de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 23 Maio , 2008, 23:02

De 30 de Maio a 1 de Junho, vai decorrer, no Museu Marítimo de Ílhavo, o II Congresso das Confrarias Portuguesas, por iniciativa da Federação das Confrarias Gastronómicas, Câmara Municipal de Ílhavo e Confraria Gastronómica do Bacalhau.
Estarão presentes cerca de 50 Confrarias Gastronómicas e representações de Confrarias de Espanha, França, Suíça, Cabo Verde e Macau, aguardando-se a confirmação de uma delegação brasileira.
Paralelamente ao Congresso, decorre um Concurso de Gastronomia, no Hotel da cidade, com a participação de 13 restaurantes do Concelho de Ílhavo, sendo o Júri constituído por elementos das Confrarias presentes. Das ementas, consta um prato de bacalhau e outro ao critério do restaurante. No dia 30, o jantar será de "partilha", isto é, cada Confraria apresenta o seu "prato" típico.
A Câmara convida as Confrarias presentes para um espectáculo no Centro Cultural, com a Filarmonia das Beiras e o pianista Bernardo Sassetti. Haverá ainda e a projecção do filme "Maria do Mar", no dia 31.
No encerramento serão homenageados o conhecido Chefe Silva, o industrial Rui Nabeiro e dois confrades fundadores da Federação das Confrarias Gastronómicas Portuguesas.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 23 Maio , 2008, 20:23
Deus convidou um rabino para conhecer o céu e o inferno.
Ao abrirem a porta do inferno, viram uma sala em cujo centro havia um caldeirão onde se cozinhava uma suculenta sopa.
Em volta dela, estavam sentadas pessoas famintas e desesperadas.
Cada uma delas segurava uma colher de cabo tão comprido que lhe permitia alcançar o caldeirão, mas não as suas próprias bocas.
O sofrimento era imenso.
Em seguida, Deus levou o rabino para conhecer o céu.
Entraram numa sala idêntica à primeira, havia o mesmo caldeirão, as pessoas em volta, as colheres de cabo comprido.
A diferença é que todas estavam saciadas.
- Eu não compreendo - disse o rabino -, porque é que aqui as pessoas estão felizes, enquanto na outra sala morrem de aflição, se é tudo igual?
Deus sorriu e respondeu:
- Você não percebeu? É porque aqui elas aprenderam a dar comida umas às outras...
:
Nota: Conhecia esta história há muito tempo. Hoje, porém, o Rotativas da jornalista Maria João Carvalho avivou-me a memória. Em tempo de crise e fomes, é bom reflectir sobre a lição desta lenda.
tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 23 Maio , 2008, 11:24
Veleiros (portal da CMI)


REGATA TALL SHIPS

Nas celebrações dos 110 anos da restauração do município de Ílhavo, a Câmara Municipal associa-se às comemorações do meio milénio da fundação do Funchal, acolhendo, no Terminal Norte do Porto de Aveiro, a Tall Ships Regatta, entre 20 e 23 de Setembro.
A frota de grandes veleiros partirá a 13 de Setembro do porto histórico de Falmouth, Inglaterra, e chegará ao Porto de Aveiro no dia 20 de Setembro, onde permanecerá três dias. No dia 23 de Setembro, pelas 11 da manhã, os veleiros seguirão viagem para o Funchal, Madeira, onde chegarão a 2 de Outubro.
No Porto de Aveiro vai haver, então, a concentração de todos os participantes, estando a ser devidamente preparado todo o apoio logístico. Está prevista a visita aos veleiros em dias e horas a anunciar.
Nesta regata participam veleiros das classes A, B, C e D, de Portugal, Espanha, Rússia e Alemanha. O Creoula será o representante do nosso País.
A Câmara Municipal de Ílhavo vai proporcionar, em condições vantajosas, o embarque de um total máximo de 100 instruendos a bordo das diversas embarcações participantes, quer oriundos do nosso município, quer de outros municípios de Portugal.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 23 Maio , 2008, 10:37
De acordo com o mais recente relatório do Eurostat, referente a 2004, Portugal é o país mais desigual da Europa, tendo em conta a relação entre os 20% mais ricos e os 20% mais pobres. Não é novidade para ninguém, mas confrange ver que não conseguimos sair da cepa torta, apesar de tantos sacrifícios se pedirem, e exigirem, aos portugueses.
Somos, afinal, um país tremendamente injusto, deixando que alguns enriqueçam cada vez mais, enquanto muitos outros ficam cada vez mais pobres. A desigualdade está aqui e ninguém a pode escamotear.
Esta situação, que nos atira, sistematicamente, para a cauda da Europa, apesar de todas as ajudas que dela recebemos, só mostra que ainda não descobrimos os políticos, economistas, empresários, sociólogos e outros mais capazes de dar a volta à política portuguesa. Mas também à auto-estima dos portugueses, para que, duma vez por todas, assumam dinâmicas de mudança e de optimismo, que nos apontem caminhos de futuro. Quem dá uma ajuda?

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 23 Maio , 2008, 09:25

Petróleo: e você, já sabe porque é que aumenta?

A 27 de Março de 2008, escrevi um texto com o título “Ética nos Negócios”, no qual abordava alguns aspectos relacionadas com o preço do “ouro negro” e as constantes subidas nos mercados mundiais. Na altura, o seu preço andava à volta dos 103,0 dólares o barril. Passado perto de dois meses, o seu preço não parou de subir. Ontem, dia 22 de Maio, o preço do chamado petróleo Brent atingiu os 133,10 dólares e em Nova Iorque os 135,04 dólares o barril. A nível nacional e internacional, já ninguém se entende sobre as causas reais destas subidas. Esta ignorância é gravíssima e não augura nada de bom.
Basta ver algumas das televisões de referência internacional e é um nunca mais acabar de ouvir especialistas em produtos petrolíferos a dizerem que estes preços não se justificam, mas também a não saberem dizer nada do porquê deles estarem tão altos. Existem visões diferentes para os valores a que deveria estar, neste momento, o petróleo, que oscilam entre os 90,0 e os 75,0 dólares o barril, mas não se sai disto.
Sabe-se que, para um preço do petróleo de 120,0 dólares o barril, o seu custo é assim distribuído: 30,0 dólares para custos de produção, à saída do poço; 20,0 dólares para custos de exploração; 10,0 dólares para custos de transporte e 60,0 dólares para o efeito da desvalorização do dólar, seguros, por riscos políticos ou outras instabilidades, em alguns países do globo, e, finalmente, a especulação. É nesta última fatia, dos restantes cinquenta por cento do preço, que ninguém sabe o que se passa.
Fica-nos, porém, a certeza que vivemos numa ordem mundial, em que as autoridades, muitas delas democrática e legitimamente eleitas, no essencial, pouco ou nada controlam, pelo que são os especuladores e a economia subterrânea que vão ditando as leis da economia mundial, condicionando, deste modo, o desenvolvimento dos países e dos seus cidadãos. Isto é preocupante e não adianta ter ilusões sobre as suas consequências no futuro, se tudo isto continuar assim.
Não se pode deixar que, em nome da livre concorrência dos mercados, esta comece a ser cada vez mais uma ficção e um castigo, sem transparência. Já não estão em causa as teorias económicas que cada um possa defender para a sociedade, mas o modo de viver desta. Nos EUA, ontem, dia 22, o Senado americano pediu explicações às principais companhias petrolíferas americanas, para que estas justificassem como é que um produto que, na sua origem, está cada vez mais caro, permite, mesmo assim, que estas tenham lucros cada vez maiores, dado que esta combinação não bate certo e vai contra as regras básicas da economia. Conclusões não existiram, sinal de que anda muita coisa escondida. Sabemos que existem questões geopolíticas profundas no meio de tudo isto e não é de admirar que alguns países produtores de petróleo, que de democracia nada têm ou deixam muito a desejar, (excepção para a Noruega), estejam a fazer um garrote económico à Europa e aos EUA, para que o mundo fique com um Ocidente fragilizado.
Em Portugal as coisas são ainda piores: temos uma economia fraca. Entre o ano de 2000 e de 2008, em média, em Portugal, a gasolina aumentou 100% e na Europa 52% e no gasóleo, o aumento foi de 61%, em Portugal, e na Europa 31%. Ninguém sabe dizer do porquê destes aumentos, ou seja, o regulador, no país, pouco pode fazer, só por si.
Em Portugal, convém dizê-lo, a concorrência é frágil. Existem só duas refinarias (Sines e Matosinhos), ambas da Galp, que refinam o petróleo de todas as marcas à venda no país, o que já condiciona, em muito, o mercado livre. A juntar a isto, temos uma carga fiscal elevada e ineficiência na distribuição. Em Espanha existem nove refinarias e um ISP e IVA mais baixos. Nem as regras da oferta e procura justificam tudo, bem assim como o aumento do consumo na China (mais 14% só nos primeiros três meses, deste ano) e na India. Só na irracionalidade humana se pode encontrar uma resposta capaz.
Vítor Amorim

mais sobre mim
Maio 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds