de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 24 Maio , 2008, 19:30
Há seis anos foi notícia o abuso de praxes ridículas, direi mesmo estúpidas, de alunos da Escola Superior Agrária de Santarém sobre uma caloira. A denúncia do caso, por tão grave, chegou ao Ministério do Ensino Superior e aos tribunais. Quando se esperava que a queixa, pela sua natureza, tivesse julgamento rápido, para se evitarem situações semelhantes, a verdade é que a sentença só chegou agora. Seis anos na vida de uma jovem estudante é muito tempo, mas a nossa Justiça não entende isto.
Os agressores e mentores das barbaridades, físicas e psicológicas, exercidas sobre uma jovem acabada de chegar ao Ensino Superior, foram agora condenados, esperando-se que tal castigo sirva de exemplo a quem tem uma ideia profundamente deformada do que é contribuir para a integração dos novos alunos numa qualquer escola. A agredida, que sofreu, no corpo e no espírito, abusos inqualificáveis, lembra que o seu contributo está dado, para que, de uma vez por todas, se acabe com as praxes estúpidas, substituindo-as por programas de âmbito social e cultural, que contribuam, de facto, para levar os caloiros a compreender e a conhecer o ambiente da Escola Superior que querem frequentar.

Editado por Fernando Martins | Sábado, 24 Maio , 2008, 12:26
1979 - Entre o Governo Português e o presidente da Administração da "Regie-Renault" foi assinado um acordo em que se contemplou a criação de uma unidade fabril em Aveiro para produção de motores e caixas de velocidade para veículos automóveis.
1982 - Faleceu em Lisboa o ilustre aveirense Dr. Mário Duarte, homem de fino trato, grande desportista e prestigiado diplomata; desempenhou o cargo de embaixador de Portugal em Cuba, na Alemanha, na França, no Brasil e no México.
Fonte: Calendário Histórico de Aveiro

Editado por Fernando Martins | Sábado, 24 Maio , 2008, 11:16
Ver, em Galafanha, a cópia do Decreto Real da Criação da Freguesia da Gafanha da Nazaré, assinado por D. Manuel II, em 23 de Junho de 1910.
tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 24 Maio , 2008, 10:04

José Mattoso, insigne medievalista, vai estar no CUFC, em 4 de Junho, pelas 21 horas, para mais uma Conversa Aberta, integrada no Fórum::UniverSal. Vem para falar de “O Lugar da História”, com moderação de Teresa Roberto, da Universidade de Aveiro.
Reconhecido em Portugal e no estrangeiro como um dos mais notáveis medievalista, foi catedrático na Universidade Nova de Lisboa e autor de muitos trabalhos ligados à sua especialidade. Dirigiu a publicação de uma História de Portugal, foi investigador de méritos firmados, tanto no nosso país como em Timor, e recebeu vários prémios, de que se destacam o Prémio Pessoa e o Troféu Latino 2007.
Natural de Leiria, onde nasceu em 1933, José Mattoso foi monge beneditino, em Singeverga, tendo regressado ao estado laical em 1970. A partir daí, dedica-se, com mais intensidade, à investigação científica, publicando, paralelamente, inúmeras obras.
Na semana passada, anunciou, numa homenagem que lhe foi prestada pelo Centro de Estudos Islâmicos e do Mediterrâneo, em Mértola, onde fixou residência, o abandono da actividade científica, acusando o Estado de valorizar as ciências experimentais e exactas, em detrimento das ciências sociais e humanas. Disse ainda que a investigação histórica que hoje se faz em Portugal se sustenta em “investigações vagas, superficiais”, realçando-se por vezes “generalidades e aspectos anedóticos”, como sublinhou o PÚBLICO de sábado passado, 17 de Maio.
É este investigador, de personalidade e saberes muito fortes, que o CUFC convidou para mais uma Conversa Aberta. A entrada é livre.

FM

Editado por Fernando Martins | Sábado, 24 Maio , 2008, 10:00

Quantos saberão e, se sabem, se terão lembrado de que na passada quinta-feira foi feriado nacional por causa de uma festa, que, em Portugal, dá pelo nome paradoxal de Festa do Corpo de Deus? Houve um tempo em que as ruas se enchiam de procissões por causa dela. Hoje, será apenas, para a quase totalidade dos portugueses, um feriado ou oportunidade para umas miniférias.
Festa do Corpo de Deus! Como foi e é possível o cristianismo menosprezar o corpo, se tem uma festa do Corpo de Deus? Deus mesmo em Cristo assumiu a corporeidade humana. É isso que confessa o Evangelho segundo São João: a Palavra (o Logos) fez-se carne, no sentido bíblico do termo grego sarx: ser humano corpóreo e frágil. Deus manifestou-se na visibilidade de um corpo humano.
Dois banquetes marcaram o Ocidente: o Banquete, de Platão, e a Última Ceia de Jesus com os discípulos (quem se atreve a dizer, com fundamento real, que nela não participaram discípulas?). Ambos à volta do amor. Não é um banquete sempre expressão e vivência da convivialidade, da festa e do amor? Aí está a razão por que não tem sentido celebrar a missa sozinho. Faz sentido celebrar um banquete sozinho ou de costas para o povo e numa língua que ninguém entende, como foi recentemente permitido pelo Papa Bento XVI?
Na véspera da Paixão, antes de ser entregue à morte na cruz, Jesus, na ceia de despedida, tomou o pão e pronunciou a bênção, dizendo: "Isto é o meu corpo - a minha vida - entregue por vós." Tomou o cálice com vinho e disse: "Este é o cálice da nova aliança." E acrescentou: "Fazei isto em memória de mim."
A missa é o banquete do testemunho do amor até à morte: "Não há maior amor do que dar a vida pelos amigos." O que se celebra na eucaristia é o Deus do amor. Jesus não morreu para pagar um resgate (a quem?, ao diabo?) ou para aplacar a ira de Deus. Se Deus é amor, não está irado com a Humanidade. Face a um deus que exigisse a morte do Filho só haveria uma atitude humanamente digna: tornar-se ateu. Mas Jesus não morreu porque Deus quis o seu sacrifício. Pelo contrário, morreu para testemunhar a verdade incrível de que Deus é amor.
Na eucaristia, os cristãos comemoram, celebram em comum o memorial de Jesus, presente e vivo na dinâmica da celebração. É ele que convida e, segundo a mentalidade oriental, quem convida oferece, antes de mais, a sua presença.
Ao longo dos séculos, houve debates intermináveis, inclusivamente com mortes pelo meio, sobre o modo dessa presença de Cristo na eucaristia. Que se dava uma transubstanciação do pão e do vinho, que havia consubstanciação, que a linguagem mais adequada agora seria transfinalização, transvalorização.
Mas, afinal, que quer dizer "presença real"? Já se pensou que duas pessoas que verdadeiramente se amam, mesmo distantes fisicamente, estão realmente presentes? Pelo contrário, a presença física, sem amor, pode tornar-se um inferno. De qualquer modo, neste domínio, é bom ter presente a advertência do filósofo Hegel para o perigo de coisificar a presença de Cristo na eucaristia, quando escreveu: segundo a representação católica, "a hóstia - essa coisa exterior, sensível, não espiritual - é, mediante a consagração, o Deus presente, Deus como coisa."
Claro que há o aviso de São Paulo aos Coríntios: "Todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será réu do corpo e do sangue do Senhor." Mas é preciso advertir que Paulo está a referir-se àqueles que comiam lautamente e deixavam outros à fome. "Desprezais a Igreja de Deus e quereis envergonhar aqueles que nada têm?"
E afinal não é o que continua a acontecer? Quando pensamos na vergonha da catástrofe alimentar com milhões de homens e mulheres e jovens e crianças a morrer à fome - também em Portugal há fome -, e nas responsabilidades de milhões de cristãos, que celebram a eucaristia, é inevitável lembrar as palavras de São Paulo aos Coríntios.
Mas quem nunca sonhou com um banquete à volta da mesa comum e a participação de todos, independentemente da raça, língua, sexo, cor, e Deus presente e a vida eterna?
Anselmo Borges
Fonte: DN
tags:

mais sobre mim
Maio 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds