de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 26 Maio , 2008, 19:18
Primeiro Jogo de Futebol em Portugal

Futebol, história ao contrário

1. Regressados de Inglaterra, corria o ano de 1888, os irmãos Pinto Basto trouxeram a primeira bola de futebol. Na história ficou gravado que Eduardo Pinto Basto organizou o pontapé de saída, a primeira partida de futebol realizada em Portugal. Foi há 120 anos, o princípio de uma história que cresceu, desmedidamente, também por esse mundo fora, fazendo dele uma brincadeira muito séria que, passo a passo, fomenta encontro de nações, controla as emoções, multidões, e consequentemente mesmo os poderes. Não deixa de ser curioso que o clube fundado pelos irmãos Pinto Basto ainda hoje existe, mas seguindo a sua matriz originária de amadorismo. No séc. XX a história dos países europeus e das suas grandes metrópoles confunde-se com o crescimento dos grandes clubes de futebol, tantas vezes usados como afirmação de um poder e glória que até ocultasse as verdadeiras e difíceis realidades internas.
2. Como em tudo, há quem goste e quem não goste de futebol. Saudável a multiplicidade de gostos, mesmo diante de um fenómeno popular incontornável que se tornou num símbolo e máquina poderosíssima, com as ténues fronteiras que isso significa. Há quem «adore» e viva (n)os clubismos; quem só goste dos jogos europeus, ou quando há equipas «nossas» contra os «outros». Também há quem aposte unicamente no gosto da selecção nacional de futebol, esquecendo todas as outras selecções nacionais de todos os outros desportos. Há, ainda, quem, até por outros gostarem, não podem ouvir falar de futebol, fundamentando-se na rede dúbias de cumplicidades futebolísticas que tocam fenómenos de doping ou corrupção. Enfim, todos os gostos e desgostos fazem parte desta história que é das realidades que, mesmo em tempos de crise e em cenários salariais escandalosos de jogadores endeusados e treinadores, resiste à própria história.
3. Também, há realidades que custam a entender. Nestes dias, o presidente de um grande clube, Sporting, afirmou peremptoriamente: «O Governo tem de decidir se o futebol é uma actividade importante para o país. O futebol deu projecção a Portugal? Então fomente-se a actividade.» (jornal Record, 26-05-2008). Custa a ler e a entender, o que demonstra bem o que se está a passar. Se há sector que Portugal tem fomentado, até demais, é o futebol; não só os estádios do Euro, mas uma «futebolomania» atravessa quase todos os sectores da sociedade como vontade popular. Não peçam os clubes aos políticos cobertura para tantas loucuras salariais e patrimoniais por vezes cometidas. Não peça o Inter de Milão dinheiro à Câmara Municipal ou ao Governo para pagarem os salários ao milionário José Mourinho que nestes dias assina três anos pelo Inter, em que receberá de vencimento 9 a 10 milhões de Euros por ano, «livres de impostos»?! Ainda por cima o treinador mais bem pago do mundo não vai pagar impostos…!
4. Futebol sim, loucura não! Mas já há muito que esta fronteira desapareceu. Os adeptos fazerem greve?! Impossível, há dependência total. Parece mesmo que o futebol é uma história ao contrário da vida (de crise social), para já não falar no que está a acontecer com a conta de Cristiano Ronaldo! Quanto mais golos marcarem as emoções em catarse, menos lugar há para a razão dosear o escândalo desta história. Na Europa está-se por tudo, seja o que for! Até quando? Não seria possível uma festa futebol mais saudável?

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 26 Maio , 2008, 12:39

"Três dos nove barcos moliceiros que a Câmara de Aveiro mandou construir entre 1998 e 2001 e ofereceu a diversas instituições locais estão abandonados e em terra, em adiantado estado de degradação, correndo riscos de apodrecer. Outros dois encontram-se no Cais do Bico, na Murtosa, perto das instalações da Associação dos Amigos da Ria e do Barco Moliceiro."
Leia mais no JN

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 26 Maio , 2008, 11:31
"Quando pela primeira vez entrei em casa do tio João confirmei que era muito semelhante às casas dos outros gafanhões agricultores que eu já conhecia. Um pouco melhor, que o nosso patriarca era pessoa de bom gosto e de bens. Havia quartos para toda a família, mobilados e com boas roupas de cama. Notava-se asseio e mãos de mulher no arrumo de tudo. Eram as mãos da esposa, mas também das filhas solteiras que viviam mais para a casa do que para a agricultura.Nas habitações normais dos demais lavradores, a cozinha lá tinha a trempe de ferro, panelas de três pés, aparadores, mesa e bancos toscos, talheres de ferro e de cabo de osso, passando pela cantareira com a respectiva cântara de ir à fonte buscar água."

Leia mais em A Casa Gafanhoa
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 26 Maio , 2008, 09:31

Globalização para todos ou benefícios só para alguns?

Desde que começou a ser conhecida, de uma maneira mais generalizada, pelo cidadão comum, a crise da falta de alimentos, bem como dos seus brutais aumentos, e a consequente maior dificuldade dos mais pobres ao acesso à comida básica, para o seu dia-a-dia, alguma coisa se tem escrito, no “Pela Positiva”, tendo, tanto quanto é possível, a preocupação da informação, mas, sobretudo, de procurar dar referências que levem os leitores a pensar e a reflectir nas causas que estão subjacentes a tudo o que diz respeito ao homem e à sociedade, em geral.
As expressões “cidadania exigente”, “especuladores sem rosto”, “regulamentação da economia internacional”, entre outras, têm sido repetidas, aqui, com alguma frequência, na medida em que elas estão intimamente ligadas a este fenómeno planetário e há que perceber e aceitar que existe um outro mundo para além de nós próprios, mesmo que o queiramos ignorar, mas que condiciona, decisivamente, a vida e o futuro de cada cidadão, esteja ele onde estiver.
Obviamente, haverá sempre quem desvalorize ou procure ignorar estes acontecimentos, fazendo deles um problema dos outros. Quem assim procede ou finge viver na ilusão ou já se conformou com a vida que tem, abdicando do seu direito e dever de cidadania responsável, exigente e crítica, quando for caso disso, tanto para seu benefício, legítimo, como da restante comunidade humana.
Desde o aumento do preço do petróleo (com o muito de especulativo que contém no seu valor), passando pela desvalorização do dólar americano, pelo aumento da procura de alimentos pelas economias emergentes, pelos anos de más colheitas (caso da Austrália, Canadá, e EUA), pela ocupação dos terrenos para a produção de biocombustíveis (parcialmente, já classificada pela ONU como “crime contra a Humanidade”), pelos baixos stocks mundiais de cereais, pelas alterações climáticas (com um aumento da desertificação de grandes regiões na África e Austrália), de tudo se tem falado, e com razão, pois trata-se de um situação multifacetada nas suas origens.
Uma coisa, porém, sabemos: a fome, enquanto realidade conjuntural, sempre existiu e muito se tem feito para a combater. Agora, a fome, enquanto realidade global, não é obra do acaso, mas sim uma criação, involuntária ou propositada, do Homem. E é isto que faz toda a diferença, para não ficarmos indiferentes ou calados.
Deixei para último lugar a questão da especulação, tantas vezes aqui referida. Desta autêntica praga, a Comissária Europeia da Agricultura, Marianne Fischer Boel, disse ao “Diário Económico”, no dia 29 de Abril, do corrente ano: “Não se deve subestimar a importância que a especulação tem para fazer mexer os preços.”
Já na edição do jornal “Expresso”, do passado dia 3 de Maio, Fernando Madrinha, colunista e Director de revista “Courrier Internacional”, escreve:”... será responsável pela grande percentagem dos aumentos: a acção dos especuladores, que jogam não com a falta de produtos, mas com a perspectiva, ou a simples hipótese de eles viram a faltar. Na economia de mercado globalizada, as malfeitorias desses especuladores (…) é incontrolável enquanto não houver regulação mundial de cuja necessidade todos falam, mas com que, de facto, só se preocupam as primeiras vítimas, isto é, os pobres e fracos. Daí a margem que resta para combater os especuladores dentro de cada país deve ser usada até ao limite, sob pena de se tornarem eles os verdadeiros governantes [do mundo].”
Não que estas afirmações nos sirvam de consolo algum. Antes indicam que o caminho que temos que continuar a trilhar tem que ter como prioridades a seriedade e a isenção, ainda que não profissionais da comunicação social e não imunes ao erro, que, a acontecer, será sempre involuntário.
Vítor Amorim

mais sobre mim
Maio 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds