de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 03 Junho , 2008, 12:41
Com máquina avariada... fico limitado. Não se trata da máquina humana, que essa vai andando como pode. Trata-se, isso sim, do meu portátil, onde tenho o essencial para o meu dia-a-dia do ciberespaço. Espero que a reparação seja rápida, para me evitar preocupações. É que gosto mesmo de estar em sintonia com os amigos e com o mundo.
De qualquer modo, sempre que me seja possível, por aqui andarei, nem que tenha de bater a outras portas.
FM

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 03 Junho , 2008, 10:24

Beato João XXIII: memória de bondade e desafio para sempre!

Há quarenta e cinco anos, exactamente na tarde do dia 3 de Junho de 1963, morria o Papa João XXIII, com 81 anos de idade, vítima de cancro do estômago.
Eu, na altura, tinha cerca de dez anos de idade, mas lembro-me, como se ainda fosse hoje, da imensa consternação que se apoderou dos habitantes da aldeia em que vivia.
Não uma tristeza apenas provocada pela morte de alguém que nos é querido, mas, sobretudo, e disso tenho a certeza, pelas dúvidas se haveria alguém capaz de dar continuidade ao trabalho de renovação da Igreja que o Beato João XXIII tinha iniciado com a convocação do Concílio Vaticano II (25.XII.1961).
Se alguma coisa aprendi na vida, até hoje, foi ver que o povo simples pode não perceber nada de teologia, de música, de arte ou de qualquer outra actividade de cariz mais ou menos intelectual, mas tem uma percepção enorme para distinguir o bom do mau, o justo do injusto e o fundamental do acessório, coisas que os intelectuais nem sempre sabem discernir, em tempo útil, apesar de todos os conhecimentos que possam ter.
Como referi, naquele dia de Junho, ouvi muitas vozes dizer: - E agora, como vai ser?
Claro que eu, na altura, não entendia o alcance daquelas interrogações. Volvidos todos estes anos, fui percebendo que se há alguém que aspira à renovação genuína, na simplicidade e na solicitude, como devem ser, sempre, as coisas de Deus, é o povo anónimo. Só precisam que o acarinhem, orientem e que os seus Pastores não se afastem dele, pois a sua receptividade e disponibilidade é do tamanho do mundo.
Creio que esta, ainda é, uma das maiores riquezas da Igreja que, infelizmente e gradualmente se está a perder, não só como consequência das profundas alterações sociais que se têm operado na sociedade portuguesa, ao longo das últimas mais de três décadas, mas, também, pelo alheamento ou incapacidade em dar respostas audíveis, perceptíveis e envolventes, por parte de alguns sectores da Igreja, a que não é alheio o decrescente nível de vocações sacerdotais e a sempre adiada clarificação do estatuto dos leigos nesta mesma Igreja.
Se fosse feita uma sondagem aos cristãos da Igreja Católica, qual seria o número destes que responderiam conhecer os principais Documentos saídos do Concílio Vaticano II, designadamente os conteúdos que mexem com a maneira de ser e assumir-se cristão?
E, destes Documentos, quantos serviram para discussões de trabalho e de evangelização das comunidades eclesiais, e, a partir deles, traçar percursos, aproveitar vitalidades e criar objectivos de acções concretas, perante as necessidades das próprias comunidades?
Alguns dirão que a baixa escolaridade das gerações mais antigas tem dificultado este trabalho. Porém, tenho enormes dúvidas que as gerações mais novas (que nem a chamada religiosidade popular têm), possuindo um grau de escolaridade mais elevado, estejam receptivas a agarrar no essencial do Vaticano II e fazerem dele, como se diz na linguagem informática, “motor de busca” para as suas vidas e da Igreja em que foram baptizados.
Para os mais novos ou menos atentos, durante os seus quase cinco anos de pontificado (1958-1963), o Beato João XXIII enfrentou muitas resistências internas da própria Cúria Romana e um mundo em convulsões permanentes, entre os países da Cortina de Ferro e o mundo Ocidental. A Guerra Fria (1945-1991), a construção do Muro de Berlim (1961), a crise dos mísseis de Cuba (1962), o primeiro homem no espaço (1962) e a Guerra do Vietname (1959-1975) são alguns dos acontecimentos que estiveram em cima da sua secretária. Foi preponderante o seu papel na resolução da questão dos mísseis de Cuba, pois o próprio Secretário-Geral da União Soviética, Nikita Khrushchov, para escândalo de muitos, não escondia o respeito e a admiração que tinha por esta figura ímpar da Igreja Católica.
Deste “Bom Papa”, como carinhosamente foi baptizado pelo povo, fica o exemplo que só é velho quem quer e que a “Obediência e a Paz” (seu lema episcopal) são para todos e para toda a vida.

Vítor Amorim

mais sobre mim
Junho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9


25
26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds