de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 22 Junho , 2008, 16:25

O PÚBLICO de hoje aborda a questão da falsa identidade na Internet, uma praga intolerável a que urge pôr cobro. Presentemente, um qualquer indivíduo pode, a todo o momento, abusar da clandestinidade para fazer e dizer o que lhe apetece, sem que ninguém consiga identificá-lo.
Na blogosfera, então, o uso e abuso do anonimato, quer para escrever quer para comentar, em blogue próprio ou nos outros, é norma corrente no dia-a-dia, com prejuízo para a credibilidade de quem se serve destes meios para partilhar sentimentos, saberes e emoções, com sentido positivo.
A partir de hoje, nos meus blogues, os anónimos ficarão interditos, porque gosto muito da liberdade responsável e construtiva. Sempre, afinal, pela positiva.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Domingo, 22 Junho , 2008, 16:10

Após diversas candidaturas de instituições de solidariedade social a verbas atribuídas anualmente pela American Foundation, o Lar de S. José foi uma das escolhidas para receber vinte mil dólares da instituição americana, cerimónia que decorreu recentemente em Ílhavo com a presença do Comendador Alfredo Santos, um dos fundadores da Fundação Americana, de Ribau Esteves, presidente da Câmara, e do prior de Ílhavo, padre Fausto de Oliveira.
Cerimónia simples mas cheia de significado para o responsável do Lar de S. José, já que a obra de ampliação e requalificação do Lar está quase pronta e agora todas as contribuições são necessárias para a ultimar.
A American Foundation foi criada em 1984 pelo Ilhavense Alfredo Santos juntamente com um grupo de emigrantes portugueses radicados em New York. Todos os anos, em Setembro, organiza um jantar, onde, além das contribuições de todos os convidados, é leiloado um automóvel topo de gama.
Mais de dois milhões de dólares já foram entregues a várias instituições de apoio aos mais desfavorecidos, existentes em Portugal, sendo esta a segunda vez que o Património dos Pobres recebe o contributo daquela Fundação (a primeira vez foi em 1984). Também o Centro Paroquial da Gafanha da Nazaré, em 1989, e a Santa Casa da Misericórdia de Ílhavo, em 1996, foram contemplados.
Como reconhecimento pela sua obra filantrópica, Alfredo Santos tem sido homenageado por vários responsáveis políticos nacionais, possuindo as Comendas da Ordem da Benemerência e da Ordem do Infante D. Henrique. Em 1992 recebeu do governo português a medalha de Mérito das Comunidades Portuguesas e da Câmara de Ílhavo uma condecoração honorifica.

Carlos Duarte

Editado por Fernando Martins | Domingo, 22 Junho , 2008, 15:22
A concorrência


1. Tudo tem o seu lugar. A concorrência tem também o seu lugar, como oportunidade em que se espera sempre um melhor «serviço ao cliente», como tantas vezes se diz. Se é verdade que não haver concorrência será sinal de não liberdade e de uma sociedade apática, também é verdade que a absolutização desmedida da concorrência pode ultrapassar as fronteiras do bom senso. O agravamento da situação social e económica tem vindo a fazer crescer fortemente as chamadas queixas do consumidor, o que demonstra que tantas vezes se procura vender «gato por lebre», e sendo, como diz o povo, que «o que parece barato sai caro».
2. Em qualquer coisa a adquirir há sempre imensas linhas e entrelinhas, em letra minúscula e numa linguagem incompreensível para o cidadão comum. Muitas vezes, na pressa do «não há tempo a perder», só depois é que se descobre que se foi iludido com o que parecia a melhor opção. O tempo que vivemos actualmente é favorável, de forma crescente, a todos os malabarismos para vender e comprar. A “bola” terá de estar do lado dos cidadãos que, atentos, procuram saber justamente aquilo em que estão a apostar. Saber perguntar, ainda que não se conheça nem saiba muito bem como, saber ver «com olhos de ver», não como quer desconfia mas como quem procura efectivamente assumir os seus direitos, são atitudes de uma cultura viva e atenta às realidades mais simples do dia-a-dia.
3. Claro que a publicidade vai desenvolver-se cada vez mais, mas muitas vezes a sua própria ética intrínseca não conhece o mesmo desenvolvimento. Com frequência demasiada procura-se iludir em vez de servir. Toda a megaespeculação dos mercados internacionais que continua são essa ponta do iceberg do que acontece nas bases, nestas regras de um jogo que multiplica as ansiedades e faz crescer a desconfiança. Hoje, a concorrência desenfreada ocupa quase todos os espaços e idades, só não se verifica é tanta concorrência na cultura, nos valores e nas atitudes que são a generosidade desinteressada. Uma renovada consciência de sociedade e de sentido de humanidade torna-se um novo imperativo ético, que faça crescer os sentidos da complementaridade e da interdependência.
4. Há dois mil anos Alguém perguntava de forma tão pertinente: «De que vale ao Homem ganhar o mundo inteiro se perder a sua própria vida?» É esta interrogação, a par daquela dos Génesis «onde está o teu irmão?», que quererão entrelaçar os dinamismos da não resignação, do inteiro compromisso em oferecer verdade e generosidade onde parece reinar a concorrência do férreo vencer o outro. Sem utopias, porque na esperança que se quer construir cada dia. Se não formos por este edifício humano ético das complementaridades, a concorrência será a nova “guerra” do século, multiplicando ansiedades e inverdades. Não haverá saúde que aguente!

Editado por Fernando Martins | Domingo, 22 Junho , 2008, 12:06

“É certo que de cada popa se vê um Portugal diferente, conforme a latitude: verde e gaiteiro em cima, salino e moliceiro no meio, maneirinho e a rilhar alfarroba no fundo. Camponeses de branqueta e soeste a apanhar sargaço na Apúlia, marnotos a arquitectar brancura em Aveiro, saloios a hortelar em Caneças, ganhões de pelico a lavrar em Odemira, árabes a apanhar figos em Loulé. Metendo o barco pela terra dentro, é mesmo possível ir mais além. Assistir, em Gaia, à chegada do suor do Doiro, ver transformar em húmus as dunas da Gafanha, ter miragens nos campos de Coimbra, quando a cheia afoga os choupos, fotografar as tercenas abandonadas do Lis, contemplar, no cenário da Arrábida, a face mística da nossa poesia, ou cansar os olhos na tristeza dos sobreirais do Sado. Mas são vistas… Imagens variegadas dum caleidoscópio que vai mudando no fundo da mesma luneta de observação.”
Miguel Torga
In PORTUGAL
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 22 Junho , 2008, 10:46
A Salvação de Deus e o poder dos homens


No passado dia 20, do corrente mês, escrevi, aqui, no blogue, um texto de partilha sobre umas, breves, declarações, proferidas pelo Professor Marcelo Rebelo de Sousa, ao jornal Expresso, do dia 13 de Junho, onde este fazia algumas referências a movimentos eclesiais de leigos que, ideologicamente, estão situados entre aquilo que, convencionou estarem à esquerda ou à direita do espectro político português. A meu ver, tais afirmações, não têm que ter quaisquer conotações partidárias, ainda que não seja de excluir tal hipótese. Pois bem, tive a bondade de algumas reacções a este texto e, algumas delas, interpelavam-me mesmo se existem ou não partidos políticos que se identificam mais com a Igreja Católica, do que outros, para logo me darem a resposta e a conclusão: existem estes partidos e é natural, por via disso, que os movimentos de leigos, ideologicamente próximos destes, tenham maior aceitação, compreensão e apoio no interior da Igreja. Sinceramente, creio que, quem assim pensa, não está a prestar um bom serviço à Igreja e à sociedade e ainda deve estar a pensar nos tempos em que o Estado português se dizia católico e reconhecia o catolicismo como a sua religião. Hoje, a sociedade, também religiosamente, é plural, pelo que o Estado não pode ter religião. Antes, tem que respeitar todas as confissões religiosas, através do reconhecimento dos seus plenos direitos. Por outro lado, a laicidade [do Estado] tem que se afirmar neutra em matéria religiosa, neutralidade esta que exige que a não religião ou o laicismo não se transformem em doutrina do próprio Estado. Estes pressupostos são a essência da separação entre Igreja e Estado, esteja este organizado da maneira que estiver, ainda que esta separação jamais possa significar que Igreja e Estado estejam de costas voltadas. Pelo contrário: tanto a Igreja como o Estado têm que estar ao serviço e em busca do bem da sociedade, no seu todo.
Deste modo, num Estado democrático, como é o português, e citando D. José Policarpo, na sua mensagem “A Igreja no tempo e em cada tempo”, de 18 de Maio de 2008, "O único caminho democraticamente legítimo de a Igreja influir nas estruturas do Estado é a participação consciente dos membros da Igreja nos processos democráticos. A Hierarquia respeita a pluralidade de opções partidárias por parte dos católicos. Deve, entretanto ajudá-los a formar a sua consciência cívica e a visão dos problemas da sociedade em chave cristã.” (…) “A Hierarquia não deve intervir no processo democrático com métodos de confronto. Os católicos sim, esses podem e devem fazê-lo.” Mais à frente, na sua mensagem pastoral, o Cardeal-Patriarca escreve: “…a natureza da missão da Igreja na sociedade é a Igreja que a define e não o Estado.”
Ir para além disto, para os cristãos, é confundir a autenticidade da missão da Igreja com uma qualquer ideologia ou um qualquer programa político-partidário, sempre passageiro, frágil e limitado às suas conveniências e circunstâncias de momento, que jamais a Igreja poderia aceitar ou apoiar, em nome da sua perene fidelidade evangélica “… para que todos sejam um só…” (cf.: Jo 17,21); da liberdade de cada cristão poder dar, segundo a sua consciência moral, formada pelos e nos valores cristãos, “…a César o que é de César e a Deus o que é de Deus.” (cf.: Mc12, 17); não entender que a Igreja está para servir e não para ser servida (cf.: Mc 10, 42-45); que a mera lógica de poder e de domínio, no seu interior [da Igreja], ou deste para o exterior, é um pecado contra Deus e contra o homem, que o conduz à perdição eterna, pois ” Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro se, depois, perde a sua alma?” (Cf.: Mt 16,26); que qualquer poder humano só vem de Deus (cf.: Jo 19,11), pelo que a liberdade do homem é finita e falível, o que o deve levar a ter consciência das suas próprias limitações, à medida que busca e descobre, por si próprio, a vontade de Deus e que “não há salvação em nenhum outro” [Jesus Cristo], pois “não há debaixo do céu qualquer outro nome dado aos homens que nos possa salvar” (Cf.: Act 4,12), ou seja, não é o poder, a riqueza ou os partidos que nos salvam, mas a forma como tratamos o nosso semelhante (cf.: 25, 34-40).

Vítor Amorim

Editado por Fernando Martins | Domingo, 22 Junho , 2008, 10:39
A ALIMENTAÇÃO

Caríssima/o:

Vontade de rir nos invade quando falamos sobre as nossas comidas desses recuados tempos de meados do século passado. [Concordemos ou não estamos em plena recuperação de juventude, atravessando eufóricos a terceira idade! Quem é que não rasgou a face quando um conhecido nos bate nas costas e diz prazenteiro “olha como fulano está velho... acabado!”... sabemos onde ele está a bater!...]
Cum diacho, já meia dúzia de linhas e ainda não falámos na malga de sopas de café do almoço antes de irmos para a Escola; esclareça-se sopas de boroa!
Ao meio-dia, ia-se a casa pelo jantar: um prato de caldo com um olho de azeite, couves e batatas; quando o rei-fazia-anos um naco de toucinho, melhor, de carne branca. Muitas vezes, íamos com sorte com o resto da ceia da véspera: umas batatitas com couves e um pedacito de peixe que escapou escondido em alguma folha verde.
Nova corrida, que o botão ou o pião nos esperavam...

O “problema” apareceu quando a Escola foi mudada para a Marinha Velha, para a Escola do Ti Lopes: era muito longe e não dava tempo para vir jantar a casa; levávamos a boroa e a sardinha que sobrou da véspera embrulhadas num papel de jornal.
Como facilmente se adivinha fome era coisa que não se via, porque na altura se afirmava que era negra! Muitas vezes a enganávamos com mais uma golada de água.

Temos de concordar que durante os exames a coisa mudava muito: sandes de marmelada e pirolito, pois então!

Já do lado chamam que são horas da merenda e que fiz grande confusão com as refeições... Pelo sim pelo não, vou ao meu suplemento alimentar para manter a linha.



Manuel

mais sobre mim
Junho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9


25
26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds