de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 19 Julho , 2008, 17:10
Pedro Loureiro

Pedro Loureiro: Fotógrafo da LER


Pedro Loureiro nasceu na Gafanha da Nazaré em 1969 e é o fotógrafo residente da LER, mas já publicou fotografias, reportagens e portefólios na Elle, Notícias Magazine, DNA, Volta ao Mundo, Daily Telegraph on Sunday, Le Monde, The Guardian, Libération, The New York Times e L'Express, entre outros. Estudou fotografia na MI21/École des Arts et Métiers de L’Image (Paris) e logo a seguir, de 1991 a 1998, foi fotógrafo do jornal O Independente. Depois, passou pela Grande Reportagem e foi editor de fotografia da Notícias Magazine, além de co-fundador da agência Kameraphoto e da KGaleria.

Fonte: Revista LER

NOTA: Conheço o Pedro Loureiro, desde sempre, e tenho acompanhado a sua paixão pela fotografia, por informações de seu pai e meu amigo, José Alberto Loureiro. Confesso, no entanto, que não sabia, ao pormenor, do seu percurso profissional. Pelo que tem feito, no domínio da fotografia, os meus parabéns.

Curiosamente, do fotógrafo não tenho nenhuma fotografia. Fica o texto, com amizade. Não tinha, mas já a tenho. E aqui fica, para todos os seus amigos e admiradores.

FM

Editado por Fernando Martins | Sábado, 19 Julho , 2008, 17:09
Crianças numa ATL (Foto do meu arquivo)

ATLs vão receber reforço de verbas

As instituições de solidariedade chegaram a acordo com o Governo sobre os subsídios atribuídos às actividades de tempos livres (ATL), encerrando um diferendo que se prolongou durante vários meses, anunciou o presidente da confederação do sector, refere a agência Lusa.
«Já há acordo. Embora não sejam suficientes, são valores aceitáveis que asseguram a sobrevivência das instituições e que mostram que o Governo quer que se mantenham em funcionamento os ATL, sobretudo na componente de apoio à família», revelou o padre Lino Maia, presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS).
Segundo o responsável, o acordo ficará estabelecido num protocolo a celebrar «em breve» e que prevê um reforço das verbas atribuídas às instituições que garantem o acolhimento e ocupação das crianças do primeiro ciclo.
Clique aqui para ler mais

Editado por Fernando Martins | Sábado, 19 Julho , 2008, 13:30

Bento XVI pede perdão pelos abusos sexuais do clero na Austrália


Bento XVI apresentou hoje um pedido de desculpas a todas as vítimas de abusos sexuais por parte do clero católico na Austrália.
“Peço profundas desculpas pela dor e o sofrimento que as vítimas sofreram e asseguro-lhes que, enquanto seu pastor, eu também partilho o seu sofrimento”, disse o Papa, na Catedral de Saint Mary, de Sidney, numa passagem improvisada da sua homilia.
O Papa quis "confessar a vergonha que todos sentimos depois dos abusos sexuais sobre menores cometidos por alguns sacerdotes e religiosos desta nação".
"Estes agravos, que constituem tão grave traição da confiança, devem ser condenados de modo inequívoco. Causaram grande sofrimento e prejudicaram o testemunho da Igreja", assinalou.
Nesse sentido, pediu "a todos que apoieis e assistais os vossos bispos, colaborando com eles no combate contra este mal".
"As vítimas devem receber de vós compaixão e tratamento e os responsáveis destes males devem ser levados diante da justiça", precisou Bento XVI, para quem "constitui uma urgente prioridade a promoção dum ambiente mais seguro e sadio, especialmente para os jovens".

Leia mais aqui

Editado por Fernando Martins | Sábado, 19 Julho , 2008, 13:14

No século VIII, no quadro da ameaça militar e religiosa do islão a Bizâncio, a tradição cristã viu-se confrontada com a pureza radical do monoteísmo islâmico e a sua proibição das imagens. Os imperadores bizantinos mandaram destruir as imagens e os seus defensores foram perseguidos como idólatras. Embora esta luta dos iconoclastas tenha acabado com a vitória dos iconódulos (veneradores das imagens), pois Jesus Cristo é a imagem visível de Deus, nunca deveria esquecer-se que Deus é infinitamente transcendente e, se o Homem foi criado à imagem e semelhança de Deus, Deus não é à imagem do Homem.
Diz-se perante certas imagens: vale mais uma imagem que milhares de palavras. Pense-se, por exemplo, naquelas imagens televisivas das crianças esfomeadas na Etiópia -- pequenos andaimes de ossos a soçobrar, num olhar suplicante e quase morto -, e o soco que nos dão no estômago e na alma.
Aqui, porém, do que se trata é da civilização da imagem, daquela civilização que quer a visualização de tudo. Trata-se daquilo para que uma aluna me chamou a atenção. Ela tinha feito um trabalho sobre A Sociedade do Espectáculo, de Guy Debord, um dos breviários da geração de 68, e disse-me: "Viu a transmissão televisiva do funeral do Papa João Paulo II? Aquilo era espectáculo, donde o mistério da morte foi arredado. Logo a seguir, em sequências vertiginosas, lá estavam imagens publicitárias e futebol: tudo o mesmo." Ah! A alienação com o futebol: "pensar com os pés" (Carlos Fiolhais)!
Há perigos na civilização da imagem?
Anselmo Borges

Para ler todo o artigo, clique aqui
tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 19 Julho , 2008, 13:07


Proposta indecente!


Creio que muitas poucas pessoas já terão dúvidas, presentemente, que vivemos numa sociedade de sedução e de ilusão, em que se procura passar a ideia de que tudo é fácil de alcançar e satisfazer e onde as responsabilidades e os compromissos pelas opções individuais de cada um não passam de meros circunstancialismos passageiros que, com o passar do tempo, se vão diluindo, até desaparecer, como por magia, sem que tragam quaisquer encargos para quem os assumiu.
A publicidade vai-se encarregando de passar esta mensagem de felicidade gratuíta e de criar a envolvente psicológica e social propícia para que os mais desprevenidos e imprudentes acreditem que vivemos num mundo de maravilhas, onde tudo são facilidades e, se não for bem assim, no futuro, alguma coisa se há-de arranjar.
Comprar um carro, ir de férias a um qualquer lugar do mundo, ter um crédito imediato, sem perguntas ou justificações, adquirir um electrodoméstico não utilitário, ter a casa dos seus sonhos e muito mais do que se queira e possa imaginar, são algumas das tentações que nos entram, das mais variadas formas, pela casa dentro e que influenciam o íntimo de muitos.
Para minha surpresa, também os mais jovens já são seduzidos neste sentido. Ainda há dias, estava com um sobrinho meu, com 16 anos de idade, que, recentemente, passou para o 12º ano, a quem, há coisa de três meses, os pais abriram uma conta bancária, por questões de ordem prática, a nível familiar. Pois, recentemente, este jovem recebe uma carta da instituição bancária, onde a referida conta foi aberta, na qual era tratado por “jovem empreendedor”, com uma proposta de crédito, em seu nome, “até dez mil euros, para utilizar onde, como e quando quiser”!
Mas onde é que está a sensatez de tudo isto? Será que não há ninguém, neste país, que ponha um travão neste tipo de loucura alienante, que nem sequer tem em conta estarem a fazerem uma proposta de crédito a um jovem adolescente e de menor idade? Ou será que tudo isto faz parte de uma estratégia mais ampla e malévola que pretende começar a abrir as primeiras brechas e confusão na consciência deste e de outros jovens para que, no futuro, o assalto seja mais fácil à sua pessoa?
Isto para não falar nos possíveis conflitos pessoais e incompreensões que podem surgir entre estes jovens de menor idade e os seus familiares.
Acabei por ir ao banco e depois de alguma insistência informara-me que tais contactos fazem parte da política geral da empresa e não comprometem ninguém. Até aí também eu sei, mas não basta esta resposta. Estes contactos deviam ser proibidos, no caso de se tratarem de jovens menores e, para este grande pormenor, não houve resposta.
Tenho pena que estes bancos não façam uma publicidade pedagógica, também ela capaz de angarias novos Clientes para estes, mesmo que seja (como deveria ser) na base da verdade e não de vendilhões de ilusões, como seja: incentivá-los ao trabalho, a poupar (quando possível), gerir o seu pecúlio e orientá-los nas suas aplicações ou empréstimos.
Quer se queira quer não, os bancos não são umas empresas quaisquer e a sua influência no tecido social e económico de um país é enorme, para o bem e para o mal, pelo que só o Estado pode, se quiser e tiver coragem, regulamentar este sector dos seus excessos e abusos, caso este não o queira fazer por sua própria e livre iniciativa.
Seja por publicidade enganosa ou parcial, ou pela imprudência e irresponsabilidade de quem assume os empréstimos, sem ter condições para os cumprir (ainda que os bancos devessem ter o dever e a obrigação de verificar das condições dos cumprimentos assumidos), é que eles vão engordando os seus fabulosos lucros, à custa da necessidade de uns e da miséria de outros.
Não quero diabolizar as instituições bancárias, até porque muitos portugueses já recorreram aos seus (caros) serviços e conseguiram não só cumprir o acordado com elas como adquiriram bens que, de outro, nunca teriam conseguido para a sua vida.
Agora que estas instituições devem ter mais rigor e seriedade no seu funcionamento com os seus Clientes, lá isso devem. É inquestionável, para bem dos cidadãos e do país!

Vítor Amorim

mais sobre mim
Julho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds