de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 10 Abril , 2008, 23:07
Fiquei hoje surpreendido com a morte do Padre Fernandes. Eu sei que todos caminhamos para o fim da vida terrena e que o antigo prior da Vera Cruz, em Aveiro, já estava com idade avançada. Mas a morte, por mais esperada que seja, surpreende-nos sempre.
O Correio do Vouga trouxe-me a triste notícia, o que me levou a recuar no tempo, para recordar muitos encontros que ambos partilhámos ao serviço da caridade cristã e da solidariedade social. Ele na qualidade de presidente do Centro Social Paroquial da Vera Cruz, de que foi fundador, e eu dirigente da Obra da Providência e da delegação em Aveiro da União das IPSS.
O Padre Fernandes foi um sacerdote que se deu por inteiro à Igreja e ao Povo de Deus que espiritualmente lhe estava confiado. Contudo, ele foi, entre nós, um pioneiro da acção social, cuja faceta não pode ser ignorada. E com que entusiasmo se deu à causa das famílias e pessoas que mais precisavam, quando se confrontavam com situações difíceis.
Homem atento, disponível, sempre aberto ao diálogo, dificilmente, porém, aceitou a idade como limite para o serviço da Igreja. Um dia, com aquela alegria no rosto de todos bem conhecida, garantiu-me, com alguma vaidade, que era o decano dos párocos diocesanos. E quando eu lhe sugeri que tinha uma linda idade para descansar, ficou sério e, de dedo em riste, disse-me: “Isso nunca; estarei ao serviço da Igreja até morrer.”
Boa resposta, esta, do Padre Fernandes. Que Deus o tenha na Sua glória.
FM

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 10 Abril , 2008, 18:07
O PS manifestou-se disponível para ouvir a Igreja Católica sobre a nova lei do divórcio, em sede de comissão parlamentar, mas sublinhou que o projecto de lei apenas trata do casamento e do divórcio civil.
"Só estamos a tratar do casamento e do divórcio civil e tão-só", afirmou o líder parlamentar do PS, Alberto Martins, durante uma conferência de imprensa no Parlamento, onde foi apresentado o projecto de lei que os socialistas vão entregar hoje na mesa da Assembleia da República e que altera o Regime Jurídico do Divórcio.
Questionado sobre as críticas da Igreja Católica ao diploma, Alberto Martins assegurou que o PS "respeita a Igreja Católica e todas as outras Igrejas" e não recusará ouvir em sede de comissão parlamentar qualquer instituição que manifeste esse interesse.
"Se no âmbito da Assembleia da República se entender ser útil, não há objecções da nossa parte", acrescentou.
Na conclusão da Assembleia Plenária de Primavera, que decorreu em Fátima durante a semana passada, a Conferência Episcopal Portuguesa manifestou-se em relação às “as iniciativas legislativas referentes ao casamento e ao divórcio”, afirmando que se preocupa “com tudo o que fragiliza ainda mais a estabilidade social, que tem no casamento e na família o seu fundamento”.

Fonte: Ecclesia

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 10 Abril , 2008, 17:36

O Tempo da Vida

1. É com este tema «O Tempo da Vida – quantos somos, como seremos» que decorrerá nestes próximos dois anos o Fórum Gulbenkian de Saúde (http://www.gulbenkian.pt/). A opção temática elaborada pelo reconhecido neurocirurgião professor João Lobo Antunes, versando sobre a problemática do envelhecimento humano, é extremamente positiva e estimulante. Como se sabe, a preservação da dignidade da pessoa humana na designada “terceira idade” é temática que, de forma crescente, se reveste de uma premente preocupação social. Diante das fragilidades sociais de relacionamentos, das inconsistências ou ausências da família, a comunidade dos irmãos “mais velhos” sofre (ou sofrerá) a solidão que transforma esse tempo de vida em tempo negativo e pessimista, pois que o futuro se apresenta profundamente incerto diante do presente solitário.
2. Esta jornada de dois anos da FCG (Fundação Calouste Gulbenkian) merece toda a visibilidade pública na sociedade portuguesa (e europeia). Não unicamente pelo facto da presença de grandes especialistas mundiais. Mas apresenta-se como “antídoto” de reflexão necessária e urgente para, nas exacerbadas políticas emergentes do pragmatismo e economicismo, não chegarmos às ondas generalistas de “eutanásia” como solução prática para o “mistério (terminal) da vida”. Esse pragmatismo vazio vai alastrando pela Europa, e representa, no fundo, a concepção que afinal se tem da própria vida. Sobre estas e todas as questões do bem comum, “questões de cidadania”, é urgente a reflexão de qualidade deste género para (in)formar as mentes sociais e para iluminar, com o justo e ético discernimento, as decisões no caminho da dignificação humana.
3. Vidas que não se sentem amadas, no passar dos anos e no chegar das “rugas” do tempo, são vidas de pessoas que, diante do sofrimento humano, sentem-se sós. E na desumana faceta “produtora” das sociedades actuais, ao deixarem de produzir correm o perigo de se sentirem (ou serem colocadas) na margem. Este é um dos dramas que cresce, e tanto mais cresce quanto a (bem-vinda) longevidade aumenta mas em que a “presença” fraterna e solidária diminui. Uma vida que é construída nos valores da fraternidade e da família, na cuidada preocupação de “semear” o jardim dos afectos e da amizade, pode acreditar mais na esperança de acolher o carinho, a presença e o conforto, mesmo diante das maiores fronteiras do sofrimento.
4. Como resposta a uma certa “coisificação” actual da vida, a reflexão sobre a qualidade de TODO o tempo da vida, especialmente nas fronteiras do envelhecimento, é mais que uma reflexão, é preparar e oferecer uma luz para o caminho nas horas em que já não dependemos de nós. Há dias alguém estudado dizia que a facha etária que mais está na “margem” social são as gerações mais idosas (já as crianças são sempre mais amparadas…). Reflectir socialmente para actuar solidariamente, seja este um lema de vida com qualidade… Até ao “fim” sereno, natural e pacífico (que é ponte de passagem, numa esperança que deseja vencer a própria matéria. Já hoje…!)

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 10 Abril , 2008, 13:07




O Farol da Barra de Aveiro merece ser visitado. Sobretudo no Verão.
Clicar nas fotos para ampliar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 10 Abril , 2008, 11:35
Todos sabem que as telenovelas são atractivas porque nos enchem a nossa imaginação e nos fazem sonhar. Por isso, as televisões gastam rios de dinheiro com elas. Mas como sabem que os temas podem começar a cansar, logo procuram outros, que criem interesse junto dos telespectadores. Há dias, o tema mais escaldante, que deu pano para mangas, passando vezes sem conta nas televisões, foi o da luta entre uma aluna e uma professora por causa de um telemóvel. Foi de tal monta o interesse que houve debates, reportagens, inquéritos, notícias, artigos de opinião, etc. etc... Como foi assunto que deu leitores, ouvintes e telespectadores, há que repetir a dose. Agora com o vídeo de umas jovens a sovar uma colega, para passar, depois, no You Tube. Não é verdade que crime atrai crime? Não é verdade que alguns crimes, à força de tanto serem vistos, podem suscitar outros em cadeia? Os comportamentos, por reflexo, não podem multiplicar-se? Pois aí os temos.
FM

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 10 Abril , 2008, 11:30

Com uma lógica muito mais pertinente do que a da batata, a ONU proclamou 2008 como Ano Internacional da Batata (além de Ano Internacional do Planeta Terra).
Parece estranho escolher um alimento para focar nele as atenções, mas o que acontece é que uma boa parte da humanidade sofre de desnutrição, pelo que a ONU quer sublinhar que a batata tem “potencial para vencer a fome”. Vejamos: algumas das 5000 variantes da batata produzem-se em locais onde a terra é reduzida e pouco fértil; a batata requer relativamente pouca água (ao contrário do arroz e de outros cereais); 85 por cento do seu peso é comestível (50 por cento para a maior parte dos cereais); é um alimento muito nutritivo.
Estimando-se que nos próximos 20 anos a população mundial aumente 100 milhões de pessoas por ano, a batata pode desempenhar o importante papel de fornecer sustento sem delapidar o ambiente.
Como o objectivo da declaração dos anos internacionais é, em primeiro lugar, sensibilizar o público, aqui fica um alerta. Quando trincar um destes tubérculos que veio dos Andes (cordilheira da América do Sul), lembre-se que é um alimento em que o mundo põe grande esperança.

J.P.F.
Fonte: Correio do Vouga

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 10 Abril , 2008, 10:58

Neste passado domingo, dia 6, o tempo estava primaveril e eu e a minha mulher, com mais quatro casais amigos, decidimos desfrutar da tarde, amena, com um piquenique à mistura, conversando das coisas correntes da vida de cada um.
A dada altura, o Jorge refere que o calor que se faz sentir é de mais para a época do ano e que vai fazer mal a algumas culturas que tem no seu quintal.
- A continuar assim, amanhã, já vou ter que ir regar e não me convinha nada, pois estou cheio de trabalho. Pode ser que chova, amanhã – acrescentou.
O Luís, adianta que se prevê, a partir de segunda-feira, chuva, coisa de que ele não gosta muito, mas que para o Jorge era um bom sinal.
- Isso é mesmo verdade? – questiona, pouco convencido, o Jorge.
O Balseiro, disse que tinha combinado, para o dia seguinte, ter lá em casa um empreiteiro, para umas pequenas obras de reparação de um beiral dos arrumos e, se chovesse, teria que cancelar tudo.
O Paulo, o único agnóstico do grupo, juntamente com a sua esposa, culto, sadio provocador em questões religiosas, mas com uma grande dimensão espiritual e de generosidade, vira-se para mim, a sorrir, e diz-me:
- Vítor, lá tens que falar com o teu Deus para ver se Ele consegue safar o pessoal todo!
Virado para o Paulo, mas com todo o grupo a ouvir, disse-lhe que na Igreja Católica não temos deuses feitos por medida nem ao gosto dos crentes. Há um Deus único, que nos ama a todos, que não faz distinções entre homens e dá a estes plena liberdade para optarem pelas acções que melhor acharem para a sua vida e muito menos é um gestor de interesses particulares.
Desiludam-se se acham que o Paulo ficou calado. Não, não ficou. Não é hábito nele.
Como o Paulo é um homem culto e sabedor, começou a falar de toda uma série de práticas que, segundo ele, são correntes na Igreja Católica, como sejam as promessas do tipo “dás-me aquilo e eu dou-te isto”, passando pelos vários humores que temos, enquanto cristãos, na nossa relação pessoal com Deus, indo buscar exemplos do género: “Se a vida vos corre bem, Deus é bom. Se a vida vos corre mal perguntam que mal fizeram a Deus para serem castigados, logo Deus é mau, e isso é decidido por vós.”
Pouco depois, a conversa terminou e a comida e as bebidas, descontraidamente, chamavam por nós, o que muito nos confortou para o convívio poder continuar.
Uma conversa, banal e fortuita, sobre o estado do tempo e as expectativas que cada um tinha sobre o mesmo, para dia seguinte, de acordo com as suas necessidades, revelava até que ponto somos frágeis na nossa fé e nos esquecemos do Criador.
Entre o sol para uns e a chuva para outros, senti que se caminhava, ali, naquela hora, mais depressa para a manipulação de Deus do que para a compreensão do semelhante.
As dificuldades que os homens sentem em adaptarem-se a Deus são imensas, pelo que, alguns, estão sempre prontos a tentar ver se Ele se adapta a eles, mesmo não o pensando. A tentação é grande e só não o sabe quem ainda não a experimentou.
Durante alguns minutos, só se ouvia a minha voz e a do Paulo. Nem ele nem eu chegámos a saber o que o restante grupo pensava.
“Não vos inquieteis com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã já terá as suas preocupações. Bem basta a cada dia o seu trabalho” (cf.: Mt 6,34).
Seria nisto que o restante grupo estava a pensar? E nós, no que pensamos?

Vítor Amorim
tags:

mais sobre mim
Abril 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9



30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds