de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 19 Junho , 2008, 16:47

(Clicar para ampliar)


Texto enviado ao IPPAR

Há tempos mandei-vos um mail pedindo que me informassem como seria possível recuperar o edifício classificado de interesse publico designado por «Forte da Barra de Aveiro».... Já recebi uma resposta a dizer que alguém me iria responder..... e até agora nada.... Faço essa pergunta porque me lembro, quando era director de um museu em Coimbra, de o IPPAR ter apoiado a recuperação de algum património em Coimbra....
A situação de ruína em que se encontra o «Forte da Barra», e pelo menos dois edifício do Estado perto dele, é simplesmente vergonhosa e perigosa... E ainda é mais vergonhoso quando ao lado do Forte se fazem grandes obras no «Jardim Oudinot», se construiu no local uma réplica de uma vigia sem qualquer interesse histórico e se espera em Setembro uma visita de uma regata de grandes veleiros históricos....
Lembro que o Forte da Barra tem uma história longa no período das fortalezas pirobalísticas.... existindo já a indicação de uma guarnição na zona no século XVI para protecção e controlo dos navios que fundeavam no local..... situação confirmada por dois achados arqueológicos encontrados nas escavações do terminal norte do Porto de Aveiro, a algumas centenas de metros do local e por um livro de acordos de Aveiro da época...
Infelizmente o Forte da Barra é o que nos resta de outros fortes existentes no litoral de Aveiro e de diversas vigias ao longo da costa .... das quais destaco a torre da «Senhora de Vagos», do início da nacionalidade, já desaparecida, e da «Senhora das Areias», em S. Jacinto, ainda existente como capela...
Penso que devia ser destruído todo o casario em ruínas que colaram ao Forte...... mantivessem a bateria rasa ainda existente..... recuperassem a antiga linha defensiva da tenalha com a pedra retirada da demolição.... fosse mantido o Forte como era no tempo em que tinha função de defesa.... e limpos os subterrâneos, fazendo-se algum trabalho arqueológico.
António Angeja

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 19 Junho , 2008, 16:45
Gerar proximidade

1. Proximidade ou distância, depende do lado da vida em que nos colocamos. Se formos a apreciar a fundo a dignidade de cada pessoa humana, logo nos apercebemos que o mistério da vida, na sua riqueza da diversidade, manifesta-nos, acima de tudo, a radical comum pertença à humanidade. Por vezes, muitas das divisões e distâncias que as culturas, interesses ou políticas, foram ou vão gerando (e gerindo), precisam deste regresso à condição ancestral da comum dignidade humana. Talvez, em determinadas circunstâncias tenhamos mesmo de colocar a mente e os olhos que só sabem dividir diante dessa imagens fecundas do embrião e do bebé no ventre materno. Imagens estas que, do seu pressuposto rigor científico do milagre da vida, muito poderão sensibilizar e transformar afectiva e racionalmente muitos pensamentos.
2. Quantas divisões que existem no mundo (porque nas pessoas do mundo) que precisam desse respirar fundo e do justo apreciar do dom da vida comum a todos e cada um! O tempo sociológico que vivemos propõe-se reinterpretar todas as coisas. É a globalização na sua dinâmica impulsiva que, partindo das forças dos interesses das economias, coloca as diversidades mais próximas. Tal facto pode trazer o melhor quando se aprecia e integra, ou o pior quando se exclui quem pensa diferente. Saber cultivar a proximidade inclusiva das culturas, não como sobreposição ou anulação, será um dos grandes desafios do século XXI. A tecnologia põe-nos em contacto; mas serão os princípios, critérios e valores, que darão o tom a este novíssimo encontro.
3. O ano (2008) europeu para o diálogo intercultural testemunha e impulsiona a necessidade premente desta mesma reflexão, a ser levada até às últimas consequências. É neste contexto que a prestigiada Fundação Calouste Gulbenkian (http://www.gulbenkian.pt/) abriu um programa sugestivo: Distância e Proximidade. Para todos os cidadãos humanos do mundo e do Portugal actual, trata-se, este género de reflexão não de uma abordagem lateral que se possa prescindir, mas sim de um enfrentar as problemáticas de fundo das sociedades contemporâneas, a partir das mais pequenas coisas em que, no fundo, todos vivemos a mesma interacção de diferentes culturas, numa interdependência diária; até as crises sociais, como a recente dos combustíveis, nos demonstram isso mesmo: precisamos e só sobrevivemos uns-com-os-outros.
4. Para comissário da pertinente iniciativa da FCG foi convidado Arjun Appadurai, natural de Bombaim e residente actualmente em Nova Iorque (esperemos que regresse um dia à sua terra!), que é «uma das personalidades que mais tem reflectido sobre as questões da violência cultural, do reconhecimento da diferença cultural como valor da modernidade e sobre as consequências da globalização». Venha o tempo em que estas questões da proximidade das diversidades estarão todos os dias em cima da mesa como factor decisivo de desenvolvimento humano. Será por aqui!

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 19 Junho , 2008, 16:32
A Regata, integrada no programa das Comemorações do Bicentenário da Abertura da Barra de Aveiro, foi uma organização conjunta da Administração do Porto de Aveiro e do Clube de Vela Costa Nova. Decorreu nos dias 14 e 15 de Junho e ofereceu, a quem a presenciou, imagens inesquecíveis.

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 19 Junho , 2008, 16:31
A Bíblia


Zade Smith, uma inglesa de origem oriental, das mais respeitadas escritoras britânicas na actualidade, ao dar conta, em entrevista recente (Expresso 31.5, em Actual), da sua carência de educação religiosa, diz textualmente: “Eu cresci numa família sem filiação religiosa. Quando não se tem um grande Livro, é natural olhar para um data de livros pequenos”. Uma palavra de largo e ponderado sentido, que a vida ilustra em cada dia.
Para aos cristãos, o grande Livro é e será sempre a Bíblia. Sair dela ou prestar-lhe menos atenção é deixar sem alimento a fé pessoal e a fé comunitária sem fundamento sólido e inspirador.
Recentemente, uma sondagem feita na diocese de Lisboa, e da qual se deu notícia muito alargada, trouxe ao de cima a consciência de como há ainda muitos cristãos que não lêem, não meditam, nem rezam a Bíblia, mesmo quando a têm em suas casas e sabem o seu valor e importância para a vivência da fé e para a vida segundo Cristo.
Os cristãos da reforma protestante e outros que, ao longo do tempo, foram nascendo, separando-se das correntes iniciais, mantiveram sempre grande ligação à Bíblia. O mesmo fazem hoje as incontáveis seitas que vão proliferando por esse mundo fora, muitas vezes sem pejo de utilizarem e manipularem o Livro Sagrado para justificar opiniões e interesses.
Num contexto histórico conhecido, a Igreja Católica durante séculos, preocupada em defender a fé tradicional do povo, ameaçada por uma livre interpretação bíblica, deu prioridade, na sua acção, à catequese das crianças, apoiando-a no testemunho activo da família, primeiro espaço de transmissão e expressão da fé. A Bíblia, suporte doutrinário do catecismo, foi um Livro usado sobretudo pelo clero, a quem competia ensinar as verdades cristãs às crianças e motivar os pais para o seu dever de primeiros educadores da fé dos seus filhos. Muito tempo assim, tempo de mais dada a evolução das mentalidades e da sociedade. Maior preocupação em continuar a defender, sem garantia, a fé dos crentes, e menor em evangelizar e alimentar essa fé, cada vez mais débil. Mesmo nos seminários, o estudo da Escritura foi deficiente, por haver mais preocupação com os problemas exegéticos, que com a riqueza espiritual inesgotável da Palavra Revelada.
Já em pleno século XX a Bíblia, traduzida em português e com notas explicativas, tornou-se mais acessível aos católicos. Os padres capuchinhos tiveram grande mérito neste acordar bíblico com a pregação popular, os grupos paroquiais, as Semanas Bíblicas nacionais, a publicação contínua da Bíblia e a Revista Bíblica. Milhares de pessoas e muitas centenas de paróquias vêm beneficiando desta acção. O Vaticano II fez acerca da Palavra de Deus uma Constituição conciliar ainda pouco conhecida. Dá-se, agora, cada vez mais atenção à leitura espiritual da Bíblia, dita “Lectio Divina”, que leva à participação pessoal de quem escuta ou lê a Palavra. As celebrações litúrgicas, mormente a Eucaristia, dão lugar central à Palavra de Deus e ao ministério de leitor, ajudando a crescer o amor à Bíblia.
Nos últimos tempos faz-se a campanha “ Em cada casa uma Bíblia”. Vê-se, porém, que não chega colocar o Livro nos lares cristãos, se antes ou ao mesmo tempo, não se mete, com cuidado e persistência, no coração dos crentes, o amor à Palavra e a capacidade de a ler e meditar, com fruto espiritual e apostólico.
A preparação do próximo Sínodo dos Bispos sobre a Palavra de Deus, está acordando a Igreja das suas rotinas, omissões e demoras. Se evangelização, iniciação cristã, formação dos adultos e agentes pastorais são hoje urgências na Igreja, não se dará passo válido sem dar à Bíblia ou à Palavra de Deus o lugar indispensável que lhe compete.


António Marcelino
tags:

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 19 Junho , 2008, 13:39
Museu Paroquial da Gafanha da Nazaré (clicar na foto para ampliar)


“Não é possível fazer catequese e pastoral, se houver alheamento dos Bens Culturais” e “muitos padres não estão sensibilizados para estas questões” - afirmou esta manhã (19 de Junho) Fátima Eusébio, Directora do Departamento dos Bens Culturais da diocese de Viseu, no Conselho Nacional para os Bens Culturais da Igreja.
:
Não me espanta esta afirmação. Sei que é assim, por experiência própria. Há padres sobrecarregados com trabalho em diversas funções, paroquiais e outras, e sem tempo para mais. Outros há sem sensibilidade para a arte e para a cultura… como em qualquer actividade humana.
Há anos, ao visitar uma igreja romana, senti, como habitual, vontade de conhecer histórias do templo, com alterações de várias épocas e estilos. Dirigi-me à sacristia, no final da missa, e o padre, de pronto, muito simpático, atirou-me logo: Disso não percebo nada; o sacristão sabe mais do que eu. E foi o sacristão quem me elucidou, com agrado meu, porque sabia mesmo umas coisas interessantes.
Esta denúncia de Fátima Eusébio não pode cair no esquecimento. É preciso mesmo motivar os agentes de pastoral, padres, diáconos e leigos, para a arte sacra.
Há tempos, li que houve obras em igrejas pagas com peças de arte sacra. Fiquei, naturalmente, triste com estes desmandos praticados por padres. A ser verdade, há que responsabilizar quem os fez. Mais uma razão para se educar para o valor, artístico e outro, das peças que estão a enriquecer os nossos templos ou os nossos museus paroquiais.

FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 19 Junho , 2008, 12:47


O Diário de Aveiro celebra hoje 23 anos de vida. Foram 23 anos de vida cheia, sempre ao serviço de Aveiro e sua região. Não há acontecimento que não tenha a presença dos seus jornalistas e que não ocupe lugar certo nas suas páginas.
Por força do jornalismo que também exerci, fui testemunha, inúmeras vezes, do seu esforço para dignificar a região e para valorizar as pessoas nos seus misteres quotidianos. Por isso, os meus parabéns a quem dirige o Diário de Aveiro e a quantos nele trabalham.

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 19 Junho , 2008, 11:55
Santuário de Santa Maria de Vagos

Da Mensagem do Bispo de Aveiro
"Convido e convoco toda a Diocese: presbíteros, diáconos, seminaristas, consagrados(as) e leigos(as) para, no próximo dia 29 de Junho, celebrarmos no Santuário de Santa Maria de Vagos, o Dia da Igreja Diocesana.
Vamos aí sentir a alegria da nossa fé, fortalecer a comunhão da Igreja diocesana e celebrar a Eucaristia, sacramento da caridade e “dom de Deus para a vida do mundo”.
Vamos reencontrar e unir no Dia da Igreja Diocesana todos os dias do Ano Pastoral já vividos, afirmar passos já dados, avaliar o caminho percorrido e delinear o novo ano pastoral que daqui se anuncia.
Vamos saudar e agradecer quantos na vida sacerdotal, consagrada ou matrimonial celebram durante este ano momentos jubilares marcantes.
Alegra-me convidar de forma especial e acolher com particular dedicação todos aqueles para quem este ano pastoral significou uma etapa nova ou marcou um modo diferente de ser Igreja ou de viver em Igreja: os sacerdotes recebidos na Diocese, as irmãs religiosas aqui regressadas ou recém-chegadas às suas Comunidades, os que iniciaram a sua caminhada no Seminário ou no Pré-Seminário, os novos diocesanos, as famílias que celebraram o seu matrimónio ou o baptismo dos seus filhos, as crianças que pela primeira vez receberam a Eucaristia e os jovens e adultos crismados ao longo do ano.
Tem profundo significado sentir a presença dos grupos de acção sociocaritativa das diferentes Comunidades."

Pode ler toda a Mensagem de D. António Francisco

mais sobre mim
Junho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9


25
26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds