de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 18 Junho , 2008, 20:31
O labirinto europeu

1. Queremos uma Europa dos cidadãos, mas quando estes se manifestam livremente, ainda que a sua opinião solicitada não vá ao encontro da vontade das lideranças, nesse momento, já preferimos a Europa das instituições. Se os cidadãos não participam, há queixas justificadas pelo alheamento das pessoas do processo europeu; quando participam corre-se o risco a que a quase totalidade dos estados-membros procurou fugir evitando o referendo; quando participam efectivamente, quase que não se quer democracia nessa participação, pois o caso do não irlandês, e particularmente das sucessivas reacções, deixa transparecer claramente que de deseja que a vontade dos cidadãos pouco valha para os líderes europeus. A encruzilhada do labirinto.
2. Não é fácil descortinar os caminhos de saída deste labirinto, em que se respeite efectivamente a opinião dos cidadãos, pois se esta não é acolhida como parte integrante todos os cenários fazem crescer o alheamento e a insignificância da participação. Para os líderes, os cidadãos parecem ser um problema, pois estes não seguem cegamente o caminho trilhado pelos acordos parlamentares. É certo que muitos desses cidadãos que votam não até podem viver de subsídios europeus, e que para votar é preciso muita formação e consciência comunitária. Mas, ainda que toque a subjectividade indescortinável, a noção da Europa de Valores parece hoje uma utopia longínqua que faz de Bruxelas já uma capital fugidia que pouco une e que, no dia-a-dia se manifesta mais pelo Banco Central Europeu nos anúncios das taxas de juro ou nas greves do que numa consciência da riqueza das identidades e culturas que habitam a Europa agora alargada.
3. A hora é de pausa e de reflexão. E imagine-se se em todos os estados-membros se tivesse realizado o referendo sobre a ratificação do Tratado de Lisboa. Talvez a festa se tenha comemorado antes do “jogo” começar. E quanto mais as lideranças procuram nestes tratados a afirmação da «carreira política pessoal», como afirmou peremptoriamente o primeiro-ministro de Portugal, mais os cidadãos se sentem usados no seu voto e mais repelente criam em relação às lideranças. Estas foram-se, progressivamente, distanciando das bases e dos problemas reais das populações. É, naturalmente, muito difícil manter a liderança do geral atendendo a todas as situações particulares. Mas neste caso a Europa tem feito história, todavia, tendo-lhe faltado nos últimos tempos a prudência que brota da sabedoria. Esta não vem da tecnologia mas da arte de prever todas as possibilidades em questão.
4. Neste contexto parece haver algo de ingénuo (sinal de pragmatismo não sábio?) neste processo, pois nele não se prevê como lidar com o não. O não irlandês está aí, como um sinal inquietante, numa caminhada europeia que é irreversível mas que tem de respeitar a opinião dos cidadãos. Como foi possível tanta festa antes do tempo, sem ouvir os cidadãos e sem um «plano B» como previsão sábia de todas as possibilidades? Quanto mais depressa mais devagar? Em frente, na convergência, pelo aprofundamento plural dos Valores dos povos Europeus. Quem agora tomará a dianteira?

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 18 Junho , 2008, 12:13

"Um queijo fresco de cabra que ficou esquecido não se deita fora, deixa-se acabar de secar. Vai-se voltando e ao fim de uns dias, passa a ser um queijinho seco, que cortado em fatias finas, com um fio de azeite e umas bolachas de água e sal, é petisco dos bons."
Aqui ao lado, em Cultura, destaquei um blogue que faz falta a toda a gente: Chama-se ARDEU A PADARIA e vai servir para nos orientar em momentos de indecisão, quando chegamos à cozinha sem saber o que fazer para o almoço ou para o jantar. Mais ainda: também serve para preparar um petisco, em maré de apetites. Vá lá já!

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 18 Junho , 2008, 11:22

Tenho estado atento às dificuldades sentido pelo Beira-Mar. Clube alicerçado na cidade dos canais é, sem dúvida, um certo símbolo de Aveiro. Tem dado a todos os aveirenses grandes alegrias, mobilizando, nessas alturas, multidões de sócios e simpatizantes. Nesses momentos de entusiasmos esfusiantes, as multidões seriam capazes de lhe dar tudo. O pior é depois…
Depois, quando está na mó de baixo, a debandada é quase geral. Tenho pena destas gentes que só sabem cantar Beira-Mar… Beira-Mar…. Beira-Mar em tempos de vitórias e de euforias. Nas horas de tristezas, fogem com o rabinho entre as pernas…
Ainda bem que foi possível encontrar quem segure o leme…
O Beira-Mar não vai nem pode ir por água abaixo…
tags:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 18 Junho , 2008, 10:57
“Nas Gafanhas da Nazaré, da Encarnação, na d'Aquém, na do Carmo, na Vagueira,... em todas as Gafanhas de Ílhavo, as mulheres amanham a terra..."

Leia mais em GALAFANHA
tags:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 18 Junho , 2008, 10:12


O edifício da Junta de Freguesia da Nazaré será ampliado e, na sua envolvente, será criado um piso subterrâneo para estacionamento e uma área comercial
A autarquia ilhavense decidiu proceder a algumas alterações ao projecto base de qualificação urbana da área envolvente ao antigo Mercado da Gafanha da Nazaré, que havia sido seleccionado no concurso de ideias. De acordo com o vereador das Obras e Equipamentos, Fernando Caçoilo, foram-lhe acrescentadas algumas valências consideradas necessárias, nomeadamente um espaço subterrâneo (espécie de cave com 25 mil metros quadrados), com capacidade para acolher cerca de 100 viaturas, a criação de uma zona comercial nas laterais dessa zona envolvente, “de forma a criar um intercâmbio com a Junta de Freguesia, e o aumento da parte do edifício em que funcionarão os serviços da Junta de Freguesia em cerca de 20 por cento, “para que reste mais espaço para os CTT”, bem como para a instalação de um bar.
Estas intervenções, que passam a representar um investimento de cerca de 3.800.000 euros (mais 300 mil euros que o projecto inicial), serão executadas pela sociedade Mais Ílhavo, SA.
E tendo em conta a entrega da obra a este consórcio privado, João Roque, vereador da oposição socialista, questiona a futura legitimidade de posse por parte da Junta de Freguesia da Nazaré, ao que Ribau Esteves responde estar assegurada. “O nosso trabalho é desenvolvido em conjunto com a Junta de Freguesia, enquanto seu proprietário e utilizador exclusivo”, sublinha o autarca.
À questão de João Roque acerca das acessibilidades para deficientes, o edil garante estarem previstas, com um “elevador para circulação entre os dois pisos do edifício”.


Manuel Serra congratula-se com as obras

Manuel Serra, presidente da Junta da Gafanha da Nazaré, entidade parceira neste projecto, congratula-se pelas obras que serão efectuadas, considerando que “vêm ao encontro das necessidades sentidas e constituem uma resposta ao desenvolvimento futuro” daquela freguesia.


tags:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 18 Junho , 2008, 10:00

Os protestos de hoje e as opções (urgentes) para o futuro

Nas primeiras duas semanas deste mês de Junho, o país foi confrontado com a greve dos pescadores e com o bloqueio dos camionistas. Seguiu-se a paragem dos carros de reboque, sobretudo na zona Sul e, ontem, os buzinões rodoviários, fizeram-se ouvir, um pouco por todo o país. As ameaças de novas suspensões, caso das ambulâncias, taxistas e manifestações dos agricultores já se fizeram, também, anunciar. Motivo: a escalada dos preços do petróleo e os custos acrescidos que representam para estes (e outros) sectores de actividade. Em alguns países europeus (França, Itália, Holanda e Espanha, por agora), alguns destes protestos também têm tido lugar, pelo que não é sério dizer (ou tentar induzir) que se trata de um problema só português, como tenho ouvido.
Com mais ou menos habilidade, com algumas vulnerabilidades à mistura ou, como referiu a oposição, com uma total incapacidade em prever estes acontecimentos e da falta de autoridade demonstrada, o Governo português tem negociado com os representantes dos sectores em luta e as coisas têm voltado, para já, ao ritmo normal de funcionamento. Ao mesmo tempo, o Governo vai dizendo que aquilo que concede às reivindicações, que estão na base destas lutas, não põe em causa o equilíbrio das contas públicas, ainda que sejam os contribuintes, como sempre, a pagar a factura. Seja como for, tudo o que se está a fazer, não passa de paliativos de curto alcance. O problema de fundo (o preço de petróleo) persiste sem solução e parece não querer inverter a tendência de subida. Deste modo, se nada mais for feito, as preocupações, os conflitos generalizados, as lutas e convulsões sociais irão agravar-se, nestes e noutros sectores que, até agora, ainda não se manifestaram. A nível interno, o Governo pode descer o ISP (demasiado elevado para o nível de vida português) ou não permitir que as gasolineiras tenham tanto lucro. Mas, mesmo que o venha a fazer (o que acho muito pouco provável), não passariam de medidas com efeitos de médio prazo e não orientadas para um futuro que tem que assentar num consumo cada vez menor de petróleo, não só porque este não é eterno, os seus preços tornar-se-ão incomportáveis e a transição para uma sociedade pós-petróleo é uma realidade reconhecida como inevitável e algumas medidas, insuficientes, têm sido dadas nesse sentido, à escala mundial.
De resto, querer manter o estilo da baixa e velha política, em que tudo serve para o bota abaixo e os argumentos utilizados falam de tudo menos dos novos desafios de hoje e amanhã, sugerem que alguns ainda não entenderam (ou fazem que não entendem) que o mundo está a viver uma crise diferente das anteriores e que esta vai obrigar, a bem ou a mal, a alterar, radicalmente, os hábitos de vida pessoal das populações, a nível global, mesmo sabendo que há sempre alguém que passa ao lado de tudo isto.
O país necessita, pois, de intervenções lúcidas e corajosas e de responsáveis capazes de as levarem a cabo. Destaco a excessiva e crónica dependência petrolífera que o afecta e a insuficiente aposta que se tem feito na rede ferroviária, que deve ser modernizada, ampliada e incentivada, para o transporte de pessoas e mercadorias. Se no caso do petróleo deve haver uma política coordenada com a União Europeia, para que esta aposte, em conjunto, na diversificação das suas fontes energéticas, no segundo caso, há que deixar de apostar tanto nas vias rodoviárias. Deste modo, o Governo tem o dever e a obrigação de deixar de lançar concursos atrás de concursos de novas auto-estradas ou SCUT, pelo que irá ter de rever todos os seus projectos neste tipo de infra-estruturas, que tão onerosas são para o país, apostando na ferrovia, na modernização da frota comercial, com veículos menos poluentes e económicos, e na revitalização das estruturas portuárias. Também o plano aeroportuário nacional vai ter que ser adaptado a estas novas realidades, a fim de não se criarem autênticos elefantes brancos que podem comprometer gerações e gerações de portugueses e o futuro do país.
Ainda que tudo isto não traga resultados a curto prazo, urge que as medidas para a sua implementação não fiquem esquecidas algures numa secretária e se tornem prioritárias. De outro modo, haverá toda a razão para dizer que o Governo (este ou outro) não soube ler os sinais dos tempos nem prever o futuro das gerações vindouras.

Vítor Amorim

mais sobre mim
Junho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9


25
26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds