de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 20 Junho , 2008, 20:25

Prémio homenageia percurso de vida e lembra importância dos Estudos Clássicos numa sociedade cada vez mais refém da tecnologia


A professora e investigadora de Estudos Clássicos Maria Helena da Rocha Pereira, catedrática da Universidade de Coimbra, recebeu esta Sexta-feira, em Fátima, o Prémio de Cultura Padre Manuel Antunes, na sua quarta edição.
Ao receber a distinção, a universitária de Coimbra revelou-se grata, em especial pelo destaque dado à “área contemplada”, que considera estar “nos alicerces da cultura europeia e de todas aquelas, tributárias destas, de outros continentes”.
“Podem muitos dos nosso contemporâneos esforçar-se por esbater ou ignorar esta relação (com o mundo greco-latino, ndr), mas a verdade é que tentar fazê-lo é renegar a história, desconhecer a necessidade de aprender”, acrescentou.
Maria Helena da Rocha Pereira realçou que o latim e o grego têm estruturas “propícias ao desenvolvimento do raciocínio” e que dessas línguas brotam a maioria dos termos da linguagem científica e técnica de que nos servimos.
O Prémio, instituído pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC), procura destacar anualmente um percurso ou uma obra, onde os valores do Humanismo e da Experiência Cristã se achem reflectidos. Para a Igreja, a distinção entregue a Maria Helena da Rocha Pereira visa também lembrar a importância dos Estudos Clássicos numa sociedade cada vez mais refém da tecnologia.
Leia mais em Ecclesia

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 20 Junho , 2008, 18:36
"Se a promessa era cumprida numa igreja ou capela das redondezas da Gafanha da Nazaré, regressávamos a casa onde nos era servido um pequeno lanche à base de tremoços, pevides e um ou outro bolito. Para regar o que se comia, bebia-se água do poço e em casos especiais lembro-me bem de ter bebido um pirolito (gasosa em garrafinha com uma bola de vidro a servir de rolha, fixa no gargalo pela pressão do gás do próprio líquido). Se era longe, a merenda era mesmo ali, no largo da capela ou da igreja, numa sombra qualquer, que naquelas idades nem se sentia a sua falta. Contavam-se umas histórias, cantavam-se umas cantigas, algumas religiosas e ao gosto da “dona” da novena, olhávamos uns para outras, e vice-versa, brincávamos, corríamos e saltávamos, e a um sinal da chefe estávamos de volta a casa, com uma tarde vivida de forma bem diferente, que naqueles tempos não havia televisões nem rádios para passar o tempo."
Leia mais em GALAFANHA

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 20 Junho , 2008, 18:15

Há garantias de que temos Verão (duplo sentido) este fim-de-semana. Então aproveite e não deixe que a nossa Praia da Barra fique assim, deserta e sem gente. Vá e goze em pleno a maresia temperada pelo sol que aquece o corpo e a alma. Descanse e afugente o stresse para longe da vista e do coração. A vida tem de ser aproveitada. Bem aproveitada que se faz tarde! Mas se caírem uns pinguitos, não se aflija. Deve ser coisa passageira.
tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 20 Junho , 2008, 15:38


37,4 milhões de refugiados à espera de respostas humanitárias

Um dia para lembrar o drama por que actualmente 37,4 milhões de pessoas estão a passar. 20 de Junho é o Dia Mundial do Refugiado este ano sob o mote da protecção.
Todos os anos o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, presidido pelo português António Guterres, aborda este dia numa perspectiva diferente. “Trata-se de uma palavra que lança a atenção sobre o problema e que procura soluções duradouras para estas pessoas”, aponta à Agência ECCLESIA Mónica Frechaut, Assistente da Direcção de Informação Pública do Conselho Português para os Refugiados – CPR.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 20 Junho , 2008, 15:20

Portugal ficou murcho com a derrota frente à Alemanha. Ontem à noite ouvi muitas lamúrias de comentadores e de compatriotas mais ligados ao mundo do futebol. Também ouvi críticas contundentes, contra o seleccionador e alguns jogadores. A tristeza dominava. Até parece que convivemos mal com a derrota, sobretudo na área do futebol. Resultados menos bons em provas de outros sectores desportivos passam despercebidos. E acontece o mesmo, quase, quando alguns atletas ocupam um lugar no pódio. Mas no futebol, alto lá. Aí, porque nos convencemos de que somos os melhores, não se admitem deslizes.
De qualquer forma, gostei de ouvir hoje de manhã o presidente da FPF, Gilberto Madail, sublinhar que somos, afinal, do grupo das oito melhores selecções da Europa. Já não é mau para um país como o nosso, onde não há muitos jogadores para escolher, embora tenhamos, de facto, dos mais completos do mundo.
O Presidente da República, afirmando-se com pena de termos perdido, referiu que há mais vida e mais desafios para além do futebol. É verdade. Por isso, há que acreditar que outros campeonatos hão-de proporcionar-nos grandes vitórias. Se houver esforço, preparação, motivação e estímulos capazes de nos fazerem chegar mais alto e mais longe. Há que ter fé, também!

FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 20 Junho , 2008, 14:58

A Igreja Católica e o poder dos outros

“Marcelo Rebelo de Sousa defende que há falta de “vozes em defesa da doutrina social da Igreja”, porque os movimentos de leigos têm sido dominados pela direita.
Em declarações ao Expresso, o professor defendeu que “os movimentos de leigos com mais força actualmente, são de direita e apostam nas questões fracturantes, como o aborto, divórcio, eutanásia e casamento homossexual.”
Em contrapartida, “há que falar, também, contra as desigualdades sociais, a globalização meramente economicista e em defesa dos emigrantes”, matérias tradicionais dos movimentos de esquerda, que “continuam a existir, mas não têm o peso dos outros.” “É errado, porque a Igreja não é de esquerda nem de direita”, diz Marcelo Rebelo de Sousa”
Este texto faz parte de uma notícia publicada no jornal Expresso, do dia 13, do corrente mês, sobre uma Carta Pastoral, de dezasseis páginas, do Cardeal-Patriarca de Lisboa, de 18 de Maio de 2008, dirigida à Igreja de Lisboa, com o título “A Igreja no tempo e em cada tempo”, onde também é referida a diminuição de fiéis que tem tido lugar, em algumas paróquias de Lisboa, “nos últimos sete anos”.
Já li este documento pastoral e, se me é permitido, convido todos os católicos a lê-lo e a reflectir sobre a sua mensagem, sempre actual, para a vida da Igreja. Para os cristãos que não façam parte da Igreja do Patriarcado de Lisboa sugiro, se possível, que esta leitura e reflexão sejam feitas em comunidade eclesial. Por agora, fico-me pelas breves e importantes afirmações do Professor Marcelo Rebelo de Sousa. Será por ele ser um conhecido comentador político que não resistiu à tentação de dizer que na Igreja (só na de Lisboa ou noutras, também?) há como que uma aparente luta pelo poder, entre o que ele designou por “movimentos de leigos dominadas pela direita” e os de esquerda, “mas [estes] não têm o peso dos outros”?
Ele diz – e com isso não posso estar mais de acordo – que “a Igreja não é de esquerda nem de direita”, mas será que todos sabem ou querem saber disso para alguma coisa?
Se assim for, as probabilidades das igrejas, paróquias e comunidades cristãs viverem num ambiente de tensão e de desgaste, mais ou menos permanente, e a busca da marginalização ou afastamento do outro é enorme e torna-se insustentável a comunhão fraterna, pelo que as rupturas, pessoais ou de grupo, têm todo o caminho livre para acontecerem, das mais variadas formas, sem ninguém assumir responsabilidades por elas, porque, cada um, está de bem com a sua consciência, como é costume dizer-se.
A expressão de Tertuliano (155-122), na sua obra Apologia 39,9, “Vede como eles [os cristãos] se amam”, citada por D. José Policarpo, na sua Carta Pastoral, só nos pode fazer olhar para os cristãos dos primeiros séculos e para aqueles que, nos nossos dias, continuam a ter como único poder a Mensagem de Jesus Cristo e o testemunho que dão dela (cf.: Act 3,6) e deixar-nos corados de vergonha e cobardia.
Rebelo de Sousa não é ingénuo nem irresponsável e tocou, goste-se ou não, num ponto delicado na vida e no futuro da Igreja, enquanto “una, santa e apostólica”, e a quem os pecados dos seus membros não só a fazem sofrer, por caprichos, intolerâncias, vaidades, protagonismos, poder, invejas, calúnias ou projectos pessoais, sem se darem conta (?) que as suas fragilidades acabam por ser, também, as fragilidades da própria Igreja.
“A caridade é o grande desafio para a vida interna da Igreja. A sua primeira expressão é o amor a Deus e ao Seu filho Jesus Cristo, o que nos levará a amar todos os homens como nossos irmãos.” – refere D. José Policarpo. Assim, para o cristão, não é possível amar a Deus se não amar o seu irmão em Cristo, seja ele quem for. A Salvação, graça gratuita do amor de Deus, para que todos os homens se salvem, exige destes actos e acções concretas, de dimensão e expressão humana, no seio do próprio mundo, pelo que estes actos e estas acções não se podem opor àquilo que o próprio Deus nos convida, incessantemente, a fazer, através da Sua Igreja: amar o próximo, como a nós mesmos (cf.: Lc 10,25-37). Fora disto, por muito que nos custe, não há redenção!

Vítor Amorim

mais sobre mim
Junho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9


25
26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds