!

Parabéns! Esta é a palavra mais justa para quantos idealizaram e avançaram com esta prenda para os amantes da natureza e do prazer da vida ao ar livre. Para os nossos autarca e APA (Administração do Porto de Aveiro), mas também para quantos, ao longo de décadas, lutaram para que as obras dos portos não eliminassem, pura e simplesmente, o Jardim Oudinot, que os nossos pais e avós usufruíram, em horas festivas ou de descanso.
Não pude estar presente, como gostaria, mas soube, à distância, da inauguração. Hoje fui lá e gostei. Gostei bastante de ver muita gente a passear e a apreciar o que foi feito. O bom gosto impera e o povo saberá gostar desta prenda, merecida, que lhe deram. A Gafanha da Nazaré e todo o concelho de Ílhavo têm, agora, um espaço condigno que estará aberto a quem o desejar. Todos quantos gostam da Ria, da vida sã, da maresia e da tranquilidade que as águas mansinhas da laguna inspiram. As árvores e arbustos plantados, mais a relva verdinha que já desponta, com a ajuda da rega automática, são motivos para nos atraírem para ali.
Quem gostar de caminhar, quem precisar de exercícios de manutenção física e mental, quem gostar de meditar olhando a água e as aves que cirandam por ao sabor do aragem que o céu azul emoldura, quem necessitar de afugentar o stresse e quem apreciar a calma que um ambiente sadio proporciona têm agora um parque de lazer, para todas as idades e para todos os apetites.
Passei hoje pelo renovado Jardim Oudinot, mas voltarei muitas vezes. Os meus parabéns para todos nós.

FM

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 18 Agosto , 2008, 16:22

A relação humana está sempre condicionada pela identidade do masculino e do feminino e pela reciprocidade de ambos. É uma constante que brota da natureza e se educa pela cultura e pela religião. Homem e mulher, entre si, não são apenas complementos ou sobreposições, nem estão “condenados” à competitividade ou anulação. Pelo contrário, estão chamados a realizar em comum a missão recebida de cuidar da terra e da vida, manifestando o rosto benigno de Deus presente e actuante nas atitudes de cada um. Também no campo religioso.

O episódio da cananeia é uma preciosidade do Evangelho sobre a relação de Jesus com a mulher e, nesta forma de relacionamento, uma novidade em todo o universo religioso. A cena tem como protagonistas principais: A mãe aflita pela doença da filha, os discípulos e Jesus. O fio condutor passa pelo diálogo – por vezes desconcertante – entre eles, mas em que sobressai a mulher-mãe.

Jesus actua em contracena ao que se esperava: silêncio perante o pedido feito, resposta “seca” aos discípulos que se haviam interposto, sentença desconcertante face à insistência da mãe aflita e, finalmente, assentimento e concessão do bem desejado.

É verdadeiramente em contracena pois o seu modo de agir com as mulheres caracteriza-se pelo maior respeito: nunca feriu a sensibilidade feminina, por palavras ou atitudes; nunca evocou o estatuto de inferioridade social a que estavam votadas; nunca desvalorizou a missão da mulher. Pelo contrário, relaciona-se com normalidade, acolhe as que o procuram, enaltece as suas capacidades, aceita a sua companhia na “obra” da missão e encarrega algumas de funções muito específicas.

À luz do proceder normal de Jesus, e apesar do muito que já se andou no reconhecimento e na aceitação do “papel” da mulher na Igreja, quanto é preciso progredir para destrinçar as “capas” culturais das verdadeiras razões bíblicas e teológicas. Destrinçar e agir em conformidade.

Mas a heroína é a mulher-mãe. Apenas uma preocupação a domina: a cura da sua filha que sofria horrivelmente. Nada pede para si. Nada teme enfrentar: nem o desprezo, o ridículo ou a ironia. Está decidida a tudo. Entra em sintonia com Jesus. Aceita migalhas em vez de pão, pois estas também são dadas aos cachorrinhos. O importante é que a sua filha seja liberta do mal.

E Jesus “aprende” com a atitude desta mulher estrangeira. Abre-se a outros horizontes da missão. Liberta-se do reduto judaico. Antevê horizontes mais vastos: Também os “gentios” são chamados para a mesa do Senhor, a comer do seu pão, a beber do seu vinho.

O diálogo da cananeia com Jesus é admirável. Ela, uma mulher simples, revela as suas capacidades persuasivas para alcançar o que deseja, deixa-se guiar pelo coração inteligente e pela vontade decidida, tal o amor à filha e a certeza na eficácia da autoridade de Jesus. A sua confiança e paciência, a sua humildade e insistência provocam “uma brecha” na reserva de Jesus, tocando as fibras mais sensíveis do seu ser e as prioridades do seu agir missionário. E ela, que soube fazer da necessidade a sua maior virtude, obtém não apenas a cura da filha, mas o elogio mais rasgado da sua fé.

Georgino Rocha
tags:

mais sobre mim
Agosto 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds