de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 14 Julho , 2008, 18:25

"Trinta e cinco por cento dos pobres são pessoas que trabalham", garantiu Alfredo Bruto da Costa, presidente do Conselho Económico e Social, aos jornalistas, no final de uma audiência com o Presidente da República, Cavaco Silva, no Palácio de Belém. E logo adiantou, ao jeito de quem quer sugerir que se estudem respostas concretas, que "o problema não é aquilo que se faz" para resolver esta questão, mas "o que não se faz”.
Bruto da Costa, conceituado especialista em matéria de pobreza, elaborou um estudo – “Um Olhar Sobre a Pobreza - Vulnerabilidade e Exclusão Social no Portugal Contemporâneo" – que já foi entregue ao Presidente da República, esperando-se agora que o Governo procure soluções adequadas.
O trabalho de Bruto da Costa contraria a opinião generalizada que aceitava estarem os pobres, fundamentalmente, no grupo dos desempregados. Afinal, os estudos apontam para uma realidade diferente, o que denuncia, a priori, os baixíssimos salários dos nossos trabalhadores, talvez com as mais baixas qualificações.
Bruto da Costa dirigiu um apelo à sociedade, para que “tenha mais acentuadamente o sentido dos limites. Os recursos não podem ser ilimitados e as famílias têm de ter noção do limite dos recursos. A isso chama-se solidariedade", frisou.
Face a este estudo, recomenda-se a todos os portugueses que estejam atentos às análises que hão-se surgir, numa perspectiva de se encontrar um rumo certo e atento à realidade da pobreza que existe entre nós, sendo importante exercitar a solidariedade e o espírito de entreajuda.

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 14 Julho , 2008, 17:12

VERÃO OLÍMPICO

1. O tempo de verão não se esgota meramente numa das quatro estações do calendário do ano. Verão, na riqueza cultural dos variados programas festivos e turísticos, quer ser oportunidade de apreciar a beleza natural que nos envolve, da Ria ao mar, da serra aos momentos de partilha festiva. Quebrar as rotinas do exigente e rigoroso trabalho ao longo do ano, fazer uma viagem ou caminhada por locais diferentes, respirar a maresia do relaxamento de quem contempla e aprecia, são “pausas” que também podem dar anos de vida mais saudável. Não será uma questão de ir para longe ou de muitas despesas; este cultivar da paz consigo mesmo, com os outros e a natureza, é realidade gratuita, é como que uma oferta da bondade do criador, esta uma leitura significativa que dá sentido à própria vida também na procura de alimentar com serenidade os relacionamentos humanos. Como Alguém diz, o sol põe-se todos os dias, cumpre-nos apreciá-lo!
2. Este verão para os portugueses parece que vai ser mais ecológico. Saber das dificuldades discernir as soluções também pode significar que, com o aumento desenfreado dos combustíveis e do consequentemente custo de vida, as opções podem-se nortear por apreciar caminhos diferentes daqueles que são as grandes viagens turísticas (ainda que estas, necessárias, também garantam a vida aos seus promotores)... Ir “para fora cá dentro” poderá proporcionar um reconhecer nos patrimónios de Portugal um bem que tantas vezes é por nós próprios desconhecido. O verão, assim, pode ser oportunidade privilegiada para reconhecer nos “caminhos de Portugal” (ainda que muito património por preservar), toda a riqueza que temos, natural como edificada em monumentos seculares, facto que, isso sim, pode contribuir para a nova consciência propiciadora para sermos um país sempre melhor acolhedor daqueles que visitam o nosso sol!
3. No mundo, estamos a breves semanas do início dos Jogos Olímpicos de Pequim.
Durante um mês a China quer passar a imagem de simbólica capital do mundo. Os sacrifícios e investimentos foram feitos a pensar no novo “poder” hegemónico, onde, todavia, a problemática crua dos Direitos Humanos aparece como o permanente aguilhão; que o diga a “chama olímpica” na sua atribulada viagem rumo ao Olimpo chinês! Há atletas que dizem que correm de máscara devido à grande poluição; há tarjas e bandeiras já feitas para “libertar” o Tibete; mas há presidentes de nações que, após a ameaça de ausência na cerimónia de abertura, já confirmaram a sua presença. Sabemos como são as coisas: abertos os jogos, certamente recheados de alma e mitologia chinesas, a corrida vai ser pelas medalhas. Já agora e porque as coisas são assim mesmo, puxando a brasa…vamos ver se Portugal consegue fazer ouvir o hino em Pequim! Do mal o menos, sejam estas as notícias e não venham incêndios (o São Pedro tem ajudado!)!
4. A Linha da Utopia vai de férias. Também irá ver o mar e a serra; retomará fresca em inícios de Setembro!


Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 14 Julho , 2008, 10:21

CARROS ELÉCTRICOS: O INÍCIO DE UMA NOVA ERA?

No passado sábado, dia 5 de Julho, escrevi um texto com título “As energia renováveis e o futuro do homem”. A dado passo, dizia que “o sector dos transportes também sofrerá profundas alterações, não só com a introdução dos carros híbridos (…), mas, também, dos veículos eléctricos…”.
Quatro dias depois, ou seja, no dia 9, o Governo português assina com o consórcio Nissan-Renault, um memorando de acordo sobre a introdução e comercialização, em larga escala, a partir dos anos de 2010-2011, de carros, totalmente eléctricos, em Portugal.
Além de Portugal, este consórcio escolheu, igualmente, Israel e a Dinamarca, para o lançamento deste tipo de veículo, na medida em que considera estes três países na liderança e diversificação das fontes de energias renováveis e alternativas.
Como portugueses, não podemos ficar indiferentes a esta escolha e só se espera que tudo quanto tem sido feito até aqui, em termos de energias renováveis, não só continue como haja um reforço, cada vez maior, nestas novas opções energéticas. Por outro lado, todas estas novas movimentações e apostas tecnológicas devem estar direccionadas no sentido do bem-estar de todos os cidadãos e na consciencialização de que podemos, definitivamente, estar a dar início a uma profunda alteração do paradigma energético e da estrutura social, a nível planetário, cujas consequências ainda estão longe de poderem ser projectadas e avaliadas com o rigor desejável.
Não se pense, contudo, que este caminho (ou caminhos) não está isento de enormes dificuldades e desafios, muitos deles imprevistos, o que vai requerer muita vontade política, determinação, no sentido de buscar uma verdadeira ecologia de futuro sustentável e imaginação, para que todos possam usufruir do quanto positivo daqui for surgindo. Às entidades que vão liderar todo este processo de desenvolvimento e produção exige-se rigor e boa-fé, até porque, à partida, não existem soluções perfeitas e só com trabalho se pode ir corrigindo e ultrapassando o que estiver menos bem.
Segundo as informações disponíveis, de momento, estes primeiros veículos eléctricos têm uma autonomia de 160 a 200 quilómetros e prevê-se uma redução de 70% nas emissões de dióxido de carbono, até 2050, por comparação com os níveis do ano de 2000. Estou certo que outros fabricantes, com outros aperfeiçoamentos e inovações, surgirão, entretanto, no mercado.
O fabrico deste veículo será feito no Japão e, segundo os seus fabricantes, terá um preço “atractivo”, que pretende concorrer no segmento C dos automóveis ligeiros convencionais, tais como o Renault Mégane ou Volkswagen Golf.
O modelo pode ser “reabastecido” de três formas: ligado, em casa, à corrente, numa ficha convencional (6 horas para o carregamento), carregar a bateria numa estação (o que pode demorar 25 a 30 minutos) ou trocar a bateria gasta por uma nova, operação que leva entre cinco a dez minutos.
Tudo isto vai traduzir-se em enormes alterações nos hábitos dos cidadãos e do país e vai exigir que sejam criadas as infra-estruturas necessárias para a criação de uma ampla rede de estações de carga, para este tipo de veículos, a nível nacional, para além de um conjunto logístico e organizativo de apoio e manutenção.
Há que lembrar que, já antes, surgiram outros modelos de carros eléctricos que, por razões desconhecidas ou obscuras, nunca obtiveram a autorização necessária para o seu fabrico e utilização em larga escala.
Finalmente, este dossier, de dimensão internacional, ganhou pernas para andar, até porque, como dizia o Primeiro-Ministro, José Sócrates, durante a cerimónia da assinatura do memorando: “não podemos continuar passivos por muito mais tempo.”
Costuma-se dizer que “o caminho faz-se caminhado”, pelo que há que o fazer, para se aprender a fazer melhor. E, sempre que necessário, aprender com os próprios erros e as dificuldades que surgem, para bem do futuro comum do homem e do planeta Terra.


Vítor Amorim

mais sobre mim
Julho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds