de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 29 Junho , 2008, 18:13






Legenda: De cima para baixo e da esquerda para a direita: Estudantes participaram na luta; Painel da exposição na Biblioteca; Populares deram um contributo decisivo, não faltando as mulheres; Placa comemorativa do bicentenário; Luta corpo a corpo; Populares no fim da luta; Soldados à espera do combate; Não faltaram os mortos. (Clicar nas fotos para ampliar)

Este fim-de-semana, como referi há dias, foi dedicado na Figueira da Foz às celebrações do Bicentenário do envolvimento desta região na Guerra Peninsular (1807 - 1814), mais conhecida por Invasões Francesas, por ordem de Napoleão Bonaparte.
Ontem, sábado, pude apreciar, na Biblioteca Municipal, uma exposição alusiva ao evento, que deu bem para recordar o que foi esse período em que a Corte Portuguesa se transferiu para o Brasil, assumindo o povo a sua quota parte na defesa da dignidade da Pátria, com os inerentes sofrimentos que isso implicou. Na eucaristia das 19 horas, celebrada na igreja matriz de S. Julião, foram recordadas as vítimas das Invasões Francesas. Participaram nesta cerimónia, que foi animada musicalmente pelo coral David de Sousa, as autoridades políticas e militares.
Hoje, domingo, durante a manhã, também participei no descerramento da Placa Comemorativa do Bicentenário da Tomada do Forte de Santa Catarina, que ocorreu em 27 de Junho de 1808. Diz o folheto distribuído no local que, por força da presença das tropas de Napoleão, “o povo vive à míngua de tudo, [sendo] ameaçado e ultrajado. A revolta popular iniciada no Porto alastra-se. Correm rumores de que a Inglaterra prepara um desembarque de tropas para se aliar ao exército português na luta contra o invasor.
“Para ajudar a alcançar este objectivo, forma-se, em Coimbra, um Batalhão Académico, formado por 40 voluntários, 25 dos quais estudantes, que, sob o comando do sargento de artilharia Bernardo Zagalo, parte em marcha, dia 25 de Junho, rumo à Figueira com a missão de atacar de surpresa os franceses que ocupam a vila e o Forte de Santa Catarina.”
Pelo caminho, muitos populares juntaram-se ao Batalhão, com as suas foices, piques e lanças. Era imperioso vencer os franceses e criar condições para o desembarque das tropas aliadas, comandadas por Wellington. Efectivamente, isso veio a acontecer entre 1 e 5 de Agosto, na Costa de Lavos.
Ora, hoje foi oferecido ao povo a recriação da tomada do Forte, com a consequente substituição da bandeira francesa pela bandeira de Portugal. Depois da vitória, uma salva de artilharia anuncia a libertação da vila e a prisão dos militares franceses, que são levados para Coimbra. A recriação desta passagem histórica foi da responsabilidade da Associação Napoleónica Portuguesa – Grupo de Recriadores Históricos do Município de Almeida.
Muito povo associou-se a esta manifestação cultural, na manhã deste domingo.
Permitam-me que destaque a importância destas celebrações, num tempo em que tanto se esquece, segundo creio, o passado. Apesar da distribuição de informações sobre o evento, penso que os mais novos pouco ficaram a saber do que aconteceu há 200 anos. Mas nestas situações, os mais velhos têm de assumir as suas responsabilidades, transmitindo aos mais novos, com os seus conhecimentos de história, se é que os têm, o que foi o viver dos nossos avós. Aqui está, pois, o mérito, destas recriações. Cá por mim, confesso que já dei o meu contributo, respondendo a algumas questões que me puseram.
FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 29 Junho , 2008, 18:00
Temos uma área marítima de fazer inveja. Está globalmente subaproveitada, qualquer que seja o ponto de vista: ecológico, económico, científico, energético, de navegação ou turismo. Sem falar nos portos e na construção naval. Portugal tem uma superfície florestal interessante. Tem a maior área do mundo de montado e é o maior produtor de cortiça, mas não se conhece um esforço proporcional dedicado à investigação e ao melhoramento do sobreiro, da azinheira e do sistema de montado. O mesmo pode ser dito do pinheiro, da oliveira e de outras espécies. Portugal não tem clima para a agricultura tradicional, nem para a agricultura europeia. Mas as condições naturais são favoráveis a certos tipos de cultivo, como sejam a floresta, as culturas arbustivas, as plantações permanentes (a vinha, por exemplo), certas pastagens, os prados sob montado e outras espécies, nomeadamente as que podem beneficiar dos Invernos amenos e das Primaveras temporãs. A hortofruticultura tem também, em certos casos, excelentes condições. Nestas áreas, assim como nas do regadio, da correcção de solos, da vinha, da vinificação, da investigação científica, da formação profissional e do processamento industrial, há espaço e necessidade para investimentos colossais, a longo prazo e muito produtivos, sem danificar o ambiente. O ministro Jaime Silva pensa que não. E outros antes dele. Coitados: limitam-se a dizer o que lhes mandam dizer. Em Bruxelas, por causa da política comum. Em Lisboa, por causa das estradas.
António Barreto

In «Retrato da Semana» - «Público» de hoje
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 29 Junho , 2008, 17:24
Paulo de Tarso, 2000 anos

1. Talvez exista com Paulo de Tarso uma certa injustiça, talvez a primeira fase (perseguidora) de sua vida tenha condicionado a sua aceitação popular. É incontornável que Paulo (conhecido como São Paulo) foi das personalidades mais importantes da história do Cristianismo nascente e, consequentemente, da própria história da humanidade na matriz ocidental. Mas Paulo não caiu no “goto” popular como Santo António, São João Baptista ou o seu contemporâneo São Pedro. Estes, ainda que muitas vezes quase de modo contrário em relação à sua vida de entrega generosa e sacrificial, foram angariando a dimensão popular festiva e afectiva, que o digam as inúmeras tradições e romarias que nestas semanas têm percorrido as vivências comunitárias em Portugal, onde os seus nomes representam encontro, convívio, festa…
2. Já Paulo, uma das personalidades essenciais reconfiguradoras do Cristianismo, não tem assim tantas famas de “festeiro”. Não tem grandes romarias nem muitas tradições, não passou nessa faceta para as gentes, ele que deu mundos e fundos no anúncio da boa mensagem a todas as gentes e como fundador itinerante de comunidades… Será que Paulo não entrou tanto na dimensão popular por ter sido um intelectual da fé? Ou pelo seu confronto de ideias com Pedro? Ou ainda, pela, sua conversão tardia e não se ter libertado da fama de perseguidor? Ou pelas preferências terem sido orientadas mais para a vertente papista de Pedro que para a irreverência da “fé inculturada” de Paulo… Enfim, as perguntas poderiam não mais acabar nesta busca de (compreendendo a sua importância decisiva na Igreja primitiva), reconhecer em Paulo o impulso enérgico que, todavia, não entrou no popular tanto como seria de desejar para um designado dinamismo universalista implementado por ele próprio.
3. Começam nestes dias (28 de Junho 2008 a 29 de Junho 2009) as comemorações do chamado Ano Paulino. Faz 2000 anos do nascimento de Paulo de Tarso. Este incansável líder fundador de comunidades, anunciador de uma mensagem (cristã) na diversidade das gentes e culturas, reinterpretador na origem (abraâmica) da genuína essência do sentido da vida de Jesus, escritor de 13 cartas que continuam a ser dos documentos mais estudados da Escritura, incontornável e decisiva personalidade da história das ideias mesmo sociopolíticas e religiosas… Paulo terá muito a dizer ao nosso tempo. Que o diga a urgência ecuménica, o aprofundado diálogo inter-religioso, a percepção do novo discernimento entre o essencial a aprofundar e os acessórios a actualizar diante dos tempos interpelantes, estimulantes e inadiáveis do séc. XXI. Que nos diria, hoje, Paulo como a sua frescura reinterpretativa e o seu enérgico dinamismo viajante? Este ano, como sempre, pode ser uma oportunidade inédita ou pode ser um pró-forma... Não chega aprofundar modelos dinâmicos de existência (cristã) e…permanecermos na mesma. Os próprios “acessórios” a rever hoje são essenciais. Não é fácil, é preciso mesmo coragem Paulina!

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Domingo, 29 Junho , 2008, 16:46
AS ERVILHAS

Caríssima/o:

Veio-me às mãos um velho texto de 1976, publicado em “O Timoneiro”, no Postal do Porto; curiosamente está na linha do que se teceu na última semana e, sendo assim, fica como adenda:

«Naqueles velhos tempos, vínhamos da escola à noitinha, quando o sol desaparecia no horizonte. No regresso ficava-nos a casa mais perto, se atravessássemos os campos. A fome cegava-nos! Surgiu-nos uma terra com apetitosas ervilhas. Estás a ver o que aconteceu ao nosso estômago delicado? Teve de trabalhar ervilhas sem frango.
Que rico manjar! Ficámos tão consolados que só nos apetecia esticar e dormir uma soneca como a lebre da história.
Mas ... de repente, demos às de vila-diogo ... É que, à nossa frente, a apanhar ervilhas tranquilamente para um cesto, andava o dono. Ao ver-nos, não fez um gesto nem deu um grito ... Nós é que não esperámos e fomos tão mal educados que nem lhe agradecemos ...
Agora, garantido: se ele fosse candidato às eleições rumo ao socialismo, o meu voto era para ele, pois provou, sem palavras, que “as ervilhas quando nascem são para todos”.
Isto, porém, é utopia ...
E acredita, até hoje, foram as ervilhas que melhor me souberam e tenho pena de não te poder oferecer.»

Permiti que termine como o fiz então:

Na falta de melhor, aí vai um abraço do


Manuel

Editado por Fernando Martins | Domingo, 29 Junho , 2008, 16:42
De volta aos hábitos de todos os dias... Na ausência, aqui estive quando me foi possível. Saudações para todos os meus amigos do ciberespaço.
FM

mais sobre mim
Junho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9


25
26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds