de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 08 Abril , 2008, 19:43

“O Lago Azul”

Ler é um prazer. E quando as leituras incidem sobre livros bem escritos, em toda a linha, então o prazer sai redobrado. Mais ainda: quando se trata de bons romances históricos, na minha óptica, que não passo de um leitor comum, maior é o prazer de ler.
Depois destes condimentos, que à partida garantem um gosto enorme, “O Lago Azul”, de Fernando Campos, não podia deixar de me levar até ambientes de tempos que já lá vão, há muito, com guerras e interesses de toda a monta a traçarem destinos de nações e pessoas. Pessoas que na altura ditavam leis, quantas vezes bélicas, que envolviam, naturalmente, a arraia-miúda. E os portugueses, neste caso, derrotados cá por casa, por lá andavam, quais mercenários, servindo senhores ao sabor de quem melhor pagava.
O primogénito de D. António, Prior do Crato, casa na Holanda com uma princesa. Um católico casa com uma calvinista, por amor. Mas depois…
Depois, a filha mais velha, Maria Bélgia, que também casou por amor, ao sentir-se traída pelo marido, vinga-se. O fio do romance, entretecido na história da época, fica para quem gostar de ler.
Só mais uma consideração: Os romances são, reconhecidamente, os melhores retratos dos que construíram a história das nações e dos povos. Neste caso, os leitores ficam com uma ideia interessante e mais ou menos conhecida: os portugueses andaram mesmo por todo o mundo, ao sabor do vento que lhes convinha, é certo, mas também aderindo a jogos contraditórios, nem sempre compreensíveis.

FM

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 08 Abril , 2008, 16:30




Para os mais saudosos, mas também para os curiosos.
Clicar nas fotos para ampliar

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 08 Abril , 2008, 15:52



E o lugar das grandes questões?

1. São as grandes perguntas que conduzem às grandes respostas. Frequentemente, em trabalhos com as mais novas gerações, deparamo-nos com um “sinal” destes tempos: muitas vezes estamos tão preocupados e preparados em dar as grandes “respostas”, todavia, a perguntas que nem sequer existem… Quantos caminhos de possíveis e urgentes reflexões a serem realizadas não partem do ponto de partida? Quantas oportunidades perdidas (ou pelo menos adiadas) em darmos passos adiante naquilo que é o reflectir para desenvolver mais e melhor a qualidade de humanismo, de valores, das relações, da própria democracia em pluralismo, e, em última (e primeira instância), do próprio sentido da vida?!
2. A par da resposta de que “não há tempo”, a onda vai mais no sentido das “coisas” que da ordem do pensar as grandes questões do nosso tempo. De quando em quando, isso sim, quando uns “safanões sociais” lideram as notícias, então aí apercebemo-nos de que temos de construir alicerces…mas logo tudo passa! Das coisas mais alarmantes quanto ao futuro, algo talvez nunca visto (até porque as “juventudes” são fenómeno recente na vida das sociedades), é um vazio “à deriva” em termos de ideias e práticas. É um facto preocupante que, para além de haver sempre uma elite solidária esforçada em causas (claro!), a “grande massa” recebe pouco dessa chama e vive uma indiferença aprendida também por gerações precedentes e pelos “fáceis” modelos sociais reinantes.
3. O próprio valor das palavras vai-se abrindo a novas dimensões, e mesmo aquilo que era o “entretenimento” há uma década, hoje, em determinados quadrantes de vidas, ocupa um lugar não periférico mas é centro da vida. Como que a “brincar”, as coisas vão mudando, e caminhando para a superficialidade do não se perguntar sobre os “grandes porquês”. Dizemo-lo sem pessimismos…como se o “antes” fosse sempre melhor; falamos com realismo preocupante no sentido de que parece que tardamos a compreender que os problemas deste século XXI não são tecnologias nem ciências, são sim “relacionamentos”. Ou será que só na tempestade dos “11 de Setembro” despertamos para além do visível?...
4. Enquanto não conseguirmos criar uma “ponte” que ilumine de referenciais estimulantes a “massa social” em torno das grandes questões (que são culturais e éticas), o tempo da vida fica aquém, ou vai-se mesmo distanciando, de um ideal de fraternidade; valor este proclamado no estado de direito há mais de dois séculos, mas só numa iluminação superior de há bem mais séculos é que se pode inspirar, compreender e viver. As grandes questões têm de existir, se não existem têm de se provocar. A fim da apatia anémica não triunfar. Afinal, é o desígnio de uma sociedade aberta, participativa e solidária, o decisivo teste às juventudes de hoje!

Alexandre Cruz


Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 08 Abril , 2008, 12:59
Na Biblioteca Municipal de Aveiro, 17 de Abril




O Grupo Poético de Aveiro vai homenagear, no próximo dia 17 de Abril, quinta-feira, pelas 21.45 horas, na Biblioteca Municipal de Aveiro, o Padre António Vieira, com uma comunicação de Joaquim Correia.
Sublinha o Grupo Poético que se trata de uma homenagem a “um homem notável”, que foi, “para além de um orador sacro e fiel à sua condição de jesuíta”, um missionário e defensor dos fracos, “combatendo a sua exploração e escravização”. Ainda “lutou pela abolição da distinção entre cristãos-novos e cristãos-velhos, entrando em conflito com a Inquisição”. Morre a 18 de Julho de 1697, com 89 anos, no Brasil.
O Grupo Poético de Aveiro lembra, no convite que dirige a toda a gente, que Fernando Pessoa o considerou o “Imperador da Língua Portuguesa”.
Entrada livre.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 08 Abril , 2008, 11:53

Uma colecção do Capitão Marques da Silva enriquece, desde sábado, o acervo do Museu Marítimo de Ílhavo e pode ser visitada até 27 de Abril. Não pude estar presente na sessão de abertura, como era meu desejo, por razões pessoais ligadas a uma outra actividade, marcada há muito tempo, mas nem por isso quero deixar de frisar a importância desta exposição, que hei-de ver por estes dias.
Há muito que aprecio o envolvimento do Capitão Marques da Silva em actividades culturais ligadas ao mar, de que é profundo conhecedor e grande divulgador, por várias formas. Por isso, esta colecção não pode deixar de ser apreciada por quantos, de algum modo, se identificam com os temas marítimos.
Diz Álvaro Garrido, director do Museu, que “As peças de sua [Capitão Marques da Silva] autoria que agora confiou ao Museu Marítimo de Ílhavo exprimem talentos diversos que acrescentam ao seu curriculum de mar as facetas de modelista exímio e de pesquisador metódico, sempre preocupado com o alcance pedagógico dos seus modelos, desenhos e estudos de carácter monográfico sobre embarcações tradicionais”. Por tudo isto, não deixe de passar pelo Museu de Ílhavo.
FM
Nota:Ilustração do "site" do Museu Marítimo de Ílhavo

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 08 Abril , 2008, 11:22

Que Augusto Brázio é um fotógrafo fabuloso já o sabíamos. Diante da difícil prova que é fotografar um rosto ele sai quase sempre vencedor. E eu diria que é porque não o quer capturar. Mesmo próximos, os rostos mostrados por Brázio, mantêm a sua distância e reserva. Olham para nós, mas a partir do que lhes é próprio. Por isso, nunca são planos, nem banais. Porém, mesmo sabendo isso, a fotografia com que ele acaba de ganhar o prémio fotojornalismo de 2008, tirou-me, por momentos, a respiração. Sem perceber como, os olhos já estavam embaciados, e o tempo corria sem que eu tivesse coragem de passar à notícia seguinte.
A legenda da imagem diz: «O INEM presta assistência a uma mulher de 19 anos cujo terceiro filho acaba de nascer em casa. Lisboa, Fevereiro de 2007». «A mulher de 19 anos» é uma rapariga de um dos bairros pobres da capital, estendida numa maca de ambulância, a cabeça reclinada ao lado direito, presa a uma máscara de oxigénio, enquanto abraça com delicada firmeza o seu recém-nascido. Ela tem uma camisola ou um roupão rosa e o filho está (como o Outro Filho, de que reza a história) «envolto em panos», de cor azul.
Quem já contemplou uma «Madona con il Bambino», de Rafael, Boticelli ou de qualquer um dos grandes mestres já viu tudo o que aqui tem diante dos olhos. O mesmo grito impávido, um inenarrável desamparo, o mesmo abraço fragilíssimo e poderoso àquele que gerou. E a certeza de que nenhuma história é mais humana e mais sagrada do que esta. Mas, nem por isso, perante esta fotografia nos deixa de sobrevir uma vontade de chorar.
Portugal é um país estranho. As estatísticas dizem que o número de pobres não deixa de crescer, e o desnível económico entre os grupos sociais é um dos mais altos entre os países da Comunidade. As notícias sobre compensações e reformas milionárias chocam-nos cada vez mais remotamente. A euforia de um liberalismo arcaico, travestido de modernidade, aparece como receituário. E a inconsciência social ganha espaço como se fosse uma fatalidade. A imagem de Augusto Brázio vale por milhares de palavras.

José Tolentino Mendonça

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 08 Abril , 2008, 11:13

Um balanço de Guilherme d'Oliveira Martins

Suceder a João Paulo II seria sempre uma tarefa muito difícil. Está bem presente nas nossas retinas o exemplo do Pontífice peregrino, interveniente e activo (mesmo na doença), sobretudo preocupado com as tarefas pastorais. Não poderemos, porém, fazer uma apreciação das realizações actual Papa com base numa comparação – quer pela longa duração do anterior pontificado, quer pela diferenciação de prioridades de duas personalidades tão diferentes. Também não deveremos centrar-nos no confronto entre expectativas e concretizações, uma vez que há uma claríssima distinção entre as funções anteriores do Cardeal Ratzinger, na Congregação para a Doutrina da Fé, e o magistério do Sumo Pontífice.
:
Clique aqui para ler todo o texto
tags:

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 08 Abril , 2008, 10:47
A 8 de Abril de 2005, dia em que se celebraram as solenes exéquias do João Paulo II, Roma tornou-se, por algumas horas, a capital espiritual de todo o mundo.
O balanço possível do seu pontificado ainda está por fazer e só o tempo, com a sua sabedoria e paciência, se encarregará de dar respostas para as tantas perguntas que se fazem sobre esta figura ímpar da história da Igreja e do mundo.
Muita gente, ainda hoje, continua a interrogar-se sobre o que é que aquele homem tinha para ser admirado, respeitado e atentamente escutado por tantos milhões de pessoas, independentemente das suas religiões, das suas opções políticas, da cor da sua pele, de ser jovem ou idoso, rico ou pobre.
Nunca, como no seu funeral, tantos Chefes de Estado, de Governo, Reis, Príncipes e líderes Religiosos se juntaram, num mesmo lugar, para prestarem homenagem a uma só pessoa.
E que dizer do povo anónimo que, de todas as partes do mundo, literalmente, invadiu a cidade de Roma, como nunca ninguém tinha presenciado até aí?
Porquê tudo isto? Qual o sentido deste tipo de comportamentos? O é que é que eles podem acrescentar à vida futura do homem? Afinal, será que podemos aprender alguma coisa com o que foi a vida e a morte de João Paulo II?
O filósofo e historiador inglês Christopher Dawson (1889-1970) tem uma afirmação que diz: “Para mudar o mundo, ao cristão, basta sê-lo”, não me parecendo abusivo dizer que, por o ser, João Paulo II era um dos grandes protagonistas pelas transformações que se estavam a passar no mundo.
Ultraconservador para uns, sobretudo em questões de moral e costumes, ou demasiado progressista, para outros, pela maneira exagerada como incentivou o diálogo ecuménico ou o diálogo inter-religioso, João Paulo II não foi um homem que procurasse a falsa unanimidade, sempre estéril e perigosa. Procurava, isso sim, construir pontes e derrubar barreiras, para que, deste modo, os homens bons se aproximassem uns dos outros e, nas suas legítimas diferenças, pudessem encontrar aquilo que os unia, o amor, a paz e o bem de toda a Humanidade.
Entrou em sinagogas, vergou-se no Muro das Lamentações, rezou com budistas, muçulmanos, chefes índios e africanos, como se sentisse a obrigação de ser o primeiro a dar testemunho daquilo em que acreditava. Não excluía ninguém. Todos não eram demais!
Dalai Lama percebeu muito bem o que movia aquele Papa e disse que o louvava pela vontade de “ajudar a Humanidade através da espiritualidade.”
Nessa manhã, do dia 8 de Abril de 2005, naquela urna de cipreste, estava um homem que tinha feito do seu poder espiritual a sua grande força, a tal força que os chamados poderosos e líderes políticos mundiais não têm para oferecer.
Do dia 2 ao dia 8 de Abril de 2005, em Roma e por todo o mundo, os milhões e milhões de pessoas do povo anónimo, que sofre e é esmagado nos seus direitos fundamentais, estiveram, sempre, enviando mensagens claras aos chamados senhores do mundo e que eu me atreveria a interpretar assim: Aquilo que mais precisamos vocês não nos podem dar. Contudo, este homem devolveu-nos a esperança de que é possível reaver este valor essencial: o valor da dimensão espiritual do homem, através da qual se busca a verdade e a justiça para todos. Isto não se compra com o vosso dinheiro e poder e não se disfarça com o consumismo que teimam em oferecerem-nos.
Tal há três anos, esta mensagem de esperança tem que continuar a fazer-se ouvir no mundo, para que este nunca esqueça que existem homens bons – ontem, hoje e sempre!
Vítor Amorim
tags:

mais sobre mim
Abril 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9



30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds