de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 15 Abril , 2008, 18:05
Gafanha da Nazaré: Igreja Matriz

A humanidade inteira acha-se convocada pelo ICOMOS, da UNESCO, a celebrar no dia 18 de Abril o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, este ano de 2008 dedicado ao "Património Religioso e Espaços Sagrados". A eleição de um tal tema dá bem conta da relevância que o fenómeno religioso, e o universo simbólico que o configura, tem na vida das sociedades de hoje! Sem nos determos nas perturbações que uma laicidade mal equacionada, ou mesmo arvorada em bandeira política tem causado em amplos horizontes, a decisão do ICOMOS mais não faz do que reconhecer a importância que o sagrado tem na vida de milhões de pessoas em todo o mundo e que atinge tantos outros milhões, seja através da estética, da memória histórica, ou das identidades culturais.
Sem perder de vista a vocação primeira de tais "espaços sagrados", uma tal celebração traz ao nosso convívio colectivo e a uma escala global um conjunto amplo de questões, que nos ajudam a reflectir, em última instância, o lugar do próprio crente na construção da comunidade mais vasta em que aquele se integra. Certo, ao erguerem notáveis edifícios e ao produzirem todo um conjunto de bens que lhes vestem a alma, as religiões contribuíram e continuam a contribuir decisivamente para a construção de identidades culturais, tantas vezes até étnicas. Mas é sobretudo de pessoas que falamos, não dos seus objectos ou dos lugares dos seus afectos, quando a visão do mundo se acerta pela lente da transcendência!
Hoje é pedido aos lugares de culto e aos agentes que os mantêm vivos, bem entendido, que voltem a assumir um papel que já desempenharam em outras épocas, em moldes sem dúvida diferentes: que avultem como centros geradores e potenciadores de cultura, que sejam, eles mesmos, sujeitos activos e protagonistas de cultura. Isto é, centros de humanização, em sociedades cada vez mais marcadas pela fragmentariedade dos ideais e das práticas. O Cristianismo tem para oferecer, a este respeito, não apenas a memória dos contributos dados no passado, mas a capacidade de continuar a rasgar caminhos de ousada novidade. As suas igrejas, as suas capelas, os seus santuários são espaços de vida, espaços dedicados a sinalizar na nossa existência trilhos de eternidade, onde a grandeza das mulheres e dos homens se faz ainda maior, de mãos dadas com um Deus que lhes está próximo. E, como lugares de tal encontro, eles revelam-se, de facto, como "espaços sagrados".

João Soalheiro

tags:

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 15 Abril , 2008, 14:23

O Sr. Silva e o Sr. João


1. O Senhor Presidente da República está na Madeira. Isto, por si, não seria nenhuma notícia de relevo em regime de liberdade democrática, pois o hábito das visitas de estado já há muito que está consolidado. Sinal de proximidade política dos cidadãos? Talvez nem tanto… Com as visitas dos Sr.s presidenciais e ministeriais vai sempre uma comitiva alargada; percorrem os caminhos e visitam os espaços cuidadosamente limpos e ajeitados para a passagem decorrer da melhor forma possível, mostrando o que de melhor temos ou não temos na vida diária, dando a entender que parecemos melhor do que o que realmente somos. Todos somos assim, pelo menos um pouco, quando há visitas! Mas o excesso da imagem que se quer passar pode, precisamente, ocultar a dura realidade de todos os dias. Nessas passagens, muitas vezes também se juntam à festa o reverso da medalha: manifestações, bandeiras, reivindicações, mas também, na ausência de outra oportunidade, um excesso que desvirtua a mensagem sadia dos problemas diários…
2. Neste contexto a região da Madeira vive a fronteira e a intermitência da festa. Mensagens e recados serão cuidadosamente partilhados entre os dois senhores. Nas vésperas, o Sr. João encarregou-se de dar o timbre da elegância do momento, carimbando de “loucos” os que logicamente pretendiam a visita do Sr. Silva ao local mais emblemático da democracia madeirense, a Assembleia. A preferência do programa foi colocar essa conversa numa jantarada! O Sr. Silva já estava quase no avião de ida quando esta proclamação fora decretada pelo Sr. João. O fio sobre o qual caminha o Sr. Silva é estreito, e o Sr. João é que o tem na mão. Independentemente das qualidades e limites de qualquer político como de qualquer pessoa, e bem acima das virtudes e defeitos, ideias e obras de qualquer pessoa e linha político-partidária, é caricata demais a situação. Na óptica da essência “política” todo o pseudo-respeito dos “Sr.s” falseia a própria representatividade democrática, e o Sr. Silva parece refém do Sr. João. Não é bom para ninguém, cada coisa no seu lugar.
3. E depois diz-se que os cidadãos estão afastados e permanecem longe da realidade sociopolítica da comunidade. Talvez neste caso até permaneçam perto, a fim de ver e ouvir um certo humor feudal que, juntando aqui ou ali razões válidas e/ou questionáveis, muito mais tem de emoções fazendo borbulhar continuamente a terra (em) que o Sr. João põe e dispõe no “mapa” nacional. Seja como for, nenhuma obra realizada de nenhum regime que se quer democrático justifica visões autoritárias e substitutivas da inteira representatividade do povo que são as diversidades políticas presentes em Assembleia. O “Sr. Silva”, assim proclamado pelo Sr. João em tempos idos de frequente discórdia estratégica, parece subjugado e suas esforçadas palavras no fio da navalha espelham essa limitação da própria liberdade presidencial (?). Talvez (ou mesmo sem talvez), o Sr. Silva deveria exigir ao Sr. João que a obra mais importante destes dias seria a condigna recepção no espaço mais amplo da democracia madeirense. Ou (acima de tudo o resto) não será?

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 15 Abril , 2008, 11:56

Ser Presidente da República é muito complicado. Conviver com todos, democratas e não democratas, líderes e membros activos de todos os quadrantes políticos, gente educada e malcriada, serena ou agressiva, não é tarefa fácil. Ao Presidente da República foi vedada a entrada na Assembleia da Região Autónoma da Madeira, para a compreensível e importante sessão solene, com o intuito de evitar o confronto com “um bando de loucos”, no dizer do Presidente Alberto João Jardim.
Os comentadores, duma maneira geral, acusam o Presidente Cavaco Silva de passividade ou complacência face à ofensa que lhe foi dirigida. A ele e ao País, de que a Madeira faz parte integrante.
O Presidente tem de ser uma pessoa capaz de evitar problemas e polémicas, dadas as suas elevadas funções de Chefe Supremo da nação. Deve procurar estabelecer a paz e não alimentar a guerra. Nessa linha, talvez tenha razões para estar calado face à ofensa de que foi alvo. Mas estou convencido de que, nos lugares próprios, saberá dizer o que pensa sobre o assunto a todos os que o provocaram. Sem barulho e sem complexos.
FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 15 Abril , 2008, 11:20





Aveiro completará 250 anos de cidade em 2009. Foi em 1759 que o rei D. José elevou Aveiro a cidade, poucos meses depois de ter condenado ao cadafalso o último duque, acusado de ter participado no atentado contra o rei. Será que esta elevação a cidade correspondeu, de algum modo, a um arrependimento real pela condenação à morte do duque?
O que se sabe, de concreto, é que no dia 11 de Abril de 1759, o rei, “considerando a situação natural, povoação e circunstâncias que concorriam na vila de Aveiro e nos seus habitantes, e folgando pelos ditos respeitos, e por outros que inclinaram a sua real benignidade, houve por bem elevar a dita vila de Aveiro, notável por mercê filipina, à dignificante categoria de cidade”. (Calendário Histórico de Aveiro)
Deixando isso, penso que Aveiro tem de celebrar este aniversário com acções abrangentes, desde culturais e artísticas, até sociais, religiosas e desportivas. Importante será, a meu ver, envolver toda a população, nomeadamente os jovens. Porque é preciso mostrar o esforço dos nossos antepassados, numa luta constante pelo progresso a todos os níveis.
Festas, celebrações, concursos de vária ordem, exposições, cortejo etnográfico, jogos desportivos e arraiais populares, reedições de obras de autores aveirenses do passado, de tudo um pouco deve haver nas festas da cidade. Que hão-de ser feitas.
FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 15 Abril , 2008, 10:27

Neste último sábado, dia 12 de Abril, Bento XVI, numa mensagem dirigida ao Conselho Pontifício Justiça e Paz, reunido no Vaticano, com o fim de debater e analisar o tema “Desarmamento, desenvolvimento e paz. Perspectivas para um desarmamento integral” no mundo, dirigiu um forte apelo a todos os participantes, neste seminário, para que se caminhe na direcção do desarmamento global, construindo, em simultâneo, as bases para uma “paz justa e duradoura”.
“Renovo o apelo para que os Estados reduzam as suas despesas militares para o armamento e tomem em séria consideração a ideia de criar um fundo mundial destinado a projectos de desenvolvimento pacífico dos povos” – afirmou o Papa.
Mais adiante, Bento XVI salienta que “A produção e o comércio de armas estão em contínuo aumento e vão assumindo um papel decisivo na economia mundial. Há uma tendência para a sobreposição da economia militar à civil.”
Admitindo que cada Estado tem o direito à sua própria defesa, o Papa não deixou de referir que este direito tem que estar sustentado nos “princípios da “suficiência” e da “proporcionalidade”, tendo em conta os “perigos que o Estado corre, pelo que não é lícito qualquer nível de armamento.”
“Podem existir – observa o Papa – guerras desencadeadas por graves violações dos direitos humanos, pela injustiça e pela miséria, mas não se deve esquecer o risco de autênticas guerras do bem-estar, isto é, causadas pela vontade de expandir ou conservar o domínio económico em prejuízo dos outros.”
“No plano económico é necessário o empenho das autoridades para que a economia seja orientada para o serviço da pessoa humana e da solidariedade e não só para o lucro. No plano jurídico, os Estados são chamados a renovar o próprio empenho, em particular o respeito dos tratados internacionais, já em vigor, sobre o desarmamento e o controlo de todos os tipos de armas, bem como a ratificação e a consequente entrada em vigor dos instrumentos já adoptados” – adianta Bento XVI na sua mensagem.
O Papa pede esforços contra a proliferação de armas ligeiras e de pequeno calibre, “que alimentam as guerras locais e a violência urbana, e matam, demasiadas pessoas, todos os dias, no mundo inteiro”, terminando a sua comunicação com palavras de esperança: ”Chegou a hora de mudar o curso da história, de recuperar a confiança, de cultivar o diálogo, de alimentar a solidariedade perseguindo o caminho de “um humanismo integral e solidário.”
Já o secretário do CPJP, D. Giampaolo Crepaldi, frisou que, no decorrer dos trabalhos, foi repetida uma posição favorável ao uso do nuclear, desde que “para fins pacíficos”, ao mesmo tempo que os seus participantes se mostraram preocupados com os “sinais inquietantes”, surgidos nos últimos tempos, que fazem temer uma “militarização do espaço”.
Ainda ontem, dia 14 de Abril, partilhava, com os caros leitores, um texto com o título “ONU: QUE FUTURO?”, em que procurava fazer uma breve reflexão sobre o papel desta Organização no fomento da paz, da justiça e do desenvolvimento dos povos e do mundo, que, como escrevi na altura, deixa, a meu ver, infelizmente, muito a desejar.
No mesmo dia, a Agência Ecclesia transmitia-nos notícias relacionadas com os trabalhos, neste passado fim-de-semana, do Conselho Pontifício Justiça e Paz, no Vaticano, os quais, de algum modo, estão interligados com o texto que escrevi.
O mundo atravessa, a vários níveis, uma crise séria e profunda e a tendência parece ser a do seu agravamento. Os cristãos e os homens de boa vontade têm um compromisso com a esperança e o amor, do qual não podem abdicar nem responsabilizar só os outros.

Vítor Amorim




tags:

mais sobre mim
Abril 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9



30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds