de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 02 Junho , 2008, 20:49
"Apelamos aos governantes para que promovam políticas que possam corrigir o fosso que separa ricos e pobres e que tenham em vista, não o que agrada aos grupos particulares, mas sim o que pode conduzir todos os cidadãos e cidadãs a uma situação de autêntica cidadania, isto é, a condição de pessoas livres e com meios indispensáveis para tomarem o destino das suas vidas nas próprias mãos. Deixar que continue a verificar-se o agravamento do preço dos alimentos essenciais, dos cuidados de saúde, dos transportes e do acesso a uma educação efectiva só pode conduzir ao aprofundamento do fosso entre os muitos que têm pouco e os poucos que têm muito. E as consequências em termos de paz social só podem ser trágicas."

Ler o Manifesto

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 02 Junho , 2008, 15:44
Painel de Zé Augusto (clicar na foto para ampliar)


Quando vejo que há o bom gosto de oferecer arte a quem passa, na rua ou em lugares públicos, fico satisfeito. Até me apetece bater palmas, para mostrar essa satisfação. Os frequentadores da Praia da Barra têm, desde 3 de Abril deste ano, um painel cerâmico de Zé Augusto, um artista aveirense que há muito marcou presença assídua em eventos citadinos, e não só. A feliz ideia de o convidar para celebrar, à sua maneira, os 200 anos da Abertura da Barra de Aveiro, precisamente no local onde Luís Gomes de Carvalho, com a biqueira da bota, deu liberdade à água do mar para lavar a nossa ria, está bem à vista de quem vier a frequentar este recanto paradisíaco da Gafanha da Nazaré.
tags: ,

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 02 Junho , 2008, 15:32



(Clicar nas fotos para ampliar)


Hoje de manhã fui à Praia da Barra, para cheirar o Verão. Não vi muita gente, mas vi como tudo está a ser preparado para receber os veraneantes, que não faltarão, logo que o tempo quente e ameno chegue.
A azáfama era grande na preparação do areal, que o bom ambiente exige muita limpeza. E por lá andava o tractor que limpava e peneirava a areia, enquanto outras máquinas e pessoal libertavam os passadiços de autênticas dunas que o mau tempo para ali levou. Na praia, ainda é visível a colocação de areias, para reforçar o espaço destinado às pessoas. Também vi que nos restaurantes há preparativos para servir quem vem de férias ou de passagem, e até verifiquei que em casas particulares há retoques, como que a preparar boas férias.
Também é verdade que a Praia da Barra tem sempre quem goste dela. E quer de Verão quer de Inverno, não falta quem aprecie o mar e se delicie com a maresia.
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 02 Junho , 2008, 13:03


O Rio de Amy


1. Nestes dias decorre o Rock in Rio. Se o slogan que foi percorrendo os últimos meses dizia «eu vou», já da nossa parte confessamos que nunca fomos nem contamos ir ao grande festival que abre os festivais de verão já característicos do verão português. O Rock in Rio nasceu no Brasil, Rio de Janeiro, no ano de 1985. Tendo andando meio irregular nas suas realizações, a partir de 2001, a estratégia mobilizadora voltou-se para a causa «Por um Mundo Melhor», este o lema simpático do festival que ocorre nestes dias novamente para os lados de Lisboa. Nesse ano de 2001, conseguiu-se a realização do acto simbólico de cinco minutos de silêncio no início do festival; silêncio mesmo para três mil rádios e 522 televisões de todo o mundo já presentes. O final deste silêncio foi marcado pelo toque de sinos e libertação de uma imensidão de pombas brancas, pedindo a paz para o mundo.
2. Como hábito nestas coisas, o evento foi crescendo. A certa altura os artistas são mais as vedetas do mundo do espectáculo que os viventes das causas que o festival quer representar. Bom, há sempre uma ou duas frases simpáticas que se dedicam ao mundo melhor, mas quanto ao resto, pelo que se noticia, parece que a “música” é efectivamente outra! Queremos acreditar que tudo o que envolve o festival seja mesmo por um mundo melhor(?)! De uma coisa não haja dúvida: é incontornável o poder destas realizações que, de modo informal vão passando todas as mensagens, do melhor ao menos melhor. Sem ser contra nem a favor, mas mantendo o olhar atento ao que acontece, para quem quer compreender como vão as motivações, as vontades, as participações, as causas, a sua coerência profunda, este acontecimento e os seus continuadores fazem-nos pensar sobre o que querem as juventudes, ou o que outros querem que eles queiram (?).
3. Na noite de abertura do Rock in Rio estavam, segundo alguns organizadores e jornalistas, cerca de 100 mil pessoas a assistir. Claramente que o entretenimento, hoje um privilégio ampliado da novas gerações, tem todo o seu saudável lugar. Mas fazer do entretenimento a própria vida será outra realidade bem distinta, facto que também existe. Uma das vedetas da primeira noite era Amy Wienhouse. Artista, pelos vistos de renome de que confessamos a total ignorância pelo desconhecimento. De tão badalada e da nossa curiosidade em saber quais os valores que merecem tamanha idolatria, em viagem de carro ouvindo na rádio ecos da grande noite anterior, eis que ficámos surpreendidos pelos símbolos que Amy representa e com os quais ilumina, consciente ou inconscientemente, os seus fãs seguidores: «Vulnerável […] Decadente. […] Um misto de gravidade emocional e vulnerabilidade extrema. […] Frágil, magnífica, autêntica, verdadeira, descontrolada, decadente, fraude ou trágica»; vícios. (Público, P2. 1 Jun. 8-9)
4. Ficámos surpreendidos e perguntamo-nos onde está a filosofia da qualidade desejada para a construção do mundo melhor? Enfim, com realismo, é mesmo assim que vai o Rio…



Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 02 Junho , 2008, 13:01

A ciência e a liberdade de escolha

Na semana passada, aconteceram-me três situações no mesmo dia que, sem o imaginar, iriam estar todas interligadas entre si.
A primeira, começa com uma entrevista que o cientista António Damásio deu à jornalista Clara Ferreira Alves, publicada no jornal “Expresso”, de 24 de Maio.
Concorde-se ou não com esta perspectiva biológica de ver, analisar e conceptualizar a vida e o homem, a dado passo da entrevista, o cientista português fala do bem e do mal, “em sentido biológico” – como ele diz – dizendo que “O bem é o resultado de acções que levam à manutenção da vida, especialmente à vida com bem estar, ou à sobrevida do bem estar, ou à promoção da vida com bem estar, não só no próprio como nos outros. E o mal seria o conjunto das acções e dos estados que conduz à perda da vida ou que prediz a perda da vida, caso da dor…”
Mais adiante acrescenta: “que quando se fala de vida, não se pode olhar só para a própria vida, mas também para a dos outros. O bem-estar individual é impossível se à nossa volta se estiverem a passar, por exemplo, catástrofes naturais.”
Ainda a pensar no que tinha acabado de ler, saí de casa e deparo com uma vizinha minha, que estava com um ar entristecido e abatido. Como é habitual, sempre que nos encontramos, ficámos à conversa durante algum tempo e o seu desabafo surgiu: o filho dela, com 16 anos de idade, tinha posto a casa em “pé-de-guerra”, porque queria ir, a bem ou a mal, para o festival musical do Rock in Rio, que decorreu em Lisboa, neste passado fim-de-semana. Daí, há que exigir dinheiro aos pais, já que autorização é coisa que ele dispensa bem. Como a vida, não está para festivais de coisa alguma, não houve dinheiro e a reacção deste adolescente não foi a melhor, ameaçando os seus pais que ía para Lisboa, à boleia, e que lá haveria de se desenrascar, de alguma maneira.
Perguntei se podia ajudar e pus-me à disponibilidade para falar com este jovem. Coisa que já tem acontecido, mas, nem sempre com os melhores resultados.
Segui o meu caminho a lembrar-me da entrevista do cientista António Damásio e da conversa sobre o meu amigo, que o é, o jovem do rock, e, no meio de tudo isto, a pensar e a interrogar-me como é que ele era tão diferente do seu outro irmão, creio que com 19 anos, bem mais calmo e ponderado, relativamente a este seu irmão. Porquê estas diferenças? De onde elas vinham? Onde está o seu fundamento? Se reduzirmos as coisas só à biologia, como parece ser a proposta do cientista António Damásio, diria que o irmão mais velho foi bem programado e mais novo mal programado. Mas, o homem está para além da sua base biológica própria. De outro modo, onde está a responsabilidade individual? O bem e o mal? A liberdade? Será que tudo isto pode ser manipulado ou quantificado?
Algum tempo depois, regresso a casa, apanho a correspondência que, entretanto, tinha chegado, e encontro, nesta, uma frase que dizia o seguinte: “Cada dia percebo melhor a graça de ser católico. Viver sem fé, sem defender um bem espiritual, sem preservar a verdade na luta constante, não é viver, mas sim vegetar.” Quem a disse? Um outro jovem, italiano, de nome Pier Giorgio Frassati (1901-1925), beato da Igreja Católica, desde 1990, que eu desconhecia, até agora, que passou o curto período da sua vida a fazer o bem aos outros, sobretudo aos mais desfavorecidos da sociedade, e que, já no seu tempo, tinha a clarividência profética para dizer que: “ A Caridade não é suficiente: precisamos de reformas sociais.” Naquela manhã, tinha sido confrontado com as declarações de um cientista, reputado, que busca a compreensão dos mecanismos, biológicos, que levam o homem a fazer ou a escolher entre o bem e o mal. De um jovem a quem não parece interessar, o bem ou o mal que está a fazer à sua família. Finalmente, de um outro jovem, que mais não fez do que amar e fazer o bem. Três contrastes de vida ou, então, também, três expressões (só biológicas?) das necessidades e das prioridades individuais com que somos capazes de ver o mundo e os outros?

Vítor Amorim

mais sobre mim
Junho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9


25
26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds